segunda-feira, 13 de julho de 2015

Na História!

Com modéstia, o nosso primeiro-ministro revelou há poucas horas ter sido ele quem gizou a fórmula que permitiu "fechar" o acordo com a Grécia! Há momentos em que um país se arreda da vulgaridade e deixa a sua marca nas tábuas da História universal! São instantes raros, daqueles que apontam caminhos ao mundo, que definem lideranças excecionais. Como disse Herman José no clássico "Bamos lá cambada!", "os portugueses já provaram muitas vezes saberem ser bons fregueses das grandes ocasiões". São instantes de génio, Bojadores, Tordesilhas, Aljubarrotas. Há horas, foi Bruxelas. A Europa estava num impasse, Merkel coçava os punhos do saia-e-casaco, Hollande já só sonhava em ter um capacete para a moto igual ao de Varoufakis, Tsipras fazia as contas a quantas colunas do Partenon teria de passar a patacos. Foi então que deste canto ibérico surgiu, serena, forte, decisiva, a sugestão redentora. Afinal, Portugal, tido por crítico reticente da atitude helénica, dava uma mediterrânica mão a Atenas. E, desta vez, não era Fernando Santos! Terá havido um silêncio respeitoso, contam-nos. Seguido de um aplauso entusiástico! Tusk, por uma vez, nem olhou para Berlim, à espera de instruções, Juncker, rápido, pressentiu o golpe de génio e pediu uma rodada comemorativa. Os copos tilintaram. A glória lusitana, a "trouvaille", o desenrascanço foi brindado. Seria um Porto, um vintage, uma reserva à altura? Quando o líquido chegou à boca sedenta dos líderes houve, contudo, esgares menos agradados. Afinal, era "retsina"!

18 comentários:

Anónimo disse...

N se pode fazer um post c um elogio a Passos, q ele trata logo de 'emendar a mão'...

Anónimo disse...

entao caro embaixador tem alguma coisa contra a "retsina"?

hmmm

Janus disse...

Eu sei que isto não está para piadas mas,... :-) Muito bom, muito bom...

Anónimo disse...

Este senhor ainda é capaz de me surpreender. Estou agora à espera das declarações do Presidente da República para que a anedota fique completa.

Duas notas. Merkel usa mais calça-casaco e vinho do Porto às nove da manhã pode de facto ser a solução para os males da Europa - e para os nossos.

JPGarcia

Carlos Fonseca disse...

Já que se socorre de Herman José, eu prefiro, neste caso, outro clássico do verdadeiro artista: "Eu é que sou o presidente da Junta! Hic!"

Anónimo disse...

Já o disse noutro lado, mas o que o nosso Passos ajudou foi a atirar a Grécia ao fundo, com uma pedra atada à perna.
Foi isto que ele quis dizer, e ninguém percebeu, salvo o Cavaco, que ainda não acrescentou nada, por enquanto... deixa que abra a boquinha, e vamos ver!!!...
Saludos.

