quarta-feira, 30 de março de 2016

Dilma - os dias do fim?


Dilma Rousseff, a presidente brasileira, luta hoje para salvar o seu segundo mandato presidencial, que iniciou há pouco mais de um ano.

Não sou um especialista em Direito constitucional brasileiro, mas de tudo quanto li sobre o processo de destituição que sobre ela impende (e já li bastante), não me fica a menor dúvida de que o que se está a passar é uma manifesta distorção do instituto do "impeachment" por parte de quantos, no puro plano político, a querem afastar do poder, a todo o custo. À luz do que se conhece (e conhece-se tudo, creio), se Dilma Rousseff vier a ser destituída de funções apenas com base nas acusações que lhe são formuladas, as instituições brasileiras estarão a enveredar por um precedente muito perigoso. É hoje evidente que a presidente é impopularíssima no Brasil, que a esmagadora maioria da população brasileira gostaria de a ver pelas costas, que um expressivo número dos seus concidadãos consideram que o seu nome está indissociavelmente ligado à cultura político-partidária onde floresceu o patrimonialismo e a corrupção, que hoje escandaliza todo o país. Porém, isso é uma censura política e, em democracia, tal só tem "remédio" nas urnas e as próximas eleições presidenciais no Brasil só estão previstas em 2018. Salvo por renúncia da presidente ou, nas atuais circunstâncias, por destituição com pretextos forçados.

Imagino que muitos (eu diria, a maioria) dos meus amigos brasileiros não concordam comigo, porque os sinto desejosos, a qualquer preço, de se verem livres de Dilma Rousseff e de tudo o que entendem que ela representa. Nesse contexto, essa maioria (porque é uma maioria) pensa que, havendo um "clamor" popular, se torna legítimo utilizar todos os meios ao dispor para conseguir esse objetivo, aceitando que possa haver um "jeito" legal, mesmo se um pouco forçado, para tal. Tenho muita pena que pensem assim.

Alguns (poucos) dirão que escrevo isto por alguma simpatia para com Dilma. Para esses - e para os outros, claro - deixo uma pequena história, que creio que os elucidará 

Nos quatro anos que passei no Brasil, como embaixador, encontrei Dilma Rousseff por diversas vezes, quer como ministra das Minas e Energia, quer como ministra-chefe da Casa Civil. Contrariamente ao que me aconteceu com alguns outros ministros e altas figuras de Estado brasileiro, com quem estabeleci fortes laços pessoais, alguns dos quais mesmo uma boa amizade que dura até hoje, com ela (como com muitos outras dessas figuras, diga-se) isso nunca se proporcionou. Mas cruzámo-nos em ocasiões oficiais, em refeições de trabalho e em algumas ocasiões sociais. Repito: falámos e conhecíamo-nos.

No final de 2008, saí de Brasília para Paris. E, quase no termo da minha missão como embaixador português na capital francesa, Dilma Rousseff fez uma visita oficial a França. Estive presente num dos momentos dessa agenda.

No dia seguinte, enviei a vários e bons amigos brasileiros, muitos deles diplomatas, um pequeno texto que hoje me apetece repescar e de que, sem dúvida, todos eles se recordarão:

"Há dias estranhos. Ontem, com imenso gosto, estive presente na cerimónia no Hôtel de Ville, durante qual a presidente Dilma Rousseff foi recebida numa bela e calorosa recepção pelo maire Bertrand Delanöe. A cerimónia foi muito simpática, porque excelentes e naturais são, como é sabido, as relações franco-brasileiras. Embora todo o corpo diplomático tivesse sido convidado, não eram muitos, infelizmente, os embaixadores presentes. Eu era, entre os presentes, o terceiro em antiguidade (o que significa que já ando por aqui  muito tempo). No termo da cerimónia, o chefe do cerimonial foi apresentando à presidente os embaixadores presentes. Começou pelo Núncio apostólico, ao qual Dilma Rousseff deixou uma palavra simpática. Seguiu-se o libanês: com naturalidade, houve uma referência à sua importante comunidade no Brasil. Chegou a minha vez e o chefe do cerimonial disse, alto: “L'Ambassadeur du Portugal”. Acrescentei: “Seja muito bem vinda a Paris, senhora Presidente”. Dilma estendeu-me a mão, olhou para mim com um olhar translúcido, sem esboçar um sorriso, sem pronunciar uma única palavra, nem um simples “boa tarde”, e passou, de imediato, à frente. Seguiu-se o embaixador de Angola. Aí, a presidente repetiu, alto: “Ah! Angola” e agarrou a mão do embaixador com as duas mãos, afivelando um largo sorriso.  dias estranhos."

