sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Pode alguém ser quem não é?


Amanhã é dia de reflexão. Detesto este paternalismo oficial, como se os eleitores portugueses, que já são maiores e vacinados, precisassem de ser preservados por via legal da influência deletéria das campanhas, para, no remanso íntimo da sua consciência e do seu lar, ponderarem melhor em quem hão-de votar.

Amanhã, os jornais e as televisões fingirão que “nada se passa”, num artificialismo ridículo que afetará o seu alinhamento noticioso. Até me surpreende que esta tutela profilática, que soa menos a democracia e bastante mais a autoritarismo, não tenha ido ao ponto de criminalizar os dichotes políticos à mesa dos cafés.

Se os partidos mais responsáveis tivessem um mínimo de bom senso aproveitariam o início da próxima legislatura para pôr cobro a este absurdo período de pousio político. E, de caminho, podiam e deviam aprovar legislação que reduzisse drasticamente os prazos longuíssimos que, entre nós, rodeiam a realização das eleições e a formação subsequente dos governos. O país ganharia muito com isso e ficar-lhes-ia grato. Mas não tenho grandes esperanças, confesso. A nossa classe política detesta autoreformar-se.

Sob a atual lei, se esta minha coluna saísse no sábado, teria de escrever qualquer coisa como “pra não dizer que não falei das flores”, como era o título irónico da famosa canção de protesto, durante o silêncio de chumbo imposto pela ditadura brasileira. Mas não, a coluna sai hoje e isso dá-me o ensejo de ainda aqui lhes falar das eleições de domingo.

Não tenho muito para dizer, mas o que tenho vou afirmá-lo, sem surpresas, com a maior clareza: vou votar no domingo com o desejo de que António Costa possa vir a ser o próximo primeiro-ministro de Portugal. Porquê? Porque, sinceramente, considero que ele é, a uma grande distância, a pessoa melhor preparada para dirigir o país nos tempos que aí vêm, tendo para isso apresentado um programa sólido e responsável. Conheço-o dos mais de cinco anos em que fui seu colega em governos, acompanhei depois com atenção o magnífico percurso que fez em diversos lugares de Estado e no município de Lisboa, sei que é um homem inteligente, capaz e íntegro.

Nunca ouvi António Costa mentir. E, infelizmente, nos últimos anos, vi frequentemente o meu conterrâneo Pedro Passos Coelho dizer uma coisa e fazer outra. Por isso, nunca lhe daria a minha confiança política, além de que faço uma avaliação muito negativa da sua governação. Lamentarei, assim, se o seu mandato vier a ser renovado.

Em abril de 1974, sublevei-me como militar para que o povo pudesse livremente decidir do seu destino. O eleitorado português oferecerá agora a si próprio exatamente aquilo que quiser. E a resposta à pergunta que dá o título à canção de Sérgio Godinho que escolhi para abrir este artigo é, claro, negativa.

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

21 comentários:

Isabel Seixas disse...

Subscrevo.

Majo disse...

~~~
~ Identifico-me com as suas razões de voto.


~~~~ Um artigo excelente e meritório. ~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Anónimo disse...

Subscrevo na integra.
O meu voto há muito que está decidido e desejo que o futuro primeiro-ministro do meu país seja o António Costa.
Cumprimentos

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Caríssimo Chico

Assino por baixo do texto - soberbo; claro que vou votar António Costa

Abç do Leãozão

Aqui entre nós, que ninguém nos ouve: será que o JJ é mesmo bom? A falar não é

Jose Martins disse...

Eu já votei pelo correio.
Desejo mudanças!
Cansei-me de Passos Coelho e do Paulo Portas.
Estes dois cavalheiros estão no lugar errado.
Saudações

Anónimo disse...

Será possível que haja portugueses que depois de assistirem a 4 anos de mentiras e um monstruoso desgoverno ainda votem nesta gente? Haverá assim tantos portugueses míopes e masoquistas?!!!...

Manuel do Edmundo-Filho disse...

De acordo. É completamente absurdo o prazo que medeia a realização das eleições e a tomada de posse do governo. Nem nos tempos "parados" e românticos do século XIX se justificava um período tão longo. Ridículo. Já quanto ao dia de "reflexão", sendo inútil no que à reflexão diz respeito, é com grande alívio que o vejo chegar. Quanto ao António Costa, claro, tem o meu voto. Nem quero acreditar que o país, que muitas vezes tem demonstrado sabedoria na hora das decisões, perca esta oportunidade de ter à sua frente um político íntegro, sensato e preparadíssimo para ser o primeiro-ministro que precisa. Seria uma enorme decepção se o nosso conterrâneo ganhasse.

