segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Moniz Pereira

Já quase tudo foi dito, nas últimas horas, sobre Mário Moniz Pereira, essa grande figura de sportinguista e do atletismo português. E, curiosamente, também da música portuguesa, onde assinou alguns grandes êxitos. Moniz Pereira morreu ontem.

Nunca tive o ensejo de conhecer ao vivo aquele sorriso simpático de homem que dava ares de estar de bem com a vida, pelo que quero apenas recordar algo de que muito dificilmente alguém se lembrará nas notas necrológicas produzidas nestas horas. 

Em 1974/75, no auge da Revolução, surgiu entre nós uma vaga de "associações de amizade" entre Portugal e, em grande maioria, países socialistas, da URSS a Cuba ou Angola. Os partidos maoístas tomaram conta do seu "pelouro" (China, Albânia, Coreia do Norte). Nos restantes, se bem me lembro, foi a intectualidade à volta do PCP (militantes ou "compagnons de route") que esteve na origem dessas estruturas, que pretenderam alargadas a outras áreas da esquerda. Eu próprio, que à época estava bastante distante do PCP, integrei a direção da Associação de Amizade Portugal-Polónia, com Luiz Francisco Rebelo, Jacinto do Prado Coelho, Jorge Peixinho, Maria Lúcia Lepecky e Carlos Eurico da Costa.

Não tenho a menor indicação sobre qual era a orientação política de Mário Moniz Pereira, mas posso presumir que, com toda a legitimidade, não se revisse no proselitismo esquerdizante daquelas áreas. É que um dia, Moniz Pereira surgiu, numa inesperada conferência de imprensa, a anunciar a criação de uma "Associação de Amizade Portugal-Portugal". Percebi a "mensagem", justificada pela necessidade de tentarmos gostar mais de nós mesmos e que funcionava como um irónico contraponto aos ventos então dominantes. Era precisa alguma coragem para surgir a público com essa proposta, apreciando ou não o caráter ligeiramente provocatório da mesma. A partir desse dia, passei a ter muito maior consideração por Mário Moniz Pereira.

Sem comentários: