sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

A sofisticação da História

Ao tempo do Estado Novo, tinha por hábito ler com atenção um determinado jornalista do "Diário de Notícias", que escrevia sobre política internacional. Era um homem estudioso, que caprichava em opinar sobre regimes políticos existentes em lugares recônditos do mundo, relativamente aos quais elaborava juízos definitivos, muito maniqueístas, colocando-os com grande simplicidade nas prateleiras dos "bons" ou dos "maus" da História.

Porque eu vivia num ambiente que era, em absoluto, simetricamente oposto ao daquele jornalista, quando ele "dizia mal" de algum líder ou regime, ele passava, de imediato, a cair-me no goto. E vice-versa. Era o tempo da Guerra Fria, e, no nosso caso, das guerras coloniais, o que autorizava a ditadura a zurzir tudo quanto soasse a favorecimento de regimes democráticos, com o "terceiro-mundismo" ou o apoio da União Soviética a serem o cúmulo da diabolização. Mesmo algumas atitudes dos Estados Unidos, quando acaso lhes dava para favorecer democracias, não escapavam ao crivo severo do escriba do jornal da avenida que ironicamente já se chamava da Liberdade. Ele era o "fiel" da minha balança ideológica, vista ao espelho. Era tudo tão fácil!

O mundo mudou. Já não há dois sistemas a polarizar as simpatias. O comunismo acabou, mas as democracias não fazem, nem de longe, o pleno do mundo. A tendência em geral prevalecente na opinião pública é, assim, mostrar simpatia pelos movimentos que possam pôr em causa os ditadores ou mesmo os líderes autoritários.

Foi assim no Egito. Todos "estivemos" na praça Tahrir, todos nos sentimos aliviados com a saída de Mubarak, todos saudámos as eleições livres. Depois, ao olharem-se os resultados, alguns de nós perguntaram-se se aquela imensa vitória islamista não poderia vir a ter consequências complicadas. Mas, c'os diabos!, era o voto, era a democracia, era a vontade do povo. Com o tempo, viu-se que essa vontade conduzia a uma radicalização islamizante com tons preocupantes, num afastamento da laicidade pública, a qual tinha, apesar de tudo, algumas vantagens para a vida coletiva de uma sociedade religiosamente tolerante. E, entre alguns de nós, a simpatia por um regime que estava a aproveitar a sua chegada democrática ao poder para criar uma hegemonia totalizante começou a esmorecer. Um dia, os militares reimpuseram o poder das armas. Entre nós, alguns suspiraram de alívio. A outros, começou a preocupar a nova ordem ditatorial, os generais que aí estão de novo. E, um destes dias, quando estes exercerem a violência e a repressão que lhes está na massa do sangue e na ponta das armas, alguns de nós (embora já não todos nós) "voltarão" à praça Tahrir. É a vida!

Porque é que me lembrei disto hoje? Porque, ao olhar para o simplismo com que o mundo ocidental está a reagir face à situação na Ucrânia, me dou conta de que ainda não se interiorizou que estas coisas já se não pintam a preto e branco e que a História, nos dias que correm, é uma coisa muito mais sofisticada. Na Ucrânia, na Síria, na Líbia e por aí adiante.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Joaquim Paço d'Arcos

Há duas figuras nas letras portuguesas que sempre achei depreciadas pela crítica e pelo "consenso" público: Joaquim Paço de Arcos e Pedro Homem de Melo. Dir-se-á que é o facto de ambos terem sido figuras conservadoras, "de direita", não ajuda a que sejam reconhecidas por um mundo literário onde, diga-se o que se disser, a esquerda continua a prevalecer. Será o caso de Agustina Bessa Luís a exceção a confirmar a regra? Pode haver aqui alguma ponta de verdade, mas há que convir que, mesmo entre os seus pares ideológicos, estes dois nomes foram sempre tratados com alguma sobranceria, sendo a ambos negada ostensivamente a ascensão ao patamar superior da literatura portuguesa. Estou longe de ser um especialista, mas, como simples leitor, e em ambos os casos, isso parece-me injusto.

No caso de Pedro Homem de Melo, Vasco Graça Moura já pôs os "pontos nos is" no prefácio que há muitos anos fez à recolha da obra completa do poeta que a Imprensa Nacional editou. Recordo-me que ofereci esse livro ao meu pai, que tinha uma veneração pela poesia de Homem de Melo a que não era seguramente alheia a sua dedicada escrita sobre o mundo minhoto ("Havemos de ir a Viana..."). E que, ao ouvi-lo declamar alguns poemas, decidi comprar outro exemplar para mim.

