sexta-feira, 24 de junho de 2016

... e a Espanha aqui tão perto!


Passámos a semana a olhar para Londres, como se o nosso futuro dependesse dos humores britânicos, o que não deixava de ter alguma verdade. Mas, por detrás da bruma britânica, esconde-se uma instabilidade ibérica cujo desenlace não é menos relevante para nós. Bem pelo contrário !

Desde a nossa entrada comum para a União Europeia e, em especial, desde que a Espanha é membro da NATO, a variável distintiva da política externa portuguesa, que fazia com que Lisboa e Madrid pertencessem a sistemas distintos de alianças, diluiu-se.

O contexto de acrescida intimidade ibérica evidenciou as capacidades relativas de cada um e o resultado está à vista. A Espanha é a real ganhadora no terreno económico bilateral, como a concentração bancária ibérica o demonstra à saciedade. No âmbito NATO, a sua recentragem atlântica tornou-a num parceiro preferencial dos EUA, como o prova o menor interesse revelado pelas Lajes e o privilegiar das recentes facilidades concedidas em Sevilha.

As coisas são o que são. A relação Portugal-Espanha é, por natureza, desequilibrada, só que desapareceram alguns elementos que no passado nos permitiam gerir, de forma relativamente autónoma, essa equação. Pelo contrário, no estado atual da arte, há dois fatores que não controlamos mas que temos de sofrer, se se desregularem.

O primeiro é uma evolução do processo europeu no sentido do surgimento de uma diferente formatação da integração, que possa colocar a Espanha num futuro « núcleo duro », com Portugal de fora. Isso poderia acontecer num cenário de « refundação » europeia, à volta do euro, espurgado da Grécia e Portugal. Nada que alguns círculos alemães não tenham já abordado.

O segundo fator é, naturalmente, a questão da estabilidade interna da Espanha. E essa está em causa nas eleições do próximo domingo. Precisamente porque as nossas economias estão, e permanecerão, fortemente interligadas, uma crise prolongada no nosso único vizinho terrestre, importante investidor, destino de grande parte das nossas exportações e local de trabalho de muitos portugueses (coisa que, por já ter sido mais relevante, alguns tendem a menorizar), seria um elemento mais a somar-se ao pacote de debilidades que hoje nos afetam no plano económico.

O resultado do sufrágio anterior levou a um impasse. Se as coisas se reproduzissem de forma similar, criar-se-ia um cenário muito preocupante. Como não gosto de ambiguidades, deixo muito claro que o cenário do Podemos, com os seus aliados, poder vir a ser o partido mais votado é, a grande distância, o desfecho que considero mais perigoso para o futuro da estabilidade espanhola. Tenho esperanças de não ter de o comentar num próximo artigo.

A Espanha está próxima demais de nós para a podermos olhar como um laboratório político.

4 comentários:

CORREIA DA SILVA disse...

Correcto e afirmativo.
Excelente post.


Anónimo disse...

Uma no cravo, outra na ferradura: Ai a Espanha que está tão forte e isso é mau para nós; Ai a Catalunha que não pode sair porque isso enfraquece a Espanha. Irra!

Anónimo disse...

Oxalá ganhe exactamente esse cenário: Podemos e companhia! Ou queria a Direita no Poder? Depois dos resultados políticos e económicos que se conhecem?
Com o resultado extraordinário do Brexit, a Espanha também nos trará boas notícias de mudança. E a UE que se cuide. Outros países a deixarão a breve trecho Faço votos por isso!

Francisco Guerra Tavares disse...

Caro Embaixador, porquê a vitória de Podemos e aliados é o cenário mais perigoso para Portugal? O que podemos ver diariamente em Espanha? Casos de corrupção atrás de casos de corrupção (sempre envolvendo o partido no poder, o PP, ainda que o PSOE não escape e não só na Andaluzia). Um poder político que utiliza e manipula o aparelho de estado a seu bel-prazer, como se tem visto na atuação do seu ministro do Interior em articulação com a Polícia e membros do aparelho de fiscalização anticorrupção. Salários cada vez mais baixos e precariedade dos novos postos de trabalho, 13,5 milhões de pessoas (30% da população) que tocam a pobreza e a exclusão social, quando não vivem mesmo já em tais situações. Segundo o partido Ciudadanos, com o apoio do PSOE o problema é o primeiro ministro Rajoy. Reivindicam a sua saída. E o perigo vem de Podemos, mais o seu programa bastante social-democrata? É verdade que Podemos é um agrupamento bastante heterogéneo, desde logo jovem, e não é propriamente classe operária. Mas perante o panorama, o perigo vem daí ou daqueles que afinal querem mais do mesmo, ou não é isso o que significa a grande coligação?