quinta-feira, 31 de julho de 2014

"Por outro lado"

"Por outro lado" e num outro tempo: a minha conversa com Ana Sousa Dias, na RTP Memória, hoje à noite, às 22.15 h. Foi há 12 anos!

Pode vê-la e ouvi-la aqui.

O PS nas redes sociais

A acrimónia constante e quase insultuosa entre os hagiógrafos de António Costa e os turiferários de António José Seguro - no Facebook, no Twitter ou nos blogues de ambos os lados da "trincheira" - dão uma imagem muito pobre do Partido Socialista, fazendo emergir o que de pior existe na política partidária portuguesa: a constante "fulanização" do discurso, a recusa (ou a incapacidade) para o debate calmo das ideias, a obsessão patológica em torno dos juízos de personalidade dos seus "ídolos".

Esses "talibans" de ambos os lados, uns mais caceiteiros e primários, outros a armar ao intelectual modernaço, ainda não perceberam que não captarão um único voto com as suas patéticas acusações, que só dão razões a quem começa a ficar enojado com o baixo nível desta disputa - a qual, se acaso estivessem realmente interessados no futuro do partido (e, já agora, do país, que parece que lhes passa muito ao lado) deveria decorrer de uma forma serena, elegante e responsável.

Lamento muito ver bons amigos meus, em ambos os lados da contenda, deixarem-se arrastar nestes dias num medíocre "prós e contras", num salazarista "quem não é por nós é contra nós", perdendo a cabeça e adjetivando soezmente o candidato que não colhe a sua simpatia. Um pouco mais de tolerância e espírito democrático precisar-se-ia, mas começo a dar-me conta de que "não estamos com gente disso".

Imagino a alegria que deve ir na São Caetano à Lapa!

PS - constato, com tristeza, que, com a sua entrevista de hoje à "Visão", António José Seguro não ajuda à acalmia que seria desejável.

O ausente

Era uma data importante. Dez anos de presença de uma grande empresa pública portuguesa naquele país era algo que cumpria comemorar. O prestígio internacional de Portugal depende muito da "performance" das nossas empresas, a qual, em muitos casos, tem ajudado a melhorar a perceção do nosso país.

Como "estrela" dessa comemoração, a empresa convidou o ministro que, no governo português, tinha a seu cargo a área onde operava. Aproveitou-se, como sempre acontece nestas ocasiões, para o fazer visitar unidades e instalações da empresa, a esses momentos associando personalidades políticas locais relevantes. Mas o grande evento dessas comemorações, anunciado em toda a imprensa,  seria um grande jantar de gala, no qual tinham aceite participar figuras de relevo da sociedade local, parceiros económicos e, naturalmente, os quadros superiores da empresa, desde os nacionais aos expatriados. Seriam entregues prémios e haveria um momento musical associado. Coisa para quase um milhar de pessoas. Uma operação de "public relations" cara mas que se justificava, como forma de marcar a data e aproveitar para reforçar a imagem do negócio português num país estrangeiro.

O dia fora longo. Acompanhei o ministro nas várias visitas, que implicaram uma viagem aérea. A meio da tarde, recolhemos ao hotel. Havia mais do que tempo para nos retemperarmos, antes do jantar de gala.

Ainda no quarto, recebi um telefonema do presidente da empresa. Entre o embaraçado e o desiludido, informava-me que o ministro acabara de dizer que não estava disponível para ir ao jantar, onde, em nome do Estado, deveria produzir uma intervenção que assinalaria a importância política que Portugal atribuía à ação daquela nossa grande empresa, sublinhando, ao mesmo tempo, o apoio oficial que o governo a que pertencia atribuía à respetiva atividade naquele país.

Logo inquiri se o ministro "caíra" doente. Aparentemente, não. Apenas avisara que "não estava com disposição" para ir ao jantar e decidira, em alternativa, organizar uma jantarada com amigos residentes naquela cidade, num celebrado restaurante. Melhor: pedira à empresa para lhe mandar reservar uma mesa. Para oito pessoas, "for the record". Só não guardei nota de quem terá pago a conta.

O embaraço do presidente da empresa era evidente. E, com visível incómodo, inquiria se eu, como a mais representativa entidade oficial portuguesa naquele país, na ausência do ministro, poderia representar o Estado português e intervir no encerramento do evento. Disse que sim, naturalmente. Um embaixador, às vezes, também serve para estas coisas, para substituir governantes relapsos e irresponsáveis.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Moscovici

          

A França acaba de anunciar que Pierre Moscovici, o anterior ministro da Economia e Finanças de François Hollande, será, como sempre achei que aconteceria, o próximo comissário europeu francês, em substituição de Michel Barnier. Sou amigo de ambos, que se sucederam como titulares dos Assuntos europeus ao tempo em que eu tinha funções idênticas no governo português. Se o  meu entendimento com Barnier foi sempre muito bom, de início nem tudo iria correr bem com Moscovici.

A propósito de Moscovici, vou reproduzir, de seguida, o texto de um post que aqui publiquei em agosto do ano passado. 

Durante o primeiro semestre de 2000, período da presidência portuguesa da União, coube-me a presidência do grupo negocial da Conferência intergovernamental para a revisão do Tratado de Nice. Moscovici convidou-me então a ir a Paris e, desde logo, ficou evidente que a nossa perspetiva se opunha abertamente à posição francesa perante aquela negociação. Foram seis meses muito tensos no debate institucional, reuniões houve em que o "clash" atingiu um tom de rara confrontação e, por mais de uma vez, fui forçado a fazer declarações públicas que chegaram a causar algum mal-estar político entre Lisboa e Paris. 

Porém, as coisas, para nós, eram muito simples. Não estávamos dispostos a deixar que o período da nossa gestão da negociação (que sempre se soube que só se iria fechar sob a presidência francesa, no segundo semestre do ano) pudesse ser aproveitado pela França (e por outros países que tinham posições idênticas às de Paris) para fixar certas linhas tendenciais que, posteriormente, pudessem colocar em causa o peso futuro dos países de pequena e média dimensão no processo decisório dentro da União. Pierre Moscovici defendia a sua perspetiva, eu defendia a nossa (e a de muitos países que conosco concordavam). Nada de mais natural na vida diplomática internacional, mas, seguramente, algo que contribuiu para manter as nossas relações, durante todo esse ano, num registo algo tenso.

No início da presidência francesa, em julho de 2000, a França viu-se forçada a organizar uma reunião informativa sobre as negociações do novo Tratado, com os países então candidatos ao alargamento. Meses antes, Paris havia colocado reticências a uma iniciativa idêntica tomada por Portugal. Porquê? Porque, tal como alguns dos maiores "poderes" dentro da União, a França entendia que os Estados candidatos não tinham nada a ver com a discussão institucional em curso, que deveria ficar fechada a "quinze" antes da sua adesão. Nós tínhamos uma posição absolutamente oposta: se as decisões a tomar iam ter implicações no peso futuro desses países no contexto comunitário, nada mais justo que ouvi-los, a montante da sua entrada. Também não nos era indiferente, devo confessar, o facto da esmagadora maioria desses Estados ser de pequena e média dimensão, o que "confortava" as posições que Portugal defendia. O modo positivo como os países candidatos haviam acolhido a iniciativa da reunião que promovemos "obrigou" então a França a proceder, embora claramente "à contrecoeur", de uma forma idêntica à nossa.

Pierre Moscovici decidiu organizar essa reunião dos "quinze" com os países candidatos em Sochaux, perto da sua circunscrição eleitoral, Montbéliart, no cenário muito curioso do museu da Peugeot, nessa cidade perto da fronteira com a Suiça.

Depois de uma longa introdução, em que sintetizou à sua maneira a leitura do curso dos debates durante a presidência portuguesa, que acabara uns dias antes, Moscovici, ciente de que eu não deixaria de fazer uma outra interpretação dessa negociação, decidiu provocar-me:

- Esta é a leitura que a presidência francesa faz do modo como as coisas correram durante a presidência portuguesa. Mas, porque tenho a certeza que o nosso amigo Francisco Seixas da Costa, que chefiou as negociações no primeiro semestre, tem uma perspetiva diferente, passo-lhe de imediato a palavra, embora ele ma não tivesse solicitado...

A sala sorriu. Eu, que já estava "picado" com a interpretação "biaisée" feita pelo meu colega francês, decidi ir a jogo de forma ácida:

- Muito obrigado, Pierre. Se não te importas, falarei em inglês (e mudei para essa língua, o que foi a primeira "resposta" à provocação). Devo dizer que fiquei impressionado pelo modo criativo como leste os debates havidos nos últimos seis meses. De facto, tens toda a razão: não vejo as coisas assim. Ao ouvir-te cheguei mesmo a pensar que tínhamos estado em reuniões diferentes. Mas isso pouco importa. Aos nossos amigos dos países candidatos, eu gostaria de dizer que o que se passou, até aqui, na Conferência intergovernamental e que se prolongará nos próximos seis meses, configura essencialmente uma luta pelo poder. Podemos dar-lhe outros nomes, argumentar com questões de eficácia ou legitimidade, mas é basicamente de poder que se trata. Ora o poder, no seio da União, tem diversas expressões. Por isso, convido os nossos amigos a olharem com atenção para esse pequeno aparelho plástico que têm diante de vós e que vos permite mudar a língua em que querem ouvir as várias intervenções. (Todos os olhares convergiram então para os cumutadores de interpretação). Se bem repararem, as opções de línguas possíveis são três: francês, inglês e alemão. Nenhuma outra língua vos é proposta. Percebem agora melhor o que quero dizer quando falo de uma questão de poder dentro dentro da União?

