segunda-feira, 27 de julho de 2015

Errata

Há semanas, escrevi por aqui um post intitulado "Notas para dois amigos". Nele comentava a saída de Augusto Santos Silva da TVI, numa decisão que me parecia ser da responsabilidade de Sérgio Figueiredo, que tem a seu cargo a informação daquela estação televisiva. Na "nota" que endereçava ao Sérgio eu adiantava: "Sei que as coisas às vezes são mais complexas do que parecem. Por isso, por não conhecer os detalhes da decisão, imagino que eles possam eventualmente ser mais esclarecedores do que aquilo que já veio a público. Mas, para já, e antes que esses possíveis factos sejam conhecidos, apenas me posso pronunciar sobre os resultados." E concluía que esses resultados afetavam o pluralismo da comunicação social televisiva. Não o dizia, mas queria com isso significar que a saída de Santos Silva do seu comentário da TVI vinha agravar o flagrante desequilíbrio do panorama do comentário político "residente" nas televisões portuguesas, o qual, no caso dos canais de sinal aberto, não é sequer desequilíbrio, é o total predomínio de uma só linha partidária - a que está no poder.

Sérgio Figueiredo veio hoje a terreiro - e só posso lamentar que o não tenha feito mais cedo - esclarecer, num longo mas elucidativo artigo publicado no "Diário de Notícias", não ter havido qualquer discriminação política na decisão. O que escreve no artigo convence-me, pelo que o assunto fica para mim muito claro: Sérgio Figueiredo não foi responsável por qualquer "saneamento" de Santos Silva e este terá feito uma leitura dos factos que não colam com a realidade objetiva dos mesmos. Muito embora eu tivesse feito o "disclaimer" que acima deixei reproduzido, acho que devo um pedido de desculpas ao Sérgio pela precipitação da minha conclusão sobre o assunto.

17 comentários:

Carlos Fonseca disse...

Augusto Santos Silva, sai malferido desta "guerra", a menos que traga a público factos ainda não conhecidos, o que me parece difícil, depois de ler a tardia, mas convincente, explicação de Sérgio Figueiredo.

Anónimo disse...

Também penso como diz...Mas aproveito a questão da isenção da Comunicação Social, para lhe sugerir uma vista de olhos no Expresso...Qual Povo Livre, qual quê...
Dizem-me que são exigencias dos grandes anunciantes...
Não conheço Ricardo Costa, mas não fico supreendido...

Fernando Tabua - Espinho

Manojas disse...

Mas Sérgio Figueiredo explicou porque é que os programas sobre o futebol, nacional e estrangeiro, às terças-feiras, eram mais importantes do que o programa de Santos Silva? Bom, naturalmente eram, pois não acabanos de verificar que a importância dada ao prémio Mandela, honrando Sampaio, foi bem menor que a dada à Bola de Ouro ganha por Ronaldo, que até abriu os tele-jornais. Aguardemos o desenrolar dos acontecimentos.

ECD disse...

Baixita esta polémica e mauzitos estes tomar partido.

Anónimo disse...

Quem são Augusto Santos Silva e Sérgio Figueiredo e o que contribuem para a felicidade das pessoas?

Anónimo disse...

E não há leis? a atividade de informar não tem nenhuma regulação? É conforme apetece? Malcriado? o que é isso?

Anónimo disse...

Manojas pedia que se dissese qualquer coisinha, mas já tinha tomado partido. O que prova que se pode ter partido, andar o mais das vezes errado, mas não se ser sectário, como Seixas.

Anónimo disse...

Outro malcriado foi também o Alfredo Barroso, corrido da SIC N, ainda no tempo do Crespo. Queixou-se de censura, ninguém ligou...
A introdução do Sérgio Figueiredo é confrangedora, a argumentação uma falácia: alguém alguma viu ASS ser malcriado com alguém? com alguém digo desta maioria desavergonhada? nunca, nem uma vez...
o problema é que só toleram Brilhantes Dias, Marias de Belém, Carlos Zorrinhos,Joões Soares e outros "mansos"; ASS tinha uma acutilância que desarmava o próprio moderador...mas gosto muito do Fernando Medina, que argumenta de forma brilhante...

