terça-feira, 31 de março de 2015

UK


Começou a campanha eleitoral no Reino Unido. Daqui a pouco mais de um mês, no dia 7 de maio, quinta-feira, dia normal de semana, os britânicos irão a votos. No dia seguinte, dia 8 de maio, sexta-feira, antes da sessão parlamentar, que começará impreterivelmente às 14 horas, o primeiro-ministro, nomeado pela raínha nessa manhã, estará na Câmara dos Comuns a apresentar, com todo o seu governo, o programa do novo executivo.

Em Portugal as coisas não são assim. Somos um país "rico" que se dá ao luxo de perder meses em campanhas eleitorais caríssimas, com tempos de antena que nos trarão, entre outros, o POUS e outros alienígenas de cujo nome logo nos esqueceremos, até ao próximo sufrágio.

Durante todos estes anos, à boca pequena, ouvimos muitos queixarem-se dos prazos eleitorais. O que suscita uma pergunta: o que é que, no decurso de uma década, fez o senhor presidente da República, tão vocal a pedir consensos, para convencer os partidos a aligeirar os calendários eleitorais? E que iniciativas tiveram levaram a cabo PSD e PS - os outros partidos são meros usufrutuários da visibilidade televisiva - para racionalizarem estes nossos atos eleitorais de extensão terceiro-mundista? Isto tem pouca importância? A indecisão que suspende o país por alguns meses tem mais efeitos deletérios na economia do país do que os feriados que tanto excitaram o governo e os seus mandantes da troika. 

É tão fácil!


De há uns meses para cá, tenho dado por mim a pensar que, em toda esta azáfama que por aí anda, a propósito das eleições presidenciais, há uma estranha confusão: nunca foi tão fácil escolher um presidente!

Os últimos dez anos terão instruído os portugueses quanto ao perfil para o futuro inquilino de Belém. Depois desta última década, a maioria dos votantes poderá ter já definido o “retrato robot” de um futuro chefe de Estado. Os leitores, maliciosos, perguntarão: pela negativa? Talvez, mas aprende-se às vezes mais com os erros do que com alguns exemplos.

Pertenço a um tempo que, em democracia, elegeu Ramalho Eanes com o encargo de vestir “à paisana” a chefia do Estado, depois de 50 anos de variadas fardas. E o país deve-lhe isso. Só votei no general “by default”, nunca lhe perdoei o PRD, mas reconheço o perfil ético que projeta.

Mário Soares, de quem comecei por não ser entusiasta, acabou por ser a minha alegria na política. Presidente com governos adversos, soube gerir magistralmente as tensões e proteger o regime, prestigiou o nome de Portugal, identificando-se pelo mundo como o verdadeiro presidente de abril. Olhando para os que hoje o detestam, fico ainda mais satisfeito em tê-lo ajudado a eleger.

Sou bastante suspeito em relação a Jorge Sampaio. Não sendo da sua geração etária, sinto-me da sua geração política, revejo-me nele como raramente me aconteceu com uma qualquer outra figura da nossa vida cívica, felicito-me por pertencer a um país que teve a sabedoria de lhe entregar os destinos da presidência por uma década.

Depois de Sampaio, transcorreram já dez anos. Anos que acabam por ser úteis, porque, em democracia, desde que saibamos aprender, todas as lições têm a sua importância, não obstante o seu preço.

O que queremos num futuro presidente, homem ou mulher?

Desde logo, queremos ver nele atitude e sentido democráticos, independência, respeito pelos partidos, uma observância inteligente da Constituição da República, não como um manual de instruções de um eletrodoméstico, mas como um permanente referencial cívico, uma agenda de valores, a moldura maior de um projeto de esperança. O presidente, respaldado na legitimidade unipessoal única do voto direto, tem de ser visto como uma espécie de “provedor” do povo. Como se dizia noutro tempo e noutro contexto, os portugueses merecem ter em Belém “um amigo”.

Um futuro presidente tem de ser alguém que nos orgulhemos de ter como imagem do país, pela sua cultura, pela estatura que nos eleva “lá fora”, pelo respeito que atrai para o nome de Portugal.

Quer-se também um presidente que, em todas as situações, seja a imagem da transparência, da lisura de processos, a ética feita pessoa – e assim reconhecida pelos outros. Alguém que não somatize ódios e frustrações, que não “jogue” para as escassas linhas que deixará na História, que não viva para “ter razão” mas que consiga efetivamente ser útil ao país e aos portugueses.

Um nome para reunir essas qualidades? Isso é um detalhe. O importante é consensualizar o perfil. Portugal não se pode dar ao luxo institucional de voltar a ter uma década como aquela que passou.       

(texto de um artigo que hoje publico no "Diário Económico")           

segunda-feira, 30 de março de 2015

Construtores da História


Um dia, tive o privilégio de visitar o forte Príncipe da Beira, uma construção portuguesa do século XVIII, nos confins do estado brasileiro da Rondónia, junto à fronteira com a Bolívia. É uma construção magnífica da arquitetura militar portuguesa.

À comoção de estar naquele lugar tão simbólico da presença portuguesa no Brasil somou-se, logo à entrada no forte, o deparar com uma placa onde se lê um extrato de uma carta de junho de 1776, enviada por D. Luis de Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres, governador e 4º capitão-general da capitania de Mato Grosso. O que se escreve nesse texto passou para mim a consubstanciar o verdadeiro conceito de Serviço Público:

"A soberania e o respeito de Portugal impõem que, neste lugar, se erga um Forte, e isso é obra e serviço dos homens de El-Rei nosso Senhor e, como tal, por mais duro, por mais difícil e por mais trabalhos que isso dê, é serviço de Portugal. E tem que se cumprir".

Ontem à noite, hospedei-me num belo hotel beirão, adaptado a partir de um palacete. Olhei para a memória histórica da casa e verifiquei que a sua construção se ficou a dever a D. Luis de Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres.

O grande mundo português é muito pequeno.

Armando Sevinate Pinto (1946-2015)


Creio que em 1998, fiz uma visita oficial à Roménia, como secretário de Estado dos Assuntos europeus. Aquele país estava então a trabalhar no seu processo de adesão às instituições europeias e o setor da agricultura era um dos dossiês mais difíceis que tinha de enfrentar.

A pedido das autoridades romenas, decidimos organizar, em paralelo à visita, um "workshop" sobre o tema. Convidei para orientar o "workshop" Armando Sevinate Pinto, um dos mais reputados especialistas na área, que havia trabalhado no processo de adesão de Portugal e, em Bruxelas, viria a ocupar funções da maior importância na área agrícola da Comissão. Sendo um homem de pendor conservador, a sua escolha para esta tarefa ia fazendo "cair o Carmo e a Trindade"... mais o Rato! Borrifei-me para estas reações e, como era expectável, o seminário foi um sucesso para a imagem de Portugal.

No final do dia de trabalhos, encerrei o "workshop" com um curto discurso. Expliquei aos romenos presentes que "aquele senhor" ali ao meu lado, se acaso a oposição em Portugal viesse a ganhar futuramente as eleições, seria, muito provavelmente, o próximo ministro da Agricultura. E acrescentei que, nesse cenário, também era provável que eu viesse a ser o futuro embaixador ... talvez em Bucareste. Enganei-me em termos relativos: Armando Sevinate Pinto iria, de facto, ser o futuro ministro. Eu, porém, acabei por não ir parar a Bucareste. Como eu esperava, o governo em que Sevinate Pinto era ministro retirou-me quase imediatamente da ONU, em Nova Iorque, mas decidiu mandar-me para... Viena.

Meses mais tarde, publiquei, em Lisboa, um livro. Não obstante eu ser, à época, "persona non grata" do governo em funções, Armando Sevinate Pinto fez questão de estar presente no lançamento, o que, segundo soube, não foi visto com muitos bons olhos em S. Bento.

Fui amigo de Armando Sevinate Pinto por cerca de quatro décadas. Hoje, o António Luis Neto, outro comparsa desses tempos, ao avisar-me da morte do Armando, lembrou-me que, de uma "célebre" equipa que fez parte do serviço militar em determinadas "guerras", só restamos nós os dois, de quantos se sentavam então na mesma sala. O mundo está perigoso!

