domingo, 9 de agosto de 2015

A bandalheira liberal

Desde há muito, as unidades hoteleiras são classificadas segundo escalões de qualidade da oferta, vulgarmente designadas por uma a cinco "estrelas". Esta classificação era estabelecida pelo Estado, como entidade licenciadora, com base em critérios objetivos, testados ao longo dos anos. Assim se protegia o consumidor: ao ver um determinado hotel classificado com um certo número de estrelas, o potencial cliente sabia com o que podia contar, quer em termos de equipamento, quer no tocante ao preço que lhe podia ser exigido.

Com a multiplicação recente das unidades hoteleiras no país, com o surgimento de sítios informáticos em que a manipulação das imagens cria frequentemente uma perceção distorcida e edulcorada daquilo que é oferecido, com a onda de ofertas publicitárias auto-elogiosas, com a divulgação jornalística falsamente independente, que todos os dias dá conta de novas unidades, adjetivadas numa apreciação arbitrária "à vontade do freguês" e na realidade paga por quem seduz o "jornalista", entrou-se numa selva de mercado em que o cidadão-consumidor está cada vez mais desprotegido, sentido-se confuso face à diversidade das ofertas - que vão dos hotéis e pousadas ao turismo de habitação e rural, a que se somam os novos hostels.

Perante esta crescente diversidade da oferta, o dever primeiro do Estado, como garante do interesse comum, deveria ser o de proteger o cidadão, o de garantir, através do reforço do normativo, que ele não "compra gato por lebre". Pois vai acontecer exatamente o contrário: é precisamente neste contexto que anuncia a "liberalização" da utilização das "estrelas", que se deixa ao arbítrio dos proprietários das unidades hoteleiras, cujo objetivo natural é o maximizar dos lucros, a decisão sobre a utilização daquelas classificações. Entramos assim na desbragada promoção da "selva hoteleira", por decisão oficial. Um decisão tomada nas últimas semanas de exercício do governo. Já assim aconteceu com os sobreiros, lembram-se?

12 comentários:

Anónimo disse...

O próprio termo "hostel" não passa de uma manipulação, com base na cagança tuga. Sempre se chamou a esses estabelecimentos "albergues". Porque é isso que são: quartos partilhados por diversas pessoas, geralmente dormindo em beliches. Antigamente, havia mesmo o "cartão de alberguista", que dava acesso aos, então, "albergues de juventude" (agora, "pousadas").

Chamar "hostels" aos albergues é a tentativa de dourar uma pílula que nunca foi difícil de engolir. Os albergues são bons, recomendam-se e permitem viajar a quem não pode ou quer ficar em hotéis.

Anónimo disse...

Embaixador, antes de mais vamos torcer para que hoje ganhe o nosso Sporting. Esperava já ver algum post sobre a demissão do nosso conterrâneo Ascenso Simões. Muita gente em Vila Real sempre se perguntou como foi possivel ele chegar tão longe. Embora eu não seja actualmente PS, fui até aos meus 16 anos apoiante. Possivelmente muito por influ~encia do meu Pai que até ao seu falecimento foi sempre PS. Nunca tive inveja de ninguém e cheguei a responder a muita gente que o Ascenso vingou porque se colocou no sitio certo na hora certa e porque também foi estudando e tomando os seus conhecimentos. Mas realmente acabou por lhe estourar nas mãos uma autêntica bomba. Aliás o PS está um circo autêntico a vários níveis. De facto os que lá estão não são bons, mas o PS não é alternativa. Tenho saudades do tempo em que neste partido eram figuras de proa entre outros: Mário Soares, Soutomayorcardia,Manuel Alegre,Jorge Sampaio, verdadeiros homens de esquerda. Hoje aquilo andam para ali uns magarefos que ninguém sabe de onde sairam e como sairam.

Anónimo disse...

