quinta-feira, 7 de julho de 2016

A Europa e as "Europas"


Gostei muito da experiência. A convite do Grupo de Amigos do Museu Soares dos Reis, no Porto, na presença de um interessado auditório de muitas dezenas de pessoas, fiz, na noite de terça-feira, uma palestra sob o tema "A Europa e as 'Europas' ", em que tentei identificar o modo diferenciado como os Estados membros e as opiniões públicas da União olham para as várias dimensões de um projeto que se quis comum mas que hoje revela preocupantes clivagens, que colocam em risco a sua sustentabilidade. 

Questões como a crise das dívidas soberanas, o fraco desempenho económico global do espaço da União, a crise do modelo social europeu, as migrações e os refugiados, os problemas securitários (no plano interno e na vizinhança geopolítica), os impactos da saída do Reino Unido e o surto crescente de euroceticismo acabaram por dominar o debate que se seguiu, que foi animado por notas de "contraponto" à minha palestra, colocadas por António Lobo Xavier. 

Naturalmente que, como pano de fundo de todo este mosaico de problemas esteve, como não podia deixar de ser, a situação portuguesa, a crise da nossa dívida e as dificuldades sentidas pelo país no cumprimento dos "targets" impostos pela zona euro, etc. Nomes como os de Merkel ou Schaüble estiveram muito "na berra", como seria de esperar.

Tive o gosto de encontrar na assistência que se deslocou para a palestra, que com o debate durou mais de duas horas, amigos nortenhos como Valente de Oliveira, Miguel Cadilhe, Arnaldo Saraiva, Fátima Marinho, Silva Peneda, Manuela Melo, Nuno Portas, Afonso Camões ou Virgílio Folhadela Moreira, entre outros. 

Foi uma estimulante ocasião, proporcionada pelo dinamismo de Álvaro Sequeira Pinto, presidente do Grupo de Amigos, a quem agradeço o convite e felicito pela oportunidade de promoção deste debate.

2 comentários:

Anónimo disse...

A União Europeia esqueceu a sua matriz cultural cristã, dai a falta de política comum.
O multiculturalismo matou a Europa, voltem a ler a “Submissão”.

Anónimo disse...

Um Homem do Norte.
Bem haja, Álvaro Sequeira Pinto, por todo o dinamismo que incute ao Museu Soares dos Reis.