Armando Sevinate Pinto era, para além do especialista indiscutível na agricultura do nosso país (e espero que alguém publique o importante conjunto de artigos que nos últimos tempos editou no "Público"), um excelente amigo, uma pessoa de sorriso são, quase adolescente, que se sentia que estava de bem com a vida e que tinha do país uma leitura positiva e de esperança. Não coincidíamos politicamente, divergíamos mesmo em coisas importantes e sobre pessoas sobre cuja importância discordávamos em absoluto, mas, em nenhum momento, essas dissonâncias criaram a menor núvem na nossa relação. Sempre que nos encontrávamos, regressávamos aos dias em que nos conhecêramos, como se o tempo se tivesse suspendido.

O Armando estava muito doente, como eu já sabia. Morreu agora. Vai hoje a enterrar, na terra que ele estudou como poucos, nessa "arte" da agricultura que foi o seu grande e glorioso destino de vida.

Um último abraço para ti, Armando!

domingo, 29 de março de 2015

Por hora


A hora muda duas vezes por ano. 

Num desses dias, lá para o Outono, chegados às duas da manhã, voltamos à uma. Ganhamos um hora! Posso ficar mais uma hora na cama ou no computador, sem ser sujeito a quaisquer remoques de ser um compulsivo "late riser", uma soez acusação que me persegue praticamente desde a infância.

Neste dia, a lei está comigo e tenho 60 minutos mais - 3.600 segundos! - para atrasar o meu regresso à vida ativa. Às vezes, confesso, só de tentar convencer quem está à minha volta da racionalidade indiscutível desta minha leitura, acabo por despertar e perder o sono. Já dei comigo a pensar que tenho de preparar melhor estas coisas, no futuro. 

O mundo está, infelizmente, construído num desagradável equilíbrio compensatório. E, assim, no final de março, acontece sempre uma noite aziaga em que nos roubam uma hora. É hoje! Não apenas somos impedidos de dormir a nossa quota habitual de sono como nos vão tirar mesmo uma hora, isto é, dão um alibi a quem nos desperta na manhã deste dia sinistro e nos avisa de que "já são dez horas!", uma sádica advertência face à insofismável realidade de serem apenas nove horas. 

Há sessenta e demasiados anos que convivo com esta tragédia. Tenho procurado companheiros de infortúnio, mas apenas encontro almas acomodadas com esta realidade ou - pior ainda! - madrugadores profissionais, figuras relutantes à minha pouco popular teoria de que as caçadas deveriam começar depois de almoço, que se deveria ir à pesca, qual Lorca, "a las cinco de la tarde".

Hoje mesmo, por esta hora, hospedado num Parador da planicíe castelhana, acabo de receber a advertência, imperativa, de que "el desayuno" é "hasta las 11 horas". E é, manifestamente, falso: se eu chegar, amanhã, um pouco antes das 11 horas, para a dose habitual de "embutidos", "queso" e "jugo de naranja", para acompanhar o meu tradicional "doble expresso", vou dar com o nariz na porta "del comedor": "La hora ha cambiado. Estamos cerrados, caballero!". 

O mundo é muito injusto! Bolas!

Memorabilia diplomatica (XVIII) - Sexo literário

Foi no Maputo, há já uns anos.

A lista dos condecorados era longa e o respectivo leitor, de nacionalidade portuguesa, era, manifestamente, uma pessoa pouco sensível às letras moçambicanas. Assim, sem hesitação, anunciou a certa altura da solenidade: "E agora, vai receber a ordem X a Senhora Dona Mia Couto".

Um frémito de embaraço e riso sacudiu a audiência. Mia Couto, o excelente escritor de Moçambique, afivelou um sorriso por detrás dos óculos e da barba, encaminhando-se para o palco onde o presidente português o aguardava, também este um pouco incomodado com a inesperada feminização do agraciado.

Um colega meu, de graça rápida, logo deixou cair, baixo: "Ainda bem que hoje não é condecorada a Senhora Dona Sara ... Mago!".


(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

sábado, 28 de março de 2015

Memorabilia diplomatica (XVII) - A poesia e o PIB


Morreu o prémio Nobel da literatura Tomas Transtromer, poeta sueco.

Recordo-me bem do dia em que Transtromer ganhou o Nobel. Não porque conhecesse a sua obra, mas precisamente pelo contrário, por nunca ter ouvido falar dele até esse mesmo dia e, numa curiosa coincidência, por ter tido nessa data um almoço com o meu colega embaixador sueco em Paris.

Fiquei a pensar se não conhecer tal poeta seria, ou não, uma imperdoável lacuna cultural da minha parte. E, pelo sim pelo não, durante o almoço, depois de o felicitar, perguntei ao meu colega sueco se acaso os nomes de António Ramos Rosa ou de Herberto Hélder lhe diziam alguma coisa. Disse-me que não e sosseguei. Também ele não conhecia dois génios da poesia portuguesa.

O meu sossego durou pouco, ao ouvi-lo dizer, logo de seguida, que, como poetas portugueses, apenas conhecia Fernando Pessoa e Camões. Ora eu não sabia o nome de nenhum poeta sueco (lembrei-me, depois, mas só lá cheguei com ajuda do Google, de um nome da respetiva literatura, mas não da poesia, de Lagerkvist)! O meu colega sueco ouvira falar de nomes da poesia portuguesa e eu, de literatura sueca, nicles!

Lembro-me de ter ido remoer o assunto, a caminho de casa. E, de súbito, aquietei o espírito com a reconfortante ideia de que, se isso acontece, é seguramente porque a nossa poesia é bem melhor do que a sueca. Deve ser isso! Pena é que ela não conte para o PIB...

(Fui recuperar esta historieta, aqui já publicada, neste dia em que morreu o poeta sueco)

sexta-feira, 27 de março de 2015

JN

Correspondendo a um amável convite do "Jornal de Notícias", passo a publicar naquele jornal uma coluna semanal, num painel de opinião que incluirá Mariana Mortágua, Fernando Teixeira dos Santos, Nuno Melo e João Gonçalves.

Julgo que a ninguém no JN passará pela cabeça que este apenas é um "regresso" meu ao jornal. Em 1967/68, escrevi por lá muito curtas crónicas - imaginem! - sobre jogos de futebol da distrital do Porto. Recordo-me de manhãs de domingo passadas em campos de subúrbio, recolhendo a composição das equipas junto à cabine. Depois, alinhavava algumas escassas linhas de comentário num estilo que creio muito tributário da imprensa desportiva desses dias. Tinha então direito no JN a três ou quatro linhas. Passado quase meio século, os temas mudaram e tenho algumas mais...

Carreira diplomática


Nunca por aqui fiz publicidade. Pois, hoje, vou fazer.

Daqui a dias, iniciar-se-á da Universidade Autónoma de Lisboa um curso de preparação para os futuros candidatos à carreira diplomática. Assegurarei a direção desse curso, que conta com qualificados académicos nas áreas temáticas que fazem parte da prova.

Para quem quiser saber mais sobre o concurso, pode fazer link aqui.

As pessoas interessadas no curso de preparação promovido pela UAL devem ligar aqui.

Não há Gelo para todos!

Andei muito pelo Montecarlo, mas nunca me sentei com o José Gomes Ferreira ou o Carlos de Oliveira. Nem com o Luiz Pacheco, que só vislumbrei entre as mesas. No Vává, nunca fui íntimo dos cineastas ou dos cantores. De alguns deles, só o fui décadas mais tarde. Parei na Smarta, mas nunca por lá falei com o Santareno ou a Natália Correia. Fui ao Café Lisboa algumas vezes, mas não fiz parte da gloriosa trupe jornalístico-cultural que fez a histórica travessia das cadeiras e das mesas, para o outro lado da Avenida da Liberdade, aquando da mudança de endereço. Fui visitante, regular ou episódico, de muitos e interessantes cafés e bares, cruzei muita gente que era ou veio a ser famosa, mas só conheci ou fui amigos de muito poucos, só à distância vi a esmagadora maioria dos outros. E não fiquei menos feliz por isso, podem crer.

