domingo, 1 de fevereiro de 2015

Notas de fim de tarde


1. Como português, não me agrada ver o chefe do Estado acossado desta maneira sobre o caso BES. Mas para ter o direito a estar agora calado sobre o banco, o senhor presidente deveria ter tido a prudência de não ecoar na Coreia laudas pouco rigorosas quanto ao estado do mesmo.

2. O que se passa na RTP é quase obsceno. A administração cessante negociou a sua demissão a troca de uns elogios num comunicado que contrariam a avaliação antes feita por quem lhe retirou a confiança. Agora a administração tira desforço em público. E o novo "projecto" para a RTP prenuncia o seu fim. Boas notícias para a SIC e TVI por parte do governo, em ano eleitoral.

3. Não é muito largo o caminho do PS perante o tema Syriza. Os socialistas não se podem alhear do abanão que a Grécia está a provocar na Europa. Mas também não podem, qualquer que seja o pretexto, ficar reféns dessa "guerra".

4. É penosa a situação que se vive em algumas áreas do governo. Depois da deliberada destruição do serviço público, que deixou o Estado em péssimo estado, é quase cruel ver ministros a vegetar, só para o primeiro-ministro dar ares de "resiliente". É patético!

5. O anúncio da carta-protesto do deputado do PSD a Alexis Tsipras só não tem graça porque apouca a instituição parlamentar portuguesa à escala internacional, colando-a a um ato caricatural ridículo, de quem "não se enxerga".

6. Fez bem o governo ao não encarar a possibilidade de retirar a nacionalidade portuguesa aos nacionais integrados no Estado Islâmico. Para além da duvidosa constitucionalidade da medida, Portugal deve assumir, face a esses cidadãos, a sua responsabilidade no combate ao terrorismo internacional.

7. Ainda alguém um dia me explicará a razão de ser dos comentários esquizofrénicos do FMI: num dia, surge alguém com um parecer, no seguinte há um responsável (ou irresponsável?) qualquer a dizer o contrário. Em que ficamos?
 
8. Gostei muito de ver Cavaco Silva homenagear o fado, num pessoa de excelentes vozes e de um instrumentista (e empresário) de mérito ("anda, Pacheco", dizia a Hermínia ao pai do galardoado). Pena foi que soasse a contrição oblíqua, mas devo ser eu que estou a ver mal as coisas.
 
9. Nunca consegui entusiasmar-me pelo espetáculo - que deve ser fascinante - do futebol americano, que agora tem a sua final, o "superbowl", que suspende a vida americana. Acontece-me o mesmo com o cricket, concordando com quem diz que "é tão interessante como ver relva a crescer". Enfim, limitações assumidas.
 
10. O "Observador", um site de grande qualidade que foi, manifestamente, a grande novidade de 2014 em matéria de informação, está a cumprir, com cada vez maior clareza, o objetivo com que foi criado: ser uma voz conservadora, consistentemente anti-socialista, fazendo os possíveis para ainda tentar salvar a direita de um desastre eleitoral em outubro de 2015.

5 comentários:

Anónimo disse...

Diz no ponto 8. Gostei muito de ver Cavaco Silva homenagear o fado,(,,)
mas, vingativo e pequenino,... esqueceu de incluir mo homenageado Carlos do Carmo (que em boa verdade, nunca deveria aceitar galardão deste pr).

cpts
JS

jose neves disse...

Acerca da nota 5) recomenda-se quo o deputado fanfarrão vá à Grécia e leve consigo o seu amigo de Maçães para prender o Tsipras.
Que ares especiais impestados anda este deputado a respirar que até já lhe dá para imaginar que o seu poder chega à Grécia!
Pobre país que prende os melhores e deixa que gente deste calibre ocupe o topo do Estado.

Anónimo disse...

Muito bem, excepto talvez quanto ao futebol americano, de que não percebo nada.
JPGarcia

Anónimo disse...

"Não há dinheiro não há palhaços", a esquerda não acredita !!!!!, vai surfando a maionese.....até a mesma deslaçar ......

Anónimo disse...

" Mas a verdade é que nem Tsipras nem Varoufakis têm algo para oferecer."........ nem yogurtes......