segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Folhetim

O "Diário de Notícias" encerra hoje o seu folhetim de verão, um curioso espaço de ficção política que, desde o início de agosto, entreteve os seus leitores e trouxe mesmo um pouco de "sal" à campanha pré-eleitoral. Embora podendo parecer fácil, tratou-se de um exercício complexo, porque elaborar sobre uma suposta realidade futura daquela sensibilidade torna-se, às vezes, bem mais perigoso do que especular sobre a banalidade dos factos realmente ocorridos.

O autor do folhetim, hoje revelado, foi Ferreira Fernandes, um dos grandes nomes do nosso jornalismo e, muito provavelmente, o mais brilhante cronista atual da imprensa portuguesa. Encher diariamente, durante semanas, a última página de um importante jornal, adequar o texto à evolução da situação política, trabalhar, de forma rigorosa e culta, mas também equilibrada e equitativa, um contexto político sob permanente tensão, não deve ter sido uma tarefa simples. Os textos foram corajosos e ousados, pelo que imagino que certas figuras estejam, a esta hora, aliviadas pelo termo do folhetim. Outras, coitadas, devem ter ficado furibundas pelo facto do autor as ter ignorado. 

Deixo aqui ao José Ferreira Fernandes a expressão da minha admiração pelo seu notável trabalho e o voto de que continue, sem falhas, a dar-nos o diário prazer daquela sua indispensável coluna no DN. Já faz falta, sabe? 

1 comentário:

Anónimo disse...

Notável é que FF regresse do folhetim com um ataque a Corbyn, coisa que nunca fez a Blair, um dos quatro criminosos de guerra das Lajes.