Ontem, ao final da tarde, estive numa sessão que o Círculo Eça de Queiroz organizou para celebrar a reedição, num só volume, das "Memórias da minha Vida e do meu Tempo", de Joaquim Paço d'Arcos. Fernando Pinto do Amaral faz uma magnífica evocação do autor e da importância do livro. Guilherme Oliveira Martins complementou-o com sábias evocações. Dois homens de esquerda a saudarem um autor conservador, um excelente prosador, um escritor com uma forte sensibilidade e uma perceção muito rara das idiossincrasias da sociedade portuguesa. Sem alguns dos seus romances, uma certa Lisboa da viragem da metade do século passado é mais difícil de entender. Com estas "Memórias", ao longo dos anos, aprendi muito sobre um certo Portugal. Devo isso a Joaquim Paço d'Arcos e a minha presença na sessão de ontem teve também muito a ver com esse facto.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Quadra para Maria Luís

Tu queres limpo ou cautelar?
pergunta o mendigo ao pobre.
Quero é ver a troika a andar!
Ficarei com o que sobre.

Augusto de Ataíde (1941-2014)

A título pessoal, só conheci de modo muito superficial Augusto de Ataíde, cuja morte acaba de ser anunciada. 

Augusto de Ataíde fez parte de uma geração de políticos que Marcelo Caetano fez emergir na sua breve passagem pelo poder, a maioria dos quais saídos do viveiro universitário em que o sucessor de Salazar se movia melhor e em que foi cultivando a sua gente. Trabalhou no governo de Caetano nas áreas da Juventude e Educação e, a exemplo de outras personalidades dessa geração política, aportou por alguns anos ao Brasil, na sequência do temor às sequelas do 25 de abril. No seu pacífico regresso ao país da democracia, reintegrou-se na vida universitária e, tal como outras figuras académicas conservadoras, normalmente juristas, com raízes sociais na aristocracia ou com laços com a alta burguesia, foi cooptado por importantes grupos privados para integrar a teia dos seus lugares de representação institucional. A política em liberdade não parece tê-lo seduzido.

Um dia, há já alguns anos, caiu-me nas mãos uma biografia de Augusto de Ataíde. Não era um texto político, relevava do memorialismo pessoal e familiar, com a curiosidade de se centrar muito na sociedade açoreana, um microcosmos a que sempre atribuí uma graça especial. Sem ser uma obra excecional foi, contudo, para mim, uma curiosa revelação, não apenas por me ajudar a compreender melhor o ambiente de um certo Portugal do Estado Novo de província mas, muito em particular, por expor, com uma candura que só pode merecer o nosso respeito, uma séria crise na sua família, que muito terá marcado a existência do autor. Não tinha a menor ideia pessoal sobre Augusto de Ataíde, desde a sua saída da cena política. Com a leitura de "O Percurso Solitário", nome do seu livro, dei-me conta de estar perante um homem de bem, sendo embora alguém que sempre esteve num quadrante que nunca foi o meu. Mas, no que me toca, tenho sempre pena ver desaparecer pessoas de bem, venham elas de onde vierem.

Coluna

Não gostei muito da frase: "como é que escolhes os mortos que destacas no blogue?". Aquele meu conhecido, por ocasião do lançamento do livro de um amigo, ontem ao final do dia, pode não ter sido muito feliz na expressão utilizada. Mas eu compreendo a sua questão. Não há uma lógica subjacente à seleção das pessoas cujas breves notas obituárias por aqui faço. Umas vezes são pessoas amigas, conhecidas ou que o acaso me fez contactar, outras são apenas figuras com maior ou menor destaque à escala nacional ou global. Quase sempre, contudo, é alguém "que me diz alguma coisa".

É hoje o caso de Mário Coluna. Do quinteto maravilha do Benfica de 1966, já tinham desaparecido Torres e Eusébio. Dessa equipa, também se foram Germano, Morais e Jaime Graça. Agora partiu Coluna, que era o eixo dessa seleção que me deu algumas fortes alegrias - e eu teimo sempre em ser grato a quem me faz feliz. Por isso, na morte de Mário Coluna, quero aqui deixar-lhe a minha singela homenagem.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Mala diplomática


A cena passou-se num país com o qual as nossas relações bilaterais não estavam a ser fáceis, nos anos 80 do século passado.

Era sábado e o encarregado de negócios de Portugal, que chefiava a missão diplomática na ausência do embaixador, havia sido chamado de urgência pelo ministro dos Negócios Estrangeiros local.