Continuei a minha intervenção num tom duro, confrontacional, expressando a nossa visão da negociação e deixando claro que, ao assumi-la, estávamos, por antecipação, a defender uma posição interessante para a maioria dos futuros membros. Às vezes, olhava de soslaio para Pierre Moscovici, que mostrava um fácies descontente com o rumo que eu estava a dar à reunião. Atrás de mim, Josefina Carvalho, a minha colega portuguesa, a nossa maior especialista em questões institucionais europeias, gargalhava baixo, juntamente com a minha adjunta, Ana Leitão. A maioria dos nossos colegas dos países do alargamento, que eu me esforçara na reunião anterior por "catequizar" para a bondade das nossas soluções, sorria, com alguma ironia, começando a perceber que a União onde iriam entrar podia ter momentos divertidos de discussão.

À saída de Sochaux, as minhas relações com Pierre Moscovici tinham esfriado muito. Até dezembro desse ano, iriam piorar ainda mais. "To make a long story short", a Conferência intergovernamental veio a desembocar no Tratado de Nice, onde os maiores países da União, muito graças à relutante atitude dos Estados de pequena e média dimensão, não viriam a conseguir os objetivos por que haviam lutado (quem quiser saber um pouco mais sobre isto pode ler aqui). Anos depois, esses "grandes" países da União iriam conseguir esse seu desiderato através do Tratado chamado de... Lisboa! Mas isso é outra história...

O meu entendimento com Pierre Moscovici, que entretanto se "queixou" da minha obstinação num livro que publicou, viria a melhorar muito, depois desses tempos bem tensos. No quatro anos em que vivi em Paris, voltámos a encontrar-nos por diversas vezes, da mesa do "Café de Flore" a diversos almoços, antes e depois da sua nomeação como ministro. Conversámos bastante sobre a Europa dos dias que correm. E continuando a não pensar sobre ela rigorosamente o mesmo, convergimos hoje imenso sobre algumas das medidas de política necessárias para fazer face à crise que o projeto atravessa. E também sobre o que não deve e está a ser feito nas instituições europeias. E em alguns países.

Desejo-lhe o maior sucesso como comissário europeu.

Em tempo: este mundo da informática é curioso. Menos de uma hora depois de colocar este post, Pierre Moscovici inscreveu-se como meu seguidor no Twitter. 

Descolonização

Foi em 27 de julho de 1974, fez agora 40 anos, que António de Spínola, enquanto presidente da República, cargo que desempenharia apenas por mais dois meses, assinou a lei 11/74, que iria abrir a porta ao processo de descolonização. Apenas três meses antes, tinha-se recusado a aceitar o modo (ainda assim muito "recuado") como o assunto fora proposto, na primeira versão publicada do programa do Movimento das Forças Armadas, logo após o 25 de abril. Essa seria, aliás, a primeira crise entre os "capitães" e Spínola.

O processo de decisão que levou Spínola a alterar a sua atitude face à descolonização é um dos mais interessantes capítulos desse período. Para ele contribuíram a evolução das condições no terreno, a mudança nas relações de força no seio do MFA, e como consequência de tudo isso, a sua desistência da linha programática que tinha estado por detrás da conceção do livro "Portugal e o Futuro". Por esclarecer fica o mistério dos seus encontros com Nixon e Mobutu e o que neles terá sido dito sobre Angola (do primeiro, haverá apontamentos de Vernon Walters, a única pessoa presente, cujas memórias, contudo, nada trazem de interessante?)

Na passada semana, na revisão de alguns livros atrasados, li com bastante interesse o 2º volume do "Quase Memórias", de Almeida Santos, dedicado ao processo de descolonização, ao tempo que era ministro da Coordenação Interterritorial, o patusco nome que a Revolução encontrou para substituir o termo "Ultramar". No seu estilo muito próprio, o meu amigo António Almeida Santos faz nele um bosquejo sobre a evolução de todos os territórios, de Cabo Verde a Timor, incluindo mesmo o caso de Macau. O seu papel em todos esses casos é ali detalhado com aspetos curiosos. Sendo um ávido leitor do tema, devo dizer que aprendi mais algumas coisas que desconhecia e que me ajudaram a entender melhor o que então se passava nos corredores político-militares de Lisboa, por onde, curiosamente, eu também me movimentava, embora como figurante menor.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Na escuridão

Aproximava-se a hora de jantar. Combinara ir colocar a minha mala no quarto do hotel, naquela imensa cidade, e voltar ao lóbi, já de fato vestido, cerca de um quarto de hora depois. Abri a porta do quarto com o cartão eletrónico e logo as luzes da suite onde iria dormir se abriram. Entrei e a porta fechou-se, lentamente, atrás de mim. Com a mala numa mão e a pasta noutra caminhei até chegar junto à cama, já bem distante da porta por onde entrara. Depositei a mala sobre a cama. Também o casaco. Tirei a camisa suada da longa viagem. Ainda dava tempo para tomar um rápido banho. Comecei a abrir a mala, para arrumar a roupa no armário, quando todas as lâmpadas do quarto, subitamente, se apagaram. Era já noite, as cortinas deviam estar corridas (às escuras, eu não fazia ideia onde seria a janela), nem uma réstea de luminosidade pairava naquele espaço que eu presumia largo. Deveria ter colocado o cartão no lugar de ativação das luzes, provavelmente junto à entrada, mas dava-me agora conta de que não o havia feito. E onde estaria o cartão? Talvez sobre a cama. Caramba, naquele hotel, o "time lag" programado das luzes era bem curto, menos de 30 segundos!

Imprudentemente, sem refletir bem, comecei a mover-me. Tentava encontrar a porta. Bati contra um candeeiro. Andei um pouco mais e tropecei no que me pareceu ser uma mesa. Várias coisas caíram ao chão, entre as quais um telefone que passou a lançar um silvo. Tateando, avancei e algo anguloso espetou-se-me na cintura (um móvel, pela certa) e, à frente das minhas mãos, uma televisão de plasma tremeu e correu sérios riscos. Continuei a procurar avançar. Foi então que caí sobre uma outra mesa (devia ser isso, presumi) e, desamparado, fui aterrar sobre algo que me pareceu ser uma cadeira. Devia ter derrubado também tudo o que estava sobre a mesa (mais tarde vim a constatar que era fruta, a garrafa de água e a ritual carta de boas-vindas no "manager"). Em que diabo da zona da suite (tinha percebido vagamente, à entrada, ser uma suite, com vários espaços distintos) estaria eu? A cama, ponto inicial de referência, com base na qual eu talvez pudesse reconstituir o percurso feito desde a entrada, já lá ficara muito para trás (ou para a frente, sei lá!). Estava totalmente baralhado quanto à geografia do espaço.

Não costumo "empanicar", mas dei por mim a constatar que estava a ficar sem soluções. E já com um problema acrescido. É que, a certo passo (no sentido literal), pisei algo que estalou. Era vidro, devia ser talvez de algum copo que eu derrubara. Tinha de passar a ter muito cuidado, para não cair e ferir-me, ainda por cima de tronco nu. Parei para pensar (c'os diabos! Já tinha passado por situações bem mais difíceis, isto era apenas um "fait divers", embora embaraçante). Lembrei-me da regra de saída dos labirintos: caminhar sempre num só sentido, para a esquerda ou para a direita. Foi o que tentei fazer. E lá continuei a tatear, com grande atenção. Sentia-me ridículo, para não me sentir desesperado. Agarrei algo: era um quadro. Consegui "escapar-lhe", sem danos colaterais. Sem uso da vista, o resto dos sentidos ficam mais apurados. Ouvi o que pareceu ser um longínquo ruído de canos e, nessa direção, senti uma porta. Baixei-me e senti que tinha mármore no chão: era a casa de banho. Passei ao longo do espaço da sua porta e continuei. Animado pela descoberta, acalmei e animei-me. Por algum tempo mais, mas que não deve ter sido tanto como isso, continuei a porfiar na busca do caminho de saída de um quarto de cuja configuração não guardara a menor ideia, aquando da minha entrada, já uma eternidade atrás. Fiquei entretanto a reconhecer a existência de mais um quadro, até que a porta de entrada, finalmente!, surgiu na minha mão. Já me ria comigo mesmo, da trapalhada em que me tinha metido. Aliviado pelo seu termo.

Abri a porta do corredor e, encandeado pela luz, dei imediatamente de caras com um membro da delegação portuguesa que passava em frente. Era um homem que se juntara conosco naquele hotel, creio que de uma empresa, era uma pessoa com quem me tinha cruzado mas com a qual não trocara uma palavra. Ia já bem aperaltado para o repasto. Imagino como deve ter olhado para mim, em tronco nu, projetando um ar algo desaustinado e estremunhado, com uma aparência estranha, natural de quem emergia de uma aventura, solitária e inédita, num quarto escuro. Mas ele não podia saber. Sorri-lhe, imagino que com um sorriso amarelo, tentando transmitir um tom de naturalidade, sem coragem de lhe relatar o que me estava a acontecer. Os embaixadores, por definição da função, querem-se gente calma e "rassurante", dominadores da situação, em especial nos países onde estão acreditados. O que era o meu caso. Ele desapareceu ao fundo do corredor, deitando ainda um olhar de soslaio, ao voltar da esquina.