Anónimo disse...

O problema nem é tanto o mentirem no sentido literal do termo. O problema é não saberem nada do que estão a falar e, pior, a decidir. E isto tornou-se transversal a toda a administração pública e pasme-se até nas empresas privadas com alguma dimensão.
Um dia destes, por ter sido suscitado, perdi (literalmente também) algum tempo a explicar a um, a questão da Casa do Douro. Que se tratava de um assunto de primordial importância para a economia regional necessitando por isso de uma sã e equitativa concorrência (regulada) entre produtores de uvas de vinho e comerciantes.
Pois bem o homem retorquiu logo que não existia nenhum modelo no mundo igual a esse, que era salazarento, que o mundo tinha mudado totalmente para uma “economia global”, e o que tinham feito era o que estava certo. (de manhã até olhei para o sol para ver se ainda nascia a leste)
Fiquei, assim, a saber que a concorrência sã e bem regulada é salazarenta e que o mundo tinha mudado para uma “economia global”, que deve ser uma coisa virtual de carregar em botões num computador ou qualquer “coisa” a que já lá não vou… Mas deve ser o “correto”, vendo os bancos, a indústria automóvel e todas essas mixordices de que se ouve falar…
Estou a ficar muito usado…
O Duriense

Anónimo disse...

Bem se a sondagem fosse feita por estes 3 comentários teriamos 100% no PS. Mas como sabem irá ser bem diferente. Devo dizer que sou de Esquerda(da esquerda que não se envergonha de o ser), daquela esquerda que nunca se venderá ao neoliberlismo, daquela esquerda que nunca se agachará perante empresários sabujos e poderes ditaturiais da União Europeia ou de qualquer outra organização sinistra e ditatorial. Como tal já devem ter reparado que jamais votaria no PS, irá ganhar a coloração mais laranja do neoliberalismo. Infelizmente muita gente apercebeu-se(se calhar tarde de mais) de que o PS não é de esquerda e nem socialista e como tal já nem votar vão. Mas por outro lado vejo que o PS teimosamente ao contrário de outros antigos partidos Socialistas continua teimosamente a ser dos partidos mais ortodoxos do blairismo e do neoliberalismo da treta. Muito sinceramente espero apesar de tudo um bom resultado das várias forças de esquerda em particular CDU E BE. Quanto ao António Costa que tudo fez para despachar o Seguro fica agora pelo caminho.PS não seria alternativa, mas sim alternãncia, alternativa meus amigos seria CDU OU BE, mmas poucos são os portugueses que tem essa estaleca para perceber isso, afinal de contas ainda temos ai tanta gente que subiu na vida graças a duas forças sinistras PS e PSD.

Anónimo disse...

Não sabem o que é ter um "$ociali$ta" no poder, diz-me qual deu certo? ... Ai América Latina $ociali$ta, o quanto sofre. $ociali$ta quando agarra o poder, não quer sair mais. A Bolivia de 4 em quatro anos muda a constituição para o Evo Morales, está no poder desde 2006. Nunca antes um presidente boliviano ficou tanto tempo no poder. Deu$ livre Portugal disso.

Anónimo disse...

É um facto, não é um dia chamado de reflexão que vai mudar a orientação de voto dos cidadãos, mas ainda bem. As coberturas que são feitas desta campanha, fedem-nos o juízo. Também seria desnecessário publicar, no jornal diário, qual o voto do Sr Embaixador Seixas da Costa. Todos o sabemos, e quem tenha andado um pouco mais atento às mais recentes e empolgadas publicações deste Blog, a desfazerem-se como a manteiga, pode mesmo achar que se converteu numa filial da sede de campanha do PS. Mais ainda, uma espécie de "por-se a jeito" para um convite ministerial, digo eu. Por mim, não encontraria melhor MNE. Que assim seja.

Anónimo disse...

Gostava de saber porque em Portugal, não se utilizam os círculos uninominais com na Alemanha, assim não existiriam votos ás cegas em indivíduos que ninguém conhece, freguesias, camâras, AR, completados com o actual sistema de votação.

Não era preciso mudar a constituição.


Voto electrónico, porque não existe?

Para votar em ateu$ $ocialista$ de "região demarcada maçónica", votarei na estabilidade Passos/Portas.



Anónimo disse...

