quarta-feira, 30 de setembro de 2015

"Política externa portuguesa"


Tiago Moreira de Sá é um académico de mérito, que há muito trabalha, com seriedade e muita qualidade, questões relacionadas com as relações externas de Portugal. 

Publicou agora um pequeno mas muito interessante livro nas edições da Fundação Francisco Manuel dos Santos, dedicado à "Política externa portuguesa".

Começo por uma recomendação: comprem (é muito barato) e leiam este livro. Está bem escrito e faz uma súmula muito completa das principais dimensões da nossa ação externa. Os diplomatas, em especial os mais jovens, ganhariam muito em refletir sobre este trabalho.

Aqui e ali, tenho uma perspetiva diferenciada da que Tiago Moreira de Sá desenvolve no seu texto, relativamente à importância relativa de alguns vetores da nossa política externa. Também por essa razão, divirjo de alguns "conselhos" que deixa para o futuro. Mas, no essencial, que é muito, estamos de acordo. 

terça-feira, 29 de setembro de 2015

"Origem Transmontana"

É impressionante como o nome de uma empresa, associado à emergência de alguns casos de uma doença chamada botulismo, pode afetar a imagem de toda uma regiào.

Vamos aos factos.

Uma empresa com o nome (um pouco estranho, há que dizer) de "Origem Transmontana" - e pergunto-me como foi possível ser autorizada uma designação tão enganadora como esta - foi acusada de comercializar produtos que se provou associados a uma doença derivada da cadeia alimentar, felizmente sem consequências mortais.

O que é impressionante é não se ter assistido a uma reação oficial das autoridades do setor, bem como do conjunto das autoridades locais, esclarecendo duas coisas muito simples:

- a marca "Origem Transmontana" deriva de uma empresa que representa apenas uma ínfima parte da produção de queijos e enchidos da zona de Trás-os-Montes.

- a generalidade dos produtos alimentares transmontanos, nomeadamente dos referidos produtos, é de excelente qualidade e não oferece o menor risco para os consumidores.

Este incidente é da maior gravidade, porque lança um labéu negativo sobre estruturas comerciais e industriais de uma inteira região. 

É importante que este esclarecimento seja divulgado e partilhado.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Margarida Lima, fotógrafa. Conhecem?
















Epicur

Está já por aí o número de Outono da revista "Epicur", candidata a ser talvez a mais bonita publicação do género em Portugal.

Nela relato uma visita que fiz ao restaurante "Tomba Lobos", em Portalegre. Podem ler o texto aqui? Podem, mas - acreditem! - não é a mesma coisa... Em revista é muito melhor e há imensas coisas mais para apreciar!

domingo, 27 de setembro de 2015

Outro grande embuste


Desta vez, a RTP está de fora e só a SIC e a TVI estão implicadas. Trata-se dos espaços de comentário televisivo de Marcelo Rebelo de Sousa e de Marques Mendes.

É espantoso que a alegada Comissão Nacional de Eleições permita que dois comentadores avençados façam, em canal aberto, campanha eleitoral despudorada em favor da coligação de direita, "armando" em comentadores independentes, quando se percebe bem a respetiva agenda partidária e, num dos casos, com um interesse pessoal direto.

Uma outra grande burla pública, desta vez em proveito exclusivo da direita política.

O grande embuste



Há uma certeza que hoje tenho: a maioria dos profissionais de televisão e dos fotógrafos de imprensa que cobrem as campanhas eleitorais não está a cumprir o seu papel. Mais claramente, está a ser cúmplice de uma imensa e complacente burla. Será por medo?

Posso estar equivocado mas parece-me que esses jornalistas estão, manifestamente, a "fazer o jogo" das diversas candidaturas. De quase todas, talvez com exceção das pequenas formações, raramente poupadas à revelação das suas fragilidades. 

A maioria das fotografias e planos televisivos parecem-me corresponder apenas àquilo que são os interesses dos partidos que concorrem às eleições. As imagens recolhidas correspondem, de forma quase subserviente, àquilo que os gestores das campanhas pretendem. Não se vislumbram clareiras, as imagem são "contidas", são filmadas essencialmente as bandeiras em movimento, em nenhum momento se olha para trás dos cenários de apoiantes, não se revela a relação entre os espaços ocupados pelas campanhas e os espaços vazios à volta. Mais parecem tempos de antena do que verdadeiro jornalismo. É vergonhoso e ninguém protesta. Porquê? Porque todos são beneficiados, perdendo apenas os eleitores, a quem é servido um produto falseado. 

Parece-me haver hoje uma verdadeira cobardia na recolha de imagens, não se revela que, por detrás das "jotas" em agitação, dos militantes arrebanhados para o espetáculo, as coisas são muito diferentes, há sempre muito menos gente do que aquilo que as televisões mostram. Fazer jornalismo é outra coisa: é mostrar a realidade, revelar aquilo que são os factos e não apenas aquilo que as máquinas partidárias pretendem. Estamos perante jornalistas ou face a colaboradores das agências de marketing?

Todos sabemos que os comícios e arruadas não são organizados para usufruto de quem os frequenta. Quem lá vai é porque está já convencido. O objetivo das campanhas é, exclusivamente, aquilo que as televisões vão apresentar, é dar uma imagem de grandeza dos eventos, os quais, muitas vezes, são pífios e medíocres. O que vemos são profissionais de televisões a serem cúmplices complacentes de um grande embuste, que favorece PSD, CDS, PS, PCP e Bloco e prejudica a informação que nos ajudaria às nossas decisões. Querem nomes dos mandantes dos "ajudantes" desse enorme embuste? Chamam-se RTP, SIC e TVI. 

Sobre o papa

Nada me liga às crenças religiosas, salvo um batismo por que não fui responsável (e de onde, aliás, rezam as crónicas familiares, saí com uma pneumonia de que me salvei à justa). Mas, naturalmente, sou tributário de um "template" moral marcado pelos princípios católicos, como a esmagadora maioria dos portugueses. Grande parte das pessoas que me são próximas definem-se (mais ou menos) como católicas, respeito as suas convicções e reconheço, porque é uma evidência, o importante papel institucional da igreja católica na sociedade portuguesa. O automatismo da resposta de setores religiosos portugueses na questão dos refugiados demonstra um elevado sentido de responsabilidade social. Aliás, muitas das melhores pessoas que conheço são católicas. No entanto, isso não me impede de continuar a olhar, com escandalizada estupefação, para a circunstância da igreja católica acolher alegremente, sem os estigmatizar e denunciar, como me pareceria natural, quantos dos seus ditos "fiéis" que, no seu dia-a-dia, se comportam à persistente revelia dos seus princípios. E há imensos! A igreja pode, com isso, continuar a assegurar paletes de prosélitos, mas desqualifica-se como referente ético. Mas, na realidade, nada tenho a ver com isso, não são eu quem gere essas regras, sou e serei sempre "de outra freguesia"!

Aquando da eleição do papa que está em funções, dei por aqui nota de que o assunto me era quase indiferente. Na realidade, era e não era. Não gostei de Ratzinger, embora apreciasse a profundidade do seu pensamento, em especial em temáticas europeias, e nunca tive qualquer simpatia por Karol Wojtyla, não podendo nunca esquecer a sua imensa hipocrisia no caso de Timor-Leste. Aliás, a diplomacia "florentina" do Vaticano, que parece fascinar muitos, incluindo no nosso MNE, apenas me interessa como objeto de estudo. Sempre a considerei eivada de grande oportunismo e de um sentido complacente que releva basicamente de uma fria "realpolitik", que tem a maximização e preservação da influência como objetivo central. Faço parte de quantos têm suficiente memória para ainda recordar o cardeal Cerejeira, o destino do bispo do Porto e a medalha do Vaticano dada a Silva Pais pelo papa Montini. (Já sei! O mesmo que recebeu os líderes independentistas das colónias portuguesas).