O meu problema não tinha acabado. Mas tinha evoluído. Dispunha agora da ténue luz do corredor a iluminar-me o acesso ao início do quarto, mas não podia largar a porta para ir à procura da chave, que estaria algures sobre a cama (ou no bolso do casaco?). Em qualquer caso, era bem lá longe, lá para dentro. Não podia, porquê? Porque, se a largasse, a porta se fecharia automaticamente. E se eu fosse à portaria, pedir outra chave? Em tronco nu?! Doze andares abaixo?! Seria um belo espetáculo, para toda a nossa delegação, ministros incluídos, de certo juntos, à conversa, já de fato e gravata para a função que se seguia! Lembrei-me que poderia ter pedido ao desconhecido da delegação para avisar a receção, mas não tinha tido o sangue-frio para agarrar a ideia a tempo. E ali estava eu, feito parvo, meio despido, agarrado à porta do quarto, com as pessoas à minha espera no hall do hotel. 

Foi então que a vi aparecer, linda, "dressed to kill", caminhando pelo corredor, aproximando-se da porta do meu quarto, em direção ao elevador. Já não era muito nova, mas era muito bem "desenhada" e caminhava num estudado "catwalk". Olhava para mim com um ligeiro sorriso. Curiosidade? Pena? Conhecendo-me, acho que devo ter "feito peito", para amortecer a imagem da barriga...

- Excuse me! Could I ask you a favour?

Não sei o que a beldade possa ter pensado, mas constatei que me lançou um sorriso prometedor (no sentido prático da resolução do meu problema, entenda-se, porque as belas não são destituídas de bom coração). "In a nutshell", expliquei-lhe a situação. Qual era então o favor? Que me emprestasse o seu cartão-chave, para eu poder "dar à luz" e ir descobrir o meu próprio cartão. Porém, iria ter que fechar a porta, por alguns instantes, expliquei-lhe, não ousando naturalmente convidá-la a entrar, caso em que seguramente pensaria que eu lhe estava a "fazer a folha".

- Don't worry! I'll keep it open for you! disse ela, prática e colaborante. E ficou na ombreira, com um pé dentro do quarto, segurando a porta.

A luz fez-se e, em escassos segundos, recuperei a minha chave sobre a cama, e, com um sorriso do tamanho do mundo, vim ter à porta com a minha salvadora. Sempre em tronco nu, entreguei-lhe, entre desvanecidos agradecimentos, o seu precioso cartão. Ela também continuava a sorrir.

Foi então, nesse preciso instante, que passaram no corredor dois outros membros da nossa delegação. Fizeram-nos um olhar malandro, ao verem a beldade "sair" do meu quarto, comigo "ainda" em tronco nu. Tinhamos todos chegado àquele hotel há menos de meia hora. "Estes embaixadores não perdem tempo", devem ter pensado. Talvez para manter o "prestígio", quando  mais tarde, me cruzei com com eles à entrada para o jantar, trocámos um mútuo esgar que se tornava algo cúmplice, cuidando em não desapimentar a história.

Porque me lembrei disto hoje? Porque acabo de chegar a Varsóvia, porque voltei a ficar às escuras no quarto de um hotel, exatamente pela mesma razão da historieta que acabo de relatar. A diferença é que este é um hotel cuja geografia dos quartos conheço "de ginjeira" e, dez segundos depois, tinha o problema resolvido. Confesso que ainda deitei um olhar para o corredor. Mas qual beldade, qual carapuça!

domingo, 27 de julho de 2014

Até amanhã!

E agora, desculpem lá, tenho de ir trabalhar!

Luís Castro Mendes

Está no Algarve em meados de Agosto? Então por que não aproveita para ir, dia 14 de agosto, às 21.00 horas, à Biblioteca Municipal de Loulé - Sophia de Mello Breyner (rua José Afonso, tlf. 289 400 850) conversar com o diplomata e poeta Luís Filipe Castro Mendes, um dos grandes nomes da poesia portuguesa contemporânea?

Leia mais aqui, sobre esta iniciativa e sobre o perfil do autor. Faço um registo de interesses: quer o poeta, quer o organizador do evento, o jornalista Carlos Albino, são meus amigos, mas, com total "neutralidade", acho o evento imperdível.

Política externa brasileira

Paulo Roberto de Almeida é um diplomata brasileiro com larga experiência. É, além disso, autor de um grande número de livros sobre história diplomática e sobre a política externa brasileira, ao longo dos tempos. Forte crítico da orientação da ação externa do Brasil nos tempos dos governos Lula e Roussef, leio que acaba de publicar "Nunca antes na diplomacia... / a política externa brasileira em tempos não convencionais", que cobre as últimas duas décadas. O título lembra a frase clássica de Lula da Silva, o qual, sublinhava frequentemente a acção do seu governo começando por "Nunca antes neste país...".

Estou com alguma curiosidade em ler este novo trabalho do meu amigo Paulo Roberto de Almeida. Quem quiser saber mais alguma coisa sobre ele deve ler o seu blogue Diplomatizzando.

sábado, 26 de julho de 2014

Melhor do que emagrecer...

Se vai para o Norte do país, se quer dar algumas alegrias ao seu colesterol e fazer feliz os seus trigliceridos, consulte as novas (e outras reiteradas) sugestões que coloquei no "Ponto Come". Um dia não são dias! Boas férias!

A diligência

A minha interlocutora, no ministério dos Negócios estrangeiros daquele país, ficou perplexa quando eu lhe anunciei que o nosso primeiro-ministro iria suscitar o assunto, durante o encontro com o seu presidente, por ocasião da próxima cimeira bilateral.

A questão era delicada. Tratava-se de um importante interesse de uma empresa portuguesa. Há meses que eu batia a várias portas para tentar ultrapassar o problema, mas não conseguia mais do que vagas e dilatórias promessas. Assim, entendi que a cimeira que reuniria o nosso primeiro-ministro e o presidente daquele país seria o momento certo para a questão ser levantada. 

Estava a jogar completamente "no escuro". Não tinha a menor luz verde de Lisboa para colocar o tema na agenda, atuava por minha total conta e risco. Mas achei que o que estava em jogo - e era importante! - valia a parada.

Percebi logo que a minha interlocutora não gostava do que estava a ouvir. Uma cimeira é essencialmente uma "festa" comemorativa da "excelência" das relações bilaterais, onde se anunciam "resultados" e se assinam protocolos, mais de metade dos quais se sabe que nunca serão implementados por completo. Constatar divergências e "poluir" a ocasião com problemas não faz parte do "script" desses momentos grandes, feitos de sorrisos e palavras rituais de entendimento.

Levei o meu "bluff" ainda mais longe. Deixei cair que o tema já tinha sido objeto da curiosidade da nossa imprensa, através de telefonema à nossa embaixada, e que sabia que era a própria empresa que estava a "travar" o tratamento mediático do mesmo, por privilegiar uma abordagem discreta, mais política. Por isso, era forçoso que fosse levado à cimeira, porque o assunto iria "rebentar", mais cedo ou mais tarde. Porque era uma questão com alguma carga política, o nosso primeiro-ministro não poderia deixar de suscitá-lo, concluí.

"Mas não haverá outra maneira de tratar o tema, sem ser entre os dois chefes de governo?", perguntou-me a diplomata, já angustiada com a minha leve "chantagem". Talvez os dois MNE pudessem abordá-lo, na reunião separada que teriam... Respondi-lhe com uma expressão em inglês, que não era a língua local: "No way!". E lembrei-lhe que, tal como ambos bem sabíamos, a ser analisado o tema pelos MNE, o assunto acabaria com uma declaração do género: "as partes analisaram a questão que envolve os interesses da empresa portuguesa X e congratularam-se pelo progresso registado nos contactos que têm vindo a ser desenvolvidos sobre o assunto, que esperam possam conduzir a um resultado positivo, num prazo tão breve quanto possível". Não era verdade que ambos aprendêramos a escrever este tipo de textos, precisamente quando sabemos que as coisas não andam para a frente, mas queremos vender uma imagem pública do contrário? Ela não pôde senão concordar.

Mas eu tinha uma "solução alternativa" à abordagem do assunto ao nível mais elevado. Os olhos da minha interlocutora, por sinal nada feios, sorriram por detrás dos seus óculos. E eu esclareci: poderíamos organizar um encontro entre um dos nossos ministros que vinha na comitiva, de uma área mais técnica, aliás próxima do tema que estava em causa, e o membro do governo local que tinha diretamente o assunto em mãos. Ao dizer isto, estava consciente de que seria muito difícil organizar esse encontro, precisamente porque era esse mesmo responsável político local que, desde há meses, andava a "encanar a perna à rã", adiando a solução para o problema.

