sexta-feira, 15 de julho de 2016

David Davis


"És um péssimo exemplo para os meus funcionários", disse-me David Davis, com uma gargalhada franca e simpática, quando o encontrei em Bruxelas, nesse dia 30 de outubro de 1995, recém-empossado, 48 horas antes, como secretário de Estado dos Assuntos europeus. Desde maio desse ano que eu o encontrava regularmente nas reuniões do "grupo de reflexão" europeu, criado para rever o Tratado de Maastricht, onde Portugal era representado por André Gonçalves Pereira, sendo eu o representante "alternante".

David Davis era o "minister" para a Europa, no "Foreign Office". No governo do Reino Unido, "minister" significa secretário de Estado e "secretary of state" significa ministro. Eu passara a ser colega de Davis, coisa que, para ele, fora uma imensa surpresa (para mim também, confesso). Porquê? Porque naquele país só pode assumir funções governativas quem é membro do parlamento, na Câmara dos Comuns ou dos Lordes. E eu tinha chegado ao governo depois de ser simplesmente diretor-geral adjunto para os Assuntos europeus. Daí a "graça" sobre os funcionários britânicos, a quem eu poderia induzir "más" ideias...

Tive uma excelente relação com David Davis, um homem inteligente, preparado, mas um feroz eurocético. Sempre o achei fisicamente parecido com Paulo Sande, embora entre os dois haja um mundo de diferenças no tocante à Europa. Deixou o lugar em maio de 1997, quando os trabalhistas chegaram ao poder. Um dia, tendo ido a Londres a seu convite, fomos entrevistados em conjunto na BBC, nuns estúdios próximos do parlamento. Aquilo que parecia ir ser uma conversa suave acabou por se transformar num debate onde foram muito notórias as clivagens entre os governos português e britânico, no tocante às questões europeias que à época estavam mais em evidência. À saída, Davis, sempre a sorrir mas um pouco a sério, deixou cair: "Se eu soubesse que ias discordar tanto de mim, não tinha organizado esta entrevista!"

David Davis atravessou os anos Blair nos governos "sombra" dos conservadores, tendo chegado a assumir a presidência do partido, um lugar "senior" mas pouco importante na real hierarquia política dos "tories". Tenho uma vaga ideia de que tentou ascender à liderança conservadora, tendo falhado nesse propósito. 

No governo ontem apresentado por Theresa May, Davis assume um lugar com uma designação única: "Secretary of State for Exiting the European Union". Conhecendo-o, sabendo da sua desafetação pelos ideais europeus, da sua profunda desconfiança face à máquina bruxelense, acho que se vai divertir imenso, ao caber-lhe o desmantelamento da relação de Londres com o continente integrado.

Só não lhe desejo "good luck" porque não sei - nem ninguém sabe - se isso é compatível com a defesa dos nossos interesses. A ver vamos, como diz o cego.

2 comentários:

Anónimo disse...

Uma dúvida:
Na (excelente) série "Yes, Minister" o protagonista Jim Hacker era tratado como "minister".
Isso correspondia a Sec Estado ou a Ministro ?

Levanto estaq questão pq ele é depois promovido a 1ºministro, dando origem a sequela "Yes, Prime Minister".

cumprimentos,
Fernando Tareco

ignatz disse...

"Tive uma excelente relação com David Davis, um homem inteligente, preparado..."

o independent de ontém diz o contrário, chamam-lhe nabo e mal preparado.
http://www.independent.co.uk/news/uk/politics/minister-for-brexit-davis-davis-eu-european-union-germany-single-market-trade-deals-unaware-mistake-a7136121.html