sexta-feira, 20 de maio de 2016

Venezuela



A Venezuela é uma tragédia anunciada, desde há vários meses O governo populista de Nicolás Maduro, uma espécie de “genérico” de Hugo Chavez, conduz o país a um beco que só tem saída através de uma rutura, cujo formato prático ainda está por clarificar.

Chavez era um demagogo com carisma, que  aproveitou a riqueza do petróleo, que a Venezuela tem a rodos, para lançar generosas políticas sociais que lhe grangearam apoio de setores muito fustigados pelas profundas desigualdades que sempre marcaram o país. Porque a democracia, tal como a conhecemos nas nossas sociedades, não estava nas suas prioridadades, Chavez instituiu um modelo político que fraturou progressivamente a sociedade, hostilizando quem se opunha ao meu megalómano projeto de instituir um “remake” da mitologia gloriosa de Bolívar. De caminho, viciou o país à monocultura petrolífera, que pagava as importações maciças e dispensava tudo o resto.

Chavez morreu. Sucedeu-lhe Maduro, que foi confrontado com a queda do preço do petróleo, ficando sem recursos para suportar as políticas públicas assentes num Estado pletórico, que diabolizara a iniciativa privada a arruinara o tecido económico. Sem o menor diálogo com a oposição política, Maduro optou pela bravata, acusando o “imperialismo” e os seus supostos aliados internos de todos os males do país. O passado já provou que a direita venezuelana não é “flor que se cheire”, mas a verdade é que o principal problema é a insustentabilidade prática do modelo chavista.

Esta crise política poderia ser idêntica a tantas outras que o mundo tem, não fosse o caso de viver na Venezuela uma muito importante comunidade portuguesa, maioritariamente desafeta ao atual regime, que se teme possa vir a ser apanhada no fogo cruzado que um desfecho violento venha a originar. Há muito pouco que autonomamente possamos fazer, para além de monitorizar a situação, lado a lado com outros parceiros, nomeadamente europeus, agora que o Brasil perdeu conjunturalmente qualquer “leverage” no processo.

Há quem, retroativamente, aproveite para criticar o impulso dado por anteriores governos portugueses ao reforço dos laços económicos com a Venezuela de Chavez, realçando alguns negócios que a crise petrolífera não deixou que fossem para diante. É um erro pensar assim. Os dirigentes políticos, de Sócrates a Passos Coelho, fizeram o que deveriam ter feito: garantir às empresas contratos, que criaram aqui empregos e lucros, mesmo com os naturais riscos, ao mesmo tempo que procuraram sustentar o melhor ambiente político possível de diálogo com um país que acolhia largas dezenas de milhar de portugueses. Ou alguém já pensou no que, entretanto, poderia ter acontecido se acaso Lisboa tivesse atuado de outra forma?


4 comentários:

Anónimo disse...

Embaixador, nos livros do Freitas deve dizer que este Maduro é mais um pobre coitado vitima de Golpe. Como gostam da palavra Golpe estes populistas ignorantes, Maduro(camionista), Lula(torneiro mecânico no papel e aldrabão por natureza), Querem-se comparar e essees sim vitmas de golpe(Allende, João Goulart, Isabelita Peron, entre outros). Estes ultimos que atrás mencionei foram efetivamente apeados do poder por abutres. Agora Maduros, Dilas e Lulas, são seres populistas e corruptos, nada mais que isso. Mas os livros do freitas são especiais.

Isabel Seixas disse...

Uma Excelente reflexão que nos permite fazer sr. Embaixador. Fico sempre com a sensação que deveria haver um conselho internacional de proteção a países em risco, mas que tivessem poder de decisão de retirar megalómanos e ditadores dos governos e ou governantes que pusessem a saúde e vida da maioria dos cidadão em causa, mas fazer o quê pelos vistos é mais fácil tirar os cidadãos e deixar ficar os governantes...

Reaça disse...

Todos querem imitar o Fidel Castro, mas cubanos não há na Venezuela, nem na Argentina nem no Chile nem na Bolívia etc., ou se há, são em minoria.

Mas para nós aqui, foi muito galo junto...Venezuela, Brasil e Angola em simultâneo foi azar.

Valha-nos Bruxelas que ainda nos vai dando algum crédito.

Francisco Guerra Tavares disse...

"....o principal problema é a insustentabilidade prática do modelo chavista.."
É certamente um problema, e não pequeno. O principal? Como se viu no Brasil, que não pode ser acusado de ser hostil à iniciativa privada (já se ouvem .......a corrupção! a corrupção!...), o problema não era o modelo. Aliás, o Brasil mostra já não parecem ser necessários militares para se fazer um golpe de estado. Porque foi isso que sucedeu no Brasil, de um modo mui generis: os corruptos, mesmo que formalmente acusados, ficcionam um crime de responsabilidade e derrubam uma presidente, impopular mas legitimamente eleita, e sem qq acusação de corrupção.
Na Venezuela a coisa está "preta" para Maduro. Mas os americanos não dormem e não costumam deixar os seus créditos por mãos alheias. Basta ver a capacidade que têm para desestabilizarem vastas áreas geográficas de países soberanos (vg .Iraque, Líbia, Síria, Ucrânia). E utilizando veículos bem "softs" tipo ONGs. Obviamente quando os seus interesses, sobretudo em relação a fontes de energia, estão em jogo. Bem interessante a análise de Vanessa Beeley sobre o papel dessa tão humanitária ONG dos White Helmets na Síria.