segunda-feira, 20 de julho de 2015

Um bocadinho ao lado

Portugal ganhou ontem um campeonato qualquer de "futebol de praia". De há uns anos para cá, especializámo-nos em coisas "um bocadinho ao lado" daquilo que realmente importa. Somos um êxito em matéria de sucedâneos. Lembro-me que o país rejubilou, em tempos, com uma dupla, cujo nome esqueci, que ganhava numa coisa chamada "voleibol de praia". Até então, nunca ninguém tinha ouvido falar dessa modalidade arenosa, mas, com a ajuda da dupla, a pátria pareceu nunca se ter importado com outra coisa que não fosse o "voleibol de praia". Depois, num instante, a tal dupla desapareceu do mapa, e logo o voleibol de praia se esfumou no nevoeiro da nossa atualidade. Voltaram a ouvir falar do "voleibol de praia"? Há dois ou três anos, lembro-me de uns maganos quaisquer que andavam numa espécie de barco e ganharam umas medalhitas. O país embandeirou em arco, a gesta marítima do burgo parecia ter renascido. Depois, uma tarde, os dois rapazolas parece que se zangaram. Nunca mais se falou da modalidade, que naufragou em definitivo na nossa memória afetiva. Entretanto, surgiu o "futsal". No meu tempo, chamava-se "futebol de salão" (joguei nos "campeonatos corporativos", defendendo mediocremente as cores e a baliza da Caixa Geral de Depósitos). Distraí-me uns anitos e logo passei a ouvir falar do modernaço "futsal". E o "futsal", que quando era "futebol de salão" não interessava a uma mosca, passou então a desporto de primeira. Só me recordo que havia por lá um Madjer, que eu pensava ter sido uma reconversão, para versão de jogo de bolso, do argelino do calcanhar (que deu a taça Toyota ao Porto, que, a partir daí se acha campeão planetário), mas afinal não era o mesmo. Há semanas, numas imagens num pavilhão qualquer, vi um cavalheiro que dizem que é presidente do meu clube, protestar, com voz grossa, para ser levado a sério, contra uma arbitragem num jogo de "futsal", contra uma equipa de bairro ou de província - já me esqueci! Então agora perdemos tempo a lamentar ou a comemorar vitórias em "futsal"? Mas onde é que chegámos?! Um destes dias, estamos a mobilizar foguetes e matracas para um Sporting-Benfica em berlinde ou matraquilhos! 

Esta vitória em "futebol de praia" preocupa-me! Se a Merkel ouve dizer que ganhámos alguma coisa na praia, deve desconfiar que não fazemos outra coisa nas horas de trabalho senão trabalhar para o bronze (já que, para o ouro, a coisa fia mais fino). E daí, talvez não se preocupe muito: é que nos jogos a sério, no futebol que realmente importa, confirma-se a frase célebre de Gary Lineker, segundo a qual "o futebol são onze contra onze e, no final, ganha a Alemanha". E nós, na praia...

13 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Caro Chico

Adorei a frase do Gary Lineker (grande futebolista que tive o privilégio de conhecer e aplaudir): "o futebol são onze contra onze e, no final, ganha a Alemanha" a que só faltou "e a Merkel e o Schlaube, como sempre, jogaram ao ataque". Modéstia à parte, este final por acaso foi ideia minha...

Futebol de praia ou na praia? Pois...

Abç do alfacinha

Pensando bem sobre o QUEM SABE SE? estou indeciso. Será novela? Será romance? Mas para já e como te disse prepara-te para mais um prefácio e uma apresentação - sem inundações

Anónimo disse...

No voleibol a dupla era Maia/Brenha.

Quanto ao futsal Sr. Embaixador, a fama não é passageira e surgiu ao longo dos últimos 10/15 anos precisamente porque existiu um aumento brutal dos praticantes da modalidade em Portugal.

