quarta-feira, 10 de junho de 2015

Teixeira dos Santos


Fernando Teixeira dos Santos recebeu hoje, no dia de Portugal, a grã-cruz da Ordem militar de Cristo. 

À direita, alguns sobrolhos cerrarram-se por ver atribuída ao antigo ministro das Finanças dos governos de José Sócrates a mais alta distinção que o Estado tem para os que melhor serviram o país. À esquerda, soaram vozes contrárias a que Teixeira dos Santos tivesse aceitado esta condecoração pelas mãos do presidente que mais combateu o governo a que pertenceu.

Sou amigo e colega de Fernando Teixeira dos Santos, pelo que não sou independente nesta minha análise. Com ele partilhei, durante cinco anos e meio, a participação em dois outros governos. Porque esse foi um importante tempo europeu, que determinou a entrada de Portugal no euro, colaborámos então muito de perto, pelo que tive o ensejo de o conhecer bem. Em todo esse tempo, para além de uma sólida amizade, criei por ele um fortíssimo respeito, político e técnico, que me leva a considerar justíssima - e apenas tardia - a dintinção que lhe foi atribuída. 

Sabe-se hoje bem que, na fase final do anterior governo, as posições de José Sócrates e de Teixeira dos Santos não coincidiram. Essa divergência assumiu particular expressão aquando da decisão que acabou por conduzir à entrada da "troika" em Portugal. Porém, no essencial, e como hoje Teixeira dos Santos uma vez mais confirmou, ambos coincidiram sempre na avaliação de que, se acaso o plano financeiro já acordado com os parceiros europeus não tivesse sido derrotado na Assembleia da República, talvez o "resgate" pudesse ter sido evitado, tal como acabou por suceder com a Espanha. As coisas não se passaram assim, pelo que especular agora sobre elas é, como se diz na minha terra, "chover no molhado".  

17 comentários:

Antonio Cristovao disse...

Mas o prejuizo do BPN, os aumentos eleitorais, as PPPs não merecem ser esquecidas assim.É premiado os galoes e não o desempenho; uma vergonha democratica.

Anónimo disse...

Era bom sublinhar que o governo Sócrates caíu por pressão de Marco António Costa.Sim o Marco António Costa que é investigado por possível tráfico de influências.

MM disse...

Associo-me e felicito, também, o Prof Teixeira dos Santos. MM

Bmonteiro disse...

Chover no molhado, ou nas evidências.
De um PM deslumbrado, com uma corte de deslumbrados, que iriam levar o país ao topo do paraíso do hemisfério norte.
Quanto ao Ministro, ter deixado navegar o barco como deixou, cedo lhe fiz o meu 'retrato':
Hipnotizado pelo PM, desfasado da realidade dos OE do futuro.
Ou estiveram os Secr Estado dispensados de lançar na contabilidade pública, os custos de tudo e mais alguma coisa, do presente ao futuro?
Um super pacote de obras públicas nos anos 2005-10, para começar a ser pagas em 2014?
Eu, que não sou economista, nem tenho já biblioteca.
PS: com alguma compreensão, dado os XVII-XVIII GC, se terem 'limitado' a continuar o devorismo do bloco PS-PSD-CDS, com a complacência dos laterais PCP-BE.
Tal como para com as malandrices agora, de Mr Passos, um 'mito' meio urbano.

Anónimo disse...

Roma ainda paga a traidores.

Anónimo disse...

É assim! Nunca homenageou José Sócrates, mas homenageia duas figuras escolhidas por ele... Teve algum mérito na escolha, valha-nos isso, o ter sido reconhecido agora...

alvaro silva disse...

O que o homem não confessa é o que o P.M. lhe dava a beber ou a "snifar" para perder o sentido da realidade. Isso não confessa nem se descai!

Carlos Fonseca disse...

