quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Queres ver...?

Pergunta Nicolau Santos, esta manhã, na Newsletter do "Expresso": "Queres ver que o Dr. Costa consegue provar que não existe apenas o "tina" ("there is no alternative")? Queres ver que o Dr. Costa vai conseguir a quadratura do círculo: repor salários e pensões, reduzir a carga fiscal, ter mais investimento e mais crescimento, e ao mesmo tempo manter a tendência da descida do défice orçamental (agora para 2,4%) e do défice estrutural (agora reduzido em 0,4 pontos)? Queres ver que o dr. Costa consegue agradar aos gregos (sem ofensa para os gregos!) de Bruxelas e aos troianos de Bloco de Esquerda e do PCP?"

Eu não sei se António Costa vai ou não conseguir isto. Até se pode dar o caso, altamente provável, de não vir a conseguir. Mas tentou, caramba!

Mas, se acaso o fizer, já estou a imaginar o tremendismo dos comentadores contrariados nas suas previsões do caos, catando todos os argumentos possíveis para desvalorizar o acordo, sublinhando todos seus potenciais ou imaginários aspetos negativos, denunciando a "incoerência" do PCP e do Bloco por o terem aceite, catastrofando o futuro e hiperbolizando as consequências fiscais do entendimento - eles que jazeram em subserviente silêncio ou reverente conformismo perante a carga fiscal que nos impuseram no passado recente.

Ah! mas eram os "outros", claro. Ou, como dizia a senhora Thatcher, António Costa não é "one of us"...

Bom, ainda há a "esperança" de que tudo isto venha a falhar, não é? Não desesperem, rapazes... Falta pouco para saberem se o vosso medinacarreirismo ainda tem futuro.

29 comentários:

Guilherme Sanches disse...

Pois é, mas "eles" são lixados, como dizia um aldeão da minha aldeia. "Eles", são os Belgas.
E acrescentava - já viu como é que um país tão pequeno como a Bélgica, tem tanto poder? Tem de ser tudo como eles querem!"Eles" mandam na Europa toda!
Bruxelices...
Um abraço

Anónimo disse...

A Thatcher também não era one of tem
Fernando Neves

aamgvieira disse...

"A teimosia é a energia dos loucos"

APS disse...

Vamos a ver, como diz o cego.
Mas será bom lembrar que foram as maiorias que propiciaram o nazismo, as manifestações acarneiradas do Terreiro do Paço, os morticínios no Cambodja. Talvez por medo, irracionalidade e cobardia, é certo.
Porque, às vezes, as minorias têm a razão por si, mas não triunfam, no imediato.
(Aguardem-se, pelo tema propício, muitos comentários anónimos [sempre cheios de valentia soez e sem nome], desbocados e rastejantes, e furibundos, também.) Que este Blogue não merece mas que, numa gentileza democrática, vai acoitando e acolhendo.

Anónimo disse...

nesta gente já nada me admira. E começo a perguntar-me que fazemos neste grupo. Ainda ontem ouvi na TV Galiza um "entendido", a propósito da consulta do PSOE às suas bases, sobre entendimentos à esquerda, que tal era uma traição aos seus militantes! E outro ajuntava que o PSOE não era um partido de militantes, mas tão só um partido de votantes!
Eles são capazes de tudo. Até de dizer que o seu pai é a mãe!

Joaquim de Freitas disse...

Oh Senhor "amgvieira : O Senhor é desconcertante! Acha que Churchill era louco? E Mandela, e De Gaulle?

Anónimo disse...

Gosto! (muito)

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó Francisco acredita realmente que haja quem esteja desejoso que o Dr Costa falhe? Acredita mesmo que o ódio partidário supera o desejo de bem estar do país?
Há coisas que me chocam. Eu não sou socialista, nem amiga do Dr Costa. Mas amo profundamente o país em que vivo. E se o Dr Costa conseguir melhores dias fico muito satisfeita. Se não conseguir, não é por isso que digo que os antecessores estavam certos.
Posso achar que a maneira como Costa foi eleito PM não foi a que esperava. Mas sou portuguesa e quero o melhor para todos nós, seja quem for o PM que o consiga.
O que não podemos é estar permanentemente à espera que o adversário caia. Porque não é ele o nosso inimigo. E é preciso que saibamos fazer a distinção.
Por mim, oxalá o Dr Costa ganhe. Não para achincalhar a Paf, mas porque o país merece melhores dias!

