sexta-feira, 17 de julho de 2015

Diplomacia


Quando ocorre uma guerra, costuma dizer-se que a diplomacia falhou. Quando "não ocorre" uma guerra, graças à ação da diplomacia, ninguém põe a crédito desta os mortos, os sofrimentos e os prejuízos que se pouparam. A diplomacia é a arte discreta de tentar fazer pontes, compromissos, de fazer "não acontecerem" as guerras ou outros conflitos de monta. Assim, é difícil ser elogiada pelo que (de mal) não aconteceu...

Porque uma ação diplomática foi titulada a um nível elevado, o caso do entendimento conseguido com o Irão, que envolveu a generalidade da comunidade internacional - mas, essencialmente, os EUA, a França, o Reino Unido, a Alemanha e a UE -, ela acabou por dar um inusitado relevo ao papel da negociação e da diplomacia. E, pelo menos nos tempos mais próximos, terá evitado ações militares que, em certos momentos, pareceram iminentes.

Recordando: o Irão tinha enveredado por um programa de enriquecimento de urânio que foi considerado prelúdio para a construção de uma bomba atómica. Teerão argumentava que o objetivo era civil; o mundo suspeitava que a finalidade era militar. A relutância iraniana em permitir uma fiscalização por parte da Agência Internacional de Energia Atómica adensou as suspeitas e acabou por levar à imposição de duras sanções económicas. O braço-de-ferro prosseguiu por muitos anos e, finalmente, o Irão cedeu e as sanções vão agora ser levantadas, persistindo ainda algumas limitações à importação de armas convencionais pelo país. Esta é uma vitória da persistência, do diálogo, da não-cedência ao tropismo jingoísta de alguns. É uma vitória do bom-senso.

Os Estados Unidos são um poder estranho. Na sua ciclotimia externa, hesitam entre um unilateralismo arrogante, frequentemente agressivo, e a busca de compromissos  abrangentes. Na matriz de todas as suas intervenções está a preeminência absoluta do seu interesse nacional (o que é natural), sempre identificado como sendo o indiscutível interesse da comunidade “do bem” (o que, frequentemente, é bastante duvidoso). Com o seu antigo poder colonial, Washington terá aprendido que “não tem amigos, tem interesses”. Com o tempo, tem vindo a entender que, às vezes, é do seu interesse ter amigos...

Esta operação diplomática de sucesso dos EUA no Médio Oriente não vai nunca redimir o imenso erro do Iraque, que todos estamos ainda hoje a pagar, a começar pelo próprio Iraque. Mas é, com toda a certeza, o produto das “lessons learned” nesse cenário, confirmando a velha máxima de que os Estados Unidos acabam sempre por encontrar a melhor solução, mas só depois de terem experimentado todas as outras...

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

6 comentários:

patricio branco disse...

queira-se ou não, há que contar com os eua a uma escala global, em grande parte dos assuntos estratégicos a nivel mundial. a sua grandeza e peso económico, político, militar. invadiram o iraque, certo, mas foram em defesa do kuwait e expulsaram os iraquianos, como vieram em defesa da europa contra a alemanha em 1943.
houve coisas feias, o apoio ao golpe de 73 no chile, mas entrava na lógica da guerra fria e de evitar o progresso do comunismo no continente americano.
a nada do que se passa no mundo são alheios os eua, e sabe-se lá o papel escondido que tiveram e têm na questão grega e outras.
cuba e irão foram sucessos diplomáticos conseguidos em negociações com cuidado e tempo. a diplomacia é a arte de evitar conflitos, procurar aproximações, cooperação, boas relações. no caso do irão viu-se isso e parece ter resultado

Jose Martins disse...

Senhor Embaixador,
Erros da Guerra do Iraque quem se deve estar a penitenciar e (creio) com alguns remorsos é o "perdigão" depenado que, abusivamente, usou o território nacional para mais três "caramelos" combinarem uma guerra que matou milhares de inocentes.
.
Os quatro que fizeram a guerra do Iraque andam por aí à solta....
.
Porém se de outro país (daqueles da mó de baixo) já teriam sentado o "traseiro" no banco do Tribunal Internacional de Haia e cumprirem as penas aplicadas pelo facto de causadores de sacrifícios a seres humanos que nada tinham a ver com a guerra, levada a cabo por capricho para eliminar um homem (fosse como fosse) governada o Iraque.
Saudações de Banguecoque

CORREIA DA SILVA disse...

Caro José Martins :
TODAS as guerras, matam milhares de inocentes! Ponto.

Joaquim de Freitas disse...

O comentário do Senhor Correia da Silva faz-me pensar à Madeleine Albright, secretária de estado americana, que respondeu a uma questão sobre as 500 000 crianças iraquianas mortas por causa do embargo americano : Le prix en valait le coup ! Valia a pena!

Com esta maneira de pensar chega-se a justificar todas as guerras, todos os crimes e mesmo os genocídios. Mesmo os cometidos por aqueles que consideramos inimigos dos nossos valores!

CORREIA DA SILVA disse...

.

"Palavras sobre a guerra, de pessoas que estiveram numa guerra, são sempre interessantes;
palavras sobre a lua, de um poeta que
nunca esteve na lua, têm toda a probabilidade de serem enfadonhas."

Mark Twain


Francisco Seixas da Costa disse...

Tem razão, Correia da Silva. É como palavras sobre diplomacia, por quem só atravessou a fronteira do Caia para ir comprae caramelos...