segunda-feira, 5 de setembro de 2016

"Out of Africa"

O nosso embaixador naquele país africano de língua portuguesa ficou preocupado com as consequências que a declaração solene daquele alto responsável político local pudessem vir a ter nas relações com Portugal, que, desde há algum tempo, atravessavam um momento menos bom. 

O político, num contexto formal, a que a comunicação social dera forte destaque, recomendara aos concidadãos que se abstivessem de se deslocar a Portugal, nomeadamente em férias e, se possível, também em negócios. O nosso país era referido como "hostil" e "não recomendável" para os cidadãos dessa ex-colónia. 

Que significado isso tinha? Haveria algumas medidas que pudessem vir a afetar a TAP? Ou os negócios? As coisas não ficavam claras. E o embaixador, ao encerrar o expediente na embaixada, nessa sexta-feira, deve ter pensado para consigo mesmo: vamos para fim de semana e depois logo se vê, na velha lógica de que o tempo, às vezes, acaba por resolver as coisas.

No sábado de manhã, nesse tempo em que não havia telemóveis, o telefone retiniu na residência do embaixador, a minutos de ele partir para a praia. Era um seu colaborador. "Lá temos chatice!", deve ter pensado, também na consabida (e sempre confirmada) regra de que a maioria dos problemas nas embaixadas "caem" nos fins de semana.

Do outro lado da linha telefónica, a voz "sorridente" do diplomata júnior que o chamava sossegou-o. O jovem pretendia apenas informar o embaixador de que, bem cedo nessa manhã, lhe haviam batido à porta, solicitando com urgência um visto de entrada em Portugal, no passaporte diplomático de uma senhora, mulher de um importante político, que desejava deslocar-se nesse mesmo dia a Lisboa. O curioso é que a senhora era, nada mais nada menos, do que a mulher do político que, menos de 24 horas antes, recomendara um feriz "boicote" à terra lusa. Ironias...

Há pouco, na livraria do Apolo 70, lá estava ele, o político, de iPhone no ouvido, em traje estival, com alguns "bodyguards", a folhear as últimas edições. Lisboa é uma bela cidade para férias e negócios, não é?, tive vontade de perguntar-lhe...

2 comentários:

A Nossa Travessa disse...

Chicamigo

Apesar dos "bodygards" (prefiro guarda costas), eu... perguntava

Abç do Leãozão

Anónimo disse...

Cenas dessas era o dia a dia também no meu tempo
Fernando Neves