26 comentários:

Anónimo disse...

Que acusações lhe são formuladas ??

NG disse...

É. O juiz pedir desculpa pelos crimes que comete também não ajuda.
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/223119/Moro-se-desculpa-ao-STF-por-vazamento-ilegal.htm

Joaquim de Freitas disse...

Tem razão, Senhor Embaixador : Dilma « vendia-se » muito mal. Incluindo aos seus amigos. Fui “vendedor” internacional durante 35 anos, no mundo inteiro. Vi como é importante de “se vender bem”, quase mais importante que a qualidade dos produtos. O tal “carisma”! Chirac era um “tratante”, digno dos tribunais, mas nunca foi incomodado porque “tinha” muito carisma. Ainda hoje!
Recordo quando Dilma ganhou em 2014. Os média franceses de direita como de esquerda escreviam: “ Dilma, reeleita de “justesse”…” , com score “étriqué” (Les Echos); com um avanço curto”. “ Le Monde : A candidata do PT bateu “duma curta cabeça” o seu adversário do centro direita Aécio Neves” (até parecia que não havia “direita” no Brasil!

Em suma : eleita de “justesse”, resultado “serré”, “escore "magrinho”, “curto avanço”, “eleita de “peu”!
Na realidade entre ela e o Aécio havia 2,5% !

Em 2012, em França, Hollande, foi eleito com 51,64%, contra 48,36%, curiosamente o mesmo resultado que Dilma.

Os mesmos media escreveram: FRI: “”Victoire nette”. E todos eram positivos!Nada de "justesse", de "magrinho", de curto avanço, etc. Normal!

Dilma ganhou contra quem? “Le Monde escrevia: contra o seu adversário do centro-direita. E toda a imprensa francesa escrevia a mesma coisa: o centro direita, o PSDB

Só o “Le Fígaro”, é que escreveu: contra “ Aécio Neves , o candidato da social democracia brasileira, a principal formação de DIREITA no país! Enfim : descobrimos a DIREITA no Brasil!

Isto diz muito dos obstáculos de Dilma. E se ainda para mais lia Proust, Sartre e Simone de Beauvoir ! E que durante a ditadura combateu clandestinamente contra esta. As “chances” de ir ao fim do mandato são ténues! E com um saco de corrupção da máquina partidária às costas!

Falta saber se os que eventualmente conseguirão fazer o golpe de Estado, vão poder fazer esquecer aos Brasileiros, o que o PT fez para os mais pobres: - baixa espectacular do desemprego, melhoria das subvenções à família, melhoria em número dos alojamentos sociais, melhoria da saúde e redução da miséria a 1,7% da população, segundo a ONU.

Há muito a dizer do comportamento dos políticos brasileiros de todos os bordos, mas não há dúvida que o PT desesperou o FMI, reembolsando a dívida antecipadamente, e os USA e os seus valetes. Esta Dilma que até ousou exigir o fim do embargo a Cuba!

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Inteiramente de acordo com a análise que faz sobre este "impeachement": é a intrumentalização político/partidária de um instituto que só deveria ser usado em situações excepcionais.

Não me surpreendeu o episódio que relatou da visita da Dilma Rousseff em Paris. Como não me surpreenderam as ainda declarações de Lula em Espanha. É por essas e por outras (de outros políticos, artistas e intelectuais) que eu não tenho pelo Brasil e pelos brasileiros nenhuma afeição especial (nem no futebol – delirei com os 7-1 da Alemanhã!). E não percebo como é que os nossos intelectuais – já não digo os políticos, porque os interesses enquanto país assim o recomendam – não respondem na mesma moeda. É uma triteza tanta reverência por quem quem nutre um sentimento de superioridade e até de desprezo por nós, que só se apagam em alguns momentos: quando nos visitam, ou quando (os artistas) vêm promover os seus espectáculos. Eles bem sabem que "com papas e bolos" se enganam os tolos...

