quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Sindicalismo diplomático

Um dia, creio que 1977, fiz parte de um grupo de jovens diplomatas portugueses que decidiram, coletivamente, não integrar uma Associação dos Diplomatas Portugueses que estava então em curso de criação. Essa associação tinha como implícito objetivo "isolar" os interesses dos diplomatas do conjunto de reivindicações que, à época, os trabalhadores do MNE apresentavam à tutela. Eu insurgia-me então contra aquilo que considerei ser uma espécie de "clube" um tanto elitista e informei os organizadores de que só estaria disponível para integrar esse movimento a partir do momento em que ele tivesse uma natureza expressamente sindical. Não tenho hoje a certeza de estar certo nesse meu gesto radical, confesso, mas foi assim que as coisas se passaram, não sem alguma "accrochage" com colegas com outras perspetivas. Anos mais tarde, a associação viria a mudar de nome e a converter-se num sindicato - a Associação Sindical dos Diplomatas Portuguesas (ASDP) - e, natural e coerentemente, passei a ser seu associado. Anos depois, viria mesmo a ser vice-presidente da direção, como já um dia contei por aqui, com uma historieta divertida.

Ontem, fui eleito como novo presidente da assembleia geral da ASDP. Há precisamente dois anos, dia por dia, deixei o serviço ativo do MNE. Assim, não tenho hoje o menor interesse pessoal direto nas questões de natureza profissional que o sindicato tem perante si. Mas mantive-me sempre como seu associado e sinto-me plenamente solidário com o conjunto de reivindicações que hoje mobilizam os diplomatas portugueses. Essas reivindicações são assumidas pela lista ontem eleita, aliás votada por um número de eleitores que faz história na ASDP. Este sufrágio de clara confiança conforta o grande entusiasmo que constato nos integrantes nos novos corpos gerentes, pela consciência clara de que a condição diplomática atravessa em Portugal um tempo muito difícil, fruto conjugado de alguns atos políticos e administrativos tomados em seu detrimento, conjugados com inaceitáveis preconceitos a que a comunicação social dá fácil cobertura, que urge combater e reverter. A pluralidade das pessoas envolvidas nesta candidatura, seguindo aliás uma saudável e permanente tradição dentro da ASDP, afasta o risco de qualquer alinhamento político-partidário e garante uma grande independência à atuação dos seus corpos gerentes.

1 comentário:

Anónimo disse...

Chegou o tempo do voluntariado !
C.Falcao