A minha interlocutora percebeu logo a dificuldade que esta minha solução alternativa criava. A última coisa que o seu ministro quereria era ser confrontado com um "sim ou não" ou um pedido de calendarização da decisão. Mas a solidariedade interministerial acaba onde começa a proteção dos interesses de um presidente. E, por isso, para salvar a "pureza" da cimeira, acedeu a tentar o que eu propunha - tendo eu reiterado que, a assim não poder ser, o assunto passaria então para a reunião "de topo".

As coisas passaram como eu queria e Lisboa aceitou que um nosso ministro, qualificado para abordar o tema e que se deslocaria com o primeiro-ministro para a cimeira, se encontrasse numa reunião paralela com o tal membro do governo. O qual só depois de muitas insistências da sua presidência da República aceitou, a contragosto, ter o encontro.

Com pena minha, não pude ir a essa reunião, por estar a acompanhar o nosso primeiro-ministro em outros contactos. O ministro iria, porém, acompanhado por um colaborador meu, bom conhecedor do assunto, sobre o qual, aliás, havíamos preparado detalhados "talking points", enviados para Lisboa a montante da visita.

O dia correu no afogadilho típico destas ocasiões. Só voltámos a encontrar o ministro, depois da reunião com o interlocutor que lhe destináramos, já no aeroporto, no termo da visita, minutos antes da partida. Notei então que o meu colaborador, que o acompanhava, trazia "cara de caso". Teria a conversa corrido mal? Será que houvera uma "nega"? Como era eu quem ficaria "com a criança nos braços" nos dias seguintes, inquiri, discretamente mas ansioso, como é que as coisas se tinham passado.

Foi então que recebi a mais inverosímil das respostas: "O nosso ministro não falou do assunto!" Não acreditei no que estava a ouvir! "Não falou do assunto?!" Mas, se esse era o único objetivo do encontro, falou de quê? Fui informado que, perante a visível incredulidade do ministro estrangeiro, esse membro do nosso governo passara meia hora de conversa a falar de generalidades, sem uma única vez se referir ao tema que tinha justificado o pedido da reunião. 

Não vem para o caso referir o que se passou a seguir, o modo como posteriomente tive de lidar com os meus contrapartes locais, os mesmos que convencera, com esforço, a aceitar uma reunião que, afinal, um membro do meu próprio governo viria a não aproveitar. Julgo terem tido a generosidade de não me confrontarem com uma coisa do género: "Então o assunto era tão importante, você "ameaçou" que o seu primeiro-ministro o suscitaria e, afinal, o seu ministro nem a ele se referiu?!" A minha credibilidade para continuar a pressionar sobre o tema acabara de desaparecer naquele instante.

Como podem ver, a vida diplomática está longe de ser um mar de rosas.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

A ONU em Gaza

Israel bombardeou a escola das Nações Unidas, em Gaza.

Ser secretário-geral das Nações Unidas é um posto ingrato. A história mostra que os diferentes titulares tiveram percursos e resultados muito diversos. De certo modo, pode dizer-se que, nos tempos da Guerra Fria, onde as coisas eram "a preto e branco" num mundo Leste-Oeste, talvez fosse mais fácil exercer essas funções, bastando ser respeitador sem subserviência dos EUA e procurando estar minimamente atento aos direitos e interesses do(s) outro(s) mundo(s). Esse caminho "estreito" foi tentado por alguns SG, com relativo êxito. Nos tempos que correm, as fronteiras são mais fluídas, as certezas são menores e a unipolaridade centrada em Washington, que debilitou a imagem da ONU a um nível nunca antes visto, torna mais complexa a função, tanto mais que a Rússia atual não é "flor que se cheire" e o mundo "do Sul" se transformou numa salgalhada onde há um pouco de tudo.

A questão israelo-palestiniana é, historicamente, o maior "calcanhar de aquiles" das Nações Unidas. Qualquer secretário-geral da ONU o sabe, até porque tem de viver com um "droit de regard" permanente de Washington sobre esse tema que é quase uma política "doméstica" para qualquer administração estadunidense. Israel, que tem "na mão" as administrações americanas (agora de ambas as colorações, no passado mais os democratas, então mais permeados pelo lóbi judaico), sabe que pode contar com o imobilismo das NU e que o que de lá sair nunca afetará excessivamente os seus propósitos. Por isso age com esta impunidade.

Conheço relativamente bem Ban Ki Moon. Durante quase seis meses, demo-nos bastante, ao tempo em que era chefe de gabinete do presidente da Assembleia Geral da ONU e eu era presidente da Comissão de Economia e Finanças, uma das seis comissões permanentes dessa Assembleia. O facto do presidente da Assembleia ser o MNE da República da Coreia obrigava Ban Ki Moon a substituí-lo, com grande frequência, na coordenação do trabalho das comissões. Anos depois, quando fui a Seul representar a OSCE, era ele assessor diplomático do presidente coreano, convidou-me para almoçar e fez-me uma das mais completas e equilibradas leituras sobre o conflito entre as duas Coreias que ouvi até hoje. E recordou-me, com saudade gustativa, um prato de camarão que o nosso cozinheiro beninense fazia muito bem e que uma vez lhe ofereci na nossa residência, em Nova Iorque. Fiquei contente quando vi um homem sereno e respeitável como Ban Ki Moon ser escolhido para secretário-geral da ONU, para substituir Kofi Annan.

Imagino que para Ban Ki Monn estes dias não sejam nada fáceis, embora, à partida, ele devesse ter a consciência clara do que poderia fazer, em especial num terreno tão minado politicamente como é o processo "de paz" do Médio Oriente.

O que se passou ontem em Gaza, com o bombardeamento da escola das Nações Unidas, deveria conduzir Ban Ki Moon a um gesto que poderia ter uma utilidade bem maior do que o mero esbracejar retórico e o estafado apelo ao cessar-fogo que fazem parte da coreografia diplomática da praxe. Se Ban Ki Moon quisesse assumir uma atitude com um mínimo de eficácia, deveria provocar uma crise nas Nações Unidas, demitindo-se. Um gesto desta natureza configuraria um ato de coragem, de desassombro e de grande dignidade. Os Estados Unidos teriam um sério embaraço e o mundo compreenderia.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Hoje, 24 de julho

Nem um milésimo da população de Lisboa deve fazer a menor ideia da razão pela qual a longa avenida que liga o Cais do Sodré à avenida da Índia se chama "24 de julho". E é pena.

Foi no dia 24 de julho de 1833 que o duque da Terceira aportou a Lisboa, à frente das tropas liberais (ser "liberal" era então uma coisa diferente daquilo que é nos nossos dias...), para pôr termo à usurpação política do trono por dom Miguel, que procurava opor-se à ordem constitucional e reinstituir o "antigo regime". E, já agora!, convém lembrar que o nome do largo do Cais do Sodré é "duque da Terceira".

Interinidades

                   
A imprensa, nos últimos dias, deu em referir o facto do ministro da Defesa, Aguiar Branco, ter ficado "a fazer de primeiro-ministro". É um tanto estranha esta referência, a não ser que seja por indizível maldade, num país em que a ninguém passa pela cabeça assinalar essa coisa bem mais notável que é o facto de Portugal, nos dias que correm, estar a ser presidido por Assunção Esteves, na ausência de Cavaco Silva. Enfim, fraquezas das assessorias, em tempo de "silly season"...

Em alguns países da América Latina, a assunção de funções de governo por um substituto, na ausência do titular efetivo do posto, tem uma consagração formal muito expressiva. Se um ministro sai para o exterior, por uma qualquer razão, a pessoa que fica responsável pelo seu cargo passa, de imediato, a ser designada por "ministro interino" e, como tal, a ser qualificada obrigatoriamente em cerimónias e na imprensa. Diga-se que, de certo modo, isso lhe confere um suplemento de autoridade e dá aos seus atos um significado diferente, como que colmatando o que poderia ser um vazio político. 

No Brasil, o caso mais flagrante prende-se com as ocasionais ausências simultâneas do presidente e do vice-presidente da República. Neste caso, assume o cargo o presidente da Câmara dos Deputados. Se este estiver ausente, essa titularidade passa, sucessivamente, ao presidente do Senado e ao presidente do Supremo Tribunal Federal. Em alguns casos, estes titulares interinos fazem questão de assumir a plenitude dos direitos do cargo e mudam-se - nem que seja por escassos dias! - para o gabinete presidencial e recebem em audiência nesse cenário, com abundância de fotografias oficiais. Para a história divertida ficou mesmo o caso de quem, no precário exercício dessa fortuita e ocasional função, foi bem longe no usufruto das benesses logísticas a que a mesma dava lugar...

A prática europeia, pelo menos nos casos que conheço, parece ser bastante menos formal. Em Portugal, a um secretário de Estado que fica a chefiar um ministério na ausência do ministro não lhe passaria nunca pela cabeça intitular-se "ministro interino", do mesmo modo que - como uma exceção histórica que só confirma a regra - um presidente da Assembleia da República jamais seria tentado a mudar-se para Belém, durante a ausência do país do presidente da República. Cada terra com seu uso...

Vem isto a propósito de uma conversa que, há menos de uma década, um grupo de embaixadores na ONU (em rigor, deve dizer-se de "representantes permanentes", designação para os chefes de missões diplomáticas junto de organizações internacionais) estava a ter em casa do meu querido amigo e colega espanhol Inocencio ("Chencho") Arias, à volta de um almoço. Por qualquer razão, veio então à baila esta prática latino-americana. Alguns comentaram a profusão de "presidentes interinos" a que a mesma pode conduzir. Nem todos, porém, comungaram dessa visão ligeira.

