segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Atentados em França (5)


Entrevista no "Diário de Notícias" de hoje.

1 comentário:

Manuel Augusto Araújo disse...

Concordando com a sua análise,e o que é bem sublinhado dobre o valor da vida, igual em França ou em qualquer outro lugar, não deve ser flutuante em função do lugar nem do número de vítimas, há algumas perguntas que me atormentam e julgo merecerem ponderação e, eventualmente, resposta qualificada como a sua é.
1-Como analisa a rápida e veemente crítica do secretário geral da NATO aos bombardeamentos russos às estruturas do Estado Islâmico na Síria, de longe com uma eficácia maior que os da vastíssima coligação coordenada pelos EUA?
2-Considera aceitável que ninguém da Europa, dos EUA, da NATO fique silencioso quando Anton Geraschenko, um dos principais conselheiros do ministro do interior ucraniano, incite no Facebook, num site chamado Mirotvents, site que tem apoio oficiais, que se publiquem dados pessoais que facilitem o Estado Islâmico vingar-se dos russos por causa dos bombardeamentos que estão a efectuar na Síria, aplicando a lei da sharia?
3- Considera normal e até justificável que na Ucrânia estejam no terreno batalhões de jihadistas que lutam ao lado dos batalhões do Sector Direita, em coordenação com as forças armadas ucranianas? Essa extensão da acção do Daesh para lá dos territórios onde a sua acção,África e Ásia, tem sido detectada, na Europa, não deve ser muitíssimo preocupante em paralelo com as multiplicação das declarações e das políticas xenófobas?
4- Olhando para as forças em presença na Síria, tendo em consideração que o Exército Livre da Síria é uma força quase inexistente ou que quando existe, quer dizer quando os seus homens são treinados , equipados e financiados pelo ocidente sistematicamente se passam de armas e bagagens para os terroristas, sejam da Al-Qaeda, ramos sírios ou para o Daesh, como ainda sucedeu recentemente, acha que lógico continuar com esta linha política em nome da luta pelos direitos humanos e a democracia?
5- Acha possível erradicar o Daesh e outros grupos terroristas sem uma acção militar no terreno? Se sim, por que continuar a demonizar o exército sírio que é o único que no terreno tem combatido o terrorismo? Todos sabemos que Assad é um ditador, mas se for comparado aos seus pares da Arábia Saudita, Qatar e quejandos até...
5- Referiu e bem as fontes de financiamento do Daesh. Estão identificados os circuitos por onde se movimentam, conhecem-se as cumplicidades que permitem esses negócios que têm um volume assinalável e são fundamentais para a existência do Daesh. Porque não se faz rigorosamente nada para os estancar?
6- Por direitos humanos, um dos mais altos valores da civilização ocidental. Onde está o gendarme turco, Udo Kah que divulgou, se calhar movido pelos exemplos de Manning, Snowden, Assange, um relatório secreto do Serviço de Informações turco em que se revelava que o massacre de Reyhanli na Síria em 11 de Maio de 2013, que vitimou 170 pessoas tinha sido organizado pela Al-Nustra, mas serviu para o governo turco culpar Assad. mais grave o relatório dos Serviços Secretos turcos esclarece que sabiam, pelo menos, o que se ia passar. Udo Kah, foi imediatamente preso acusado de revelar segredos de Estado e militares. Não seria de exigir saber onde está? Quando vai ser julgado? Não acha estranho o pouco eco que esta notícia teve na comunicação social? Não é um assunto curioso de ser focado?
Seixas da Costa desculpe-me esta enorme ocupação de espaço. Tendo-o lido com atenção e estando em pleno acordo consigo,coloco estas questões quu, julgo eu provavelmente mal, assaltam alguns corredores da diplomacias.