Quero com isto dizer que a escolha do atual papa me surpreendeu. Um católico dirá que o conclave que o selecionou foi inspirado, como é de regra, por "pressões" exteriores à Roma terrena. Tudo bem. Mas, na leitura menos espiritual que é a minha, gostava de sublinhar, ao ver e ouvir o atual líder da religião católica, a profunda (e muito sincera) admiração que sinto pela sabedoria que, muitas vezes, tem prevalecido na seleção das figuras dirigentes do Vaticano. A igreja católica, pense-se dela o que se pensar, é uma máquina institucional inteligente e sábia. A escolha do atual papa, uma figura humana notável, com uma coragem e uma sensibilidade muito raras para interpretar o sentimento de muitos, foi um ato de grande inteligência estratégica. Às vezes, a sobrevivência da instituição tem levado a igreja católica a compromissos que eu quase ousaria dizer "com o diabo". Mas uma outra face desse mesmo instinto obriga-a a procurar a sintonia com a maioria dos crentes, o que conduz a escolhas tão interessantes como a que trouxe à ribalta o papa Francisco. Para um não crente, apetece dizer: "Chapeau!" Ou deveria dizer "Mitra"?

sábado, 26 de setembro de 2015

"Livraria Ler"


Faço parte de uma geração de "flâneurs" regulares por livrarias. Há mais de cinco décadas. Talvez por ter vivido metade desse tempo no estrangeiro, sentindo necessidade de me atualizar constantemente sobre as edições portuguesas, habituei-me a não olhar apenas para as montras e para aquilo que as mesas das livrarias nos mostram. Passo o tempo de cabeça "à banda", a ler lombadas, a ver livros já por aí "arquivados" há muito, que me possam entretanto ter escapado. Uma vez por semana, no mínimo, visito livrarias, às vezes só para ver o que entretanto "saiu". (Imagino que alguns irão dizer que usam a "Amazon", que isso é muito mais cómodo. Eu também compro por essa via, mas reconheço pertencer ainda à "geração táctil", que gosta de folhear os livros antes de os adquirir).

Não desgosto de passear pelos grandes espaços livreiros - tipo FNAC, Almedina, Bertand, Bulhosa ou Barata - mas confesso ter sempre maior prazer em visitar livrarias mais pequenas. Em especial, gosto de sentir que tenho como interlocutores potenciais os livreiros, pessoas que sabem "da poda" e gostam do que fazem, que conhecem as edições e percebem um mínimo daquilo que um leitor e comprador atento está à espera. Não há muitos, mas há-os ainda de grande qualidade. Pessoas que não se impõem, mas que sabemos que estão lá, com vontade de nos serem úteis, para o caso de deles necessitarmos.

(Recordo, por contraste, uma historieta, ocorrida no Brasil, que um dia já por aqui contei. 
Eram lojas livreiras superpopuladas de funcionários, que nos seguiam e nos interrogavam desde a porta de entrada, acompanhando incomodamente as nossas deambulações pelas mesas e estantes. Ao final de uns minutos, quando pegava num livro, aproximava-se de mim um empregado com um outro livro na mão e perguntava: "Não lhe interessa este livro?". 
A primeira vez que isso me sucedeu fiquei siderado, sem saber por que diabo o homem me estava a chamar a atenção para uma outra obra: "Porque é que pergunta isso? Por que razão podia eu estar interessado em ler esse livro?". A resposta foi simples: "Porque, se está a consultar um livro dessa mesa, é porque se interessa por esses temas e este livro, acabado de sair, é desse mesmo tema...". 
Fiquei sempre com a sensação de que esses funcionários, normalmente muito jovens, não faziam a mais leve ideia do conteúdo do livro que estavam a propor, mas que apenas se dedicavam a pôr em prática uma técnica de "marketing" que lhes tinham imposto. E, devo dizer, só a inexcedível simpatia dos empregados das lojas no Brasil evitou, a partir daí, que eu manifestasse a minha permanente irritação com este horroroso método promocional.)

Vem isto hoje a propósito da Livraria Ler, numa esquina do Jardim da Parada, em Campo de Ourique, lugar que sempre visito com imenso prazer e por onde há pouco passei. Não é uma loja deslumbrante em matéria estética, mas as coisas estão por ali bem arrumadas, sente-se que não há uma subordinação cega à "ditadura" das grandes editoras, há livros "antigos" (isto é, anteriores a 2014, 2013...) e, sem descurar o que está "na moda" e suporta o mercado, encontram-se muitas outras edições de muito boa qualidade. "Last but not least", na Livraria Ler os preços são em geral muito mais interessantes do que na maioria das livrarias de Lisboa. Por ali, os "descontos" são permanentes, é uma "feira do livro" contínua. Se não acreditarem, passem por lá e comparem!

Ainda bem que não vivo em Campo de Ourique! Caso contrário, o drama das minhas estantes iria agravar-se ainda mais...

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Evasões


Hoje, na "Evasões", o excelente suplemento que o "Diário de Notícias" publica às sextas-feiras, escrevo uma crónica sobre um curioso restaurante de Lisboa, numa zona inesperada e com uma bela relação qualidade/preço. Ah! o "Chefe Costa" da imagem não sou eu, claro!

Quem tiver curiosidade, leia aqui.

Diplomacia económica

Ontem, por um  amável convite da Fundação AEP, fui ao Porto falar a uma dezenas de empresários sobre as alterações geopolíticas na Europa e as suas implicações nos mercados e para as empresas. Uma palestra que culminou num debate muito interessante.

No final, foi-me oferecido um livro recentemente editado pela Fundação AEP e pela Fundação de Serralves, sob o título "Portugal no mundo". O tema interessa-me bastante pelo que, na viagem de regresso no Alfa, passei uma vista de olhos pelos textos incluídos. E não é que deparei com 10 páginas assinadas por mim, sobre Diplomacia Económica?! Era uma intervenção que eu tinha feito, há quase um ano, nas Jornadas Empresariais AEP/Serralves. Reli o texto e, hoje, não lhe retiraria nem uma linha. Quem tiver curiosidade, pode lê-lo aqui.

Beatriz Berrini


Um dia, quando era embaixador no Brasil, fui apresentado à professora Beatriz Berrini, uma das maiores especialistas mundiais na obra de Eça de Queiroz. Falei-lhe da minha imensa admiração pelo escritor e do facto de, sobre ele, ter lido escritos da sua autoria.

Beatriz Berrini não foi modesta: "Se gosta muito de Eça, tinha de conhecer a minha obra". Achei graça ao auto-elogio no comentário, mas ela tinha óbvia razão. Era, no Brasil, a figura mais destacada nos estudos "ecistas", como naquele país são chamados os "queirozianos". 

Foi agora anunciada a morte de Beatriz Berrini, aos 92 anos.

Os indecisos



As eleições não se ganham apenas com os votos dos militantes e dos simpatizantes ferrenhos. PS e PSD têm, cada um, uma percentagem basicamente similar de votantes garantidos (que alguns dizem rondar 22-25%, cada um). Essa quase metade do país votante, em princípio, “não mexe”, não depende dos líderes que os partidos tiverem, tem um estado de alma “clubista”. Não é a eles que se destinam as campanhas eleitorais. Tenho a certeza de que muitos leitores, qualquer que seja a sua “lateralização” política, reveem-se neste retrato.

Descontados os votantes regulares em outros partidos menores, as campanhas são conduzidas com vista a seduzir um número de pessoas bem inferior a metade do eleitorado, os quais, como diz um amigo meu, “é afinal quem manda no país”. É a flutuação de voto dessas pessoas, de quem se move alternadamente nas duas direções, que faz a diferença: derrota uns e elege outros. É nestes “swinging voters” que estarão os muitos indecisos que as sondagens revelam. Porquê tantos? Cada um terá a sua explicação, eu tenho a minha.

Desde logo, porque há muita gente que não quer reeditar a experiência deste governo e lhe recusa o voto. Gente que não esquece o que se passou: os cortes a torto e a direito, o desemprego, a emigração, a permanente instabilidade na sua vida e dos seus, a arrogância, legislativa e não só. Gente que olha para o nível da nossa dívida e, agora também, para o défice e, com razão, duvida que tenham valido a pena os sacrifícios feitos. Gente que não compra o discurso de que “Portugal está melhor, embora os portugueses possam estar pior”. Gente que percebe que é a Europa que aqui induz esta aparente acalmia, vendida como melhoria virtuosa. Gente que preferirá abster-se a votar nesta maioria.

Mas, se assim é, por que é que essas pessoas não decidem optar pelo PS, a única real alternativa à coligação?

Porque o PS, causticado pela imagem de um passado, que um conjunto de fatores acumulados impediu de explicar devidamente, optou por fazer uma campanha sem um mínimo de demagogia, assente num grande sentido de responsabilidade. E na verdade. O “cenário macroeconómico” e o programa do PS não trazem mudanças entusiasmantes? Talvez, mas trazem políticas que rompem com a austeridade sem romper com os compromissos e indiciam medidas para um futuro de crescimento. Medidas quantificadas e não ideias vagas, como acontece do outro lado do espetro político.