Um dos colegas latino-americanos, aliás dos mais qualificados entre todos os colegas que cruzei em Nova Iorque, pediu a nossa indulgência e, um tanto embaraçado, revelou: "Também eu, um dia, assumi por três dias as funções de presidente da República. Era o ministro mais antigo e coube-me ocupar o cargo. E, devo confessar-vos, não resisti: coloquei a faixa presidencial e, com a família, tirei fotografia oficial, com constituição na mão e bandeira por detrás. Com os diabos: aquilo só acontece uma vez na vida!".

O quadro do colombiano Botero, com o título de "El Presidente", é talvez cruel de mais, mas não resisti a utilizá-lo a ilustrar este post. 

* este texto reproduz um post aqui colocado há cerca de quatro anos. Como os leitores vão variando...

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Obras

- Ó mãe! Onde é?

Era uma miúda creio que com menos de 10 anos. Estava sentada com os pais, a olhar a televisão, a ver algumas imagens da etapa da Volta a França, num café de Vila Pouca de Aguiar, hoje, depois do almoço.

- É na França, disse a mãe.

- E lá não há obras?

- Obras? Claro que há obras!, foi a resposta do pai, em tom irritado, sem tirar os olhos do plasma e a mão da Super Bock.

A miúda calou-se. Mas eu percebi bem o que ela queria dizer.

Gosto imenso de ver as reportagens televisivas do "Tour", cada vez mais bem realizadas. E há anos que me delicio com os panoramas soberbos que temos o privilégio de observar, com as bermas bem arranjadas, com os campos alinhados, com os muros impecáveis e, em especial, sem os estaleiros eternos de obras, que fazem parte do cenário calisto deste nosso país.

Por lá, por França, apeteceu-me dizer à miúda, também há obras, mas há o cuidado - melhor, a obrigação - de as disfarçar, porque o culto da paisagem faz parte da preservação da qualidade de vida de um país que sabe que ganhar o olhar admirativo dos outros é a condição essencial para continuar a ser o maior cativador de turistas de todo o mundo.

Céu de brigadeiro

Ontem, numa das suas imperdíveis crónicas no DN, Ferreira Fernandes elaborava sobre os "brigadeiros", o doce brasileiro que um cozinheiro internacional desprezou e de cuja simplicidade um escriba culpava a colonização portuguesa. Recomendo a leitura aqui.

Hoje falo do conceito de "céu de brigadeiro", uma expressão também brasileira que significa céu muito limpo e sem a menor ventania. 

A expressão "céu de brigadeiro" prende-se com o facto de brigadeiro ser, naquele país, o posto mais elevado da hierarquia da Força Aérea. Ora o chefe da Aeronáutica, por definição, só voa com um tempo ideal, com um "céu de brigadeiro". A expressão vem dos anos 50 e é corrente numa conversa brasileira.

Porque me lembrei dela? Porque é isso mesmo que estou a "sofrer". Sem voar.

Imagens

Porque é que o blogue deixou de ter fotografias?, perguntam-me amigos. Porque só uso um IPad e sou um "nabo" informático. Daqui a dias "volto atrás" e alindo o blogue, prometo!

A pena do comissário

A cara de Jacques Chirac não era das mais satisfeitas. Tive o privilégio de assistir a algumas "cenas" do antigo presidente francês e, por isso, era muito evidente para mim que estava mal disposto, naquela manhã em que eu acompanhava António Guterres ao Eliseu. A única certeza é que não era nada que nos dissesse respeito, tanto mais que estávamos ainda longe dos dias em que nos havíamos de confrontar fortemente com a França em algumas matérias europeias.

António Guterres, que tinha uma muito boa relação de confiança com Chirac, detetando-lhe o "mood", inquiriu da razão dessa evidente irritação. Chirac permitiu-se a franqueza, perante um amigo, e, com aqueles gestos largos e dasajeitados com que alguns franceses grandes dão corpo físico às palavras (já De Gaulle era assim), deixou cair:

- É a Comissão, António. É essa "impossível" Comissão europeia!

Guterres ironizou: "acontece-nos a todos!". Mas Chirac continuava a agitar os braços, como se não precisasse de palavras para traduzir o que pensava. Alguma coisa importante havia "feito" a Comissão Europeia à França, nesse eterno duelo acrimonioso entre Paris e a burocracia bruxelense, que faz parte da história da Europa comunitária. Chirac esclareceu o que tinha sido e que acabara de saber: uma obstinação na recusa sobre um interesse francês, o qual, por definição, é sempre "essencial". Como Guterres tinha dito, não há país que disso não se queixe, mas a França não é um país qualquer...

Por fim, Chirac distendeu-se e comentou, com uma graça forte, sobre a qual já sorriu:

- Sabes, Antonio? Se houvesse uma só razão para reintroduzir a pena de morte, seria para ela ser aplicada a certos comissários europeus, e deu uma sonora gargalhada, contente em ter despachado o que lhe ia na alma.

Nestes dias em que, entre nós, se fala tanto da nomeação de comissários europeus e da famosa moratória guiné-equatoriana sobre a pena de morte, pareceu-me interessante trazer aqui, numa destas minhas histórias dos outros, uma conversa em que os temas se cruzaram.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Os inúteis

Foi necessário que, na passada semana, Bagão Felix tivesse utilizado o seu "megafone" mediático para que as Finanças cuidassem de vir pressurosamente a terreiro, por fonte ainda assim anónima, a clarificar o que não era claro: que os funcionários públicos na reforma não estão impedidos de dar contributos que lhe sejam solicitados por entidades públicas, desde que pro bono, a título gracioso.

Sou consultor de duas universidades públicas e faço parte de um grupo de trabalho criado por um diploma interministerial. Não recebo um cêntimo por estas tarefas, mas é com grande prazer que presto esse meu contributo. Faço-o pelo que considero ser meu dever tentar ser útil ao Estado, mesmo na condição de reformado, depois de 42 anos de orgulhoso servidor ativo da "coisa pública".

Como muitas outras pessoas nas mesmas circunstâncias, interroguei-me quando vi publicada a Lei 11/14, de 6 de março. Contrariamente ao anónimo oráculo do Terreiro do Paço, não tomei o "wording" do texto legal à conta de um pretenso "excesso de zelo" (ficando por clarificar o que entendem por "zelo"). Tomei-o pelo que ele era, de facto, e que, agora e sob pressão do escândalo, o poder político teve atabalhoadamente de retificar, ainda assim com um mero "parecer": o interesse em afastar do convívio com o Estado, tão rapidamente quanto possível, os antigos servidores públicos, uns "inúteis" tidos por potenciais desafetos à nova cultura político-administrativa dominante, por forma a evitar que eles venham a "poluir" esse arejado ambiente, com as suas ideias de outrora e com a sua opinião datada.

O escriba de serviço foi longe demais? Talvez, mas não cometeu nenhum lapso, era para ser mesmo assim! Eles fazem asneiras mas não fazem erros. De quem freudianamente "matou o pai" e agora parece querer "privatizar a mãe", tudo é de esperar. Quem os não conhecer que os compre...

O xadrez angolano


Aquele telefone, num móvel situado atrás da minha mesa de trabalho na embaixada em Luanda, raramente tocava. Era uma linha direta que eu ia distribuindo aos novos conhecimentos que fazia  pela capital angolana, esse posto que o MNE me destinara no ano da graça de 1982, depois de três anos na Noruega, onde "aterrara" poucas semanas antes.

Naquele dia, o telefone tocou:

- Bom dia! Daqui Sande Lemos. Estás bom? Nunca mais nos vimos, desde o jantar em casa da Luthgarda. Temos de fazer um almoço, um destes dias, no "grill" do Trópico, para pôr a conversa em dia.

Para não parecer indelicado, não retorqui que não estava a identificar a pessoa com quem falava. O nome "Sande Lemos" dizia-me alguma coisa: era uma família conhecida de Lisboa, mas não me recordava ter-me cruzado em Luanda com alguém com esse apelido, no escasso tempo que levava da cidade. Mas podia ter acontecido! De facto, eu estivera num jantar em casa de uma amiga chamada Luthgarda e almoçava, com frequência, no "grill" do hotel Trópico, onde aliás estava provisoriamente instalado. Por isso, a minha resposta, dada na passada, foi prudente, evitando mesmo o "tu" que me era proposto:

- Bom dia! Vai-se andando, com muito trabalho. Tudo bem?

- Meu caro. Queria pedir-te se me poderias despachar dois vistos para Portugal, em "passaportes de serviço", que já estão aí pela embaixada há já uns dias. É gente aqui da secretaria de Estado dos Desportos e conseguiram-se dois "OK" na TAP para esta noite. Achas que podes "desenrascar" isso?

Como era eu que assinava esses preciosos vistos, não tive dificuldade em assegurar que os passaportes estariam disponíveis dentro de meia-hora. E assim pude fazer um favor ao meu "amigo" Sande Lemos, o qual, pelos vistos, trabalhava na secretaria de Estado dos Desportos. E logo preenchi uma pequena ficha desse novo contacto, para o que desse e viesse.

