domingo, 30 de outubro de 2016

Liberdade


Há dias, a propósito de um comentário feito ao ressurgimento de um comentador azedo, e de outros que o emulam, fui crismado de "comuna" para cima, nuns blogues de seita.

Agora, porque disse o que pensava sobre as "liberdades" em Cuba, caiu sobre mim, em páginas do Facebook, um ror de insultos, em que o de "reacionário" foi o mais benévolo.

Pensar pela própria cabeça tem um preço, mas é muito agradável, podem crer.

2 comentários:

Anónimo disse...

Durante a ditadura do Pinochet, havia constantemente conflitos nas ruas, com os estudantes. Era uma ditadura mas tinha espaço para contestação pública. E tanto assim era que acabou por haver eleições, o velho perdeu e saiu.

Na ditadura cubana, não há nada disto. Há apenas miséria, presos políticos e refugiados. E uma família que se perpetua no poder.

O Pinochet era um monstro; com o Castro, tira-se fotografias...

Jaime Santos disse...

Se ambos os lados o detestam, Sr. Embaixador, alguma coisa deve andar a dizer e a fazer direito...