É aos indecisos que cabe entender que, no dia 4 de outubro, mais do que uma eleição, estarão perante um plebiscito: serão eles a decidir se querem repetir a experiência de uma governação que lhes infernizou o passado recente ou se pretendem uma mudança moderada, titulada por um líder com provas dadas, que recusa ser “económico com a verdade”?


(Artigo que hoje publico no "Jornal de Noticias")

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Bom senso

O jornal i titulava ontem, na sua primeira página, citando-me: "O PS não fez passar a mensagem de credibilidade".

A citação está correta. A conversa telefónica de um minuto com uma jornalista andou à volta do elevado número de indecisos detetados nas sondagens e das razões pelas quais esse valor ainda se mantém elevado. Na opinião que dei, referi que muitas pessoas não gostavam do governo mas hesitavam ainda em votar no PS, porque este partido não tinha ainda conseguido fazer passar uma mensagem de credibilidade suscetível de lhes garantir uma mudança de vida para melhor.

E é verdade. O que as sondagens evidenciam é que, não obstante António Costa ser visto de forma esmagadora como mais confiável para primeiro-ministro, o PS ainda não conseguiu convencer as pessoas de que, chegado ao poder, fará melhor do que a coligação. É triste? Claro que é, mas a democracia é isto mesmo. É o que as sondagens refletem, pelo menos por ora, fazendo eu figas para que mudem.

Esta minha declaração, embora óbvia, surpreendeu, ao que parcece, alguns amigos meus. Para os compensar, deixo uma frase que hoje retirei de um texto de José Manuel Fernandes (esse mesmo!) com a qual esses amigos tenho a certeza que vão estar de acordo: "apesar do empate técnico das sondagens, o PS ainda é o favorito, pois será mesmo surpreeendente que os portugueses, depois de tantos sacrifícios, reelejam a mesma maioria e o mesmo primeiro-ministro". Ele escreveu mesmo isto? É verdade. Enfim, um ataque de bom-senso nunca fica mal a ninguém, não é?

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Amigos de Órban?


O partido do primeiro-ministro húngaro, senhor Órban, cujo destaque nos últimos dias se fica a dever às atitudes repressivas que assume sobre refugiados que pretendem atravessar o seu país, para se acolherem em países que generosamente se disponibilizam para os receber, está inserido numa grande família política europeia, o Partido Popular Europeu.

Em Portugal, o PSD e o CDS-PP são membros do PPE. Longe de mim comparar com as posições do senhor Órban, face ao drama dos refugiados, com a atitude que tem vindo a ser assumida governo português, que tem seguido a honrosa sensatez da esmagadora maioria dos seus parceiros europeus.

Porém, não ficaria nada mal ao PSD e ao CDS-PP tomarem publicamente uma atitude de distanciamento face ao modo como o seu partido-irmão húngaro se está a comportar. Seria digno e talvez contribuísse para que o PPE pudesse fazer evoluir a sua posição de cobarde tibieza face ao senhor Órban e o colocasse numa saudável quarentena política.

Sylvia Athayde


Morreu a Sylvia Athayde! Confesso que ainda estamos em estado de choque. Há meses, numa passagem sua por Lisboa, não conseguimos ver-nos, como era sempre de regra. E agora, nunca mais teremos aquele sorriso aberto, aquele humor, aquela conversa à volta das coisas que nos eram comuns, dos conhecidos que partilhávamos, mas também do futuro, do Brasil e de nós. Era uma conversa sempre calma, suave, sem deixar de ser incisiva e muito atenta a tudo. Através dela, percebi melhor a Bahia, o sentido da complexa política local, os clãs e os seus conflitos, a graça imensa de um terra onde está, melhor que em qualquer outra parte, a alma cruzada do Brasil. Portugal, que ela amava como poucos brasileiros, fica a dever-lhe anos de contínuo interesse pela nossa cultura, que tão bem tratou no Museu de Arte da Bahia, que superiormente dirigia. O grande oficialato da Ordem do Infante Dom Henrique que recebeu em 2007 atesta o modo como Portugal também a reconhecia.

Conheci a Sylvia logo da primeira vez que fui à Salvador. Passou a ser nossa companhia permanente nas muitas vezes que por lá voltei. Ajudou-me muito a dar dignidade e projeção à contribuição portuguesa para a parte baiana das comemorações dos 200 anos da chegada da corte. Nenhum interesse português lhe era alheio, por nós movia mundos e fundos. Só uma grande insistência dela me conseguiu convencer a fazer um simples jantar a quatro, no Hotel Convento do Carmo, depois da gongórica comemoração oficial da "abertura dos portos", que dom João teve a triste ideia de ir decretar logo no dia que, dois séculos depois, iria ser o do meu 60º aniversário...

A nosso convite, esteve em Brasília a falar da passagem da corte portuguesa por Salvador. Depois de eu sair do Brasil, mantivemo-nos em permanente contacto. Visitou-nos por mais de uma vez em Paris, nas viagens que ela adorava fazer pela Europa da cultura. Em Lisboa, era ela quem nos mostrava novos restaurantes, de tal modo conhecia a cidade, aliás como todo o país, que percorria de lés-a-lés, cuja arte nos descrevia com detalhe e saber. Tinha amigos fiéis e devotados um pouco por todo o mundo, porque era uma mulher generosa, bem disposta, muito atenta a quem dela gostava, amante da vida que agora lhe fugiu, aos 75 anos.

Isto não é um lugar comum que se diz quando alguém morre: a Sylvia vai-nos fazer muita falta!

(Deixo aqui uma nota publicada na imprensa brasileira)

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Poesia no Cais

Ontem, no final do jantar numa tertúlia, uma amiga anunciou: "Vou ouvir poesia para o Cais do Sodré!". Tive um sobressalto, por um instante. O Cais do Sodré é hoje uma coisa radicalmente diferente da imagem que ainda me ocorre à imaginação quando alguém me fala em "Cais do Sodré". Por muitos e (talvez menos) bons anos, era um local pouco frequentável, exceto por marinheiros e "rufias", com um grau de insegurança muito elevado em certas ruas. No que me toca, as exceções eram por ali três: o "British Bar", o "Porto de Abrigo" (um clássico, que há muito se foi e tinha um arroz de pato "de truz") e o cacau da Ribeira. Nos anos 80, com o "Jamaica" a mudar, o bairro começou a "abrir" mas, verdadeiramente, só na última década é que se deu a grande e agradável mudança que hoje por ali se vive, com espaços muito simpáticos, ajudando a esta nova Lisboa onde cada vez mais apetece viver. Deve-se, com certeza, à idade o facto de eu manter ainda este mesmo reflexo quando se fala do Cais do Sodré (seria a mesma coisa se me falassem do Intendente.) No fundo, ouvir dizer a alguém, principalmente a uma senhora, que ia "ouvir poesia" para o Cais do Sodré provocou em mim a mesma reação que os habitantes do "Pátio das Cantigas" tiveram quando o "Evaristo" lhes anunciou que ia "de águas para o Cartaxo"... Mas também quem é que ainda se lembra disso?

Nós e a Alemanha


No dia 8 de outubro, pelas 19 horas, no Beatus Bar, na rua Acácio Barreiros, nº 3, em Lisboa, será apresentada a versão portuguesa do livro "Pontes por construir - Portugal e Alemanha", organizado e apresentado por Luisa Coelho, com visões portuguesas sobre a Alemanha e sobre as nossas relações bilarerais. 

Este livro, cujo alvo primário é o público da Alemanha, terá uma edição em língua alemã num futuro próximo.

Os textos são da responsabilidade de 17 autores, entre os quais figuro com um capítulo intitulado "O lugar de Portugal".

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Regras para diplomatas


Já aqui falei um dia de Miguel Serpa Soares, que desempenha em Nova Iorque o importante cargo de principal consultor jurídico do secretário-geral das Nações Unidas.

Há dias, Serpa Soares deu uma entrevista ao "Diário do Alentejo" na qual falou das suas atuais funções e do método que utiliza para nelas ser eficaz. Retive isto, a propósito das intervenções em reuniões: "Pensar bem as nossas intervenções, preparar com cuidado as apresentações, fazer um esforço para ser sucinto e, claro está, não ter intervenções inúteis ou superficiais".

Como seria importante que esta recomendação de bom senso estivesse afixada em muitas salas onde vulgarmente, e durante horas, assistimos a monólogos de quem só se ouve a si próprio, de quem intervem apenas por intervir e para marcar o ponto, de quantos se enfatuam em platitudes e lugares-comuns, com ares de profundidade e importância que só o próprio parece reconhecer. Falar pouco, dizer apenas o essencial e, em especial, não tornar a repetir, por outras palavras, o que imediatamente antes já se disse - são algumas regras de ouro para a prática dos diplomatas, mas não só.