Com a agitada vida social de diplomata (episodicamente) sem familia, nunca mais me lembrei do Sande Lemos, dando apenas por adquirido que fora uma das caras que cruzara num jantar em casa da Luthgarda, que acabara com um tardio "muzungué". Com o recolher obrigatório então em vigor, entre a meia-noite e as cinco da manhã, nos fins de semana ficava-se frequentemente na conversa até à alvorada, inaugurando o novo dia com essa sopa de peixe que substituía o pequeno almoço.

Até um dia. Novo telefonema do Sande Lemos, novos vistos a apressar, abraços e promessa da tal "almoçarada". Eu, encavacado pelo facto de ainda não ter colocado uma cara naquele nome, lá me despachava das conversas como podia, resolvendo o problema àquele cada vez mais grato "amigo".

Passaram talvez dois anos. Realizou-se em Luanda um torneio de xadrez, ao qual Portugal enviou o mestre Joaquim Durão. No seu termo, havia uma cerimónia de entrega de medalhas e o embaixador pediu para ser eu a representá-lo. Chegado ao local, fui apresentado aos membros da mesa pelo meu título, "primeiro secretário da embaixada portuguesa" (por um mistério que nunca resolvi, em Luanda não se dizia "embaixada de Portugal" mas sempre "embaixada portuguesa"...). Ao cumprimentar um dos presentes, representante da secretaria de Estado dos Desportos, ouvi:

- Sande Lemos...

Olhei-o de frente. Nunca o tinha visto. Era o meu "amigo" e interlocutor telefónico. Ficámos bloqueados, sem "lata" para nos rirmos do imbróglio. A explicação para o que acontecera, como vim a concluir, era simples. O meu "amigo" Sande Lemos devia ter conhecido, num dos frequentes jantares em casa da Luthgarda, o meu antecessor, que saíra de Luanda escassos dias antes da minha chegada. Tinha o número de telefone do "primeiro secretário da embaixada", não cuidou em referir o nome dele na conversa comigo e estivera de total boa fé ao longo de todo esse tempo. A minha timidez fez o resto.

Passaram mais de 30 anos. Que será feito do meu "amigo" Sande Lemos, o meu "contacto" na estrutura oficial do Desporto em Angola?

Israel

Na minha vida diplomática, dei-me conta de que criticar a ação internacional de Israel obrigava sempre a um "disclaimer", implícito ou explícito, sem o que se erguia o risco de cair, de imediato, na jurisdição dos atentos polícias do espírito: cuidar em não poder ser acusado de anti-semitismo e nunca deixar de referir que o povo judeu foi vítima da violência nazi. 

A ajudar a este temor reverencial soma-se, desde o primeiro momento, um racismo anti-árabe, que condicionou o discurso popular. Tutelados por regimes retrógrados, embrulhados em panejamentos que os indiciavam noutro patamar da civilização, os árabes são-nos mostrados como uma espécie de bárbaros, apenas desejosos de "deitar os judeus ao mar". Por isso, e porque não eram aceitáveis os métodos extremistas da Fatah ou o não são os das várias seitas em que a revolta palestiniana se balcaniza, aos olhos de muito mundo passou a "valer tudo" por parte de Israel, desde os assassinatos da Mossad ("extra-judicial killings", na linguagem eufemista das Nações Unidas) às incursões sem limite pelas terras vizinhas. Ninguém ousa lembrar que Israel se recusa a cumprir as resoluções que a ONU (já agora, sem oposição dos EUA) aprovou, muito embora se levante um escarcéu se outros países procederem de forma similar (desde logo, o Iraque).

Durante a "guerra fria", Israel estava do lado "de cá" e os árabes do "outro lado", embora se soubesse que as coisas não eram bem assim. Os judeus eram o povo perseguido, rodeado de "facínoras" que aproveitariam o seu menor descuido para o esmagar. Por isso, para o ocidente, era de regra apoiar, sem limites, tudo o que pudesse ser apresentado em favor desse "enclave" não árabe, que "dava jeito" quando era necessário (sem que ninguém tivesse de "sujar as mãos"), por exemplo, para dar uma lição às ambições nucleares iranianas ou ver-se livre de alguns terroristas, esquecendo leis. É que, neste "racismo nuclear" que por aí anda, o Irão não pode ter a arma atómica, mas Israel está aparentemente "isento" da observância do Tratado de não-proliferação.

Os EUA, mobilizados pelo lóbi judaico, neutralizam toda a atitude que possa limitar a liberdade do Estado israelita. A Europa, com o ferrete da guerra a marcar-lhe a memória, vive entre piedosos protestos perante os "exageros" de Telavive e os negócios com a constelação dos governos árabes. Estes, com os conflitos entre si a prevalecerem hoje sobre a sua acrimónia face a Israel, vivem mais preocupados em fazer sobreviver os seus heteróclitos regimes do que se sentem mobilizados para a causa palestiniana. 

O absurdo de tudo isto é que, se alguém se atrever a afirmar que Israel tem o indeclinável direito de ver respeitadas as fronteiras que lhe foram consagradas pelas resoluções da ONU, é imediatamente acusado de ser inimigo jurado do Estado judaico. E se ousar dizer que, em troca da segurança desse território, garantida, por exemplo, pela colocação de forças internacionais de paz, protetoras dessas mesmas fronteiras, Israel deve prescindir de quaisquer ambições territoriais e recuar na construção de colonatos em territórios que ninguém reconhece como seus, de imediato fica crismado de anti-israelita, provavelmente de anti-semita e, ainda com alguma probabilidade, sei lá!, de simpatizante nazi. Dei-me conta que não falei de Gaza. Para quê?

Artigo que hoje publico no "Diário Económico"

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Nívea

Estava ali, à mão de semear, junto ao balcão da farmácia das Pedras Salgadas onde me fui abastecer de cremes para o sol e para depois dele. Era o creme Nívea. Comprei-o, claro. Depois da fragorosa vitória de ontem do Sporting sobre um clube que joga (quando joga...) perto do Colombo, nós, os sportinguistas, temos imediatamente de nos precaver das doenças de pele, neste período do ano desportivo em que esfregamos cada vez mais as mãos, pensando para nós mesmos: "Este ano é que é!". 

domingo, 20 de julho de 2014

Coincidências

Este blogue dispõe de um identificador de países visitantes, que qualquer pessoa pode consultar na coluna do lado direito.

Se acaso, num destes textos, insiro palavras como "Israel", "Bin Laden" ou "Al Qeda", é certo e sabido que, poucos minutos depois, tenho um visitante dos Estados Unidos.

Não há coincidências, não é?

Gaza

Vai para duas décadas, dormi uma noite na Faixa de Gaza. Embora fosse novembro, a noite estava quente e abafada. A insónia fez com que eu me sentasse, por algum tempo, na varanda da espartana "guest house" que o governo de Arafat me tinha destinado. Recordo-me de ter dado por mim a notar o pesado silêncio da noite daquela que era, e ainda hoje é, uma das zonas mais densamente povoadas do mundo. Só ao fim de uns minutos realizei que, tendo sido assassinado horas antes o primeiro-ministro de Israel, Itzak Rabin, aquela não era para Gaza uma noite normal, numa terra que se habituou a conviver com a insegurança. O silêncio significava então algo mais: o medo.

Os últimos dias e noites não têm sido fáceis em Gaza e as muitas centenas de mortos árabes, para punir a mão-cheia de vítimas israelitas, repetem um "script" que todos conhecemos de cor.

Não faço a menor ideia de como vai acabar, se é que algum dia vai acabar, o triste conflito israelo-palestiniano. Uma coisa tenho por certo: as humilhações e os padecimentos, somados à pobreza e à raiva que vêm com eles, são o irreversível caldo de cultura em que foram criadas várias gerações de palestinianos. Nunca uma paz sustentável de construiu sobre a persistência do ódio e Israel sabe bem que, com esta sua postura, afasta, dia após dia, as hipóteses de uma paz negociada, numa guerra que nunca vai poder ganhar em absoluto. Pelo contrário, com a sua política de permanente desprestígio da Autoridade Palestiniana e desprezo notório pelas vidas dos seus vizinhos, Israel dá adubo ao terreno onde prosperarão sempre o Hamas e outros grupos radicais. O governo de Telavive recorre, ano após ano, às ações militares que só geram novos e eternos inimigos nas populações civis árabes, fartas de ver nascer, como cogumelos, sucessivos colonatos judaicos - sob a cínica complacência internacional - que afastam, a cada hora, a sua esperança de retornar à terra que as resoluções da ONU lhes atribuiu, mas que ninguém obriga Israel a cumprir.

Perante o mundo, desde os "taken for granted" EUA até à pusilanimidade europeia, os palestinianos parece só terem o dever à sua ritual humilhação. Israel, na assunção eterna do direito histórico à "terra prometida", potenciado pelo usufruto da memória da barbárie nazi e, mais recentemente, da onda anti-muçulmana depois do 11 de setembro, tem sempre mão livre para tudo quanto entenda fazer, não se lhe aplicando a condenação que atitudes idênticas provocariam, se acaso tivessem sido outros Estados a praticá-las. Por muito que alguns atos palestinianos sejam condenáveis, o saldo da violência israelita é incomensuravelmente maior, é uma insuportável bofetada no Direito Internacional, assumida com arrogância e com uma cegueira histórica que um dia acabará por se voltar, em definitivo, contra o Estado judeu.