A sublevação de que escreve é anedótica....face áqueles que sofreram na pele a guerra e a conjuntura da altura !

Francisco Seixas da Costa disse...

O anónimo das 14.14. Se, como diz, os textos deste blogue - e a minha participação pública na feitura do programa do principal partido da oposição - não deixaram dúvidas sobre as minhas preferências políticas, aliás nunca escondidas e conhecidas por que me conheça minimamente, não se entende a sua surpresa. O voto só é secreto para quem deseje não o revelar. Quanto a "lugares", já recusei os suficientes - e foram muitos, pode crer! - ao longo da minha vida. E ela, agora e desde há muito, é outra!

Anónimo disse...

Costa perderá porque não foi capaz de transmitir uma mensagem de credibilidade, a Coligação ganhará uma vitoria de Pirro, Costa tirar-lhes-á o tapete, votando contra o seu program - e faz muito bem, asim como fez muito bem em referir isso, foi um acto de coragem, não uma atitude Esquerda como alguns tontos assim pensaram e disseram - o BE e a CDU subirão e ainda bem e depois é o Caos, um caos saudável, que nos ajudará a ser humildes, sobretudo a quem nos irá governar a seguir. E só de saber que a Esfinge de Belém desaparecerá de cena, logo após, em 5 meses, dá-me um gozo especial.

domingos disse...

Pois vou aproveitar o dia de reflexão para isso mesmo: refletir. Ainda que à partida me pareça que o voto em branco seria o que melhor traduziria o meu estado de espírito.

Anónimo disse...

Dia de reflexão - "bullshit" (este comentário seria "censurado" se fosse publicado amanhã, véspera do dia de eleições?)

Revisão da constituição - JÁ! : acabar com o dia de reflexão, redução dos prazos eleitorais, círculos uninominais, regionalização - URGENTE!

António Costa (e/ou o PS) não soube galvanizar.
Tenho para mim António Costa como homem político sério, honesto.

o Jaime S.

Anónimo disse...

Com a devida vénia do blog "estado sentido":

Estado Sentido
Profissão: pécora eleitoral
por Fernando Melro dos Santos, em 02.10.15

Há 3 meses: Portugal receberá 1400 refugiados.
Há 2 meses: Portugal receberá 3000 refugiados.
Há 1 mês: Portugal receberá a sua quota de refugiados conforme definida por Bruxelas.
Hoje: Portugal receberá 5000 refugiados.

E entretanto, há eleições, fala-se da coisa como se a vive, isto é, numa atmosfera de perpétua sociedade filarmónica, clube desportivo, associação académica ou paróquia de comadres.

Vértebras? Ficaram pelo caminho na Idade Média...

Triste sina de vender o**, a alma, o destino dos filhos e o voto por meia dúzia de lambidelas na malga pública. Que nojo de povo.

alvaro silva disse...

Votar por votar. botava mas era um quartilho de verde branco fresquinho pelas goelas a baixo para alimpar este "sarro rançoso" que me deixaram estes profissionais da "vermelhinha" em que se tornou a política neste "eucaliptal á beira mar plantado". mudem a galicada e violada Constituição, ou ao menos façam-lhe uma poda em condições. obriguem os políticos a fazer um mandato por pontos, como nas futuras cartas de condução. Mentiu, menos 4 pontos, gamou uns €uros, menos 5 pontos, ao chegar á dúzia (de pontos)rua com o gajo/a e executa-se o seguro. Isso é que era constituição. Ficava mais famosa que o galo de Barcelos ou o lince da Malcata, Morram os que fizeram a constituição que nos rege! afinal de todos os que a fabricaram há 40 anos poucos cá andarão e claro cheios de prostatismo, artroses e alzheimer! Precisamos duma mais nova, viçosa e pujante de força!

Mal por Mal disse...

Os desiludidos Seguro, Guterres, a par de muitos sérios e silenciosos que foram atirados para fora, deram lugar à chusma velha de dinossauros, cataventos, de avental a maioria.

Até o PC de 1917 se reciclou mais que o PS.

Anónimo disse...

O povo vai votar no dia 4 de Outubro. O júri é que escolheu! O dia 3 de Outubro é dia de reflecção; mas o júri acha que é dia 5! O homem, quando se decidiu pelo dia 4, nem sabia que a seguir era dia 5. O presidente da dita não vai á comemoração da dita. E esta hem ?

Há, já agora, que Deus inspire os que não emigraram, a votar no COSTA, se não (digo eu) estamos lixados de novo.