Anónimo disse...

Caro deFreitas

Desconcertante, acho que nao...
Ca para mim, acho mas é que aquele senhor deve ter sido enfermeiro lá para rilhafoles...
Pelo que escreve até parece ter tido experiência...



cumprimentos

A JOGATANA disse...

O Costa traz rosas no regaço.

O Costa já fez tantos milagres em tão pouco tempo, que temos que acreditar... até estoirarmos contra o muro.

Anónimo disse...

Se me permite, respondo eu à sra.HSC:

Sim e sim. Ando por aí e bem os ouço! (nem precisava sair de casa)

E não tarda vou ouvir o seu contrário... Oxalá!

Alcipe disse...

Minha querida Helena, ouviu o Dr Rangel no Parlamento Europeu? Se ouviu, gostou? Tinha imensa vontade de conhecer a sua opinião.

a) Alcipe

Anónimo disse...

"Eu não sei se António Costa vai ou não conseguir isto. Até se pode dar o caso, altamente provável, de não vir a conseguir." O Seixas parece que se enganou. Ainda bem!

Anónimo disse...

Que António Costa consiga ultrapassar todos os constrangimentos. O povo português está cansado de tanta humilhação!

Anónimo disse...

A Exma. Senhora Helena Sacadura Cabral é de uma inocência desconcertante única! Noutros tempos não era única...
Muitos de nós também não somos socialistas e muitos outros nem são partidários, mas já não vamos ao ponto de acreditar que, nem tanto o ódio, mas sobretudo a ganância de todos os partidos, não estão acima dos interesses do País!
Claro que a Senhora tem toda a razão, no entanto agora é isto o que temos!
E isto (agora) é matemática...

Antonio Cristovao disse...

Não bate certo, este tom de "eles" são medinacarreirismos, para quem nos levou em 2011 a vinda da troika, com maneirismos que vislumbramos na folha excel do Centeno.
Continuar a gastar mais 3% do que produzimos não é grande(nem pequeno) feito que se comemore, ou se atire a cara de quem pela primeira vez não teve saldo negativo, mas positivo; principalmente quando esses resultado é só com uma parte pequena de redução da "excessiva" austeridade revertida - cheira demais a demagogia,de luta de galos.

Anónimo disse...

Dona Helena Sacadura Cabral, é tocante a sua altamente desinteressada declaração de amor ao país e digo isto sem nenhuma espécie de ironia. Mas já terá alguma experiência da vida e conhecimento dos homens para saber que quem tem vindo repetidamente a dizer que o Costa nos está a levar à ruína, não quer agora perder a face, reconhecendo que afinal pode haver alternativas... o "eu não vos dizia?" é uma grande tentação.

Reaça disse...

Os «trabalhadores» da função pública estão eufóricos com Costa as 35 horas e as reposições.

No tempo da minha senhora chamava-se «trabalhadores» a quem trabalhava.

É a bida!

Helena Sacadura Cabral disse...

Anónimo das 00:50
Nas longas décadas de vida que já levo, vi muita coisa e o seu contrário. Vi os que hoje apoiam, amanhã criticarem.
Não apreciei a forma como o Dr Costa chegou ao poder e tenho dúvidas de que ele chegue a bom porto. Mas isso não me faz desejar que ele caia, que erre, que nos arraste para outro empréstimo. Prefiro que ele mostre do que é ou não capaz e que de preferência acerte. Um dos meus filhos foi comunista e depois bloquista. E isso nunca me aterrou. Foram as suas escolhas, que respeitei, embora não fossem as minhas. O mesmo tenho feito com o outro. Respeito mas não partilho. E como não tenho vocação para o martírio voto, de cada vez, em quem mais acredito.
Foi a atitude que sempre tomei com o governo anterior que, é pública, E, não o apoiei apesar de lá ter um filho e de muitos o criticarem através de mim. Isso sempre me importou pouco.
Se eu quisesse ser política há muito que estaria no poleiro. Não me faltou o assédio. Curiosamente da esquerda, já que a direita tem receio da minha falta de ortodoxia. Não sou ignorante e, pelo que vi até até hoje, creia que faria melhor do que alguns que lá estão...
Mas prezo muito a minha liberdade. E creia estou muito longe de ser a ingénua que julga que sou!

carlos cardoso disse...