Luís Lavoura disse...

Isso quer dizer que Dila não gosta do Francisco ou que ela não gosta de Portugal?

netus disse...

Muito bom dia. Apesar da sua experiência, aparentemente, DR surpreendeu-o pela "elegância e boa educação".
Desde há muitos anos, por razões familiares (saudoso João Proença) e em virtude da minha carreira profissional, que acumulei riquíssimas experiências, testemunhos de vida. Creio que o processo que se desenvolve há muito tempo no Brasil cheira mal a milhas de distância, por causa do PT, DR, Lula e companhia, e das companhias todas dos seus ditos opositores. Lamentável, como bem já referiu.
Ainda que em outra dimensão, muita dessa gente toda recorda-me a frase que bem conhece - " those who count don't care, those who care don't count. Cumprimentos. António Cabral

Anónimo disse...

Enquanto se continuar a ter dogmas. Sou uma pessoa que me considero de centro esquerda, do tipo da antiga social democracia de tipo europeu. Mas quero aqui dizer que nunca endeusei politico algum, como tal por mim quem realmente estiver com as calças sujas, neste caso será saias pois que apodreça na cadeia. Dilma ao convidae Lula perdeu toda a pouca credibilidade que ainda tinha. Os sinais da corrupção desta gente estão por todo o lado. Claro que não são só eles, mas efetivamente eles são os mais corruptos. Como disse sou centro esquerda, mas se o governo do Brasil fosse de outra área, há muito que o Embaixador, o Joaquim Freitas e outros dogmáticos de serviço já teriam diabolizado.

Anónimo disse...

Senhor Embaixador, cumprimento-o.
Soube captar bem uma das dilmices da Dilma, que acabam por lhe render transtornos. O desembarque do PMDB, partido rasteiro e oportunista, deveu-se ao fenômeno dos ratos a abandonar o navio, quando pressentem que vai a pique. Mas a principal reclamação era a de que Dilma os tratava, aos deputados e senadores do PMDB, como invisíveis.
Mas quero aqui registrar provocação. Que história é essa da notória troika anti-Dilma Gilmar Mendes, João Otávio de Noronha e Dias Toffoli, ministros de tribunais superiores, irem à Faculdade de Direito de Lisboa para sorver o bom vinho "Golpe", e a intelectualidade e academia portuguesas silenciarem?
Deixo-lhe abraço.
ElcioW

Anónimo disse...

sempre foi uma excelente pre$identa, competente, honesta, geriu o Brasil de forma impecável, tudo é inveja dos opositores, o Brasil está ótimo, é intriga da imprensa, o juiz Moro quer acabar com o PT, mas o PT é eterno como Lula da $ilva. NÃO AO GOLPE!

Anónimo disse...

É demais sabido que essa senhora não morre de amores por Portugal... mas podia disfarçar, mas nem isso! "Que passe bem"...

Paulo Pais disse...

O texto do Sr Embaixador não me surpreende. A questão a ele subjacente não terá a ver com a personalidade ou os gostos pessoais da Presidente Dilma. Tem a ver, no meu entender, com uma opção política de fundo a qual, aliás, se vem manifestando de uma forma "suave" durante já as últimas décadas pós ditadura e que se tem claramente acentuado com os governos do PT. Preocupado com a necessária viragem estrutural da sociedade brasileira nos plano económico, social, cultural o PT tem procurado aquilo que alguns chamam de "ressurgimento nacionalista" como o guarda-chuva catalizador onde cabem todas as ações que conduzam a uma nova caracterização do Brasil, emergente, na senda do desenvolvimento como país e sociedade multicultural que, dispensando a antiga imagem de Portugal como "país-irmão" nunca deixou, sobretudo nas camadas mais qualificadas, predominantemente nos setores intelectuais, de ser o "país-padrasto" - resquícios de preconceito anti-colonial ou estratégia política para a imagem do "novo Brasil" ou ambas? Palco privilegiado para a condução deste processo? Precisamente o diplomático, o educativo, o cultural. Querem melhor exemplo do que o projeto de abandono do estudo obrigatório da literatura portuguesa no ensino não superior? O que eu desejo, sinceramente, é que o Brasil se descubra a si mesmo como país desenvolvido, igualitário e verdadeiramente multicultural. Que (ainda) não será. Digo eu.