O barco


A conversa com aquele meu amigo teve lugar há muito tempo. Aliás, ele morreu também já há alguns anos, naquela localidade de província onde, com alguma regularidade, nos íamos vendo, nas minhas visitas.

Um pouco mais velho que eu, era uma pessoa metida consigo mesma, com muitos azares na vida, feitos de erros de percurso, as mais das vezes evitáveis por uma sensatez que a sua agitação interior não permitia. Era muito teimoso e reagia de forma às vezes desabrida quando eu, por realismo, tinha a ousadia de procurar dar-lhe algum conselho. Mas éramos bastante amigos, sempre o fomos. Ele sabia que podia contar comigo - e por uma vez ou duas contou, em situações de emergência - e eu tinha a sua lealdade pessoal por garantida.

Não me recordo de termos falado alguma vez de política. Mas isso deve ter acontecido, conhecendo-me... Ele sabia muito bem, e de há muito, por que lados eu andava e eu sentia-o tendencialmente conservador, fruto da sua passagem na guerra colonial e dos escassos círculos em que andava se situarem maioritariamente por essa área. Mas nunca por nunca o vi inclinado a afirmar-se em termos partidários.

Foi assim que, um dia, o encontrei num café. Durante uma boa hora, "pusemos a escrita em dia". Veio à conversa, num certo momento, a casa onde ele vivera com os pais. Perguntei-lhe se lá residia. Disse-me que não, que vivia agora num bairro social, que estava mesmo muito satisfeito com o apartamento novo que havia obtido. Não era grande, mas chegava para as suas necessidades.

- Mas não foi nada fácil. Antes, tive de entrar para o barco! 

Estranhei a expressão. Barco? O que era isso de "entrar para o barco".

- Oh! Como se tu não soubesses como essas coisas são...

Eu não sabia, confesso! "O que é o barco? Diz lá!", insisti.

E então ele revelou que tivera de se inscrever no partido que dominava o município, antes que a assistente social que tratava dos processos de candidatura recebesse luz verde para lhe atribuir residência.

A política portuguesa tinha (tem) destas "grandezas", infelizmente, ao que parece, dos vários lados do espetro político.

domingo, 20 de setembro de 2015

Lembram-se da Grécia ?

Há menos de um ano, as eleições na Grécia traziam à Europa duas vias claras. 

Depois, foi o que se viu. As propostas gregas encontraram a oposição absoluta de quem manda na Europa do euro e o governo do partido que titulara essa recusa acabou por aceitar tudo quanto essa mesma Europa lhe impôs.

Imagino que, no dia de hoje, um cidadão de Atenas deve, mais do que nunca, "sentir-se grego", ao ter que optar pela austeridade ou ... pela austeridade!

sábado, 19 de setembro de 2015

De um arco, em Paris


Não foram poucas as vezes, quando vivi em Paris, que, chegado a um determinado local, senti pena por não ter por ali comigo o meu pai, falecido pouco antes. Gostaria imenso de poder ter andado com ele pelas ruas da cidade que, desde criança, me descrevia com pormenores afetivos que, durante anos, encheram a minha imaginação. Ele que, nesse tempo, nunca lá tinha ido! Mas, em nossa casa, havia um mapa com o centro da cidade desenhado em pormenor, com o título "Paris à vol d'oiseau" e um guia Baedeker que nos ensinava a capital francesa como se lá estivéssemos! Com o meu pai, nessa passagem dos anos 50 para 60, o que eu aprendi a "passear" pelos boulevards e a conhecer os nomes de alguns daqueles edifícios e de episódios da História que lhes está associada!

Francófilo como era, o meu pai deu, durante cerca de 20 anos, explicações gratuitas de francês a filhos de familiares e amigos, apenas pelo amor que tinha a uma língua que identificava com a liberdade. Estou certo de que teria gostado muito de rever comigo, com calma, os lugares da sua "pátria" de adoção, quando citava Thomas Jefferson: "Tout homme a deux patries: la sienne et la France". E teria um imenso gosto em saber que acabei a minha carreira como embaixador por lá.

Há dias, passei a pé junto ao Arco do Triunfo do Carrousel, um monumento situado entre o Louvre e a praça da Concórdia, no jardim das Tulherias, mandado construir por Napoléon Bonaparte para comemorar a vitória em Austerlitz. Subitamente, lembrei-me do meu pai. É que daquele pequeno arco, "pequeno" se comparado com o Arco do Triunfo na Étoile, possuo em Vila Real, deixada por ele, uma pequena reprodução em mármore, um objeto que sempre representou muito para mim. Bem miúdo, lembro-me, como se fosse hoje, de ouvir o meu pai dizer: "Se olhares deste Arco de Triunfo do Carrousel do lado do Louvre, irás ver que ele está em linha precisa com o obelisco egípcio da praça da Concórdia e, ao fundo, no alto dos Campos Elísios, verás o grande Arco do Triunfo, na Étoile". Ao tempo, repito, ele apenas sabia que as coisas eram assim.

Da primeira vez que fui a Paris, comecei a visita à cidade por aquele arco. Não para confirmar a asserção do meu pai, que era uma evidência óbvia, mas para começar a conhecer verdadeiramente a cidade pelo monumento que tinha iniciado o meu infindo gosto por ela.

Na tarde da passada segunda-feira, voltei a olhar os dois arcos, com o obelisco de ponta dourada pelo meio. E, olhando ao longe, os Campos Elísios, recordei o tom grave com que o meu pai descrevia a humilhação que a França sentira ao ver as tropas alemãs de ocupação descerem aquela avenida - ele que era um aliadófilo feroz. E de contar-me como, no dia da Libertação, De Gaulle caminhara, em apoteose, pelo mesmo caminho. É que, deste lado da Europa, o meu pai também sentiu que havia ganho a guerra!

Nem imaginam o que se pode ver de um pequeno arco quando as memórias são agradáveis!

Uma constatação óbvia

A decisão das agências de notação de subir a nota de Portugal significa, sem a menor dúvida, duas coisas incontestáveis e algo diversas entre si.

Desde logo, uma apreciação positiva sobre o modo como o nosso país se aproxima das metas macro-económicas que são desejáveis pelos investidores, o que representa um elogio para o trabalho do governo.

Mas esta decisão, a escassos dias de um ato eleitoral cujo resultado está totalmente em aberto, anuncia claramente que os mercados não veem o menor risco para estabilidade económico-financeira do país se acaso o partido oposicionaista mais bem colocado vier a ser governo.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

As aventuras de um diplomata de aviário


Hoje, com a assertividade e o rigor a que nos habituou, o "Correio da Manhã" titula "Diplomata acusado de desviar 962 mil euros".

Devemos nós ficar envergonhados por esta acusação a este nosso "colega"? Mas será que ele é "nosso colega", será que o "diplomata do Correio da Manhã" - quase que poderíamos dizer "o diplomata do crime" - é mesmo diplomata?

Já perdi a esperança, de tanto o tentar sem sucesso, de explicar à comunicação social que diplomatas são funcionários de uma carreira para cujo acesso se faz aquela que é, sem a menor sombra de dúvida e sem contestação, a mais exigente prova de acesso à função pública portuguesa. É verdade que, das não muitas centenas de pessoas que, em Portugal, já passaram pela carreira diplomática, nem todos nos deixaram orgulhosos, alguns - muito poucos, felizmente - não honraram o nome da profissão e não dignificaram o serviço do Estado que juraram respeitar. Mas isso foi uma escassa minoria. Na grande generalidade dos casos, a carreira diplomática é constituída por gente séria e honesta.

O alegado delinquente a que agora são atribuídas algumas falcatruas, não é nem nunca foi um diplomata, é uma figura a quem, por razões e "cunhas" que talvez fosse interessante o tão falado "jornalismo de investigação" desenvolver, foi nomeado para "vice-cônsul" numa cidade do Brasil, numa escolha completamente arbitrária e discricionária.

Ao tempo em que eu era embaixador no Brasil, numa asneira deliberada, erigida em política para as Comunidades, foi decidido fazer renascer a figura dos "vice-cônsules", que estava (e bem) arquivada nas páginas do regulamento consular e de que um iluminado de segunda linha se lembrou então, com o manifesto objetivo de afastar verdadeiros diplomatas da chefia de alguns postos consulares. Ao saber dessa intenção, alertei por escrito (para algum incómodo nas Necessidades) que achava que assim se estava a abrir caminho à emergência de alguns "vício-cônsules".