Estou 100% de acordo com o que escreveu a Senhora D. Helena Sacadura Cabral e não me impressiona nada que me achem inocente. Pelo contrário, os que assim argumentam - incluindo o Embaixador Seixas da Costa, who should know better - é que me parecem de tal maneira enredados no maniqueísmo partidário (ia escrevendo clubista...) que lhes custa ver mais longe que a ponta do nariz.

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Subscrevo as palavras sensatas da Dra Helena Sacadura Cabral

A JOGATANA disse...

Dra Helena Sacadura, no meio de tantos anónimos e desconhecidos, no meio do povo, a senhora sai vencedora com maioria absoluta.

Tem o meu voto, evidentemente.

António Azevedo disse...

Tenho uma enorme admiração por V. Exa. Já expressei algumas vezes que comungo praticamente todas as ideias que expressa. Temos pelo menos uma diferença! Parece-me: Como dizia o Berlusconi: io non sono un santo!
E, a falta de santidade neste caso deve-se a que deixei completamente de acreditar que os políticos dos múltiplos quadrantes estejam lá pelos lindos olhos do Povo!
Até tenho uma “lógica científica”: Não há no poder nenhum político “bom”, na medida em que, qualquer político “bom” é, por “princípio”, apeado de imediato.
O anónimo das 0:50

Anónimo disse...

Dona Helena Sacadura Cabral, ninguém aqui duvida do que pessoalmente pensa e sente. Eu, pessoalmente, estranho é a sua perplexidade, exposta nas suas pungentes perguntas iniciais no seu comentário das 20:07, sobre se haverá alguém capaz de tão vis sentimentos.

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó António Azevedo mas se eles estão lá para "se encher"- desculpe-me a linguagem mais boçal - não acha que ficariam mais â vontade, por exemplo, noutros lugares onde são menos escrutinados? Parece-lhe que é no governo que isso é mais fácil?
Enfim, num ponto coincidimos. É que nenhum de nós é santo. E é muito por causa disso que não quero ser política...

Anónimo disse...

Por alguma razão a maioria das pessoas (abstenção e não só) deixou de crer que os politicos tenham como superior objetivo os lindos olhos do Povo. Não sei se é para se encherem ou para outra coisa qualquer, mas não há dúvida que é no governo que se mexem os cordelinhos. Cada um fica no que lhe parece, que em politica é facto. E não estou a ver nenhum santo no poder ou que queira ir para lá. Teria todo o meu apoio certamenre!
Resumindo o tema do post: no fim da discussão parece que o que menos interessa é o bem do País. E o importante são os jogos de poder e os lugares (ai os lugares... uma vergonha geral). "Só isso"!
antónio p azevedo

Helena Sacadura Cabral disse...

Meu querido Alcipe
Não ouvi e já tentei na tv play mas não tem som. No entanto duvido que gostasse porque até hoje tudo o que Rangel tem dito está or norma muito distante do que penso. Mas vou insistir e depois digo~lhe!

Isabel Seixas disse...

Há tanta verdade em todos os comentários que li sobre este Post, agora uma vantagem de ser surpreendido por tanto eufemismo na operacionalização das promessas politicas pós campanha eleitoral é quando há pouca distancia entre o que foi dito e o que foi feito o espanto leva-nos ao espanto...
Minha querida Doutora Helena, sempre igual a si própria, como a subscrevo, bjinho.

Francisco Guerra Tavares disse...

Parabéns embaixador pelo certeiro comentário. Gostei do medinacarreirismo......claro que há também o ferreiragomismo, o andremacedismo ..... esses que na primeira ocasião, e mesmo já agora, virão com aquela do António Mourão "ó tempo volta para trás.......". Que felizes eram os portugueses então. Uma leitura bem sustentada da realidade económica portuguesa como a que fez Ricardo Paes Mamede em "O Que Fazer Com Este País" desmonta toda a parafernália do "vivemos acima das nossas possibilidades", do #pelotão da frente", do "thina", etc.