NG disse...

A urgência dos autores do processo de impeachment é justificada pela pressa em interromper a lava-jato e salvar a própria pele.

http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/223247/Ciro-golpe-%C3%A9-entreguista-e-movido-por-ladr%C3%B5es.htm

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/223177/A-foto-que-constrange-o-movimento-golpista.htm

Reaça disse...

A Roussef, tal como certa estirpe de brasileiros estrangeiros detestam ter que falar em português.
De preferência nem falam com quem se chame Joaquim ou Manel.

mensagensnanett disse...

Vontade de combater 'golpeadores' que andam por aí... não é apontar 'milagreiros'... mas sim reivindicar/criar:
- MAIS CAPACIDADE NEGOCIAL PARA OS CONTRIBUINTES/CONSUMIDORES!
.
.
Ao não reivindicarem mais capacidade negocial... os contribuintes/consumidores estão otariamente a colocar-se a jeito dos lobbys que pretendem aplicar 'Golpes Palacianos'...
.
Ora, o contribuinte não pode ir atrás da conversa dos parolizadores de contribuintes - estes, ao mesmo tempo que se armam em arautos/milagreiros em economia (etc), por outro lado, procuram retirar capacidade negocial ao contribuinte!!!
Mais, quando um cidadão quando está a votar num político (num partido) não concorda necessariamente com tudo o que esse político diz!
Leia-se, um político não se pode limitar a apresentar propostas (promessas) eleitorais... tem também de referir que possui a capacidade de apresentar as suas mais variadas ideias de governação em condições aonde o contribuinte/consumidor esteja dotado de um elevado poder negocial!!!
.
.
Caso 1:
O CONTRIBUINTE TEM QUE SE DAR AO TRABALHO!!!
-» Leia-se: o contribuinte tem de ajudar no combate aos lobbys que se consideram os donos da democracia!
---»»» Democracia Semi-Directa «««---
-» Isto é, votar em políticos não é (não pode ser) passar um cheque em branco isto é, ou seja, os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos... só que depois... a ‘coisa’ terá que passar pelo crivo de quem paga (vulgo contribuinte).
-» Leia-se: deve existir o DIREITO AO VETO de quem paga!!!
[ver blog « http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/ »]
.
.
Caso 2:
CONCORRÊNCIA A SÉRIO!!!
Não há necessidade do Estado possuir negócios do tipo cafés (etc), porque é fácil a um privado quebrar uma cartelização... agora, em produtos de primeira necessidade (sectores estratégicos) - que implicam um investimento inicial de muitos milhões - só a concorrência de empresas públicas é que permitirá COMBATER EFICAZMENTE A CARTELIZAÇÃO privada.
[ver blog « http://concorrenciaaserio.blogspot.pt/ »]

Maxmilianno disse...

Ao Reaça disse... Essa mulher é tão estúpida, que mal e porcamente fala o português, outro idioma nem pensar. Antes de ser política a mulher tinha uma lojinha de R$ 1,99, a capacidade e tino comercial, conseguiram falir o negócio, na época, todos que tinham esse tipo de negócio ficaram ricos. Assim mesmo o Sr. Lula da Silva deu o comando do Brasil para a estúpida, aí deu no que deu. A Petrobras a 8 empresa em faturamento do mundo, hoje em insolvência, como o Brasil, 12 milhões de desempregados, um Portugal, de desempregados. Única coisa que aprendeu, foi assaltar, matar e querer dar um golpe comunista no Brasil.