Tenho amigos que conheceram toda essa gente, ou melhor, uns conheceram uns e outros outros. Ouço com gosto as suas histórias desse tempo, de uma Lisboa que passou por ali ao meu lado, que vi e apreciei como espetador, como aconteceu a tantos outros da minha geração. E, olhando para trás, acho que posso dar-me por muito satisfeito pelo privilégio de ter conhecido gente bem intetessante, pelo que não preciso de "inventar" os amigos que não tive e que, no parecer de alguns, parece que "dava jeito" ter. Por isso, irritam-me os que se colocam em "bicos-de-pé", algumas aves de arribação à sociedade intelectual lisboeta que hoje se colam a quem mal conheceram ontem. 

Neste capítulo, nada me atazana mais supinamente do que as memórias do "Gelo". Ando, há anos, a encontrar por aí pessoal que diz que esteve horas numa esquina de mesa do Café Gelo com os surrealistas, gente que um dia dirá que foi "quase por um pêlo" que não entrou nas antologias ou nas mostras plásticas, que só não fez parte da foto com o O'Neill a fingir de maneta porque foi ele próprio quem tirou o retrato. Como, nos dias que passam, já quase todos os famosos do Gelo estão mortos, há ainda alguns que ainda "estão mortos" por contarem, sem testemunhas desabonatórias, que eram íntimos do Cesariny, do Cruzeiro Seixas (se foram íntimos, porque o não visitam em Vila do Conde, onde ele hoje apaga a existência?), do Manuel de Lima, do Mário Henrique Leiria. 

A propósito da morte de Herberto Helder, que foi do "grupo do Gelo", eu pediria assim ao meu querido amigo Helder Macedo - esse sim, figura do grupo - que, de uma vez por todos, "fixasse" a lista dos habitués do local, por forma a evitar que o passado cultural do Gelo passe a ser como as enciclopédias da União Soviética, que mudavam as páginas quando alguém caía em desgraça. Lá em Moscovo, como acontece às vezes a propósito do Gelo, o passado estava sempre cheio de futuro...

quinta-feira, 26 de março de 2015

Memorabilia diplomatica (XVI) - "Le Monde" é pequeno


Há dias, num restaurante de Lisboa, encontrei Miguel Trovoada, antigo presidente e primeiro-ministro de S. Tomé e Príncipe. Estava a almoçar com um amigo de ambos e recordei-lhe uma história comum.

Estávamos em 1976. Surgira em S. Tomé e Príncipe uma greve dos professores cooperantes portugueses... por cuja pré-selecção eu próprio tinha sido responsável, pouco tempo antes. Aparentemente, os nossos docentes sentiam estar a haver alguma discrepância entre as condições que lhes haviam sido prometidas pelos santomenses, antes de partirem de Portugal, e a realidade local com que então se defrontavam. A coisa parecia séria, as aulas estavam suspensas e a "batata quente" foi passada para as minhas mãos, porque eu fora o elo de ligação com as autoridades de S. Tomé. E aí fui eu despachado de Lisboa, viajando através de Paris e de Libreville, no Gabão, para o cumprimento da minha primeira missão externa. Sozinho, cinco meses depois de entrar para o MNE, imaginem!

No dia seguinte à minha chegada a S. Tomé, onde tive de ficar uma semana porque só havia um voo semanal de ligação à capital gabonesa, o embaixador português, Amândio Pinto, homem simpatiquíssimo, sem dar mostras de qualquer agastamento por terem mandado um "miúdo" para resolver um problema diplomático que estava sob a sua jurisdição, perguntou-me se eu queria encontrar... o primeiro-ministro! Que era Miguel Trovoada e que assumia também a pasta da Cooperação. 

"O primeiro-ministro?!", inquiriu este recém-admitido adido de embaixada. "Claro, não há qualquer problema", disse o embaixador. E, com a maior naturalidade, pegou no telefone e ligou ao primeiro-ministro, creio que por um número direto. Para meu espanto de neófito, meia hora depois lá estávamos, no respectivo gabinete.

Ao cumprimentar o chefe do Governo de S. Tomé, que veio depois a ser presidente da República e que é pai do atual primeiro-ministro, dei-me conta de que, sobre a sua secretária, tinha um exemplar do jornal português "O Século". E, pelo título de uma notícia, percebi que aquele jornal teria, pelo menos, duas semanas. Aí, não resisti: "Vejo que está a ler um Século antigo. O senhor primeiro-ministro quer o "Monde" de ontem?". Trovoada fez um olhar surpreendido: "Mas como é que você tem o "Monde" ontem?". Expliquei-lhe que saíra de Paris na tarde da antevéspera, já com o "Le Monde" desse dia (que, como é sabido, tem sempre a data do dia seguinte) debaixo do braço. Miguel Trovoada, homem que muito frequentara a França, sorriu, encantado com a possibilidade de ter notícias frescas da Europa, e, logo ali, disse que mandaria um carro à nossa Embaixada, para recolher a novidade informativa. O nosso embaixador prontificou-se a ser ele a mandar entregar-lhe o jornal, de imediato.

Para a pequena história, assinale-se que o governo santomense fez algumas concessões que permitiram acomodar as reivindicações dos nossos professores e me deram ensejo de com eles negociar o fim da greve. Dias mais tarde, viajei com o próprio Miguel Trovoada no avião de regresso a Libreville. E o jovem adido de embaixada que eu era regressou a Lisboa, impante, com a missão bem cumprida.

Será que o "Le Monde" teve alguma coisa a ver com isso?

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

quarta-feira, 25 de março de 2015

Coincidências


Foi anunciado que o avião da Germanwings que ontem se despenhou em França, provocando 150 mortos, era de um modelo precisamente idêntico ao avião da brasileira TAM que, em 2007, vitimou, em S. Paulo, 199 pessoas, entre os quais um cidadão português. 

Há em ambos os acidentes uma curiosa coincidência que envolve Filipe de Espanha.

Ontem, o rei Filipe estava em visita oficial a Paris, à hora do desastre em França.

Em 2007, na noite em que o avião da TAM se despenhou em S. Paulo, o então príncipe Filipe estava em Brasília, no âmbito de uma visita oficial ao Brasil. Casualmente, fui eu quem o informou do acidente, escassos minutos depois dele ter tido lugar. No decurso da conversa, na embaixada de Espanha em Brasília, recebi um SMS de um amigo que estava no aeroporto onde o desastre ocorreu.

Memorabilia diplomatica (XV) - Visita de Estado

Os três dias tinham passado na agitação e correria que é típica das visitas presidenciais a um país estrangeiro. Na manhã seguinte, far-se-ia o regresso a Portugal. O ministro e a sua mulher, acabado que foi o último jantar oficial, voltaram cansados ao quarto do hotel, ansiando por uma boa noite de sono.

Havia, porém, um ritual a cumprir: neste género de deslocações, as regras logísticas obrigam a que os membros das comitivas deixem as malas do lado de fora dos quartos, aí pelas cinco da manhã, por forma a serem recolhidas pelos bagageiros, que as colocam no avião, bem antes da partida. É desta forma que os presidentes e as suas comitivas podem sair diretamente dos hotéis para os aviões, já sem preocupações com as bagagens.

Para isso, porém, há que fazer as malas bem cedo, deixando para trás apenas as coisas básicas de higiene e o vestuário para essa manhã. Foi essa regra que a mulher do ministro cumpriu, já com o marido a dormir. Concluída a função, colocou as malas à porta e foi-se deitar.

No dia seguinte, aí pela sete horas, o ministro toma o seu duche e - surpresa das surpresas! - dá-se conta de que a sua mulher, por lapso, tinha colocado nas malas o seu par de sapatos. A essa horas, as malas já deviam estar no avião!

Que fazer? Era um "país de Leste", as lojas da cidade estavam fechadas, o "concierge" do hotel revelou-se sem soluções. E, há que convir, era política e socialmente imprudente o ministro surgir em peúgas na fila de cumprimentos. Ou não surgir, o que seria protocolarmente muito grave e abriria lugar a infindáveis especulações.

É nessas horas que os embaixadores justificam a sua existência. Ou não. O meu colega em posto foi alertado para a crise ministerial quando já estava, no seu carro, prestes a chegar ao hotel. "Que número usa, senhor ministro?". A resposta "41" terrificou-o, olhando desolado para os seus pés "38" e para a impossibilidade de encontrar, na sua própria casa, uma alternativa.