Termino com uma pergunta: por que razão Israel não aceita que as Nações Unidas coloquem observadores internacionais com a responsabilidade de vigiarem as linhas de separação entre o seu território e as áreas atribuídas às autoridades palestinianas, que, por exemplo, facilmente poderiam denunciar os ataques feitos destes últimos para o seu território? É na resposta nunca abertamente dada a esta questão que reside a chave da verdadeira atitude de Israel perante todo este problema.

sábado, 19 de julho de 2014

Golpe de Misericórdia?

Há pouco mais de uma semana, escrevi no "Twitter": "O CDS "lançou" Marcelo. Rio fez "prova de vida". Querem apostar em como Santana vai surgir nos mídia nos próximos tempos?"

Hoje, no "Expresso", são duas páginas completas, recheadas de fotografias, com chamada de primeira página e título sonante, a desvalorizar Barroso,  ... Marcelo e Rio"

Por que será que a política portuguesa é tão previsível?

Honoris causa

Durão Barroso recebeu um doutoramento "honoris causa" pela Universidade de Brasília. Quem cuidou em mandar a notícia aos jornais lembrou que De Gaulle, Alfonsin e Mandela tiveram uma honra idêntica por parte da escola de Darcy Ribeiro. 

Pena foi que não tivessem lembrado que, no passado, já a quatro outros portugueses foi atribuída a mesma honraria: José Saramago, Boaventura Sousa Santos, Adriano Moreira e Adriano de Carvalho.

"Adriano de Carvalho?", perguntarão muitos leitores. Quem é? É um distinto diplomata português que, durante cerca de oito anos, chefiou a nossa embaixada no Brasil. A sua marca naquele país foi de tal ordem que, ainda hoje, o seu nome é por lá lembrado com imenso respeito. 

Lusofonias

- 'C'um caraças! Habíeis de ber o camandro da chuba, há bocado, no alto de Espinho! Só amainou na Campeã!"

- "Na Campeã, o caraças! Inda pingava, que Deus a dava, em Parada de Cunhos!"

A Gomes, a pastelaria icónica de Vila Real, era o palco desta conversa, no meio de um covilhete e umas fatias de bola (leia-se "bôla") de carne, há meia hora.

Dei comigo a matutar quantos anos vai demorar até que o diálogo venha a ser entendido em Malabo, na Guiné Equatorial, esse novo recruta voluntarista que a CPLP vai entronizar daqui a dias. Ah! E, já agora!, em muitas cidades do Brasil.

Diálogo interesseiro

Conversa ao final da tarde de ontem, no Porto:

- Quem me mandou a mim meter por esta zona de obras na avenida da Boavista!? Só máquinas a trabalhar, poeirada e um piso sinistro! E o caminho só leva ao hotel Porto Palácio! Depois, vamos ter que fazer marcha atrás. 

- Mas, olha! Também dá acesso ao "Pingo Doce". E já viste quem está a fazer a obra? É a "Mota-Engil".

- Ai é?! Pensando melhor, este acesso não é assim tão mau...

sexta-feira, 18 de julho de 2014

"Por outro lado"

 
Há uns tempos, perguntei por aqui "o que era feito" de Ana Sousa Dias, a jornalista serena que desapareceu dos nossos écrans. Acabo de ter notícias através do seu novo site: www.anasousadias.com.
 
E estou com imensa curiosidade de rever a conversa que ambos tivemos, há mais de 13 anos, no seu excelente programa de entrevistas "Por outro lado". A RTP Memória anunciou que voltará a pôr essa entrevista no ar. Mas há uma grande confusão nos sites da RTP: ou será pelas 22.30 horas do dia 31 de julho (que o site da RTP refere ser 6ª feira, mas que é 5ª...) ou no dia 1 de agosto, sexta, à 1.00 hora da manhã. Logo veremos... como ambos estamos depois de mais de uma dúzia de anos passados. 

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Parabéns, Angela

Cara Angela

Não nos conhecemos, nem nos viremos a conhecer. Isso torna mais fácil este postal cibernético que aqui lhe envio, no dia em que comemora as 60 primaveras da vida.

Escrevo-lhe de um país onde o seu nome anda em todas as bocas, embora deva saber que, a maioria das vezes, é adjetivado de forma menos elegante. Um país que, sabia?, esteve sempre ao lado da luta dos alemães pela sua reunificação. Graças a Gorbachev e à teimosia dos povos das duas Alemanhas, esse sonho pôde concretizar-se. Pelo caminho, perdemos a excitação do "checkpoint Charlie", os beijos obscenos de Honecker e Brejnev, mas, felizmente, a Alemanha ultrapassou mais uma etapa importante da sua conturbada História. Saberá que, por muito tempo, também nós pagámos isso nas taxas de juro (já então!), mas você, Angela, pôde assim saltar alegremente o seu muro em ruínas, ao ponto de vir substituir, anos mais tarde, esse homem de bem e nosso amigo, que por aqui deixou muitas saudades, que se chama Helmut Kohl.

Como bem sabe, os últimos anos não têm sido fáceis por cá, mas eu não pretendo dizer, como Chico Buarque, que "a coisa aqui está preta". Mas, que está bem feia, está, é bom de ver. Claro que já não andamos como no tempo dos vossos Trabant, mas quero que saiba que hoje subsiste por aqui muita gente bem pior do que se vivia na sua pouco saudosa Alemanha de Leste. Por cá, há pessoas atulhadas de liberdade, mas muito pobres. Por isso se assiste aqui a uma imensa insatisfação quanto ao rigor extremo das receitas que, sob a sua tutela - não seja modesta, é assim mesmo! -, Portugal teve de sofrer nestes últimos tempos.

E não me venha com histórias de ajudas e generosidade, porque nós sabemos bem que, a haver quem tenha ganho muito dinheiro com os empréstimos que nos foram concedidos (e aos bancos e credores não se agradece, tenta-se pagar e boa tarde!), esse alguém é a Alemanha. Mas não, Angela, não tem nada que nos agradecer! Nós somos uns mãos largas e, na passada da crise, para nos alindarmos para o retrato do défice que nos exigiram, até aumentámos ainda mais a dívida que ainda temos que vos pagar e criámos (não gosto deste plural, mas está bem) batalhões de jovens desempregados que vão servir a Alemanha e outros países, sem que vocês tivessem dispendido um cêntimo com a sua formação académica. Diga lá se não somos amigos?! E nem partimos os vidros, como os gregos...

Por isso, Angela, neste seu dia de aniversário, gostava apenas de lhe dizer que ficaria muito agradado se, numa sua próxima deslocação a Portugal, você pudesse receber muitas flores e muito menos vaias no seu cortejo de Mercedes, Audi e BMW, pelas ruas de Lisboa. E isso, acredite, está totalmente na sua mão, na sua abertura à possibilidade da vida dos portugueses poder ser facilitada por um repensar europeu sobre o modo como a austeridade lhes (nos) tem sido imposta pela rapaziada que você controla, de Bruxelas a Frankfurt. Pense nisto, está bem?

E "Alles Gute zum Geburtstag", como julgo que aí se diz, nossa muito cara Angela.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Caberão?

Chamava-se José Augusto e era porteiro do ISCSP, quando aquela escola tinha um U de "ultramarina" no fim do nome. Foi com ele que me defrontei quando, no decurso de um processo disciplinar, passei um dia a ser impedido de aí entrar. Por largos meses. Nada estava escrito que limitasse esse meu direito, mas a ditadura tinha os seus incontornáveis arbítrios. Ou melhor, eu estava proibido de assistir às aulas e frequentar as instalações, mas podia fazer as frequências e os exames. "São ordens do senhor diretor", disse-me o José Augusto, com o visível gozo em mostrar autoridade sobre um "associativo" tido por incómodo. Tinha fama de "bufo", o José Augusto, mas não posso comprová-lo. De qualquer forma, no dia 29 de abril de 1974, quando me viu entrar fardado de oficial do Exército, ele foi todo mesuras e sorrisos. Se soubesse quem era Dylan, poderia estar a ter a consciência de "the times they are a-changin' ". E estavam.

Anos antes, uma aula tinha de ser mudada, por uma qualquer razão, do grande anfiteatro do anexo do Palácio Burnay para uma sala mais pequena. O velho padre Silva Rego, com sua inconfundível pronúncia beirã, mandou chamar o contínuo e indicou um espaço alternativo para alojar a sua aula de Missionologia (isso mesmo! O que eu então estudava!). O José Augusto, perante o silêncio das hostes, avaliou vagamente a adequação do novo espaço ao número de alunos e lançou, alto: "Não sei se caberão". Só que o "e" da última palavra não surgiu suficientemente forte para evitar uma gargalhada coletiva, com o próprio padre Rego a sorrir, pela gralha fonética. Dando-se conta, num segundo, do ridículo em que caíra, o José Augusto virou costas, perante um gáudio coletivo que o humilhava, saindo disparado, a praguejar, pelo corredor fora.