Majo disse...

~~~
~~ Falando sério.

~~ Como afirmei,
Portugal sairia sempre perdedor do impasse grego,
quer acontecesse o «Grexit», quer não.

PPC está agora legitimado a continuar a tirania sobre as
camadas sociais sem poder de greve - os aposentados.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Anónimo disse...

Por acaso, a ideia foi minha

Anónimo disse...

Há que não ter vergonha!!! Nós que acompanhámos a novela, vimos muita coisa. Só falta vir o PR também com uma tirada deste talante... Desde que vi, em Mourão, um cão andar de bicicleta, já acredito em tudo. Arre porra, sr. prior que é demais.

Anónimo disse...

A ideia veio do filósofo 44 de Évora, "experiência bem acumulada" em utilização de fundos dos seus amigos.

Anónimo disse...

Foi o contabilista, seu chefe, que lhe deu a dica!. Homens de Estado, são assim. No Euro, somos 19.Se a Grécia saísse, ficavam 18!.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Caríssimo Chico

Deixo-te aqui o meu comentário que já foi publicado em outros blogues. Mas penso que ébom que o conheças seja ele bom ou mau.... É longo - mais do que a espada do Afonso Henriques. Desculpa.




Mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo….
O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, assegurou esta segunda-feira, em Bruxelas, que "Portugal manteve sempre uma atitude muito construtiva" nas negociações com a Grécia e apontou que foi inclusivamente uma ideia sua que ajudou a desbloquear o último obstáculo. Daí poder dizer-se pela voz de Coelho - que “por acaso, foi uma ideia minha”.

Nas redes sociais não se fala de outra coisa. No final da Cimeira da Zona Euro, Coelho disse: a solução que acabou por desbloquear o último problema que estava em aberto [...] partiu de uma ideia que eu próprio sugeri." E a Internet delirou com a declaração.

Poucas horas depois surgiu a hashtag (#) #PorAcasoFoiIdeiaMinha” e as piadas não param de surgir, estando este tópico entre os mais populares do dia no Twitter. "Ir além da Troika” #PorAcasoFoiIdeiaMinha", "Aprovar orçamentos inconstitucionais” #PorAcasoFoiIdeiaMinha", "A cura para a sida? #PorAcasoFoiIdeiaMinha” ah, mas ainda não descobriram? Não faz mal, quando lá chegarem fui eu", "O 25 de Abril ? #PorAcasoFoiIdeiaMinha", "A Operação Marquês?#PorAcasoFoiIdeiaMinha".

Até o socialista Pedro Adão e Silva já entrou na brincadeira: "Explicar ao Tsipras como é que se ganha eleições com um programa e no dia seguinte se faz exactamente o contrário #PorAcasoFoiIdeiaMinha"
Desporto, política nacional e internacional ou momentos que marcaram a História - como o 25 de Abril, a chegada do Homem à Lua ou o 11 de Setembro - estão entre as muitas linhas que se têm escrito no Twitter e no Facebook esta segunda-feira.
Entretanto na primeira entrevista após deixar o Ministério das Finanças, Varoufakis revela que defendeu a emissão da moeda alternativa como resposta à asfixia dos bancos, fala da “completa falta de escrúpulos democráticos por parte dos supostos defensores da democracia na Europa” e acusa os governos de Portugal e Espanha de serem “os mais energéticos inimigos do nosso governo”.
“Desde o início, esses países [os mais endividados] deixaram bem claro que eram os mais enérgicos inimigos do nosso governo(…). E claro que a razão era que o seu maior pesadelo era o nosso sucesso: se conseguíssemos um acordo melhor para a Grécia, isso iria obliterá-los politicamente, teriam de responder aos seus povos porque não tinham negociado como nós fizemos”, responde Varoufakis na entrevista à “New Statesman”.

Coelho não se interessou por tudo isto; como os brasileiros dizem “deixou pra lá”. A porra foram os gozos nas redes sociais e as declarações de Varoufakis. Mais depressa… Para ele o Minotauro é melhor do que o Adamastor. Temos homem.


Abç do alfacinha

Jose Martins disse...

Senhor Embaixador,
Promoção,pessoal, do primeiro-ministro de cordel.
Saudações de Banguecoque

Anónimo disse...

Com a devida vénia:

"by helenafmatos"

Ficaram admirados por a ideia que desbloqueou a cimeira ser de Passos Coelho? Eu não. Aliás só podia ser assim pois como era ele quem segundo a Catarina Martins, António Costa, Jerónimo de Sousa e etc estava a bloquear a ajuda ao governo grego só podia ser ele a desbloqueá-la."..........

Anónimo disse...

Do cordel sim, da corda só o 44 !.....

Anónimo disse...

Gostei muitíssimo deste texto. Parabéns!

Julia Carmo disse...

#PorAcasoFoiIdeiaMinha

Anónimo disse...

Aquela "Cantiga de amigo" Alba ou serena do nosso Primeiro Ministro aos gregos é poética. Temos um grande amante de trovas e despiques. As cantigas "de escárnio e maldizer" foram entoadas nos telejornais por engano... ou foram uma armadilha dos telejornais! Tem dias!