O carro continuava a rolar em direção ao hotel, onde o presidente o esperava. Mas o embaixador tinha bem claro que o seu ministro também o esperava, embora ainda no quarto, e, claro, aguardando uma solução. Na falta dela, como seria de presumir, lá se iria a desejada promoção e o tal posto, uma sinecura simpática que prometera à sua mulher e que perseguia há muitos anos, como fim de carreira.Que importava a qualidade dos dossiês técnicos, que a Embaixada tão bem tinha caprichado em trabalhar e apresentar, face ao drama do ministro? Que representavam anos de bons serviços, perante a presumível fúria ministerial, que o gáudio da comitiva iria potenciar?

Apesar da hora matutina, pouco propensa a rasgos, o nosso embaixador, olhando casualmente de viés entre os bancos da frente do seu Mercedes de serviço, a pedir uma substituição que o chefe da gabinete do ministro lhe assegurara na véspera, intui uma solução: nos pés do seu motorista. "Ó Arnaldo, que número é que você calça?". Surpreendido pelo intimismo do seu sempre reservado chefe, o Arnaldo responde: "40, senhor embaixador". E aí, pese embora o diferencial que a tragédia tornava irrelevante, o Arnaldo selou, em glória, o seu destino matinal: lá se ficou no carro, em peúgas, até ao regresso à Embaixada, depois da partida da comitiva presidencial.

Dizem-me que o ministro arvorou, nas despedidas, um ar grave e compungido, que alguns jornalistas - rapazes bem sagazes - levaram à conta da tensão entre o governo e o presidente, que os últimos meses tinham agravado. Ora a verdade, porém, era bem mais terra-a-terra.

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

terça-feira, 24 de março de 2015

Herberto Helder


Durante anos, achei Herberto Helder um poeta críptico. Um dia, li-o com mais atenção e fiquei fascinado com a sua escrita. Entre nós, há muito pouca gente como ele a dominar o uso certo das palavras, sem excessivos rebuscamentos, sem essa obsessão, tão comum, da "trouvaille" estilística arrebicada que esconde, atrás de um "barroco" tido por criativo, uma mera falta de ideias originais.
 
Sempre me perguntei como é que Herberto Helder "alimentava" a sua escrita, passando os dias, ao que sabe, numa obstinada reclusão. De onde lhe vinha a vida que enchia a sua poesia? Mas eu já desisti de tentar entender os poetas. Só os leio e cada vez com mais prazer.
 
Herberto Helder morreu agora.

"Shark tank"


Por mera curiosidade, vi o primeiro programa do "Shark tank", onde um grupo de empresários, entre os quais um amigo meu, avalia propostas de negócio de candidatos em busca de financiamento. Tinha feito sempre "zapping" nas versões estrangeiras, mas achei interessante observar como é que as coisas corriam em Portugal. Não achei muita graça ao programa, devo confessar, pelo que não fiquei "cliente".
 
Porém, interpretei como muito instrutivos alguns dos comentários que ouvi da parte dos quatro avaliadores. Penso que pode ser muito útil, para quem possa ser tentado em arriscar o seu dinheiro em alguns negócios, obter comentários francos, por parte de pessoas com experiência, sobre a razoabilidade de certos investimentos. Em particular para gente jovem, motivada a envolver-se nos mundo dos negócios, é bom poder receber conselhos de quem tem competência para os dar.
 
Por vezes, no meu dia-a-dia, tenho deparado com iniciativas comerciais e industriais que "entra pelos olhos dentro" que não vão funcionar, que são uma ruína anunciada para os seus promotores e que, no entanto, levam poupanças e esperanças. A verdade é que não sou o melhor exemplo para esses criadores de projetos económicos: nunca me meti num negócio, não arrisco um tostão em ações e, se o estímulo à atividade económica dependesse de mim, o país "parava". Nem na lotaria ou no totoloto alguma vez joguei! Talvez por isso, tenho um imenso apreço e admiração por quem arrisca o seu dinheiro, por quem cria empregos, por quem investe no futuro. Espero que o "Shark tank" possa ajudar a que muitos o façam, cada vez mais, mas com os pés bem assentes na terra.    

Os putativos

Entendo que o PS não deve ficar preocupado pelo anúncio da candidatura presidencial de Henrique Neto. 

Mas já acho que os socialistas devem começar a preocupar-se pelo facto de, na sua área política, não ter ainda emergido um candidato com uma vocação ganhadora.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Memorabilia diplomatica (XIV) - Rota da Seda

 
A Ásia Central é uma região do mundo que vive sob o manto de um relativo desconhecimento, como que escondida atrás de uma Rússia com a qual tem uma relação complexa e ofuscada pela vizinhança mais mediática da China, do Irão e do Afeganistão.
 
A antiga "Rota da Seda" é constituída por cinco dos 15 países que resultaram da implosão da antiga União Soviética e tem, dentro de si própria, fortes contradições, parte das quais resultantes de alguma arbitrariedade na definição de fronteiras que Estaline lhes impôs. O seu processo político, desde o fim da URSS, não tem sido linear e tem passado por convulsões diversas, quase sempre sob modelos políticos autoritários.

Há uns anos, com outros quatro embaixadores da OSCE, viajei (já agora e para que não restem dúvidas: à minha custa!) por todos esses países e pude aperceber-me que, por detrás de nomes com terminações similares que induzem à confusão dos não iniciados (Casaquistão, Quirguistão, Tajiquistão, Turquemenistão, Uzebequistão), vivem realidades muito diferentes e, não raramente, conflituantes entre si. Petróleo, escassez de água, lixos tóxicos, questões religiosas e de minorias, para além das tensões estratégicas provocadas pelo radicalismo islâmico e pela fragilidade das culturas democráticas, são algumas das temáticas de que, sem qualquer dúvida, ouviremos falar muito no futuro. Os tempos da luta anti-terrorista acabaram por travar, em alguns deles, a abertura que já se pressentia nos respectivos regimes e, em certos casos, deram mesmo um álibi para novas vagas repressivas. Noutros, porém, tem vindo a detectar-se alguma dinâmica de inclusão cívica, que deve ser estimulada e relevada.

A experiência dessa visita deixei-a expressa num artigo que, à época, causou alguma polémica nos meios OSCE, pelo tom crítico que assumiu: "Central Asia - not always a 'silk road' to democracy"

É a propósito da Ásia Central que deixo hoje uma pequena história.

Durante a nossa viagem, num desses países sujeito a um regime muito autoritário, verificou-se ser impossível conseguir contactos com opositores ao regime de partido único, por óbvio receio de represálias. O máximo que se conseguiu foi falar com a representante de uma Organização Não Governamental local, dedicada ao acompanhamento da situação dos prisioneiros políticos. Ela entrou na sede da delegação da OSCE, onde nos encontrávamos, sabedora que tinha de aproveitar a presença de diplomatas ocidentais para dar conta da terrível situação que afectava alguns dos seus compatriotas. Relatou-nos, sempre sem recorrer a um tom dramático, algumas barbaridades cometidas pelo governo do país, deu-nos nomes e locais, detalhou as imensas dificuldades sentidas pela sua organização e o escasso apoio que conseguia junto das missões diplomáticas estrangeiras, muitas delas há muito convertidas à cínica lógica da "realpolitik". Todos ficámos impressionados pela serenidade grave desta mulher, pela sua dignidade e coragem, pelo muito que arriscara ao vir falar connosco. À saída, num tom quase neutro de voz, com uma naturalidade desconcertante, deixou-nos um simples pedido: "Se vos fôr possível, peçam às embaixadas ocidentais que existem aqui no meu país para estarem atentas ao que me pode vir a acontecer. É que estou segura que as minhas autoridades não me vão perdoar pelo facto de ter vindo falar convosco..."

É em ocasiões como estas que dou mais valor à democracia em que vivemos.

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

Henrique Neto


Pronto! Começou a corrida. Henrique Neto é candidato declarado à presidência da República. O primeiro.

Com 78 anos, um passado digno de anti-fascista, "self-made man", industrial, homem de palavra frontal, Henrique Neto não é um homem "fácil". Tens ideias próprias, diz sempre o que pensa e di-lo com palavras fortes, às vezes ácidas. No seio do Partido Socialista, ao olhar para as últimas décadas, verifica-se que quase sempre foi uma figura incómoda, incontrolável, crítica. 