O Anónimo das 20:41, já escreveu, de uma forma mais objectiva, o essencial do que eu queria comentar. Mas sobre a condecoração que paga, pelo menos, uma deslealdade, a opinião que eu gostaria de ouvir (ou de ler) era a de José Sócrates. A sua, senhor embaixador, perde alguma relevância, como perdem sempre as opiniões que damos quando estão os nossos amigos em causa. Por muito que não queiramos, acaba sempre por vir ao de cima a afectividade. Como era norma na Coimbra de outros tempos, "para os amigos, tudo! para os inimigos, nada! para os outros cumpra-se a lei!"

Anónimo disse...

Parece uma indireta (medalha) ao Sócrates!... Até à célebre fasquia dos 7% foi só gastar. Nas eleições anteriores ficamos todos admirados com aquele aumento aos funcionários públicos sem ninguém pedir!
Este dia de Portugal já se transformou no dia das medalhas! Para mal de poucos (e de Portugal) já estão desvalorizadas!

Anónimo disse...

Se é com investigações do MP que o anónimo "10 de junho de 2015 às 18:25" quer jogar seria bom que notasse o enorme elefante no meio da sua própria sala. Neste momento, enquanto argumento, não passa de uma militonteria da espécie benfica-sporting.

Anónimo disse...

Pois então, Seixas da Costa e Teixeira dos Santos cúmplices do estado em que nos meteram.

Anónimo disse...

De facto, Roma ainda paga a traidores. TdS ajudou a enterrar Sócrates. Com o apoio discreto do governador do BdP. Cavaco aplaudiu e depois é o que se sabe.

patricio branco disse...

embora preferisse a atitude mediatica de recusar a condecoração (recebê-la de cavaco silva), concordo que teuixeira dos santos sempre foi um homem comedido, sensato nas suas intervenções, não arrogante, simpático mesmo (dificil para um mdfinanças) ao contrario dos 2 que vieram a seguir, não gostando de causar polémica, portanto

Bartolomeu disse...

Sim...´podemos discutir se o ex-ministro das finanças merecia ou não tal distinção. Se o governo PSD-CDS lhe deve estar grato pela decisão de abandonar Socrates.
Se a decisão foi tomada com base num princípio ético e patriota, ou se não quis entalar os tomates.
Eu não sei, nem possuo dados que me permitam ajuizar a qualidade da decisão.
Mas olho tristemente para o ato solene e a imposição das honrosas agraciações e penso: independentemente de Teixeira dos Santos ter ou não decidido da forma mais favorável para o país, ter ou não sido traidor par com a palavra dada a Socrates, ter ou não sido uma importante maisvalia para acoligação; ele foi, um competente servidor do Estado. Cabe perguntar: e o que fizeram ou fazem de relevante para o país os artistas musicais agraciados? O que fazem de relevante para o país, os estilistas agraciados? Não sei se; estando no lugar de Teixeira dos Santos ou dos dois investigadores, aceitaria a condecoração, ou faria o mesmo que o Professor Agostinho da Silva e mandaria o chefe do estado meter as medalhas no... na caixa... de onde nunca deveriam ter saído. Será que no Palácio de Belém, perceberam que tinham um stock excessivo de medalhas e que esta era a última oportunidade para as distribuir?!

Anónimo disse...

Não se zanguem os "rosinhas"....pode ser que o nódoa se for presidente(?????) vai levar a medalha a evora, se os "rosinhas-ladinos-que -nem-craxi", conseguirem o que todos sabemos, na sequência das tríades-organizadas !

Manojas disse...

Melhor seria não ter comentado o caso, senhor embaixador. Se eu fosse amigo de Teixeira dos Santos ter-me-ia sentido envergonhado ao ver a triste figura que ele fez. Ele era o Ministro das Finanças de um governo que o PR nunca elogiou ou respeitou, pelo contrário. Teixeira dos Santos foi condecorado por ter traído o chefe do governo a que pertencia.

opjj disse...

Quem mandava em quem! acho inacreditável como se invertem os papéis!
Foi Sócrates que sempre mandou em Cavaco Silva e não o contrário.
EU ao princípio até apoiei Sócrates, mas ao fim do 1º ano começou a ceder e chegamos ao 4º PEC.
Cumps