quinta-feira, 15 de setembro de 2016

O chato

Na minha terra, dir-se-ia que aquele embaixador "não se enxergava". 

Verdade seja que, desde o primeiro momento, havia feito um esforço para garantir contactos ao mais elevado nível do ministério dos Negócios estrangeiros do país onde estava acreditado. Em si mesmo, era meritório que procurasse estabelecer um bom "networking". Só que não havia percebido que o país que representava tinha escassa importância para o Estado que o acolhia. Por isso, mandava o bom senso que utilizasse esses contactos com grande parcimónia, guardando tais vias pessoais para momentos importantes para os interesses do seu país, não banalizando o recurso aos seus muito ocupados interlocutores.

Estes, depois de uma primeira e simpática abertura, logo perceberam que o "chato" do embaixador não lhes "desamparava a loja" e, claro, começaram a mostrar-se renitentes às frequentes visitas, a declarar-se em permanência em reunião, para crescente desespero do homem. Ao fim de alguns meses, aquilo que havia sido uma lista interessante de contactos passou a não ter a menor utilidade.

Um dia, o nosso homem tinha, de facto, uma "emergência", um pedido do seu governo para efetuar uma diligência a um nível elevado. Tentou um desses seus contactos, um poderoso diretor-geral, mas este, "escaldado", disse-se sem agenda para o receber. A questão era mesmo importante e o embaixador sentia-se impotente. Porém, o máximo que o ministério lhe ofereceu foi um encontro com o jovem funcionário que se ocupava do "desk" geográfico da região em que o país se inseria. São, em geral, de diplomatas muito jovens, a quem cabe tomar notas do que lhes é dito, num mero "listening mood", sem autorização para emitirem grandes opiniões. Ora estes comentários, aquando de uma "démarche", são relevantes, configuram as primeiras reações oficiais do país contraparte, que se torna interessante comunicar de imediato às suas autoridades. Era quase uma humilhação, mas o embaixador estava apenas a beber o fel que ele próprio tinha preparado.

E, assim, no dia aprazado, lá se viu obrigado a encontrar-se com um jovem terceiro-secretário que, simpático e de bloco-notas, tomou boa nota do que lhe era dito. O jovem tinha vindo buscá-lo à portaria e, acabada a conversa, preparava-se para reconduzi-lo à saída. O embaixador, contudo, disse não ser necessário: conhecia bem o caminho e iria tomar o elevador. Ele que não se preocupasse em acompanhá-lo. O rapaz anuiu, despediu-se e viu o embaixador caminhar para a saída.

Isso era o que ele pensava! O nosso homem, dobrada a esquina do corredor, com o auxílio da memória de anteriores visitas ao ministério, havia decidido procurar o gabinete do tal diretor-geral, que se declarava persistentemente "ocupado". Fingindo estar ali "de passagem", fez uma visita ao "amigo", abrindo a porta do respetivo gabinete, interrompendo uma reunião que aquele estava a ter.

A partir daqui, as versões divergem, desde o relato de um encontro cordial, em tom benévolo, dado pelo embaixador, embora reconhecidamente sem qualquer utilidade profissional, até uma leitura dos factos um pouco menos agradável, que fou a que se espalhou nos meios diplomáticos locais, segundo a qual o diretor-geral terá tido palavras menos simpáticas, e até alteradas, face ao que entendeu ser o abuso cometido, encarregando de imediato um seu colaborador de reconduzir o diplomata estrangeiro à portaria do ministério. Esta segunda versão parece um pouco mais consentânea com as instruções rigorosas que foram dadas, e logo conhecidas "urbi et orbi", para que aquele embaixador nunca mais pudesse dar um passo desacompanhado quando lá voltasse.

O voluntarismo insensato de um embaixador pode fazer muito mal ao trabalho de uma embaixada. E é irrecuperável, pelo menos até chegar o seu substituto.

1 comentário:

Anónimo disse...

pode ser mais culpa deste seu leitor do que sua

mas o inicio parece ter uns toques abrasileirados, com os eles e os havias ...

nada que importe em demasia