Manojas disse...

O que eu gostaria que se dissesse é porque temos que gramar horas e horas de opiniosos a falar de futebol, e horas e horas de transmisssões de jogos de futebol, sem nada nem ninguém que os incomode ou interrompa, e não temos direito a ouvir, no dia e à hora previamente aprazada, sem constantes alterações, os comentários do professor Augusto Santos Silva. Sei que o defeito é meu por gostar mais dos comentários políticos do professor do que dos comentários "desportivos" sobre os Casillas, os Ronaldos, os Jesus, os Mourinhos, etc e tal, e que ninguém me obriga a ligar a televisão. Seja como seja, era só isso que eu gostaria que fosse explicado. E não foi pois não?

Anónimo disse...

Ah pois claro: o prémio Mandela dado a Sampaio é infinitas vezes mais importante do que a bola de ouro do Ronaldo. Já se sabe! Só falta dizer que o Sampaio foi eleito o melhor presidente do mundo e que o prémio Mandela é seguido à escala global.

Manojas disse...

Será que o anónimo das 17:37 sabe por quem é atribuido o prémio Mandela, ou sequer sabe quem foi Mandela? E saberá porque motivos o prémio Mandela foi atribuido a Sampaio? Que sabe tudo sobre o Ronaldo e sobre futebol, isso sabe sem dúvida, o que não é negatico, mas é pouco positivo.

ignatz disse...

resposta do santos silva ao sérgio figueiredo.
http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=4704128.

1 - será que o embaixador vai novamente rever a sua opinião sobre o assunto
2 - assobia para o lado e mete férias
3 - é alérgico à liberdade de expressão
4 - censura este comentário por ser mal educado
5 - não responde a provocações

Manojas disse...

Também estou muito curioso quanto às reacções à resposta de Santos Silva a Sérgio Figueiredo, bem na hora, bem esclarecedora, bem incisiva, sem rodriguinhos, sem insinuações maldosas. Já agora, por mera curiosidade, verifiquei que ontem à noite, terça feira, dia e tempo em que devia passar o programa de Santos Silva, a TVI24, deu futebol das 21,30 horas 24 horas. À grande Sérgio! O povo agradece!

Francisco Seixas da Costa disse...

O artigo de hoje de Augusto Santos Silva não me leva a alterar uma linha ao que escrevi

Tatas disse...

Mas creia que é pena, pois está decididamente a reconhecer que quem paga tem o direito de faltar ao respeito a quem recebe. O Sérgio Figueiredo esteve mal, muito mal, para quem quer parecer imparcial. Depois, francamente, a falta de chá e talvez de educação fê-lo cruzar a fronteira do bom-gosto.
Mas já a sua opinião anterior denotava um juízo assaz precipitado ao reconhecer a verdade tendo ouvido apenas as alegações de uma das partes.

Anónimo disse...

Lamento que as constantes alterações de programação da TVI24, as doses maciças de "futebolização" de um canal por cabo, pago pelos telespectadores e anunciado como de informação, a total e confrangedora ausência de pluralismo político-ideológico patente nesse - e nos outros! - canais televisivos, lhe suscitem um mero comentário que, pelo recorte da fórmula de duas no cravo, uma na ferradura, mais força não tem do que uma simples nota-de-rodapé. Onde pára a indignação dos portugueses perante este miserável cenário de alcouce a que se chegou?

Anónimo disse...

Nem uma linha, senhor Embaixador? Isso é que é firmeza. Note que o Augusto Santos Silva contradiz alguns factos da nota do Sérgio Figueiredo, nomeadamente sobre timings. Esteja um ou outro a mentir, é coisa que se descobre facilmente, não estamos no domínio das subjectividades. Eu entendo é que não queira voltar ao assunto, isso entendo bem.