Anónimo disse...

Ó NG, afinal não era só eu que dizia que estes saloios não gostavam de Portugal. Voc~e, quando esteve no Brasil deve ter sido dos que baixou ás calças perante os ignorantes brasileiros. Pois eu vivo e trabalho cá, mas quando tenho que lhes mostrar os dentes mostro. Já agora fui assistir ao Brasil - Alemnaha, e delirei com os 7 a 1 que os alemães lhes pregaram. Gostei de ver este antiga colónia nossa a ser humilhada na própria barraca.

Anónimo disse...

Essa reacção de Dilma em Paris, reflete bem o que muita gente no Brasil sente em relação a Portugal, no fundo tem inveja e nunca conseguiram engolir como um País pequeno em tamanho como o nosso, foi dono daquilo durante 322 anos. O Brasil é muito grande, mas não é lá grande coisa. Ainda existem em Portugal uns trouxas que endeusam o Brasil, muitos deles nunca lá foram, nem nunca lá viveram para sentirem a inveja que muitos deles tem de Portugal e dos portugueses. Temos em média muito mais cultura, sabemos em média muitissimo mais do que eles e eles não suportam isso.

Ana Vasconcelos disse...

Charming, como dizem os ingleses.

Anónimo disse...

Desemprego na região metropolittana de São PAULO, JÁ ATINGE QUASE 15% HÁ GRANDE PT.

Joaquim de Freitas disse...

Os dois grandes teatros brasileiros, a Corte Suprema e o Congresso, encharcados na corrupção, preparam o “dénouement”.
O abraço da piton, o estado policial, cada vez mais apertado, à volta da Dilma, e da democracia brasileira.
O golpe de estado será sem NATO, sem imperialismo humanitário de Hillary, como no Iraque, na Líbia, na Síria, sem sangue derramado, sem triliões de dólares de despesas, será limpo e legal!

O Congresso covarde vai expulsar Dilma, o vice-presidente Temer do PMDB entra em cena, o país é pacificado, Wall Street e os irmãos Koch nos EUA saúdam o golpe de Estado em branco! A histeria Car Wash desaparece lentamente como por magia .

Os antigos mandarins da oposição corruptos não irão para a cadeia, claro !

A Máfia retoma o poder: políticos corruptos seleccionados, comprados e pagos pelas elites compradoras brasileiras, homens de negócios seleccionados; uma grande parte do poder judiciário coopté; e os média de massa (dirigidos por quatros famílias).


E o povo brasileiro, do qual, a maioria não vê patavina do que se passa, e compreende ainda menos, quando acordar terá um pesadelo. “Too late,” dirão os outros de Washington!

Anónimo disse...

Alguém disse acima que nós brasileiros falamos o português. Está enganado, falamos o Brasileiro, pois não conseguimos nos entender na língua que vcs. falam aí em Portugal. Raramente quando alguma notícia de Portugal aparece nos noticiários, vem com legenda. Mesmo assim não desperta nenhum interesse no que se diz, a ex colônia está se lixando para a grande nação portuguesa.

Anónimo disse...

anônimo 31 de março de 2016 às 12:03 Gostei de ver os portugas se esfregando em derrotas, O roto falando do esfarrapado. Só para refrescar a memória quantas vezes os portugas foram campeões mundiais mesmo????

La Mère Supérieure disse...

Sr. Freitas "É DIFÍCIL LIBERTAR OS TOLOS DAS CORRENTES QUE ELES VENERAM".

NG disse...

Nem golpistas nem patrícios idiotas derrubam o Brasil
http://www.valor.com.br/brasil/4507812/balanca-comercial-tem-maior-superavit-para-marco-desde-inicio-da-serie

Joaquim de Freitas disse...

E é verdade , Ma Mère...Prions pour eux.....

Joaquim de Freitas disse...

Vale a pena desenvolver a noticia de NG, que muito bem notou a informação, segundo a qual os resultados da economia brasileira fim de Março foram os melhores desde 2007.

Basta de intoxicação para atingir um único objectivo : o "impeachment" de Dilma!