Porque é que me lembrei disto? Porque, há minutos, perante um Chiado a abarrotar de gente, na maioria estrangeiros visitantes, um amigo meu, como que "assustado" por esta bela e crescente invasão pacífica de Lisboa, dizia-me: "Um destes dias, não sei se caberão!". Cabem, com certeza, e é bom que deixem por aqui os cabedais, a troco do nosso sol, da nossa gastronomia, do nosso acolhimento e do usufruto desta maneira, ímpar e contraditória, de sorrir dos males da sorte.

Jacinto Nunes

E se, como homenagem a Jacinto Nunes, lessem estas suas discretas memórias, publicadas em 2009, de que muito pouca gente falou, mesmo por ocasião da sua morte?

Robin Cook


Foi anunciada a saída de William Hague, de "Foreign Secretary" do governo britânico, que passa a líder parlamentar do seu partido na Câmara dos Comuns. Isso trouxe-me à memória a figura de Robin Cook, que teve precisamente o mesmo percurso, depois de ter dirigido a diplomacia britânica entre 1997 e 2001.

Recordo bem o dia em que acompanhei Jaime Gama na visita do recém-empossado Robin Cook (que nada tem a ver com um seu homónimo escritor de romances), na sala da nossa REPER bruxelense. Os serviços do MNE tinham preparado para nós pastas com alguns temas passíveis de serem suscitados na reunião. O novo ministro britânico, numa lógica bem mais simples, tinha apenas duas folhas de A4, ligadas por aqueles lacinhos de fio com extremos metálicos, que fazem a imagem de marca do "civil service"... Como me habituei a ler documentos ao contrário, tomei atenção aos "talking points" que estavam à frente de Cook. Neles se sintetizavam, cada um em duas ou três linhas sem "bolds", os escassos assuntos que o Reino Unido queria colocar na reunião, seguidos da antecipação da possível resposta portuguesa, nalguns casos com sugestões para réplica. Numa segunda parte do texto, fazia-se uma "previsão" de temas que Jaime Gama podia, pelo seu lado, vir a levantar. Lembro-me que Gama foi muito pouco previsível nas poucas questões em que tocou, tendo ficado para sempre com a sensação de que os britânicos, dessa vez, não acertaram uma...
Robin Cook tentou lançar uma "diplomacia ética", que desde o início se confrontou com a "realpolitik" dos negócios. Trabalhista ou conservadora, a administração diplomática britânica segue uma lógica de fins muito profissional e rigorosa, pouco dada a flutuações. Segundo Palmerston, "a Grã-Bretanha não tem amigos, só interesses", embora eu ache que, às vezes, tem interesse em ter amigos... Um dia se falará do modo como, nesse tempo, o Reino Unido atuava perante a Europa e, no que diretamente nos respeita, relativamente à questão de Timor. Mas, se bem me recordo, não variou muito a atitude dos vários contrapartes britânicos que fui tendo nos Assuntos Europeus: Davis Davis, Doug Henderson, Joyce Queen, Geoff Hoon e Peter Hain.
A última imagem que guardo de Robin Cook foi a conversa que tivemos, sentados lado a lado, num jantar em Nice, no dia da assinatura do tratado europeu com esse nome, em 26 de fevereiro de 2001. Uma semana depois, eu iria sair do governo para ir ocupar a chefia da nossa representação na ONU. Fiquei surpreendido quando Cook inquiriu: "Sais por algum conflito com o Jaime?". Expliquei-lhe que esse era um boato corrente e recorrente, mas sem o menor fundamento, e que, como há mais de um ano estava planeado, regressava à minha carreira profissional após a presidência portuguesa da UE e depois de concluir a negociação do tratado que tinha sido assinado nesse dia. Foi então que recebi dele esta confidência: "Sei por experiência própria que, às vezes, as coisas não são fáceis dentro dos governos. Eu próprio tenho as minhas divergências com Tony (Blair). Tenho a sensação, aliás, de que se ocupasse uma pasta ligada a questões de política interna, já há muito que teria saído do "cabinet" ". Não tendo nenhuma intimidade com Robin Cook, fiquei surpreendido pela candura desta revelação. Mas, de facto, já persistiam fortes rumores sobre as divergências entre o primeiro-ministro britânico e o seu "Foreign Secretary", que era tido por demasiado pró-europeu. E, menos de três meses depois desta conversa, Cook seria afastado por Blair do "Foreign Office" para ir para líder dos Comuns, com lugar no governo, mas num segundo plano. Como agora vai acontecer a William Hague.
Tempos depois, Robin Cook sairia com estrondo, mas com honra, desse novo cargo, em protesto contra a posição de Tony Blair na questão do Iraque. Deixou a esse propósito um livro curioso, com o título simbólico de "The Point of Departure", onde, nomeadamente, relata cenas passadas nos conselhos de ministros, nesses tempos tensos. Guardo dessas memórias (que ainda devo ter encaixotadas algures) o episódio divertido de uma conversa com a rainha mãe, em que esta intercede para que não sejam vendidos os edifícios de algumas embaixadas britânicas pelo mundo (por cá, não sei de alguma "rainha mãe" tentou travar a depredadora cultura Re/max que atravessou o MNE, nestes últimos anos).

Robin Cook viria a morrer subitamente, de ataque cardíaco, aos 59 anos. Tinha como hóbi escrever para jornais sobre corridas de cavalos, assunto sobre que era um reconhecido especialista. Guardo dele para sempre a imagem de um homem muito cordial e simpático.     

terça-feira, 15 de julho de 2014

Os equívocos de Paulo Rangel

O deputado europeu social-democrata Paulo Rangel reage hoje, num artigo no "Público", às críticas surgidas durante a jornada de reflexão, na passada sexta-feira, na Culturgest, em que foi referido o facto de Portugal ter deixado de estar representado na Comissão de Comércio internacional do Parlamento europeu, num tempo em que se aproximam importantes negociações sobre a futura Parceria Transatlântica, que tão decisiva pode ser para o nosso país. Essas críticas foram ecoadas num artigo de Teresa de Sousa e num texto aqui neste blogue, o que, a menos que algo me tenha escapado, parece esgotar o universo dos "observadores privilegiados" assinalados por Rangel, que se pronunciaram entretanto sobre o assunto.
 
Na sua reação, Paulo Rangel, pessoa por quem tenho consideração intelectual, assume as "dores" social-democratas e socialistas, áreas políticas que o meu texto visava por igual, o que me deixa mais à vontade.

Relativamente ao artigo, e no que pessoalmente me toca, não padeço de um "desconhecimento efetivo do PE" e, pelo menos tão bem como o deputado, conheço em detalhe o mecanismo de negociação da Europa e sei exatamente onde se situa a "separação de poderes" entre o Conselho e o PE, que em nada é passível do paralelo que Paulo Rangel procura fazer com a relação entre o governo e a nossa Assembleia da República.
 
Portugal, diz Rangel, não está ausente da Comissão a que um deputado nacional presidiu até há semanas. Tem dois suplentes que o deputado nos esclarece que podem "saltar do banco" a qualquer momento. Mas, se assim é, então por que razão as comissões têm "titulares" e "suplentes"? É tudo a mesma coisa? Rangel sabe que não é.

Naturalmente que os 21 deputados não podem ter o dom da ubiquidade, mas não era isso que se lhes pedia: pedia-se que, na hierarquia da escolha das Comissões a integrar, tivessem colocado aquela que trata da Parceria num lugar cimeiro. No meu texto, admitia até que o tivessem feito e que a negociação tivesse corrido mal, pelo que apenas considerava que PS e PSD haviam "perdido o jogo" antes do apito inicial. Paulo Rangel embrulha-se numa confusa formulação de onde se não percebe o que realmente se terá passado: "Nem sempre se conseguem os postos ou os lugares que se almejam à partida e é necessário ter uma visão de como pode ser maximizada a realização das prioridades políticas". Esta habilidosa fórmula impede-nos de saber o que os deputados portugueses - repito, socialistas e social-democratas - eventualmente tentaram obter.
 
Paulo Rangel dedica-se depois a explicar, em jeito de tardia compensação, que os deputados e funcionários portugueses estão hoje em outros lugares-chave da máquina do Parlamento, o que lhes permitirá acompanhar e influenciar o processo negocial, pelo que "o assunto não será menosprezado". Mas logo reconhece que "há, sem dúvida, uma desvantagem em relação à legislatura anterior", em que tínhamos o presidente da Comissão, o que dava "um acesso privilegiado à informação e ao acompanhamento das negociações".

Bom, mas então em que ficamos? Afinal, parece que sempre se perdeu alguma coisa de relevante! O deputado conclui, e bem, que, mesmo que Vital Moreira tivesse permanecido no PE, "nada garantia que a presidência dessa Comissão coubesse a um português e a um socialista". Mas quem disse que isso aconteceria se Vital Moreira ficasse? E quem exigia que Portugal mantivesse a presidência? O que se pretendia é que houvesse um qualquer deputado português, socialista ou não, que integrasse de pleno direito a Comissão de Comércio internacional do PE, nos próximos cinco anos. E o que os portugueses talvez gostassem de saber é se isso foi tentado ou não. Se não se tentou, acho grave. Se se tentou e não se conseguiu, então assuma-se que fomos derrotados. Todos nós - socialistas, sociais-democratas ou até Marinho Pinto!