Deixo daqui um sincero abraço de simpatia pessoal a Henrique Neto, pessoa que me merece respeito, com quem tenho trocado impressões esparsas e francas, ao longo destes anos. Um respeito que é agora reforçado pela coragem que teve para entrar nesta aventura, a qual nem por ser impossível deixa de ser nobre. Estarei algures, mas só lhe posso desejar um valente combate.

A hora dos amantes


Encontrar um lugar para estacionar em Campo de Ourique, respeitando em absoluto as passadeiras e os sinais de trânsito, está a tornar-se cada vez mais complicado. Para zonas mais distantes do parque subterrâneo, a única e mais sensata solução é mesmo ir de taxi (ou de Uber!).
 
Há dias, quando discutia com alguém a minha forte e frustrante experiência na matéria, recebi uma resposta curiosa:
 
- À noite? Há uma hora excelente, um pouco depois da meia-noite e até cerca da uma. Há sempre carros a partir.
 
- Ah! Sim? Do pessoal que vai aos restaurantes?
 
- Também! Mas quem é do bairro e o conhece bem tem uma outra explicação.
 
- Qual é?
 
- É a hora dos amantes. É o momento de regressarem às casas, às "legítimas"...
 
Campo de Ourique é um mundo!

domingo, 22 de março de 2015

Sonoridades sociais


O "social" bateu à porta de Xanana Gusmão: o seu divórcio está aí pelos jornais. Mas ainda não deve haver uma edição em tetum da "Caras"...

Embora o episódio seja talvez "politicamente incorreto", recordei-me hoje da reação de uma amiga minha, vai para muitos anos, quando deparou, pela primeira vez, com o nome do líder guerrilheiro de Timor-Leste. 

Pouco dada a acompanhar a atualidade, num tempo em que a luta da Fretilin não era manchete habitual nos nossos mídia, confessou-me que, ao ouvir o nome "Xanana Gusmão" achou que se tratava de uma "piquena" da Linha. 

Depois de um primeiro choque, refleti melhor e concluí que não causaria nenhuma estranheza que alguém dissesse: "Sabes quem encontrei no casamento? A Picucha Leite de Noronha e a Xanana Gusmão. Elegantíssimas!"  

Memorabilia diplomatica (XIII) - Queluz


Era um jantar de gala no Palácio de Queluz. Um rei ou um presidente estrangeiro estava em visita de Estado a Portugal. O protocolo esmerou-se em ter a imensa mesa com grandioso aspeto, belos candelabros e talheres de prata, o serviço de pratos mais requintado, tudo sobre uma toalha magnífica, só usada nas grandes ocasiões. Demorou horas a colocar tudo em ordem, mas o cenário era deslumbrante.

Salazar chegou bem antes do presidente português e do convidado estrangeiro deste. Era, cumulativamente com o cargo de chefe do executivo, ministro dos Negócios Estrangeiros e tinha um cuidado pessoal com estas ocasiões solenes.

Mesureiro e conhecedor do seu sentido de pormenor, o chefe do protocolo, cavalgando a oportunidade do bom trabalho feito, inquiriu se o senhor presidente do Conselho quereria dar uma vista de olhos à sala, antes de o jantar começar. Salazar disse que sim.

Lá chegados, o diplomata não resistiu e perguntou: "O senhor presidente do Conselho acha que está tudo bem? Gosta da toalha que escolhemos? Fomos buscá-la à Ajuda...".

Salazar esboçou um sorriso, entre o cínico e o irritado, e respondeu: "Muito bem, está tudo muito bem. E a toalha é linda. Pena foi que a tivessem posto do avesso...".

Esta é uma história clássica no Ministério dos Negócios Estrangeiros.
 
(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

sábado, 21 de março de 2015

A poesia do cozido


Que tem uma chouriça de sangue a ver com uma sextilha? E a orelheira, junto com a entremeada, rima com a farinheira ou com uma boa "pomada"? Em princípio, uma coisa é uma coisa é uma coisa e não tem a ver com as outras, não obstante o poeta, que já se foi, tenha garantido que "isto anda tudo ligado". Mas haverá algo de mais "poético" do que um grupo divertido de amigos a charlar sobre as coisas da vida (as boas e as más), dizendo cobras, lagartos e "tonnerres de Brest" sobre o governo que ainda por aí anda, agora que (já não era sem tempo!) "os cofres estão cheios", tudo à volta de um soberbo cozido à minhota, frente a uma vista deslumbrante sobre Lisboa, neste sábado luminoso, no dia mundial da poesia? E se a função, arquivada que foi a dimensão gastronómica, tiver sido completada pela oferta de livros de poesia, com recitação da dita pelos comensais e bebensais? Esta vida são dois dias e, por isso, mais vale viver à tarde do que nunca.

Obrigado, Carlos!

Memorabilia diplomatica (XII) - Loulé em Lomé


Foi em finais de 1989, em Lomé, no Togo, um pequeno país africano escrustrado entre o Ghana e o Benim. Estávamos no acto formal da assinatura da 4ª Convenção de Lomé, estabelecida entre a então Europa a 15 e os 69 países espalhados pela África, pelas Caraíbas e pelo Pacífico.

Foi uma cerimónia interminável, com imensos discursos e com os representantes de cada país (eram 84!) a serem chamados, um a um, a assinar o texto, no palco de um grande auditório da capital do Togo. Logo que o nome de um país era mencionado nos altifalantes, e enquanto se processava a deslocação do respectivo dignitário para a mesa da assinatura, desciam, pelas escadarias laterais do anfiteatro, coloridos grupos de dançarinos, ao som de uma música alusiva ao país em causa, levando à frente a bandeira e um cartaz com uma grande fotografia do respectivo chefe de Estado.

Como a ordem era alfabética, Angola foi o primeiro país de expressão portuguesa a ser chamado. Para nossa imensa surpresa, a música que acompanhou a assinatura pelo ministro angolano foi ... a "Tia Anica de Loulé". Esperámos por Cabo Verde, para ver se alguma morna de Cesária Évora era selecionada. Qual quê! Lá saiu outra vez a "Tia Anica"! E o mesmo aconteceu no caso da Guiné-Bissau, de Moçambique e de S. Tomé e Príncipe. E, claro, a coreografia do governante português, com o retrato imenso de Mário Soares a descer nas mãos de jovens pelas escadas do auditório, também se fez ao som da mesma música. Chegámos a interrogar-nos sobre se a alusão a Loulé não seria uma compensação pelo facto do primeiro-ministro ser de Poço de Boliqueime...

Cuidámos em não suscitar a nossa estranheza pela escolha da música junto dos nossos colegas dos PALOP, tanto mais que, no caso das antigas colónias francesas, britânicas ou belgas a seleção musical foi bem africana. É que, com resquícios de radicalismo, alguns poderiam ter pensado que se trataria de uma forma encapotada de neo-colonialismo musical da nossa parte, muito embora a organização do evento fosse africana.

Ele há cada uma!

sexta-feira, 20 de março de 2015

Memorabilia diplomatica (XI) - O quarto

Era no tempo das negociações para a entrada de Portugal nas Comunidades Europeias, essa primeira década dos anos 80 em que, com muito esforço e dedicação, vários sectores da sociedade portuguesa foram chamados a dar o seu testemunho sobre as práticas em vigor no nosso país, a fim de as procurar tornar compatíveis com as que eram seguidas nessa Europa a que pretendíamos aderir.

Naquele dia, eram os nossos produtores de leite que explicavam qual o tipo de vasilhame que era usado em Portugal. O técnico que tinha ido a Bruxelas falava um francês sofrível, com algumas falhas que, não sendo trágicas, eram, pelo menos, cómicas.

Uma delas teve graça e ficou na história da nossa adesão. Ao referir-se ao tipos de garrafas utilizadas em Portugal para a venda de leite, terá dito mais ou menos isto: "Au Portugal, nous avons des bouteilles de litre, de demi-litre et de chambre de litre".

O espanto dos auditores de língua francesa terá sido muito, ao serem confrontados com esta criativa forma de se referir ao quarto de litro...

