terça-feira, 5 de abril de 2016

O ouro da vida

No passado sábado desloquei-me à sede de um pequeno município no Douro. Tratava-se da entrega de uma medalha de ouro municipal a um amigo, que reside em Lisboa, promovida pela Câmara Municipal da terra de onde é originário. 

A distinção era justificada, entre outras razões, pela projeção que esse meu amigo dá à sua terra, através do seu prestígio e honradez profissionais. Tratou-se de uma dentre as várias personalidades locais que receberam o galardão.

Foi uma cerimónia simples, mas, curiosamente, não foi uma cerimónia "vazia", feita de retórica balofa, pelo que não foi nada penosa de acompanhar. Das palavras genuínas que alguns dos homenageados pronunciaram ficou patente o gosto pelo reconhecimento que haviam obtido mas, principalmente, pelo facto do respetivo percurso de vida, muito diverso de caso para caso, ter merecido uma consagração em face dos seus concidadãos, funcionando assim como um exemplo para estes. Estavam ali muito poucos "doutores & engenheiros"; na sua maioria era tudo gente simples, que arregaçara as mangas da vida e fora capaz de trocar as voltas ao destino menos fácil que o seu início de vida indiciava.

Deixo aqui um abraço ao meu amigo Joaquim Pinto pelo merecido galardão que lhe foi atribuído.

9 comentários:

Anónimo disse...

ó senhor Joaquim Freitas, toca lá a fazer um post a defender os corruptos dos Panama papers. O senhor gosta de defender este tipo de gente, vamos lá carregar nisso. Há já sei, terá primeiro que ver se nessa enorme de coleção de bandidos e corruptos internacionais, não esteja algum que seja de sua estimação. Pois é, quem é dogmático e sectário como o senhor Freitas, fica sempre preso a esse dogmatismo e não pode comentar com a Liberdade que pessoas como eu podem comentar. Sabe senhor Freitas eu e outras pessoas como eu, nunca defendem corruptos, mesmo que eles supostamente sejam de alguma área ideológica a que nos podemos sentir mais próximos. Nunca endeusei politicos, por isso para mim todos os que roubam países e povos deveriam ser todos deixados a apodrecer não numa cadeia paga pelo pobre contribuinte, mas noutro sitio. Quando aqui vejo pessoas como o senhor Freitas, mas não é o unico, a ajoalharem perante pessoas como Lula, Sócrates, Dilma e outros, isso dá-me nojo, como existem pessoas que mesmo sabendo o que eles são ajoelham, nunca ajoelhei perante nada nem ninguém, ajoelhar é tipico de gente das religiões, gente que sofre de fraquesa e hipócrisia.

Curtas & Baratas disse...

Caro Senhor Embaixador, deixou-me atónito. Li neste seu post, pela primeira vez desde há muitos anos, uma palavra-conceito-valor que julgava erradicada das nossas vidas.
Honradez. Talvez quem tem hoje menos de 30 anos não perceba bem o sentido, um valor que se perdeu, como outros, no tempo. E talvez fosse bom dizer a esses jovens o que é a Honra (deixe-me utilizar a maiúscula).
Não tivesse o Senhor Embaixador dito que a homenagem tinha sido no sábado (e no Douro) e teria pensado que ela tinha tido lugar no século passado, nas Beiras...

Menina Marota disse...

"...através do seu prestígio e honradez profissionais."

Que ainda, felizmente os há!
Um abraço

Anónimo disse...

Senhor Embaixador

Fico muito satisfeito ao saber que finalmente a medalha do Concelho de Resende foi entregue ao Senhor Pinto. Ele é um trabalhador incansável, um excelente profissional é uma óptima pessoa.

Foi bom também que o Senhor Embaixador pudesse assistir.

Desde Malaca um abraço de parabéns ao Senhor Pinto.

Licínio Bingre do Amaral

Jorge Carvalheira disse...

Ó senhor anónimo das 11H53!
Eu não tenho nada a ver com coisas suas! Mas anda a usar umas palas nos olhos, (daquelas que os ciganos põem nas mulas), de tal maneira verdes que lhe fazem, a si, tomar por erva fresca o feno que lhe servem.
E é uma pena!

Anónimo disse...

Primeiro Ministro da Islândia "OUT", ó senhores dogmáticos que diferença para os vossos bandidos de estimação. Este é bandido, mas ainda lhe sobrou alguma ética e foi embora. Outros bandidos estão de tal forma agarrados ao poder que nada os demove a sair. Outros ainda que estão fora e dentro, querem voltar a toda a força. ó senhor Freitas e demais dogmáticos começem a raciocinar um pouco se não for pedir de mais. Quanto ao Carvalheira, enfim a imagem que ele tem diz tudo.

APS disse...

Este discretíssimo anónimo serôdio (das 11h53 e das 18h59), a quem a mãe não terá dado nome, nem o pai forneceu apelido, faria melhor uso do seu tempo a aprender português de lei, para evitar os constantes erros gramaticais ou de ortografia, em que é pródigo.
A benevolência do administrador do Blogue, às vezes, surpreende-me e espanta-me, porque grande parte dos comentadores não comentam o tema, mas exibem, no tempo de antena gratuitamente concedido, a sua menoridade mental, agressiva e cobarde.
Sr. Embaixador, estou de acordo com o teor do seu poste. Acredito, também, que muitas destas palhaçadas mentecaptas o possam divertir. Tenho de confessar que. às vezes, me irritam. Tenho por princípio que: Democracia, sim, mas devagar. Até porque a delicadeza em excesso, acaba por ser prejudicial - já lá dizia o Rimbaud...

Francisco Seixas da Costa disse...

O comentador profissional ignatz (com "i" minúsculo porque é assim que assina) já deveria ter entendido que este espaço não é palco para as suas diatribes. Ponto.

Anónimo disse...

ó APS, fala ai em devagar e com força, cuidado pode haver aqui damas, que não apreciam o seu estilo.