segunda-feira, 11 de maio de 2015

Memorabilia diplomatica (XXXII) - Medicina diplomática


Há dias, a propósito do curso que estou a orientar para preparar os candidatos ao ingresso na carreira diplomática, alguém ficou surpreendido quando revelei que são aceites a concurso os titulares de qualquer cursos universitário. Questão é que as pessoas sejam capazes de ultrapassar as várias provas, desde um teste de cultura geral a exames exigentes de português e inglês, seguidos de provas sobre História Diplomática, Direito Internacional e Economia Política, com as questões europeias a assumirem natural destaque. O meu interlocutor ficou mesmo surpreendido quando lhe disse, não sem um certo gozo por esse ecletismo, que há hoje na carreira pelo menos um arquiteto e um médico. "Um médico?" e abriu a boca de espanto!

Foi a propósito disso que me veio à memória uma história divertida, passada algures no mundo, há já muitos anos, com um diplomata cuja nacionalidade não quero revelar e que, não sendo ele próprio médico, nem sequer sendo um evidente hipocondríaco, tinha sobre as questões de saúde algumas teorias que se situavam um pouco à margem da medicina convencional, e desde já aviso que isto é um "understatement". Para além de afirmar, com grande convicção, que o champanhe, "um bom champanhe", tinha efeitos muito positivos na cura do cancro, debitava sempre teorias muito pouco usuais, muito pessoais, sobre o efeito de certos produtos em certas doenças.

Era um homem só, solteiro, à época bem mais velho do que nós (já morreu há muito), uma pessoa com uma cordialidade educada que atenuava alguma distância que o seu modo de estar algo formal criava nas pessoas que com ele conviviam. Ouviamo-lo com delicada atenção e só aqui ou ali, quando a extrema bizarria das teorias nos fazia passar do sério, é que deixávamos escapar um comentário menos concordante. Um dia, porém, foi um pouco longe demais.

Em casa desse diplomata, um grupo estava a bebericar uma taça de champanhe - sempre o champanhe!, para ele a mezinha com alargadas virtualidades medicinais - quando alguém que estava presente referiu que estava um pouco constipado, fruto do clima desse país longínquo, que andava um tanto instável.

Nesse instante, o nosso homem, com um ar seguro, saiu-se com esta frase:

- Isso é um problema de intestinos! O champanhe ajuda muito a acabar com as constipações.

Lá vinha o champanhe, outra vez! Todos nós, seus convidados, olhámo-lo, surpreendidos, em particular um médico meu amigo, que ali estava pela primeira vez e que esboçou um pequeno comentário distanciador da estranha interpretação da sintomatologia da constipação que acabara de ouvir. Mas o homem não se desarmou.

- Ah! O meu caro amigo é médico! Desculpe, esqueci-me disso! É portanto um adepto das teorias da medicina moderna. Está no seu papel, é evidente! O que eu disse tem a ver com outras áreas da ciência que a sua medicina não acolhe, porque não dão jeito, não fazem o jogo dos laboratórios que nos encharcam de medicamentos e, claro!, que têm de fazer o seu negócio. Percebo bem que não possa sair dessa visão convencional da medicina...

Disse isso com um ar condescendente. E eu olhei para o meu amigo, temeroso de que se não contivesse perante o comentário, que tinha algo de provocatório. Mas ele manteve-se educadamente calmo. A brincar, a brincar, o jantar ainda não tinha sido servido...

O diplomata, "médico" por convicção, dispôs-se a dar uma explicação mais detalhada da sua teoria e, voltando-se de novo para o verdadeiro médico presente, deixou cair uma interrogação críptica:

- O meu amigo não subscreve, estou certo, o "princípio do alambique", ligado às constipações, pois não?

O médico "a sério" fez uma cara de surpresa. O "princípio do alambique"? Terá mesmo, por um instante, inquirido a si mesmo se lhe não estava a falhar alguma tese fundamental da medicina. E, perplexo ao limite, acabou por confessar que não, que não conhecia o "princípio do alambique".

