quinta-feira, 21 de julho de 2016

O humor de um político


Ontem, contei por aqui um exercício de humor falhado de um dirigente europeu. Alguém me perguntou sobre se, na política portuguesa, tinha testemunhado alguma "gaffe" similar. Fiquei a pensar e lembrei-me de um episódio algo embaraçante.

Era um jovem e promissor político. O seu sentido de humor raiava o zero, mas isso não o impedia de ser tentado frequentemente à graçola, às vezes mesmo brejeira. Um dia, irrompeu pela sala onde estava o seu chefe de gabinete, sentado à secretária, tendo à sua volta, de pé, por uma rara coincidência, uma meia dúzia de assessores e adjuntos. Surpreendido pelo "ajuntamento", em modo risonho, o político inquiriu:

- Mas então o que é que vem a ser isto?

Um dos presentes, tentou uma graça, sugerindo uma "explicação" para o facto de estarem todos à volta do chefe de gabinete:

- Estamos aqui numa espécie de adoração ao "menino", como no presépio...

O jovem político, agarrou a piada e não se fez rogado:

- E quem é a vaca?

Um súbito silêncio abateu-se sobre a sala. É que, no seio daquele grupo, só havia uma senhora...

O político, com a mesma rapidez com que fizera o despropositado comentário, percebeu a "gaffe". Mas o orgulho era superior à decência do arrependimento. E, sem uma única palavra mais, saiu da sala, deixando atrás de si um ambiente pesado e nervoso.

3 comentários:

disse...

eu ter-me-ia desmanchado a rir :))
hahahah

Anónimo disse...

Já agora, eram Tempos de "Vacas Gordas ou Magras"?

Isabel Seixas disse...

Sim , de qualquer forma se quisesse fugir ao óbvio tinha que perguntar quem era o burro e o enigma era maior... uma piada diferente claro...