quinta-feira, 5 de novembro de 2015

O sorriso de Marcelo


Há poucas ambições de destino que possam rivalizar com a de Marcelo Rebelo de Sousa. É lendário o seu afirmado objetivo, quase desde a infância, de poder vir a ter um futuro institucional à escala nacional. Já nos tempos em que Marcelo Caetano, na sua “travessia do deserto”, juntava na “Choupana” os fiéis que iriam acompanhá-lo na substituição de Salazar, o irrequieto filho de Baltazar Rebelo de Sousa era admitido nas conversas, imagina-se que com a complacente tolerância dos circunstantes. Esta imersão total na política doméstica, que passou pelo mundo universitário católico e pelos alvores da Sedes, teria a sua glória na aventura irreverente do “Expresso” e na constituição do PPD, acabando numa pouco notável experiência governativa e numa frágil liderança do partido a que a sempre se mostrou ligado, onde o seu carisma afetivo é retribuído com fervor quase clubista.

O país, contudo, fixou bastante mais o “outro” Marcelo: o professor que “dava notas” aos políticos, na rádio e na televisão, figura que foi evoluindo para um bizarro papel de “tudólogo”, alguém que fala e tem opinião sobre tudo, sem deixar, contudo, de sugerir-se em permanência como alternativa para mais altos voos. Um dia, em Paris, ouvi Eduardo Lourenço qualificá-lo de forma magistral: “O Marcelo é como uma pessoa que está numa varanda a ver passar o país, comentando todos e cada um. Às vezes, nesse “voyeurisme”, acontece-lhe fazer apreciações sobre o próprio Marcelo que passa...”

Neste jogo de sombras em que está transformada a corrida presidencial, Marcelo foi tendo a sorte dos teimosos. Guterres, a sua grande sombra geracional, desistiu cedo. Santana deu a si próprio um golpe de Misericórdia. Rui Rio, por uma tempestade perfeita de azares e alguma culpa própria, saiu de cena. Mal-amado por uma direção do PSD que representa um partido diferente daquele que ajudou a criar, com um brilho intelectual que acaba por atenuar o défice de credibilidade que a sobre-exposição e a prolixidade obsessiva lhe colou à pele, Marcelo (o facto de o país o tratar pelo nome próprio reflete a intimidade que criou com os portugueses) tem hoje perante si dois candidatos à esquerda que, podendo acabar por não ser fáceis, não são obstáculos absolutamente intransponíveis às suas ambições.

Mas é face a uma direita em estado político de estupor, conformada com o facto de ver-se obrigada a aceitá-lo como o seu candidato, que Marcelo se dá hoje ao luxo de encetar uma operação tática de distanciação, em especial deixando cair farpas regulares ao seu possível antecessor. Ao mesmo tempo, vai seduzindo o centro e divertindo alguma esquerda, que não consegue deixar de achar graça à sua inexorável heterodoxia. O que Marcelo deve sorrir! Porém, resta saber se será o último a rir.

5 comentários:

Isabel Seixas disse...

É o sorriso protótipo de quem lhe corre a vida de feição... E Bem
Talvez tenha sido o processo de Bolonha a valorizar as atividades extracurriculares e a inclusão de unidades curriculares transversais a todos os cursos, a prevalecer a moda dos comentadores generalistas ou os Seus "tudólogos" e num contexto de empreendedorismo e inovação, será decerto útil, incluir conteúdos nos planos curriculares sobre o que nos dirão os astros até à aquisição de competências de predição.
vai ser bonita a encenação com bolas de cristal.

Ana Vasconcelos disse...

Um precurso sui generis, contado com ironia inteligente. Marcelo é também um certo Portugal. Continuo a achar bastante peculiar este hábito nosso de ter políticos no activo a fazer comentário político, como se estivessem fora do jogo, num tempo de antena garantido em horário nobre nas estações televisivas nacionais.

João Forjaz Vieira disse...

Acho que tem toda a razão. É muito difícil engolir Marcelo. Talvez Belém seja mais fácil.
João Vieira

Jaime Santos disse...

De Derrota em Derrota até à Vitória Final. Se o acordo das Esquerdas avançar, terá pelo menos um mérito, obrigar Marcelo a definir o que vai fazer se for eleito. Irá dissolver a AR e convocar eleições legislativas? Ele parece dizer que não, mas a Direita não está pelos ajustes... Ótimo, tudo isto pode servir para lhe retirar a aura de inevitabilidade (confesso que tenho pouca paciência para Marcelo e adoraria que se confirmasse a regra de que é o Perdedor Perfeito)...

josé ricardo disse...

Estou mais com Soares quando apelidou Marcelo de entertainment. Para além disso, não dou como certa a sua vitória eleitoral. Como Jerónimo afirmou há pouco tempo, no rescaldo imediato das legislativas, "a procissão ainda vai no adro". Repiso tambéma as palavras do treinador do FCP: as contas são para vocês (comentadores), que as fazem tão bem!

Cumprimentos,
José Ricardo