sábado, 1 de agosto de 2015

Propaganda


Edson Athayde, na senda de um grupo de brasileiros que fizeram muito bem ao mercado publicitário português nos anos 90, desenhou, com grande êxito, a campanha do PS de Guterres para as eleições legislativas. Mas isso foi há 20 anos.

Athayde é um criativo inteligente (deduzo eu, que nunca falei com ele) e culto. O seu livro "A publicidade segundo o meu tio Olavo" é muito divertido pelo que trouxe para férias (como faz parte de algumas dezenas de volumes, não sei se o chegarei a reler). 

O DN relata hoje que, para os lados do Rato, andam em polvorosa com a ineficácia da campanha de "outdoors" inventada por Athayde. Já tinha notado a mediocridade desses cartazes. Há um, em que uma jovem surge a tirar a cortina a um horizonte onde desponta um sol, que parece copiado do céu dos livros de Religião & Moral do meu tempo de liceu. Como mensagem, é mais que pífio.

Mas posso imaginar que a campanha de Athayde se confronte também com um problema doutrinário. Que mensagem quer o PS fazer passar? Conclamar a ira das "massas" contra as safadezas do governo, passando a ideia de que, chegado a S. Bento, "vai tudo raso"? Ou transmitir uma mensagem de alternativa tranquila, a qual, por seu turno, pode "ajudar à festa" de esquecimento das patifarias cometidas nos últimos quatro anos?

Não está fácil a vida para António Costa. Mas Athayde não está a ajudar.

13 comentários:

Anónimo disse...

Para que está mal a vida é para os portugueses escolherem entre dois males, cada um pior que o outro!

Antonio Cristovao disse...

Será que a propaganda, como é usada pelas agremiações, tem mesmo o efeito benéfico, que os ceos acham?
Auscultando-me, comigo a demagogia só me afasta. Quando vejo, as estratégias dos dirigentes, dizendo isto e o seu contrário, até perco a vontade, de ler o que devia ser o documento final de decisão : a proposta eleitoral dos cérebros.

inconfessável disse...

Com o PS nunca 'irá tudo raso'.
É esse o problema de António Costa, mas poderia melhorar alguma coisa se, ao menos, relembrasse aos que têm memória curta as safadezas deste governo.
Cá por mim, há muito que deixei de ser simpatizante do PS.
Quero sair do euro, para onde nunca quis entrar.
Bom fim de semana

Anónimo disse...

Eu que até estava indeciso sobre a quem dar o meu voto,rapidamente superei essa dúvida e resolvi atribuir o meu voto à coligação Portugal À Frente.Só por isto: o Dr António Costa defende a livre circulação na CPLP e abrir as portas da função pública a estrangeiros.

Sérgio

Anónimo disse...

Não há nada que eu quisesse mais do que a derrota deste governo, que aliás deveria ser extremamente fácil depois dos últimos quatro anos. Esperaria que nesta altura as sondagens dessem pelo menos 60% ao PS. Tal não sucede porém. Será por desânimo dos portugueses? Pela complacência comum perante Bruxelas e Berlim? Outra razão? O discurso, firme, sem rodeios e verdadeiramente social-democrata por oposição ao liberalismo reinante, que eu desejaria ouvir por parte de António Costa - que pessoalmente muito aprecio - é aquele que os ( ou, melhor, as ) responsáveis do Bloco de Esquerda têm vindo a proferir. No dia 4 de Outubro veremos se o dito voto útil leva vantagem. Espero sinceramente que os descontentes não fiquem em casa mas, pelos vistos, tudo é possível.

JPGarcia

Anónimo disse...

nazis fora do país, 1 de agosto de 2015 às 20:44

Anónimo disse...

Ainda falta colocar "a santinha" na corrida a ......Belém !

Manuel Silva disse...

Senhor Anónimo das 20:44,
Parabéns, tomou uma boa decisão de voto.
Passos Coelho não só não permitirá tal patifaria ao país, abrir a porta a essa «pretalhada» toda da CPLP, como fará o contrário.
E só pode fazer o contrário porque não é racista: tanto impede «pretos» de entrarem como expulsa brancos (portugueses) do país.
Na Noruega já trabalham 2000 engenheiros portugueses.
A emigração portuguesa para este país aumentou 53% no último ano.
E para a Dinamarca aumentou 40%.
Isto sim, além de arejar o país, ainda diminui as taxas de desemprego.
Dois coelhos de uma cajadada: é de mestre.
Parabéns, mais uma vez, pela sua escolha do voto.
-------------------------------------------------
No seu blog com o mesmo nome, Pedro Lains fez a seguinte pergunta:
«O que fez o Governo que agora vai a eleições?
E respondeu com várias perguntas que cabe a cada um de nós responder:
Há algum investimento novo na economia, alguma indústria emergente que não existisse antes?
Há algum investimento estrangeiro inovador, dinamizador de uma região, de uma cidade, de um sector produtivo?
Alguma infraestrutura nova que fizesse falta?
Alguma mudança em algum centro urbano?
Alguma nova via de ligação dos industriais aos consumidores?
Há algo de novo na área financeira, novos produtos de poupança, de investimento?
Há algo de novo na ciência, na tecnologia, na investigação, na educação, no ensino?
Alguma nova estrutura que promova a formação ao longo da vida?
Houve alguma diminuição nos níveis de corrupção, de nomeação partidária indevida, maior transparência nos negócios, na relação entre negócios e política?
Termina com outra pergunta, que desdobra noutras a que teremos de ser nós, de novo, a responder:
O que fez mesmo o Governo?
Uma pergunta tão simples parece, afinal, muito complicada.
Mas pode levar mais longe do que apontar erros.
É muito difícil ver o que Governo construiu, o que vai deixar, o que fez, de concreto. Se calhar porque foi um Governo que, sobretudo, desfez. Ou não foi?
Valerá seguramente a pena pensar bem nisso.»

Alarmada disse...

Mas o Athayde é quem decide a estratégia de "propaganda" do PS? Ou, depois de ser "brifado", apresenta propostas que terão que ser analisadas, discutidas e APROVADAS? E APROVADAS por quem …??? Em princípio, por alguém com capacidade suficiente para conseguir identificar nas propostas apresentadas, a mensagem que foi transmitida … simples assim. Tão fáci, mas tão feio, sacudir a água do capote, bolar uma polvorosa e … culpar o Atahyde … Mesmo a cara do PS, lamento. Como propaganda, é uma mensagem cristalina.

Reaça disse...

Quando foi do Guterres tive muita pena deste beirão que não estava ajustado àquele espalhafato todo e aquela espectacularidade.

Mas sem duvida que vendeu, mas quem se lixou foi o país, que já estava lixado há muitos anos.

Graças a Deus continuamos sem problemas de monta.

Anónimo disse...

Problemas ?..... Lavajacto resolve !!

Anónimo disse...

"1 de agosto de 2015 às 22:20" - já você, não saia nunca. Num país de tristes, precisamos de palhaços!

Anónimo disse...

A verdade dos cartazes, está nas redes sociais...hilariante, julgam que portugueses não têm humor, não estamos felizmente no PREC74 !

Herr Varoufakis Galamba, só lhe falta a camisa de flores do original...

A chamada campanha "Alegre".....