Esta história das estrelas é inadimissível! Este governo tem o o condão extraordinário de onde toca com a pata destruir tudo á volta. Deixar ás unidades hoteiras privadas a designaçaõ das estrelas coloca-nos, como clientes, totalmente indefesos. Quando é que esta ordinaríssima canalha é corrida de vez! Mais 4 anos e o país desfaz-se!

diogo disse...

excelente medida para maximizar os lucros dos nossos hoteleiros . menos umas luvas a pagar a um qualquer funcionáriozeco para a atribuição das estrelas . um bom exemplo de combate à corrupção .

josé ricardo disse...

Concordo em absoluto. Aliás, parece haver um tipo de raciocínio absolutamente liberal, ao deixar o mercado funcionar naturalmente. E aqui o naturalmente são os comentários dos utilizadores nos sites que por aí abundam, onde é tudo ao molhe

Um abraço
José Ricardo

Helena Sacadura Cabral disse...

Francisco
Embora ultimamente as suas palavras me pareçam carregadas de alguma irreprimível dureza - a mim, que o considero uma pessoa encantadora - estou inteiramente de acordo com este seu post.
Na Grecia marquei uma vez um hotel de cinco estrelas e saiu-me uma pensão de duas com cinco camas no quarto...

Portugalredecouvertes disse...


Sr. Embaixador sempre (nós o publico em geral, os clientes) podemos publicar por exemplo na internet as nossas opiniões sobre o estabelecimento, utilizar o livro de reclamações que tem de ser fornecido, etc...
talvez seja simplesmente a continuação do programa SIMPLEX

EGR disse...

Senhor Embaixador: é mesmo isso, ou seja, bandalheira liberal.

Anónimo disse...

Só me surpreende que ainda se surpreendam por este governo tomar este tipo de medidas. O liberalismo está-lhe no sangue. Quando não se intervem no BES ( a não ser para mentir à população ) não é de admirar que não se intervenha no resto. A social-democracia desapareceu há muito da prática governamental - nunca lá esteve aliás. PSD e CDS só não se fundem num partido liberal porque teriam menos votos caso assumissem o que são. Valha a verdade que de socialista o PS também já tem pouco. Na Europa, tudo foi, subrepticiamente ou às claras, virando à direita, desde Thatcher até Blair, desde Schröder até Berlusconi, passando por Sarkozy e Aznar. Hollande foi pelo mesmo caminho. Helmut Kohl seria hoje um perigoso esquerdista. Por que razão Portugal, que adora ser seguidista, haveria de fugir à regra? Só tenho pena que as coisas estejam de tal maneira que já não se possa voltar para trás. Suspeito que ainda não vimos nada mas uma coisa parece certa: o Estado social desapareceu de vez. Espero enganar-me.

JPGarcia

Anónimo disse...

Hoje as pessoas não se guiam pelas estrelas e sim pelos comentários dos clientes publicados na internet. O mundo evolui!
João Vieira

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Senhor Embaixador

Na minha qualidade de Hoteleiro e de apoiante deste Governo, devo dizer-lhe que estou TOTALMENTE de acordo com o que acaba de escrever.
No que respeita à classificação o problema ficou bem resolvido pelo Secretário de Estado de Turismo Bernardo Trindade, que foi o melhor Sec Estado de Turismo dos últimos 25 anos.

Anónimo disse...

Oh João Vieira você vive noutro planeta? Comentários? Que critérios têm os clientes? Já li comentários a dizer que tal e tal unidade hoteira é excelente e aquilo era uma m...Há bimbos que são pouco exigentes e outros que não são bimbos e são exigentes. Um tipo fiar-se apenas nos comentários! É do outro mundo Vieira! Tem de haver regras e essas devem ser estabelecidas pelo Estado. Regras de rigor e que protejam o cliente. Ainda outro dia estive na Curia e visitei os dois mais conhecidos hoteis de lá, o Palace e o das termas. O primeiro tem a classificação de 4 estrelas e o segundo de 3. E estão bem atribuídas porque efectivamente correspondem ao serviço que prestam. E quem ali vai sabe deste modo ao que vai. Agora imagine que um sebento qualquer passa a designá-las de 5 estrelas?
Homem, você desculpe mas vive na Lua. Só porque é apoiante deste reles governo não é capaz de ver as asneiras que esta cambada faz?