(Um parêntesis para dizer que gente séria, honesta e competente foi nomeada nesta leva, mas que a consequência lateral foi, como se vê, abrir caminho a figurões do jaez que agora se aprecia).

O renascimento da figura dos "vice-cônsules" não ofereceu, aparentemente, as menores dúvidas à oposição de então, bem como à máquina sindical que se alimenta da estrutura administrativa do MNE. Pudera! Todos ganhavam... PS e PSD podiam colocar por esses postos, sem concurso e "a olho" político, o seu pessoal fiel e ver-se livres de diplomatas de carreira; o sindicato do ramo via, também por ali, uma janela de oportunidade para ter gente sua a substituir os verdadeiros diplomatas - relembrando eu que estes últimos estão sujeitos a regras e escrutínio de que os vice-cônsules estão dispensados. Prometo que um dia, darei alguma contribuição escrita para a revelação das artimanhas, por via do "Diário da República" deste "bloco central" de interesses, onde também figuram alguns "cônsules honorários" (e aqui poder-se-ia falar-se, por exemplo, do alegado "diplomata" do negócio dos submarinos...)

Uma vez mais, foi a imagem dos verdadeiros diplomatas que "pagou as favas". Mas não tenho esperança que o "Correio da Manhã" corrija isto, claro!

Jogos com fronteiras

Talvez não nos estejamos a dar bem conta da real dimensão do que se está a passar, mas quero crer que a crise dos refugiados e as repercussões que ela está a ter na confiança entre os estados da União Europeia são, com grande probabilidade, o desafio mais importante que esta enfrenta desde a sua criação.
A presente situação testa os limites da coesão do processo europeu porque traz à evidência o modo diferenciado como os países encaram a partilha das responsabilidades a que a pertença ao espaço comunitário automaticamente os obrigaria. Muito raramente a distância entre os países europeus foi tão profunda. E isso é altamente preocupante.
Vivemos hoje um tempo em que se joga com as fronteiras à luz da preeminência dos medos nacionais, potenciando reações xenófobas, desrespeitando regras mas, essencialmente, desprezando valores que tínhamos por património comum. Alguns estados estão a mostrar-se indignos da solidariedade que, num passado não muito distante, os beneficiou.
No processo de discussão do futuro da liberdade de circulação na Europa, que inevitavelmente já se iniciou, a posição de Portugal tem de ser sempre de uma cristalina firmeza, evitando a tentação de seguidismo com outros, por mais poderosos e conjunturalmente próximos que pareçam. Como país geograficamente periférico, emissor regular de vagas migratórias, qualquer evolução que, neste domínio, pudesse apontar em sentido restritivo seria altamente detrimental para os nossos interesses. Também no plano económico, nomeadamente em matéria de liberdade dos fluxos turísticos, um reposicionamento prolongado de fronteiras teria sempre impactos muito negativos, sem contar com os efeitos nefastos para o interesse global europeu, que hoje integra também o interesse nacional.
Mas os nossos interesses como país não são apenas económicos e políticos, são também éticos. Ao longo dos anos, independentemente dos regimes, a voz moral de Portugal fez-se sempre ouvir em favor daqueles que o mundo tinha deserdado da sorte. Basta recordar o modo como soubemos responder aos apelos dos refugiados da 2.ª guerra mundial e o exemplo nobre de Aristides de Sousa Mendes. Nos conflitos e nas tragédias, o nosso país, nomeadamente a sua sociedade civil, soube sempre respeitar uma reiterada tradição humanista, de generosidade e solidariedade. Nesta crise, é justo lembrar que Jorge Sampaio cedo instituiu um exemplar processo de acolhimento de estudantes sírios e que António Guterres se tem ilustrado como um extraordinário alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados. Gostaria de ter a certeza que, no auge deste intrincado problema, o nome de Portugal, no plano internacional, continuará a soar como sinónimo de dignidade.

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Ainda o Syriza


Uma das maiores mistificações desta campanha é a esforçada utilização do tema Syriza, avançado pela maioria cessante como podendo vir a embaraçar António Costa. É um falso argumento, desmontável com grande facilidade.

Vale a pena recordar que, há cerca de um ano, coincidindo em parte com a entrada em funções da nova Comissão Europeia, mas claramente antecedido de um movimento de reflexão e propostas surgidas na família socialista, havia sido encetado um debate sobre o modo como deveriam ser futuramente desenhadas políticas alternativas ao rigor extremo das receitas austeritárias.

Essa receitas, impostas pelas "troikas" mas que ecoavam uma filosofia dominante cega ao sofrimento imposto às populações, afinal acabara por ter, num caso como o nosso, meros efeitos cosméticos no número do défice, que escondem um agravamento trágico da dívida, do PIB, do desemprego, da emigração, das desigualdades e das clivagens sociais, para além de uma carga fiscal elevadíssima, com uma brutal queda do investimento.

Com efeito, em Portugal como noutros países, essas políticas haviam mostrado à evidência a sua ineficácia, revelando-se detrimentais para o crescimento, afetando fortemente a eficácia das políticas públicas, o que havia gerado uma perigosa desafetação dos cidadãos com a própria ideia europeia.

A nova Comissão Juncker dava sinais de ter entendido esta mensagem trazida pela realidade e, no discurso assumido e nas suas primeiras medidas, notava-se que algumas lições tinham sido aprendidas. A conjugação com as propostas que a Europa socialista estava já a desenvolver parecia então possível.

A austeridade não afetou todos os países da mesma forma e, por isso, em cada um deles, as consequências políticas acabaram por assumir expressões diversas. Na Grécia, um país cuja situação económico-social havia atingido níveis de desespero, o voto concentrou-se no Siryza, um partido radical que havia feito da luta contra a austeridade a sua quase única bandeira.

A vitória do Siryza foi saudada em muitos países europeus como a expressão de que, também na Grécia, se abria uma nova frente na luta europeia contra as políticas de austeridade. Em Portugal isso também aconteceu e António Costa e outros dirigentes políticos e muitos comentadores deixaram, com naturalidade, uma nota pública pública de respeito pela decisão democrática do povo grego.

O que ninguém podia prever foi o modo como o novo governo grego veio a colocar-se perante as instituições de que o país era credor. Ao adotar uma postura negocial sem um mínimo de flexibilidade, o governo grego não apenas se deixou encurralar num "beco sem saída" - com as consequências que hoje estão à vista - como acabou por "caricaturar" o combate às políticas austeritárias, como se estas se pudessem resumir à sua agenda confrontacional. Com esta atitude, a Grécia acabou por facilitar a vida à ala conservadora europeia, que não queria ver postas em causa as opções que havia feito na linha das políticas de austeridade que havia imposto aos seus países.

O debate sereno e moderado que antes havia sido iniciado pela família socialista europeia, com apoio da nova liderança da Comissão Europeia, ficou assim fortemente prejudicado. E o que se viu foi a imposição, no imaginário público europeu, da ideia de que só havia duas posições: ou a atitude "à grega" ou o prosseguimento das receitas anteriores, impostas pelas "troikas" e por quantos lhe tinham imposto tal filosofia. A Grécia, aliás, foi quem acabou por pagar um duro preço ao não ter sabido colocar-se no debate com realismo e moderação.

É assim tão difícil compreender isto?


(Artigo publicado no "Acção Socialista")

Encontro no Chiado


Andava pelo Chiado, num "salto" a Lisboa, vindo de um qualquer posto onde estava colocado. Ao telemóvel, chamou-me António Pinto da França, embaixador aposentado há já alguns anos. Disse-me ter sabido que eu estava em Portugal e desafiava-me para um jantar num dos dias mais próximos. Falava em voz baixa, seguramente num espaço com outras pessoas. Eu subia a rua Garrett, com o som ambiente a não ajudar nada a uma conversa que era quase de surdos. Sem a agenda à mão, disse, de memória, que me parecia que tinha combinações já feitas para jantar no resto dos dias de Lisboa. E fiz a proposta de tomarmos um café, talvez ao final daquela tarde. A difícil charla continuava e, para ouvir um pouco melhor, recolhi-me na ombreira da Livraria Sá da Costa, olhando a rua. De repente, vindo de dentro, entretido a falar ao telefone, um vulto abalroa-me. Olhei para a pessoa, disposto a protestar. Era António Pinto da França, a falar ao telefone... comigo. Fomos abafar as nossas gargalhadas num chá na Bénard.