Portugalredecouvertes disse...

uma vitória super ecológica Sr. Embaixador!
com utilização dos recursos locais
imagine que se os rapazes ganhassem o campeonato de patinagem no gelo, o que não teríamos de gastar para congelar o recinto ?!

Janus disse...

Não confunda, meu caro:o calcanhar do Madjer, deu sim, uma vitória fantástica sobre quem?... o Bayern de Munique (que por acaso até são alemães, dos purinhos). Enfim, outros tempos, outra histórias, como diria o Joel Cleto.Abraço.

Anónimo disse...

Se todos pensassem assim, ainda hoje só existia um desporto, o primeiro a ser inventado.

E já agora, a tal taça toyota para o portistas é apenas uma taça. Para outros clubes que pouco conheceram o sabor da vitória além fronteiras, deveria ser vista de outra forma, já que tê-la disputado significa ter sido campeão europeu. Ainda para mais, por duas vezes. Ainda para mais, marcando um golo de calcanhar contra um todo poderoso Bayern. Ainda para mais por um tal de Madjer, o tal que levou o Toyota para "casa".

Um abraço e as melhoras (da azia)

Anónimo disse...

Eu diria que, em tempo de verão, o seu texto foi um perfeito dia cinzento...

Anónimo disse...

Pensei que iria hoje falar da proposta execrável do seu correlegionário politico(Holland).Quanto á parte que aborda desportivamente, deixe começar por lhe dizer que o Futsal é uma modalidade e o Futebol de salão é outra e com regras bem diferentes. Quanto ao Futebol de Praia, é bem melhor e muito mais prestigiante para o País ser campeão do Mundo da modalidade do que ter antigos primeiros ministros na masmorra por topo o tipo de vigarices. Que vergonha deveriam sentir todos aqueles que nele votaram, que o apoiaram, que o bajularam e que pertencem á mesma organização partidária. Quanto ao Holland, nada que me espante de um falso socialista(que também os temos ás carradas em Portugal). Senhor Embaixador, deixe que lhe diga que vejo muita arrogância e pretensão da sua parte, antigamente os socialistas eram diferentes, mas desde que se aburguesaram são piores que os "fachos". Por isso é que deixei de ser PS a meio da década de oitenta.Sou de Esquerda sim, mas não dessa esquerda provinciana que agora se acham burgueses, ou então sempre foram burgueses, mas disfarçados de PS.

Manuel do Edmundo-Filho disse...

"...contra uma equipa de bairro ou de província - já me esqueci!"

Caro embaixador,

Temo pela sua memória futebolística..., mas, se me permite, eu dou-lhe uma ajuda: essa equipa de bairro (e, orgulhosamente,popular) era o glorioso Sport Lisboa e Benfica! Já agora, ainda se lembra quando é que a seu clube (o Sporten), esse sim, de Portugal,ganhou pela última vez o campeonato nacional...?

Francisco Seixas da Costa disse...

O Anónimo das 12.48 sabia que tem a opção de não ler este blogue? Assim, já não se irritava, não era?

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Manuel do Edmundo-Filho. Tem toda a razão! Eu devia conhecer de cor o nome das equipas de Carnide...

Francisco Seixas da Costa disse...

Ao Anónimo das 10.52. E estive eu, de pé, a horas desencontradas, a "puxar" pelo Porto nas duas tacitas intercontinentais que (espero!) terão chegado às Antas! Ia partindo uma televisão (recordo-me bem!) com o entusiasmo com o golo de calcanhar do Madjer! Eu não tenho azias, olho é para as coisas sem sobrolhos clubísticos carregados e brincando com elas. Quem não perceber...

Anónimo disse...

A brincar, a brincar........

Janus disse...

O golo de calcanhar do Madjer foi numa final dos Campeões Europeus, em Viena.(2-1,com o Bayern de Munique).E não em finais de tacitas intercontinentais...E a brincar, a brincar - sim - as duas estão lá no museu do FCP.Uma boa sugestão para o sr. Embaixador passar uns momentos agradáveis quando cá vier? Abraço.