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

quinta-feira, 19 de março de 2015

"Provedor do Povo"


A revista "Visão" publica hoje o perfil desejável do futuro Presidente da República, pela pena de seis convidados. Eis o que eu escrevi, deixando entre parêntesis as partes do texto enviado e que a revista entendeu, no seu legítimo critério editorial, não aproveitar:
 
(Desde há muitos anos que nunca foi tão "fácil" escolher um Presidente. A última década ensinou bem o país). O futuro presidente, num tempo que se sabe que será muito exigente, deverá ser capaz de utilizar a legitimidade única que lhe advém do sufrágio universal para funcionar como um referente do interesse coletivo, uma espécie de um "provedor do povo", aglutinador, respeitador dos partidos mas claramente independente deles. Deve ser alguém que, no caminho para Belém, leve a ambição de ser um potenciador das reformas da modernidade do país, ligadas às funções de soberania: uma remodelação profunda do sistema de justiça, a modernização e adequação das forças armadas e de segurança às novas exigências, uma requalificação profunda da nossa máquina de representação e negociação externa. Deve ser alguém que consiga congregar vontades para os compromissos, para além dos ciclos políticos (tendentes à neutralidade absoluta da Administração Pública, para a fixação de uma agenda nacional destinada a favorecer o investimento produtivo, para uma estabilidade temporal dos critérios funcionais da Educação). No plano externo, sem duplicar as funções do governo, deve ser alguém de cuja imagem e postura o país se orgulhe, pela sua cultura, pelo seu prestígio, pelo seu rigor e pela experiência que se impõe aos seus pares. Deve ser também alguém isento de quaisquer "trapalhadas" sobre o seu passado, sobre as suas contas, com uma imagem de seriedade à prova de bala, não porque o diz mas porque todos o reconhecem assim. Será esse o meu presidente. O nome é apenas um detalhe.

Memorabilia diplomatica (X) - Diálogo


O diretor-geral estava estupefacto! O telefone interno tocara e, do outro lado da linha, tinha ouvido esta insolência:

- És um cretino! Li agora o teu papel para o ministro. Está uma boa porcaria! Espanta-te depois que ele te dê uma embaixada num sítio sinistro!

O diretor-geral, embaixador "chevronné", reagiu, com um berro surdo:

- Sabe com quem está a falar? Daqui é ... - e disse um nome que, nesses anos 70, fazia tremer meio ministério.

Do outro lado da linha, o interlocutor fez uma pausa reflexiva. Percebera que cometera uma incumensurável "gaffe". Após o que interrogou:

- E sabe quem eu sou?

- Não! - respondeu, irritado, o diretor-geral.

- Ainda bem... - disse o equivocado correspondente, numa voz prudentemente anasalada para a ocasião. E desligou, nesse tempo dos velhos telefones que não identificavam a origem das chamadas. A verdade é que o tal diretor-geral, nas vezes em que o encontrou, nunca lhe falou no assunto...

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

O Estado do Governo

O governo que, sob o seu ódio ideológico ao Estado, mais tem procurado instrumentalizar a Administração Pública, ao mesmo tempo que a despreza, humilha e enfraquece sempre que pode, é o mesmo governo que se esconde atrás dessa mesma Administração, deitando as culpas para os seus agentes e fugindo à assunção de responsabilidades políticas, logo que as coisas começam a correr mal para os seus interesses, por virtude da destruição e desqualificação organizada da máquina pública, que deliberadamente empreendeu.

Brasil

 
Na Económico.TV participei ontem num debate sobre a situação político-económica que o Brasil atravessa, no programa "Acerto de contas".
 
Pode ver aqui a 1ª parte e aqui a 2ª parte.
 

quarta-feira, 18 de março de 2015

Memorabilia diplomática (IX) - Uma profissão improvável

 
Era um homem encantador, que conheci num "Dez de junho", poucos dias após chegar ao meu primeiro posto, em Oslo, em 1979. Estaria na casa dos cinquenta, com um ar um pouco mais velho, porque a vida dura que o trouxera emigrado para a Noruega, onde labutava numa fábrica, não ajudava a conservar a frescura. Tinha vindo da Beira, de onde conservara a maneira de falar própria, com muitos "ches" à mistura. Viera com a sua mulher, há mais de vinte anos e o seu português, embora fluente, ressentia-se já disso. Dois filhos tinham-lhe nascido nas terras nórdicas. Nas visitas que, por vezes, me fazia na embaixada, quando por lá passava para renovar o passaporte ou tratar de qualquer outro documento, falava-me com orgulho do excelente percurso académico da prole.
 
Um dia, já no período final da minha estada no posto, convidou-nos para ir almoçar à sua casa, num fim de semana. Era um moderno apartamento numa zona fora de Oslo, mobilado e decorado ao gosto de quem trouxera a saudade do Portugal rural agarrada à pele. Notava-se que a vida de operário especializado lhe tinha garantido proventos para uma existência relativamente desafogada, a qual, claro, lhe havia dado oportunidade de construir a casa na aldeia beirã, para a qual regressaria no final da aventura norueguesa. Estava muito grato à Noruega: a ele e à mulher, dera-lhes trabalho e bom salário, usufruíam do Estado social, tinham uma boa pensão à sua espera, educara-lhes os filhos.
 
O almoço, que era um gesto bem amável de despedida, era também sobre isso. Um dos rapazes acabara, com excelente nota, o curso de Relações Internacionais, na universidade de Oslo. Com dupla nacionalidade, por consenso familiar, tinha intenção de ingressar na carreira diplomática portuguesa. Não sabiam por onde começar para concretizar o sonho do rapaz e, por isso, pediam a minha ajuda.
 
Era um miúdo tímido, com ar vivo. Ainda à mesa, perguntei-lhe pela composição do curso, para perceber se se coadunava com as nossas exigências. Quando falou - e era a primeira vez que o ouvia - caí das nuvens! O licenciado com mérito na universidade norueguesa tinha, em português, uma fala hesitante, articulava muito mal as frases, sofria de uma imensa pobreza vocabular. Ele era, simultaneamente, um norueguês educado, seguramente bem fluente, e um português que nem sequer tinha o ritmo discursivo, já de si muito pobre, dos seus pais. Copiava-lhes o sotaque, num registo caricatural, que redundava numa sonoridade bizarra. Só um ou dois anos de "imersão total" na sociedade portuguesa, com alguém que o ajudasse a adquirir uma cultura linguística suficiente, permitiria que viesse a obter as bases mínimas para poder apresentar-se ao concurso para diplomata em Portugal. E, mesmo assim...
 
Eu não sabia o que havia de dizer àqueles pais que tinham o sonho de ver o seu filho como meu futuro colega. Perguntei-lhes qual o plano de vida que tinham para ele. A confiança era imensa: apenas queriam saber os requisitos para o concurso. O rapaz haveria de se preparar, lá em Oslo, para um dia ir fazer as provas a Lisboa. Embaraçado, dei conta da imensa exigência do exame, do facto de serem centenas ou para cima de um milhar de candidatos para um admissão de uma dezena ou um pouco mais, das temáticas de História portuguesa que era fundamental dominar. Disse-lhes que havia candidatos que passavam meses consecutivos a estudar os temas para as provas, frequentando a biblioteca das Necessidades. E que a esmagadora maioria não era admitida. Os meus avisos não desanimavam o meu amigo, embora eu pudesse detetar no filho alguma perplexidade.
 
Dias depois, enviei-lhes o regulamento do concurso, agradecendo-lhes a simpatia do almoço. Parti da Noruega para Angola, algumas semanas depois. Nenhuma das caras de jovens colegas com os quais me cruzei, nos anos seguintes, nos claustros e corredores do palácio das Necessidades, era o filho daquele meu amigo português da Noruega.      

Netanyahu


Em meados de 1996, recebi no meu gabinete o embaixador de Israel em Portugal. Meses antes, em Jerusalém, ambos havíamos almoçado em casa de Itzahk Rabin, horas antes deste ser assassinado. A partilha desse momento criara entre nós uma relação especial.

