quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Mário Vilalva


Mário Vilalva despediu-se ontem, durante o dia nacional do Brasil, dos seus amigos portugueses. Imagino que tenham sido muitos os que foram dizer adeus à Vânia e ao Mário, na receção organizada na embaixada. Digo "imagino" porque, por um destes azares que as minhas ocupações de reformado me criam, tive um compromisso simultâneo inadiável que não me permitiu lá estar, como muito desejaria. E digo "muitos" porque conheço muito bem a excecional marca que este embaixador brasileiro deixou em Portugal.

Ser embaixador do Brasil em Portugal, ou vice-versa, é, além de uma exigente profissão de Estado, uma "arte". A intensidade do relacionamento bilateral pode criar a ideia de que se trata de uma função regida por regras óbvias, que tudo se passa com a naturalidade de uma "lua-de-mel" diplomática. Puro engano! Muitas vezes, somos mais exigentes com a "família" do que com os amigos e, também por isso, esta é uma "special relationship", como se diz noutras paragens. Se um dia me der para escrever sobre isto, é um longo volume...

Conheci o Mário quando cheguei ao Brasil, onde ele chefiava então o departamento de promoção comercial do Itamaraty. O seu trabalho era elogiado "urbi et orbi". Esteve depois no Chile, uma relação bilateral importante, antes de aportar por aqui, um país onde já tinha estado no início dos anos 90 e onde sempre se sentiu "como peixe na água". Pude testemunhar, em diversos círculos, como era escutado, respeitado e, o que é mais importante, como conseguiu ser a voz prestigiada do Brasil, num tempo nem sempre fácil para a imagem externa do seu país. O Mário Vilalva foi um exemplar embaixador brasileiro em Portugal.

Adeus, Vânia e Mário. Vamo-nos vendo por aí!

2 comentários:

Portugalredecouvertes disse...


Parece ser uma boa pessoa :)))

Um admirador disse...

Merecido artigo.