Hoje, cerca de uma centena de amigos de António Pinto da França reuniu-se, muito perto dali, no Círculo Eça de Queiroz, para falar dele, agora que passam poucos dias sobre a data em que teria feito 80 anos, e pouco mais de um ano sobre a sua morte. Teresa Gouveia, Fernando Neves, Pedro Canavarro e Jaime Gama detiveram-se nas suas memórias sobre o amigo e o diplomata. Num video enviado da Hungria, András Gulyas, antigo embaixador do seu país em Lisboa, deixou uma memória muito sentida daquele que foi seu grande amigo. Durante duas horas, o António esteve ali connosco, num evocação amiga, que todos apreciámos e de que a Sofia muito gostou.

Tambem eu gostei muito desta feliz oportunidade de voltar a encontrar o António, pelo Chiado, ao final desta bela tarde de outono.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Gulbenkian em França


Foi há 50 anos que a Fundação Calouste Gulbenkian decidiu instalar em Paris, na residência onde o seu fundador vivera, um Centro cultural que evoluiu para aquilo a que hoje se designa como Delegação.

O historiador Rui Ramos está a preparar um estudo de fundo sobre essa presença portuguesa em França e ontem, durante uma sessão realizada em Paris, divulgou um primeiro esboço desse trabalho.

É muito interessante, através desse texto, olhar, em perspetiva comparada, a presença parisiense da Fundação com a evolução e interação, cultural e humana, das sociedades portuguesa e francesa, nesse meio século. E é também importante contextualizar a evolução dessa presença com os desafios que a própria Fundação foi sofrendo, em Portugal e no mundo.

Em 1965, ao tempo da criação do Centro, a guerra colonial começara em Angola há apenas quatro anos, em Moçambique e na Guiné apenas no ano anterior. Dias antes da abertura do Centro, cerimónia a que esteve presente André Malraux, um escândalo envolvia internacionalmente a ditadura portuguesa: fora descoberto em Espanha o cadáver de Humberto Delgado, que, com razão, logo se suspeitou ter sido assassinado pela polícia política de Lisboa. Malraux, ministro da Cultura, acedeu a estar presente à cerimónia mas pediu que nela não houvesse uma representação ministerial portuguesa.

Ainda antes da inauguração do Centro, muito graças à influência e habilidade diplomática do embaixador Marcello Mathias, a coleção de arte que Calouste Gulbenkian fora reunindo na casa da avenue d'Iena, que adquirira em 1922 (e que a Fundação veio a alienar em 2011), foi transferida para Portugal, constituindo o acervo do Museu que hoje existe. A ideia de que existiu um "trade-off" mais ou menos informal fez sempre parte de uma certa "mitologia": o governo francês teria autorizado a partida da coleção e, em troca, a Fundação criava o Centro e, igualmente, financiava a construção da "Maison du Portugal" na "Cité Universitaire de Paris". A síntese de Rui Ramos não aprofunda ainda esta curiosa questão. Uma coisa é certa: nada parece ter ficado formalmente acordado que confira veracidade a esta teoria.

O estudo aborda o percurso do Centro, que foi também muito marcado pelo perfil dos diversos diretores que o titularam, e descreve a filosofia evolutiva que esteve subjacente ao seu funcionamento: desde o seu caráter de estrutura dedicada  à "alta cultura" clássica portuguesa, muito próxima dos interesses dos especialistas "lusófilos" que sobretudo no século XX existiam em França, até a uma leitura bastante mais contemporânea, ligada a temáticas de modernidade, seja na vida europeia, seja em áreas do pensamento à escala global.

Nestes seus 50 anos, o Centro atravessou períodos marcantes. Desde logo o Maio de 1968 em França, a desaparição política de Salazar e a emergência do "caetanismo", bem como toda a tensão provocada pela crescente existência em Paris de uma comunidade migrada de Portugal por razões económicas e, marginalmente, políticas, de que o Centro sempre se procurou isolar. 

Depois, ocorreu o 25 de abril. Em 1975, ano em que a Revolução estava no seu auge, o Centro teve como tema de trabalho ... Damião de Góis. Ontem, ao ouvir falar sobre isso, não pude deixar de lembrar-me da TV Rural, por essa época: embora a Reforma Agrária fosse então o tema maior desse setor económico, o engº Sousa Veloso continuava impavidamente a falar do combate ao míldio e maleitas agrícolas correlativas... 

Hoje, os desafios são outros e a Delegação da Fundação tem uma agenda muito marcada pela contemporaneidade temática, na linha de outras fundações com vocação global, com uma ação aberta à lusofonia e, de forma crescente, a uma nova geração da comunidade luso-francesa. O mundo mudou, Portugal em França também e a Fundação, cuja imensa qualidade se sabe ter sido a capacidade de saber acompanhar os tempos, está a encontrar novos caminhos para a sua presença em Paris, agora numas instalações modernas, onde se abriga a segunda maior biblioteca de temas portugueses no mundo, fora do país. 

Nas funções que desempenho como presidente do Conselho Consultivo da Fundação Gulbenkian para a Delegação em Paris, que reune personalidades portuguesas e francesas, espero conseguir dar uma contribuição útil, não apenas para o contínuo redesenho do novo perfil de intervenção da Delegação em Paris, mas, muito particularmente, para o êxito deste ano comemorativo do cinquentenário da presença da Fundação na capital francesa, que ontem se iniciou.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Os dias da Europa

1. Não surpreende surpreende o impasse ontem verificado na reunião ministerial de Bruxelas, que não aprovou o acolhimento do número suplementar de 120 mil refugiados, como era proposto pela Comissão europeia. As posições conhecidas dos governos europeus iam nesse sentido. Como um responsável francês dizia há pouco, por cada hora perdida sem acordo perdem-se muitas vidas. Esperemos que não se percam muitas mais.

2. Saúde-se a posição solidária do governo português na matéria. E não quero seguir a irónica ideia, de uma pessoa que me é próxima, que acha que o executivo português só assim atua porque segue a posição alemã.

3. A generosidade alemã no acolhimento dos refugiados tem sido notável. Angela Merkel terá agarrado esta oportunidade para colocar a Alemanha do lado certo da Europa, como que tentanto desfazer a ideia de um país "sem coração", que ficara dos debates mais acesos sobre o caso grego. Ser um país rico ajuda, claro. Mas o facto da sociedade civil a seguir prova de que é para isso mesmo que os líderes servem: para liderar.

4. Percebe-se perfeitamente que a Alemanha tenha invocado as cláusulas de salvaguarda que Schengen permite para controlar os fluxos de refugiados. Acolher significa também poder organizar o acolhimento e isso obriga a certos controlos, que não são incompatíveis com a generosidade. Berlim não colocou em causa Schengen, como Sarkozy preconiza em França, apenas usou, com naturalidade, as cláusulas apropriadas.

5. Expectável, no seu pior sentido, foi a posição dos países de Visegrado (com a Polónia mais "nuancée") e outros Estados do centro e Leste da Europa. Sei bem que não é saudável, para o bem-estar intra-europeu, estar a estigmatizar países. Mas é importante que fique clara a posição de quem tem na Europa uma atitude humanista, à altura das grandes tradições do continente, e de quem a não tem, recriando agora para outros os "muros" que denunciou, e bem, no passado.

6. Sabiam, por acaso, que no anonimato cobarde das redes sociais de muitos desses países, circulam graçolas xenófobas,que se congratulam e ironizam com a morte de Aylan, a criança curda que morreu na praia grega? Sabiam que a maior parte da imprensa desses países "escondeu" até onde pôde a foto de Aylan, nalguns casos recusando-se a publicá-la, porque  podia gerar sentimentos contrários a orientação dos governos? Sabiam que estão em vigor em alguns desses países instruções para as televisões não filmarem crianças e mulheres refugiadas, privilegiando homens jovens com aspeto de emigrantes económicos? 

7. Não obstante, foi arrogante e inaceitável a atitude do ministro alemão do Interior, "ameaçando" com os corte dos fundos estruturais aos Estados que não acolham refugiados. Concordo que a atitude desses países está a ser miserável e indigna, porque negam agora solidariedade a alguns quando antes a receberam de outros, mas não quero uma Europa cujas regras podem ser subvertidas e ditadas por um ministro alemão. Principalmente do Interior.

