domingo, 21 de junho de 2015

O lançamento

Foi muito difícil encontrar lugar para o carro. A Bucholz fica numa rua de escritórios e, até muito tarde, um espaço para estacionar é quase um milagre. Fui brindado com esse milagre. Só que não tinha moedas para o parking e desfiz-me em sorrisos num café para trocar uma nota de dez euros. Ao mesmo tempo, mantinha um olho no carro, porque a EMEL não brinca em serviço. Quando meti as moedas, o limite do ticket eram as dez e tal da manhã do dia seguinte. Com a precipitação, tinha colocado dinheiro a mais.

Entrei na livraria, pouco passava das seis e meia. As cadeiras estavam dispostas no primeiro andar, já havia gente sentada, mas não vi ninguém conhecido. Teria eu feito confusão? Seria só às sete? 

Ao fundo, junto a uma estante, descortinei uma pessoa que faz parte de um grupo de gente com quem, embora nunca tenha tido uma conversa, integra a minha silenciosa intimidade pública, porque eu sei quem ele é e ele sabe quem eu sou. É um grupo de umas dezenas de figuras, um género a quem sorrio a medo, deixando cair um "boa tarde" e com quem, a espaços, troco duas ou três palavras de circunstância, tipo conversa de elevador. Perguntei: "o Marcelo ainda não chegou?" Ele olhou-me, inexpressivo, e disse "não vi"... (Ele lerá este blogue?)

Continuei por ali. Olhei uns livros e, para matar o tempo, decidi descer ao andar de baixo. O lançamento devia ser às sete, era isso! Vasculhei umas vagas "stationaries" alemãs (carotas, aliás), folheei alguns guias turísticos (não sei se notaram que os editores deste tipo de guias teimam em esconder a data de edição, para os fazer "durar" no tempo) e voltei a subir. Nada de caras conhecidas! Estranho! Sentei-me na assistência e dediquei-me, por uns minutos, ao iPhone, que agora funciona como entretem, como aquelas revistas sebentas que há nas salas de espera dos médicos. 

A certo ponto, ouvi vozes mais altas, levantei a cabeça e vi umas figuras aproximarem-se dos lugares onde se sentariam o autor e os apresentadores da obra. Tudo gente que me era, em absoluto, alheia. Do lado esquerdo da mesa, vislumbro um livro em posição vertical. Era a obra que ia ser apresentada. Não era o "Diário da Abuxarda"! Eu tenho o livro, que já li e do qual até já aqui falei. Era outro livro! Eu estava no lançamento errado! 

Saí de fininho, como quem não quer a coisa. Nem perguntei nada às meninas do balcão, junto à porta. Meti-me no carro, humilhado comigo mesmo e com vagos pensamentos sobre os sinais de Alzheimer. Tocou o telefone. Era um amigo. Disse-lhe o que me tinha acontecido. Respondeu-me: "Mas isso foi ontem! Eu fui lá".

Regressei a casa, furibundo. Este relato não é um alibi para me desculpar por não ter ido ao lançamento do "Diário da Abuxarda", do meu amigo Marcello Duarte Mathias. Mas, pensando bem, também pode servir para isso.

5 comentários:

ibmartins disse...

Podia ter feito este relato (não sobre o lançamento do Diário da Abuxarda), incluindo o pagamento do parking até ao outro dia e tudo. Compreendo perfeitamente a sua irritação.
Mas olhe, ao menos deixou-me feliz por estar em tão boa companhia :-)

Anónimo disse...

Acontece, acontece, ja aconteceu a muitos!

Fiquei realmente humilhada em 1991. Klaus Tennstedt que sempre admirei estava em Londres a reger as sinfonias de Mahler com a London Philarmonic Orchestra. Com antecedencia comprei dois lugares para a nona. Comprados os programas sentamo-nos. Um casal "Mahleriano" com programa e bilhetes na mao dirigiu-se a nos:"It seems you are in our seats". Puxei dos bilhetes. Conversa curta, deve ser engano da impressora.... O funcionario aproxima-se "Any problem?" O meu marido sussurrava-me "Ve la se te enganas-te?" Respondi: "Eu?!", ja com duvidas... E entao que o funcionario me diz "Your tickets are for tomorrow, sorry". Vi com apreensao o meu futuro nessa noite... Desculpas e sorrisos entre nos e os camaradas Mahlerianos que se despediram "Enjoy the 9th tomorrow". Saimos com a dignidade que se impunha. Eu nem tugia nem mugia. Ja no hall disse "Desculpa". O meu marido repondeu: "Convido-te para jantar aqui no restaurante. GUARDA os bilhetes para a nona!". Nunca um primeiro copo de Sancerre me soube tao bem!!!

Bom domingo com sol

F. Crabtree

Anónimo disse...

Muito se engana quem cuida! Cuidado sim, com o nosso parente alemão, ele anda por aí...mas chega devagarinho!

Anónimo disse...

Senhor Embaixador

O que vou escrever não tem qualquer relevância, mas, como conheço bem a zona (que saudade da velha livraria, porque a atual conserva o nome, mas já não é a mesma) permito-me fazer-lhe uma sugestão para quando, eventualmente tenha de lá voltar.
A muito curta distância tem o parque de estacionamento da Alexandre Herculano (normalmente tem lugares vagos) e, mais perto ainda (embora de estacionamento difícil) um parque no prédio de gaveto junto à livraria (entrada pela Avenida da Liberdade)

Anónimo disse...

Pior que isso é velar o morto "errado"...

David Caldeira