Israel tinha ido a votos, semanas antes. Netanyahu acabava de ser nomeado primeiro-ministro. O embaixador cessava as suas funções, por ter atingido a idade da reforma. Ia regressar a Israel. Era uma figura muito simpática, popular em Lisboa, onde ia deixar grandes amigos. Ofereceu-me um livro de Amos Oz, que tinha acabado de ser publicado em português. Trocámos algumas palavras amáveis, como é uso nas despedidas, desejei-lhe felicidades pessoais e fui levá-lo ao pátio do Palácio da Cova da Moura, onde estava o seu carro. Lá chegados, perguntei-lhe se achava que a vitória do Likud ia induzir mudanças drásticas no processo de paz que, pelo menos no papel, parecia ainda poder subsistir. Otimista por dever de ofício, disse-lhe que não esquecia que o mais corajoso passo político que testemunhara por parte de um governo israelita - o tratado de paz com o Egito - fora dado precisamente por um governo Likud. Seria este novo governo Likud capaz de uma "paz dos bravos"?

O embaixador olhou para mim de um modo estranho. Fez um ricto facial que não me pareceu dever-se ao sol que lhe banhava a cara. Notei lágrimas a surgirem-lhe nos olhos. Agarrou-me o braço com força e, com visível dificuldade para dizer o que diria de seguida, ousou expressar: "Meu querido amigo. Provavelmente, eu não deveria estar a dizer-lhe isto, mas digo-o: com a eleição de Netanyahu, o meu país entrou no caminho da tragédia. Qualquer paz é impossível com ele. Não o conhecem!". E entrou no carro. Nunca mais o vi. Não sei se, quase duas décadas passadas sobre aquele momento, ainda será vivo. Espero bem que sim.

Lembrei-me dele há minutos. Os israelitas voltaram a escolher Netanyahu.

terça-feira, 17 de março de 2015

Renascença



Hoje, 3ª feira, a partir das 23 horas, estarei no espaço da Grande Entrevista da Rádio Renascença, à conversa com Raquel Abecasis.

Em tempo: veja um extrato aqui

Memorabilia diplomatica (VIII) - O adido


MNE, há mais de 30 anos. 

O diretor-geral, à secretária, de óculos na ponta do nariz, lia lentamente a informação de serviço que o adido de embaixada tinha preparado. De pé, o chefe de repartição e o jovem autor do texto mantinham-se num reverente silêncio, esperando o veredito.

Acabada a leitura, o diretor-geral levantou os olhos, deu um leve suspiro, olhou para o adido e disse: "Deixe ficar o papel", com uma implícita indicação de que o funcionário poderia retirar-se. 

Quando ficou a sós com o chefe de repartição, este último, pressentindo algum desagrado no modo como o seu superior tinha acolhido o texto, perguntou: "Não gostou da informação? Posso mandar refazê-la...".

O diretor-geral não respondeu logo. Levantou-se, caminhou para a janela e ficou a ver a ponte sobre o Tejo. Segundos depois, voltou-se, encarou o chefe de repartição, deu um suspiro ainda mais longo e inquiriu: "Você sabe quando é que este tipo entrou na carreira?". 

- Julgo que foi no concurso de há cerca de dois anos. Porquê?

- Por nada. Ele não tem culpa nenhuma, é apenas um incompetente que não sabe escrever português e que vai demorar alguns anos até se tornar num funcionário sofrível. Até lá, quem sofre é o Estado. O que eu gostava de saber é quem foram os cretinos dos membros do júri de admissão que o não chumbaram...

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

O terraço de Varufakis


A Europa vive um momento raro de teatro. Confrontada com o corpo estranho que é o novo governo grego, que desde o início lhe contesta a filosofia orientadora, foi a cara de Dijsselbloem, o ministro holandês que preside ao Eurogrupo, a que melhor refletiu, desde o início, aquele misto de perplexidade e arrogância que foi a reação do “statu quo” comunitário. O jogo facial não terminou, porém, por ali. Entre o semblante fechado de Schauble e o ar jovial, latino do Norte, de Juncker, a Europa tentou descobrir a melhor forma de flexibilizar uma Grécia desengravatada, que lhe provocava a coreografia consuetudinária. A Europa não quer perder, sabe que não pode ser vista a perder, mas tem consciência de que o sentido de responsabilidade impõe que mostre um mínimo de abertura.

Quer Bruxelas quer Atenas começaram por navegar à vista. Os gregos colocaram em cima da mesa um conjunto de ideias, racionalmente coerentes, mas completamente à revelia da ortodoxia dominante. Não era difícil prever que a resposta institucional fosse, em absoluto, negativa. A Comissão, com anos de experiência em adocicar Estados recalcitrantes, lançou, talvez cedo demais, uma espécie de boia semântica, que pudesse salvar as duas faces que se confrontavam. Os alemães, sujeitos a uma barragem mediática sem precedentes por parte das novas autoridades gregas, forçaram a recusa do gesto. A sua opinião pública, com os títulos da imprensa a ressoarem diariamente as provocações helénicas, não compreenderia. Nem a senhora Merkel ousou fazer de “good cop”. Para Berlim, a Grécia terá de “morder o pó”, como se dizia nos “westerns”…

Numa tática antiga, as instituições procuraram – e não admiraria que viessem a procurar de novo – explorar uma possível dualidade interna grega, entre um primeiro-ministro que parecia politicamente mais abordável e um ministro das Finanças que dava ares de caminhar em glória aos ombros de si próprio, como se as derrotas o fortalecessem. Por um momento, chegou a parecer que ambos diziam coisas algo diferentes, mas o tropismo da política interna acabou por também reempolgar Tsipras.

A Europa tem do seu lado o tempo, a Grécia tem a pressa, que lhe limita as opções. Bruxelas percebeu que era importante atenuar a estratégia confrontacional grega. Deu-lhe, num papel, as “instituições”, em lugar da “troika”. Em contrapartida, obrigou-a a aceitar a ida a Atenas dos seus técnicos. Os gregos avançaram generalidades, Bruxelas recupera agora a mão e quer coisas concretas, calendários, quantificações. Atenas dá sinais de que parece esperar que, na iminência de uma situação de catástrofe, a Europa conclua que pode ser politicamente mais barato um compromisso.

Pelo meio de tudo isto, Varufakis posou, de senhora ao lado, para o “Paris Match”, num terraço à vista da Acrópole, Santorini fresco no copo. Numa conferência, fez um “dedo de honra” aos alemães. Se esta tática grega funcionar, modestamente, reverei tudo o que quatro décadas de diplomacia me ensinaram. E com grande gosto, confesso.

(Artigo que hoje publico no "Diário Económico")

segunda-feira, 16 de março de 2015

Memorabilia diplomática (VII) - Quem vê caras...


São duas curtas cenas que se ligam.
 
A primeira passou-se em Arusha, na Tanzânia, durante uma reunião da então SADCC, em 1988. A delegação portuguesa não tinha conseguido arranjar quartos individuais para toda a gente, pelo que eu partilhava um deles com o meu colega João Salgueiro. A certa altura da madrugada, o João acordou-me, chamando a atenção para uma gritaria no corredor do hotel. Era a voz de um homem que insultava uma mulher, a qual lhe respondia num nível idêntico de linguagem. A curiosidade é que a "conversa" era... em português! Abri a porta do quarto e vi passar uma mulher negra, lindíssima, completamente nua, com umas peças de roupa na mão, saída do presumível dissídio num quarto vizinho. Perguntei-lhe: "Precisa de ajuda?" Ela olhou-me com uma cara angustiada, respondeu com um "não" quase impercetível e desapareceu, a correr, na esquina do corredor. Era, com toda a certeza, da delegação de um país de expressão portuguesa. No dia seguinte, porém, não a descortinei em nenhuma dessas delegações.
 