8. Devemos manter-nos muito atentos ao debate sobre o futuro do acordo de Schengen, que é inevitável. A filosofia europeia que enforma a nossa postura na ordem externa, a que não são alheias considerações que relevam da nossa particular posição geográfica, do facto de sermos origem de migrações económicas e de possuirmos uma diáspora que tem toda a vantagem na livre circulação europeia deve obrigar qualquer governo nacional a estar na vanguarda da defesa desse importante princípio. 

O Novo Buraco


Não fiz parte de quantos diabolizaram a solução encontrada para o caso BES, nem sequer pelo facto de termos servido de cobaia a um modelo não testado, desenhado na Europa para instituições de menor dimensão. Com a vida, tenho aprendido a relativizar o meu “achismo” e tendo a só me pronunciar sobre aquilo de que julgo saber alguma coisa. Mas constato que os especialistas, que tão enfaticamente nos vendem soluções, vivem afinal, também eles, num mundo de aproximação titubiante à realidade, embrulhada apenas num artificial discurso afirmativo.

A supervisão bancária falhou em Portugal, como havia falhado um pouco por todo o mundo, aquando da crise financeira. No nosso caso, é uma evidência que o peso do grupo Espírito Santo, associado ao receio de lançar uma faúlha com impactos reputacionais nos mercados, misturado ainda com o espírito de “old boys network” em que vive o sistema financeiro, coibiu a supervisão de tomar medidas drásticas, a tempo e horas. Basta pensar que Oliveira e Costa chegou a fazer parte dos mecanismos de supervisão do Banco de Portugal...

Soma-se a isso – e digo alto o que muita gente pensa – a circunstância dos governadores do Banco de Portugal terem uma independência limitada face aos governos em funções. O facto deste não ter querido partilhar com a oposição a questão da recondução de Carlos Costa diz tudo. E só lamento que Carlos Costa, pessoa que não só tenho por séria como sei que o é, se tenha prestado a um estranho papel face à cobardia política demonstrada pelo governo neste caso.

Todo o país já percebeu que o Ministério das Finanças foi o “backseat driver” por detrás da decisão sobre o BES. O que torna mais escandaloso – e espero que os portugueses não esqueçam – o tom “nonchalant”, em pose estival, como que Pedro Passos Coelho dizia que o caso BES era apenas e só com o Banco de Portugal, nessa atitude de Pilatos liberal que também ajudou a enterrar a PT. Como pode vir a acontecer com a CGD.

Carlos Costa tinha o dever, desde o primeiro dia, de explicar que não podia garantir, a 100%, que a solução por que se optara no caso BES, não teria custos para o contribuinte. Bastava-lhe dizer que, num quadro de incerteza, aquela fora a resposta considerada potencialmente menos gravosa. Afirmar isso entrava em contradição com a “narrativa” otimista do governo? A dita independência de um governador serve para isso mesmo.

É preciso que os portugueses hoje saibam – e isso não lhes está a ser dito – que o caso da venda do Novo Banco tem fortes probabilidades de vir a tornar-se num pesadelo para as contas públicas e para a banca em geral. É muito grave que o primeiro-ministro cessante se refugie em artifícios semânticos para iludir esta realidade.



                                                                     ***


Este texto culmina, por vontade própria, a colaboração regular que mantive no "Diário Económico" desde novembro de 2013. Agradeço aos dois diretores que amavelmente me acolheram, bem como a toda a equipa do jornal, onde só deixo amigos. A quem me lê, prometo que nos continuaremos a ver por aí.


(Artigo que hoje publico no "Diário Económico")



segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Eça agora



Quando ontem olhei para o "voucher" com o nome do hotel em Paris que me destinaram, houve qualquer coisa que me soou a familiar. Mas achei que era um daqueles "déjà vu" que nos ocorrem sem razão. Quando, ao final da manhã de hoje, entrei na rue de Berri, "a ficha caiu", como dizem os nossos amigos brasileiros.

A chancelaria do Consulado de Portugal, quando Eça de Queiroz chegou em 1888 à capital francesa, para assumir funções como Cônsul-Geral, estava instalada no nº 16 da rua de Berri.

E é neste mesmo edifício que está hoje o Hotel California, onde vou passar a noite.

Foi neste primeiro escritório que Eça de Queirós se defrontou com a intransigência da mulher do Cônsul cessante, a Viscondessa de Faria ("odiosa megera"), que se recusava a abandonar o local, o que provocou "cenas extraordinárias" descritas numa carta a Oliveira Martins, datada de 19 de Setembro de 1888.

Posteriormente, o Consulado mudou-se para o nº 35 da mesma rua, onde está atualmente o Hotel Champs-Elysées Plaza, escritório que António Nobre, numa carta a Alberto de Oliveira, datada de 25 de Novembro de 1890, dia de aniversário de Eça, descreve como "muito pobrezinho". Eça trabalhou aí até à sua morte, em 1900.

O Hotel California já deve ter tido dias bem mais gloriosos, mas, sem eles saberem, o local onde está instalado também já teve. Por "Eça" razão, sabe-me muito bem ficar aqui.

Contras e prós

Não foram poucas as vezes que achei algumas escolhas temáticas de Fátima Campos Ferreira para o seu "Prós e Contras" algo descabidas. Mas sempre vi, da sua parte, mau grado certas opções menos felizes na escolha de intervenientes e até, por vezes, deficiências na condução do programa, uma vontade de trazer para o debate público uma reflexão séria. E nunca alinhei nas leituras conspirativas que, aqui ou ali, foram feitas de que tinha uma "agenda" interventiva no quotidiano político. Pelo contrário: tenho-a como uma jornalista que, ao longo da sua carreira, sempre se esforçou por estruturar uma imagem de independência.

Choca-me - diria mais, entristece-me bastante - o facto de Fátima Campos Ferreira se ter prestado agora àquilo que não passa de um óbvio frete político (não tenho outra palavra, Fátima, desculpe lá!), claramente dirigido contra o principal partido da oposição, num tempo pré-eleitoral que recomendaria à RTP, que todos nós pagamos, um mínimo de isenção.

Fátima Campos Ferreira, uma pessoa por quem não escondo que tenho consideração pessoal, comete com esta sua (será sua?) decisão um erro que irá manchar, para sempre, a sua imagem como jornalista. Espero que tenha disso consciência.

domingo, 13 de setembro de 2015

Chuva


Pronto! É a vida! Ela aí está! Parabéns aos bate-chapas!

"Olhar o mundo"


Com António Mateus, discuti a crise migratória na Europa, a situação na Grécia antes das próximas eleições e o estado do mundo 14 anos depois do 11 de Setembro. Mas também se falou de Donald Trump e das eleições presidenciais americanas, dos efeitos globais da desaceleração da economia chinesa, da crise política que afeta o Brasil, do novo surto de instabilidade institucional na Guiné-Bissau, das fortes tensões que atravessam a Turquia, os riscos que marcam o quotidiano da Venezuela, a continuidade das ações do Boko Haram na África Central e da implementação do acordo nuclear com o Irão.

Quem tiver curiosidade, pode ver isso aqui.

sábado, 12 de setembro de 2015

Corbyn


A eleição de Jeremy Corbyn para a liderança do Partido Trabalhista britânico é uma excelente notícia para o PS português.

Pelo radicalismo insensato do seu programa, que infelizmente vai condenar o "Labour" a uma penosa via sacra até conseguir voltar ao poder, será bem mais fácil avaliar o realismo e a moderação das propostas que António Costa titula com o seu programa, que não coloca em causa os compromissos europeus do país e desenha uma linha "possibilista" responsável para uma governação eficaz. 

E se alguém da maioria cessante vier por aí com o argumento "corbynário", espero que o PS lembre que o partido em cuja iniciativa o novo líder trabalhista esteve presente em Portugal, foi o Bloco de Esquerda. Por que será que isto não é mais divulgado?

Recordo que, sobre Corbyn, já aqui tinha escrito isto há dias.

Campanha


Uma das grandes (imensas, mesmo!) surpresas desta pré-campanha tem sido a fragilidade das prestações do primeiro-ministro Passos Coelho. Todos nos lembramos da frescura argumentativa de Passos Coelho nos debates de 2011, face a um interlocutor nada fácil como era José Sócrates. E pensávamos, também à luz da desenvoltura revelada nos debates parlamentares, que o primeiro-ministro e a sua palavra iriam ser uma arma decisiva da maioria cessante no caminho até às eleições. Por isso muitos se admiraram pelo facto de Passos Coelho ter optado por "esconder-se", recusando entrevistas, indo ao mínimo de debates possível. Por mim, confesso, achei que a estratégia era tentar dar-lhe uma espécie de estatuto "de Estado", libertando-o das polémicas, colocando-o "acima" da "politiquice", tentando que Paulo Portas e os escudeiros televisivos do PSD tivessem de fazer esse "dirty work" a que os rituais democráticos obrigam quem está predestinado a exercer as magnas tarefas do poder.