Foi o que o nosso diplomata quis ouvir. Ganho já o terreno, recolocou-se no centro diretor da conversa e, com assumida generosidade, deu-nos a conhecer a "verdade":

- Ora bem! Como os meus amigos seguramente sabem, dentro de nós persiste, fruto das deficiências de "limpeza" do nosso sistema digestivo, uma certa percentagem de resíduos - as senhoras presentes que me desculpem o termo, mas trata-se de "excrementos" - que se vão acumulando ao longo de meses nos intestinos. Essa massa, se não for expelida a tempo, chega a um ponto em que começa a fermentar e, ao fazê-lo, decanta uns eflúvios. Esses gazes, que a fermentação tornou mais quentes do que o resto do corpo, começam a fazer um percurso ascendente através dos tecidos. Como todos sabem da escola, "o ar quente sobe". À passagem pelos brônquios e pela garganta, por exemplo, provocam inflamações - daí a tosse e as dores de garganta. Mas esses eflúvios vão continuar a subir e chegam à cabeça. O contacto com o cérebro é tudo menos pacífico e pode então provocar dores de cabeça e estados febris.

A sala estava em êxtase com a sofisticação desta delirante teoria. O meu amigo médico olhava para o diplomata sem saber bem o que dizer. Recostou-se no sofá, como que exausto com o que acabara de ouvir. Eu fixava-o para tentar que a "tampa" lhe não saltasse... Mas o melhor estava para vir.

- Mas eu ainda não acabei!, ameaçou o prolixo diplomata, enlevado na lógica irrecusável da sua teoria. Ora esse eflúvios, ao chegarem à cabeça, entram precisamente em contacto com uma das poucas partes do nosso corpo que, geralmente não está coberta, não é verdade? E, então, o que é que acontece? É aqui que entra o princípio do alambique. Como esses eflúvios entram em contacto com uma superfície mais fria, têm tendência a condensar, tal como acontece nos alambiques. E, como se sabe, a condensação converte os gases em líquido, o qual, naturalmente, precisa de escoar. E por onde escoa? Pelo nariz, claro! É por essa simples razão que, quando nos constipamos, há secreções líquidas que nos saem pelo nariz. Nunca ouviram recomendar às pessoas constipadas para manterem a cabeça protegida por um chapéu ou por uma boina? É precisamente por isso: quem andar com a cabeça quente, tem menos tendência a ter vontade de assoar-se.

O silêncio que se seguiu a esta laboriosa e completa explicação foi talvez excessivamente pesado. Nenhum de nós ousava arriscar uma palavra, pelo respeito que o homem nos merecia, perante a bizarria da teoria. Eu olhava, em controlado pânico, para o meu amigo médico, que pressentia prestes a explodir, ou de riso ou de raiva. Alguns anos de diplomacia ensinaram-me a dizer coisas um pouco "redondas", para sustentar precisamente este tipo de situações:

- Muito interessante! Mas há certeza de que isso é mesmo assim? Como é que se explicam, por exemplo, as sinusites, que provocam um forte corrimento nasal?

O que eu fui dizer! As sinusites, estava bem de ver, não eram nem mais nem menos do que uma inflamação produzida no caminho ascendente dos eflúvios em direção à cabeça. Tudo estava explicado!

A conversa acabou, para grande alívio dos presentes, com a chamada urgente para a mesa, onde havia o risco de um souflé poder baixar, se perdêssemos mais tempo. Ou ganhássemos, tudo dependente da credulidade de cada um.

Já longe do local do jantar, trocadas umas boas gargalhadas sobre o momento "médico" que o havia antecedido, alguém se lembrou: "pensando melhor, a expressão inglesa "constipation", para significar problemas instestinais, é bem capaz de vir daí..."

(Dedico este texto ao meu querido amigo Manuel Serra, médico e estóico auditor da historieta que aqui lhes contei. Acho que ele vai divertir-se ao relembrá-la.)   

4 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

O Senhor Embaixador deve ter "feito" alguns anos de engenharia ! O "estudo" está quase perfeito. Parece a marmita de Papin ! Faltam só os termóstatos !

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Passe o preconceito,apostaria que o sotaque do diplomata "médico" seria o brasileiro...

Anónimo disse...

Deve dar um rico diplomata o espantado com o médico. Cultura baixinha à entrada promete pouco após ensinança.

patricio branco disse...

acreditaria nas suas teorias ou gostaria de espantar ou provocar os outros com elas mesmo sem acreditar.
ou talvez fosse um modo de fazer conversa, entreter.
no século 17 a teoria do alambique faria furor e escola entre os físicos que acreditavam e respeitavam os humores