Decorreram alguns meses. Uma outra deslocação, desta vez para uma reunião da Convenção de Lomé, agora na ilha Maurícia. Num corredor de acesso à sala da sessão, encontro jubiloso com a delegação de um país de língua portuguesa, com troca amigável de abraços entre os dois membros do governo e cumprimentos entre os restantes delegados. Numa dessas saudações, deparo com o sorriso tímido de uma delegada, que me disse, baixo: "Olá, como vai?". A cena foi rápida, mas o tempo suficiente para eu perceber que se tratava a minha "conhecida" de Arusha. Os nossos colegas lusófonos afastaram-se mas o Duarte de Jusus, que estava ao meu lado e ouvira a saudação da delegada, comentou: "Era muito bonita! Você conhecia-a?". O António Dias e o José Manuel Correia Pinto costumam citar a minha exclamação, que provocou gargalhadas em toda a nossa delegação, mas de que hoje, confesso, me arrependo: "Eu já vi esta mulher nua!". E na passada contei, também um tanto impudentemente, a cena de Arusha. Na altura, o Duarte de Jesus, que é um homem sempre sereno, manifestou apenas a sua surpresa por eu me recordar de uma pessoa que vira só durante alguns segundos. Gostaria de ter tido o génio de lhe responder: "Eu nunca esqueço uma cara..." 

(Reedição de historietas da diplomacia por aqui já publicadas)

Lajes


Há 12 anos, dia por dia, teve lugar aquela que ficou conhecida como a "cimeira" das Lajes, no Açores. Politicamente foi uma farsa destinada a criar a ilusão de que ainda era possível evitar que os Estados Unidos invadissem o Iraque, à procura das "armas de destruição maciça". A história e farta documentação provam hoje que essas armas nunca existiram e que a decisão de Washington estava tomada, independentemente de qualquer legitimação da comunidade internacional.
 
Portugal prestou-se ao triste papel de hospedeiro nas Lajes. Ao país, o primeiro-ministro de então, Durão Barroso, ficou para sempre a dever uma explicação pelo facto de ter conduzido Portugal a um papel servil e desonroso. O ministro da Defesa de então, Paulo Portas, também ainda há-de explicar um dia as provas da existência dessas armas, que então disse que "viu".
 
Somos um país sem memória porque, se a tivéssemos, talvez alguém chamasse hoje à pedra um bando de propagandistas, alguns sob a capa da profissão de jornalistas, feitos "neocons" da paróquia, que, dos jornais aos blogues, passando pelas complacentes televisões, argumentaram então, por semanas, em favor da "justeza" dessa guerra, que acabou por conduzir o Iraque à situação em que está, pasto para o atual Estado Islâmico e para o incontrolável caos que afeta toda a região. Um deles, hoje alcandorado a um posto de nomeação governamental, escreveu então que, se acaso se viesse a provar que as tais "armas de destruição maciça" não existiam, se "passearia nu pelo Rossio". Não há, por ora, notícias desse triste espetáculo, que o país anseia ainda testemunhar.
 
A propósito da publicação do livro de Bernardo Pires de Lima: “A Cimeira das Lajes - Portugal, Espanha e a guerra do Iraque” (ed. Tinta da China, Lisboa, 2013), escrevi no nº 44 da revista "Relações Internacionais" um texto sobre a obra, que pode ser consultado aqui

Brasil...

 
Para um amigo do Brasil como eu sou, que por aí tive a experiência mais impressiva da minha carreira profissional, o que por lá se passa traz-me sentimentos contraditórios.

Por um lado, preocupa-me ver uma sociedade atravessada por uma tensão social muito forte, com a emergência de quase "dois Brasis", que prolongam a dualidade política pressentida na última eleição. Inquietam também os apelos populistas ao regresso da ordem militar, mesmo se todos percebem que as condições para esse estado autoritário de coisas estão muito longe de existirem. Mas que a memória desses tempos de chumbo se exiba sem vergonha é, pelo menos, triste.

Por outro lado, o Brasil que ainda ontem desceu às ruas demonstra a vitalidade de um país que começa a ter plena consciência da incompatibilidade de construir uma nação desenvolvida e moderna sob um sistema político marcado pela podridão, pelo patrimonialismo e pela sujeição a uma classe política sem escrúpulos e com fortes vícios incrustados.

Nas ruas que ontem se vestiram a verde e amarelo há de tudo: desde os ressabiados pela perda de poder, que os anos Lula haviam retirado legitimamente a quem mais beneficiava do forte contraste social, até uma nova classe média, ou com esperanças de o ser, que não aceita que o seu petróleo, do "Estado Petrobras", alimente bolsos corruptos, lado a lado com uma população condenada a transportes miseráveis, serviços de saúde indignos, rodovias em descalabro, em suma, políticas públicas fortemente ineficientes.

Deve ser muito difícil gerir um país de 200 milhões de habitantes, dirigir uma administração que, para funcionar, tem de conseguir aliar sob o mesmo programa mais de uma dezena de partidos, acomodar os seus interesses, muitas vezes contraditórios, que se cruzam com as idiosincrasias dos equilíbrios políticos e sociais de 27 Estados. Em período de ciclo económico negativo, tudo se torna pior, porque as margens financeiras para um forte keynesianismo deixaram de existir. Em especial, deve ser muito complicado gerir as frustrações que se seguem às fortes esperanças criadas pelo anos Lula, desse tempo do Brasil-vedeta, que ombreava e era admirado pelos poderosos do mundo - o Brasil do sonho do biodiesel, do ouro do pré-sal, dos êxitos do Fome Zero, da explosão da educação para todos. Um tempo em que, para muitos, tudo ia ser possível, nesse otimismo que é a riqueza maior daquela terra.
 
Dilma Rousseff não parece ser a figura ideal para encarnar esse otimismo. Mas é a presidente que foi eleita e o "impeachment" de que muitos falam, e que teria consequências gravíssimas para a normalidade constitucional que o Brasil ganhou, não tem hipóteses de se concretizar, tanto mais que teria que ser desencadeado no âmbito de um Congresso desprestigiado e, ele próprio, com uma legitimidade muito fragilizada, depois dos recentes escândalos.

Resta a hipótese de Dilma Rousseff conseguir vir a interpretar a pressão popular e impor uma reforma política com reais consequências no sistema de poder. Conhecendo alguma coisa do Brasil político, alimento sérias dúvidas que isso seja possível. Mas, às vezes, os suicidas conseguem ter serenidade para se arrependerem e regressar à vida.

domingo, 15 de março de 2015

Memorabilia diplomatica (VI) - O último


O gabinete não era grande. Para além, do seu titular, com jeito, cabiam sentadas umas quatro pessoas, para além dos que ficavam encostados, de pé, no vão da janela ou na moldura da porta de entrada, ou de quantos só assomavam por escassos minutos. Era um fim de tarde, nos anos 80, naquela representação diplomática portuguesa, numa capital europeia.

Eu estava por ali de passagem, ido de Lisboa para uma reunião. Com o colega em casa de quem me alojava mantinha-me por ali à conversa, nesse que era gabinete de um outro diplomata.
 
O dono do gabinete, com quem eu tinha uma relação distante, era conhecido por ser uma das pessoas que mais tarde saía das instalações. Era uma figura muito loquaz, com um humor cortante, algo ácido, muito radical nas opiniões. Era um homem inteligente e não deixava de ser divertido. Porém, a partir de uma certa altura, pelo menos para mim, senti por ali algo indefinido de desagradável: sempre que alguém abandonava o gabinete era mimoseado por ele com comentários depreciativos, do género "esta também tem a mania que é esperta!" ou "este tipo é um parvo e ainda nunca ninguém lho disse". Alguns dos que ficavam riam-se, numa partilha cobarde da crítica, nas costas do ausente. Outros, como era o meu caso, que mal conhecia a maioria dos visitantes, faziam um sorriso amarelo, onde abafavam o incómodo.

O tempo ia correndo, comigo "morto" por sair dali. Mas fui ficando, porque dependia da boleia do colega que me aboletava, com quem tinha um jantar, cuja hora se aproximava. A certo passo, no gabinete, para além do seu titular, ficámos só eu e o meu amigo. Ousei dizer: "se calhar, temos de ir andando..." Vi que o meu amigo se apressou a aproveitar a sugestão. Despedimo-nos do agora solitário mal-dizente e saímos. No elevador, comentei:

- Desculpa ter apressado a conversa, mas já creio que estamos já em cima da hora do restaurante.

O meu amigo retorquiu:

- Fizeste bem, mas não podíamos sair mais cedo.

Não percebi, mas ele explicou:

- Eu, daquele gabinete, sou sempre o último a sair. É a única garantia de que ele, logo de seguida, não vai dizer mal de mim a quem por lá ficar...