terça-feira, 12 de julho de 2016

As esperanças

Vi-o há dias. Ele não me viu. Caminhava por uma rua de Lisboa. Inteligente, culto, com boa capacidade expositiva em várias línguas, razoável escrita e dedicação ao trabalho. E, contudo, teve uma carreira diplomática com alguns flagrantes insucessos. Porquê? Por falta de bom-senso, que o levou a multiplicar as incompatibilidades, a ter atitudes impensadas e insensatas, a dizer coisas inconvenientes no lugar errado. Como consequência, esteve colocado em postos que sofreu como injustos, onde não se sentiu bem e, claro, onde a sua "performance" se ressentiu desse mesmo mal-estar. O que o conduziu a novos atos que acabaram por afetar o seu currículo. E a criar-lhe uma "fama", essa imagem "de corredor" que, numa carreira onde as pessoas passam muitas vezes anos a milhares de quilómetros das outras, cada diplomata transporta consigo, para o bem e para o mal. 

Ao longo de quase quatro décadas de vida profissional, conheci bem mais de uma dezena de casos de gente assim, que acabou por ter uma carreira que passou muito ao lado daquilo que as suas qualidades intelectuais poderiam justificar. Gente que começou bem, mas que jogou contra si mesma. Alguns eram "trouble-makers" (que têm genialidade para complicar tudo e que colocam sempre o ónus nos outros). Outros eram arrogantes ou indisciplinados (confundindo isso com a qualidade da frontalidade). Há ainda os azedos ou sarcásticos (ou que assim se tornaram, muitas vezes frequentando já os terrenos da intriga, da inveja ou da má língua). Não raramente, é verdade, alguma sorte não os bafejou, mas o facto é que eles não souberam dar a volta ao destino, ou ter a humildade de arrepiar caminho, e não se deixar apanhar, em definitivo, por um azar conjuntural. As mais das vezes, olhando com frieza mas com simpatia, foram eles os principais criadores da ratoeira em que acabaram por cair. 

Tive e tenho amigos nesta classe: "esperanças" no início da carreira e que, com o tempo, se revelaram "estrelas cadentes". Tenho pena por eles e pelo país que neles investiu e deles não pôde retirar todo o potencial que tinham para dar. 

2 comentários:

JS disse...

Muito interessante. Sagaz, com parênteses e aspas a preceito.
O mundo das hierarquias (lembremo-nos dos "Pricípios de Peter") é um espetáculo psicologicamente rico. Porque o ser humano o é.
"Que não lhe doam os dedos".

Jaime Santos disse...

Para aqueles que se encontram na situação que descreve, creio que só poderia dizer, em jeito de consolo, que as glórias ou insucessos no fim interessam pouco. Importa é terem ou não vivido a vida de forma plena e útil para com os outros, ou, na sua impossibilidade, pelo menos de forma não danosa (at least do no harm).