Nós julgávamos isso, mas Passos Coelho, o seu PSD e os seus vendedores de imagem, afinal, sabiam a verdade e sabiam o que faziam. E essa verdade ficou claríssima na tristeza da sua prestação face a António Costa e, de forma ainda mais chocante, na "abada" que ontem levou de Catarina Martins, num espetáculo que só não foi mais deprimente porque foi num canal de cabo e todos sabemos que o "empobrecimento", um dia dito por ele como necessário, a que Passos Coelho e a sua governação conduziu o país não ajuda muito a que a esmagadora maioria do povo português tenha TV paga e, assim, tenha tido oportunidade de observar essa monumental "coça" e dela tenha tirado as conclusões óbvias.

Mas será que, na verdade, Passos Coelho é assim tão "mau" na passagem da mensagem política? Um ator político não perde qualidades e, pelo contrário, havia muito boa gente que pensava que ele "crescera" no lugar, que melhorara e aprimorara o seu estilo. O que se terá passado, então?

Julgo que é muito simples. Passos Coelho primeiro-ministro não é pior do que o Passos Coelho candidado de 2011. O "script" é que é diferente. Nessa altura, era o tempo das promessas e do "bota-abaixo". Agora é o tempo da prestação de contas. E essas não batem certas com o que foi prometido e isso é um "produto" muito difícil de vender. A grande questão está em saber - e sabê-lo-emos no dia 4 de outubro - se os portugueses ainda estão disponíveis para "comprar gato por lebre".


sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Catarina

Eu sei que este post é muito críptico, mas creio, com ironia, que, hoje à noite, Pedro Passos Coelho teve saudades do Carrajola...

Pensão completa?


Há tempos, um amigo referia-me o facto de ter pretendido obter alojamento em algumas pequenas unidades hoteleiras da Região do Douro e ter verificado que muitas delas não dispunham de quaisquer lugares vagos, fosse para que data fosse. Disse-me ter-lhe acontecido o mesmo em algum turismo de habitação e turismo rural, já noutras regiões. E explicou-me que isso não ocorria apenas no verão, como seria natural, mas ao longo de todo o ano.

Congratulei-me, naturalmente, com o facto da nossa ocupação hoteleira viver um período de alta, de haver uma crescente procura de zonas do país que fogem ao conceito do "sol e praia". Muitos estrangeiros estavam, por fim, a perceber que, neste canto da Europa, existe a oferta de um produto turístico de qualidade, com diversidade cultural e monumental, servido por uma excelente rede viária, muito pouco "viciado" no modelo de exploração intensiva que "matou" outras regiões, com espaços naturais preservados, com uma diversidade gastronómica e vinícola muito rara, tudo isto cumulado por um acolhimento pessoal quase sempre de grande simpatia. Graças também a fatores externos que nos ajudam, Portugal está "na moda" e é preciso apoiar e estimular esse movimento.

Esse meu amigo logo arrefeceu, contudo, o meu entusiasmo. De facto, tudo isso era verdade, só que muitas dessas pequenas unidades hoteleiras, afinal, estavam, na prática, vazias. Vazias? Ao que ele constatou por mais de uma vez, ao contactar mais de perto muitos desses espaços, alguns proprietários mantêm essas unidades sem a menor utilização turística, ficcionando a sua ocupação apenas para justificarem os fundos que receberam para a construção ou remodelação das casas.

Ao longo das últimas décadas, já tinha ouvido falar de casos semelhantes: solares, casas antigas e muitas unidades de turismo rural cuja reconstrução tinha sido feita com dinheiros públicos (sim, porque as verbas da União Europeia são verbas públicas), numa ajuda que tinha como contrapartida obrigatória aumentar a oferta hoteleira regular mas que, na realidade, apenas serviram para alguns "empocharem" essas ajudas, comporem as habitações e, depois, manterem-nas comodamente vedadas ao uso turístico.

A pergunta que eu faço é muito simples e gostava de para ela poder ter uma resposta de quem de direito. É feito um acompanhamento do modo como as casas que foram construídas ou remodeladas com fundos públicos cumprem a sua obrigação de se manterem permanentemente abertas à utilização de potenciais utentes? São feitas inspeções regulares sobre as taxas de ocupação? É que se casas estão sempre assim tão "cheias", então quero crer que a receita fiscal deve ser bem significativa. Ou não?

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

O debate


Quem ganhou o debate? Ora essa! Claro que foi o Nixon!

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Orbán


Há já bastantes anos, acompanhei o então presidente Jorge Sampaio numa visita oficial à Hungria. No curso dessa deslocação, Sampaio teve um encontro com o primeiro-ministro, Viktor Orbán. Foi uma conversa de cerca de meia-hora. A Hungria ainda não era membro da União Europeia, embora já o fosse da NATO, desde há escassos meses.

Não vem aqui para o caso o teor detalhado dessa conversa, quando estavam iminentes os ataques militares à Sérvia, por virtude da tragédia que se vivia no Kosovo. Passei muitos anos na vida diplomática e, fruto dessas andanças, ouvi uma imensidão de políticos estrangeiros em registo privado. Mas recordo-me sempre - e conto isto a amigos, desde há muito - que, ao terminar essa conversa entre Orbán e Sampaio, estava um pouco perturbado. Não apenas por algumas coisas que ele então disse, pela forma como as disse, mas também pela maneira como nos olhava ao dizê-lo. Ambos saímos desse encontro - e estou certo que Jorge Sampaio tem isso bem presente - com um sentimento estranho, cujo fundamento confirmámos noutras conversas, nesses dias de Budapeste.

Sempre fui um defensor do alargamento da União Europeia mas, nessa tarde na Hungria, dei-me conta, não sei se pela primeira vez, que alguma da "nova Europa" que aí vinha trazia consigo algo de diferente, que tinha bastante menos a ver connosco, com a nossa forma de estar no mundo, do que era habitual entre aqueles que connosco se cruzavam nos corredores de Bruxelas.

Várias vezes entrei em choque com amigos dos países bálticos ou outros vizinhos da Rússia por virtude do modo como olhavam para Moscovo. Nessas conversas, contudo, eu podia perceber o trauma profundo de países que haviam estado sob a tutela soviética e até justificar, nas suas atitudes, alguma irracionalidade anti-russa, mais recentemente ajudada pelo manifesto autoritarismo ameaçador de Putin. Mas com Orbán era diferente. Era outra maneira de equacionar o poder, era um sentimento de afirmação nacional que, mesmo que implicitamente, como que tocava alguns fantasmas indizíveis do passado do centro do continente.

O tempo veio a dar razão a esta minha perceção. Todos assistimos, durante os últimos anos, ao progressivo desprezo de Orbán pelas regras de separação de poderes na Hungria, à produção legislativa que, no limite, foi cerceando direitos, numa "mainmise" progressiva do aparelho político-institucional, no sentido da limitação da alternância do poder. A Europa, salvo algumas posições do Parlamento Europeu e pontuais reações da Comissão, passou a conviver, aparentemente sem pejo, com um parceiro que, dia após dia, se vai afastando do património de valores em que se funda a comunidade a que todos pertencemos - e que a Hungria se comprometeu a respeitar na sua adesão. Mas nem por isso Orbán deixa de figurar, sorridente, entre os seus pares, nas fotos de família dos Conselhos europeus. E os outros sorriem para ele, o que é bem mais grave.

Quando hoje penso na humilhação que fizémos passar ao governo austríaco, em 2000, por ter feito uma aliança de incidência governamental com um grupo de extrema-direita, e comparo com o que se vive em governos desta Europa de 2015, quase que me apetece pedir desculpa pela pressão a que então sujeitámos Viena. E quando observo o inqualificável comportamento de Viktor Orbán e das autoridades húngaras face aos refugiados que, em desespero, pretendem atravessar o país para chegaram a uma Alemanha que, com grande dignidade e generosidade, admite recebê-los, tenho a sensação de que não faço parte da mesma Europa que esse cavalheiro.

Há dias, Orbán proferiu uma frase que melhor define o seu espírito "europeu". Perguntado qual era a diferença entre a "cortina de ferro" do tempo soviético e o "muro" de 175 km que mandou construir entre o seu país e a Sérvia, disse isto apenas: "O primeiro era contra nós, este é a nosso favor".