sexta-feira, 3 de junho de 2016

Jorge Cabral

Por deliberada opção, este blogue muito raramente assinala nomeações feitas dentro da nossa carreira diplomática. Porquê? Porque sendo isso uma rotina constante do Ministério dos Negócios Estrangeiros, se acaso fosse esse o caminho, e conhecendo eu ainda muita gente por aquela casa, este espaço tornar-se ia numa espécie de "gazeta dos claustros". Tempos houve em que o Carlos Albino, no "Notas Verbais", fazia isso, no seu inconfundível estilo. No meu caso, não fui por aí.

Abro hoje uma exceção para assinalar o que me parece ser a excelente escolha feita pelo ministro Santos Silva, como novo representante português no Brasil. Por razões afetivas, o Brasil interessa-me bastante. Ainda ontem estive, com o embaixador brasileiro em Lisboa, Mário Vilalva, a falar sobre as relações luso-brasileiras, quando ambos apresentámos um livro de Leonor Xavier que tem esse tema no seu centro. 

Jorge Cabral, o nome indicado, é um diplomata da nova geração que tem vindo a fazer uma sólida carreira, tendo desempenhado sucessivamente, com grande qualidade profissional, o cargo de embaixador em dois postos difíceis e delicados - Teerão e Ancara. Conheço-o desde que entrou para o MNE e sempre apreciei nele a seriedade e o rigor profissionais, servidos por um grande bom-senso, indispensável qualidade num diplomata. Espero que tenha a sorte que merece, num tempo brasileiro muito exigente, de mudança mas também naturalmente de esperança. Jorge Cabral vai substituir aquele que foi, segundo todos os testemunhos que me chegam, um dos melhores embaixadores que Portugal teve em Brasília, Francisco Ribeiro Telles. É mais um desafio que tem perante si.

Tenho muita pena que António Pinto da França não esteja vivo nos dias de hoje. Posso imaginar o divertido que seria uma inevitável conversa nossa com o Jorge sobre esse país fascinante que, como disse um dia António Carlos Jobim, "não é para principiantes".

4 comentários:

Anónimo disse...

Jorge Cabral é um grande diplomata, excelente colega e bom amigo. Muitos parabéns e boa sorte num país que tambêm me diz muito e que vive hoje um Carnaval permanente, no bom e no mau sentido.

JPGarcia

Anónimo disse...

Concordo, mas nova geração ?
Fernando Neves

Anónimo disse...

Caro Fernando,

É de facto uma nova geração. A minha, a tua e a do Francisco. Archer, Faria e Mathias eram ligeiramente mais velhos.

Um abraço

JPGarcia

Anónimo disse...

Caro João
É uma nova geração em relação a nossa, mas já com anos de carreira e de experiência. São já embaixadores em segundo ou terceiro posto, há já uma nova geração de diplomatas depois destes. O Jorge e da actual geração de embaixadores...
Abraco
Fernando Neves