domingo, 13 de março de 2016

Encontros imediatos

Combinei passar por lá para beber um copo, ao fim da tarde. Era a casa de um amigo, diretor da delegação de um banco português em Londres, onde eu estava colocado como diplomata. Ele tinha por lá três pessoas, vindas de Lisboa, de passagem, que queria apresentar-me. Foi há mais de vinte anos.

O meu amigo veio buscar-me à porta e, entrado na sala, de entre as três caras que por lá se encontravam, houve uma que me foi logo familiar. O nome dele dizia-me qualquer coisa e, sem a menor sombra de dúvida, conhecia-o pessoalmente. Ele também me reconheceu, de imediato, sabia quem eu era.

- Ah! Já se conheciam?!, constatou o meu amigo.

Ambos anuímos, sem a menor margem para dúvidas. Mas, perguntados de onde vinha esse conhecimento, começámos a hesitar. Eu alvitrei que talvez tivesse sido do serviço militar, mas não, ele não andara por lá. Tentámos o Porto, depois a faculdade, os países estrangeiros onde eu vivera, as tertúlias dos cafés, a política... Nada! Ele sugeriu alguns nomes de pessoas em casa de quem nos poderíamos ter encontrado, que nos podiam ter sido comuns numa qualquer ocasião. Mas nada coincidia.

A situação era algo constrangente. A ocasião, essa, ficou "raptada" por esse mistério. Os restantes presentes olhavam-nos, com um ar divertido. Nós fazíamos figura de parvos, ainda a lançar hipóteses para a conversa. Até ao final do encontro, não chegámos a nenhuma conclusão. 

Ao longo dos anos, a dúvida perseguiu-me: onde é que eu teria conhecido aquele tipo? Voltei a encontrá-lo mais tarde já em Portugal, já por diversas vezes, em situações várias. Até já nos tratamos por tu... 

Ontem, nem sei bem porquê, o nome dele veio à baila numa conversa. E, de repente, "fez-se-me luz". Lembrei-me que o havia conhecido num almoço, aí por 1976, num restaurante, com um amigo comum, montijense como ele. A memória tem destas coisas! 

1 comentário:

JHS disse...

Dr. Seixas da Costa
Peço desculpa pela correcção, mas creio que a situação era constrangedora e não constrangente.
O seu leitor,
JHS