domingo, 10 de abril de 2016

Luís Castro Mendes



Nós vivemos da misericórdia dos mercados.
Não fazemos falta.
O capital regula-se a si próprio e as leis
são meras consequências lógicas dessa regulação,
tão sublime que alguns veem nela o dedo de Deus.
Enganam-se.
Os mercados são simultaneamente o criador e a própria criação.
Nós é que não fazemos falta.


Luís Filipe Castro Mendes


Quando Otelo concorreu a Belém, o cartaz dizia: "Otelo - um amigo na Presidência". Eu agora digo: um grande amigo na Ajuda.

Força Luís!

8 comentários:

Curtas & Baratas disse...

Não conheço Luís Castro Mendes. Espero que seja mais feliz do que o seu antecessor, incluindo no discurso.

Não sou um especialista, mas creio que o maior desafio do ministro da Cultura será defender a Língua Portuguesa, como nosso principal património cultural. Faço votos para que haja muitos workshops, muitos road shows, que a Cultura se discuta e promova em todo o lado, desde restaurantes de fast food até aos coffee-breaks de qualquer evento quando estamos apenas a saborear o que a empresa de catering coloca à nossa disposição. Promover brunchs, porque não? em tudo quanto é lugar, desde os hotéis bed and breakfast até aos resorts turísticos. Todas as ideias são boas se forem bem aproveitadas, porque the sky is the limit.

Helena Sacadura Cabral disse...

Francisco
Ambos estamos muito contentes com a escolha. Lá no meu cantinho, mal ouvi a notícia - eram 8horas da manhã - achei que António Costa não podia ter escolhido melhor. Por muitas e variadas razões só posso ficar feliz com a opção!

Anónimo disse...

Já agora que faça alguma coisa pela Douro river valley culture below...

Anónimo disse...

Caro Francisco,

Concordo inteiramente com a escolha do novo Ministro de uma pasta que nos diz muito - a ele, a si e a mim. Desejo-lhe as maiores felicidades. As coisas estão a melhorar em Portugal. Já não era sem tempo.

JPGarcia

Anónimo disse...

Consciente e hiper consciencioso, o novo ministro da Cultura poderá, em caso de grave desinteligência, dar uma bofetada de luva branca e não um par de bofetadas, o que acarretaria obviamente maiores encargos e eventuais complicações.

José disse...

Bela lufada de ar fresco bom desempenho e as maiores felicidades para o amigo. Cumprimentos culturais.

Anónimo disse...

Ainda bem que houve ameaças de bofetadas...para haver mudanças!

Anónimo disse...

Oxalá o LFCM saiba manter-se sereno, distante e atento relativamente à rapaziada da cultura. Atenção à subsidiodependência do artistame, cinéfilo, teatrólogo and so on! Vão atacar, não tarda.O pilim é um íman muito forte.Têm de ser subsidiadaa a mediania e a mediocridade? E a performancia delirante? Há grandes escritores e grandes artistas na miséria que, por uma questão de dignidade, não ousam estender a mão: Mas actores, performers e quejandos já estão a preparar o assalto ao Palácio de Inverno, dito Ajuda. Aplique-se dinheiro, dado que há pouco, em projectos úteis.