A conversa começou tensa. O ministro colocou sobre a mesa uma carta, da qual saíam três notas de 100 dólares: "Esta carta ia ser enviada pelo vosso cônsul na cidade de X para a família, em Portugal. Contém dinheiro em "cash", o que vai contra todas as regras. Além do mais, pressupõe ser produto da obtenção de divisas estrangeiras por meios ilegais, porque, como é sabido, há neste país um controlo muito forte da circulação de moeda estrangeira e não temos registo do cônsul ter adquirido os dólares no banco central. Exigimos uma explicação urgente por parte da Embaixada."

O nosso diplomata foi apanhado de surpresa. De facto, era uma situação estranha mas, pensou, era importante falar primeiro com o cônsul e obter a sua versão do assunto. A posse de moeda estrangeira era muito vulgar no país, até porque os diplomatas eram pagos em dólares e havia serviços e aquisições locais que exigiam essas divisas. Já o seu envio por carta parecia muito imprudente. Mais para ganhar tempo do que por qualquer outra razão, inquiriu: "E esta carta ia pelo correio?".

Nesse instante, notou que o ministro hesitou um pouco, antes de esclarecer: "Não, ia na mala diplomática para Lisboa".

O nosso encarregado de negócios teve então um lampejo, recuperou o comando da conversa e retorquiu firmemente ao ministro: "A Embaixada está totalmente disponível para prestar todos os esclarecimentos sobre este assunto mas, antes que isso aconteça, as autoridades do seu país vão ter de explicar a razão pela qual violaram a nossa mala diplomática, contra todas as regras internacionais. E, ainda hoje, vou fazer chegar uma nota de protesto por este acto que, de forma ostensiva, infringe as regras da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas".

O ministro não estava à espera da resposta e foi apanhado de surpresa. Voltou à carga com a ideia da necessidade de obter uma posição sobre a questão dos dólares na carta, mas o encarregado de negócios foi definitivo: "Antes de obtermos, da vossa parte, uma explicação sobre a razão pela qual a nossa mala diplomática foi violada, não diremos rigorosamente nada sobre o seu conteúdo. Aliás, peço, formalmente e desde já, a devolução do resto da correspondência que seguia na mala diplomática, a maioria, aliás, de natureza oficial. Não sei se se dá conta que isto é de uma extrema gravidade, senhor ministro! Os senhores violaram a mala diplomática portuguesa! Isto pode vir a ser um escândalo!".

O interlocutor começou a ter consciência de que a sua posição abandonava um terreno confortável e mostrava-se já um tanto embaraçado. O nosso diplomata saiu da reunião entre o satisfeito e o preocupado, mas sem plena certeza sobre o que se seguiria.

No dia seguinte, o conteúdo da mala diplomática chegou, discretamente, à nossa Embaixada. A carta do cônsul vinha junta... sem os 300 dólares. O encarregado de negócios não chegara a mandar a nota de protesto, até porque, para o fazer, necessitava de uma autorização de Lisboa, que nem sequer obtivera. O "bluff" compensou, ou melhor, custou 300 dólares ao pobre cônsul. E o assunto morreu...

Cenas da vida diplomática, como diria o Lawrence Durrell.

Nota: há bem mais de quatro anos, publiquei esta história no blogue. Hoje, ao ler uma notícia no "Jornal de Negócios", lembrei-me dela.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Vitória

Uma vitória do Vitória de Guimarães sobre o Benfica "dava-nos jeito", daqui a horas. Vai ser difícil, mas em futebol tudo é possível.

Num domingo de março de 1966 - nesse tempo, o futebol era sempre e só ao domingo - um animado grupo de sportinguistas de Vila Real, no automóvel do Chico Menezes, que a vida castrense haveria de alcandorar ao comando do RI13 muitos anos mais tarde, zarpou pelo Marão, a caminho de Guimarães, para ir assistir ao jogo do Vitória com o Benfica. Uma derrota em Guimarães da agremiação de Carnide facilitaria, nesse ano, a conquista do campeonato pelo Sporting. Ambas as coisas acabariam por acontecer.

Depois de uma almoçarada "das antigas" numa pensão das Taipas, lá estivemos nós - eu, o Chico e o Fernando Menezes, o Olívio Carvalho, o Mourão, o Zé Macário e um outro amigo (o carro era imenso) que tinha um primo que nos arranjou os bilhetes - no recém construído "Dom Afonso Henriques", a mostrarmo-nos mais vimaranenses que os locais, deliciados a ver Costa Pereira encaixar três secos do Vitória. Ainda me recordo da animação no regresso, com pousio para uma jantarada regada a verde tinto, no Príncipe, em Amarante, no clássico largo do Arquinho, criando lastro para as muitas curvas que nos esperavam, serra acima, até à vista de Parada de Cunhos. Nesse tempo, a Brigada de Trânsito, que por lá tinha uma daquelas casinhas amarelas no cruzamento para a Régua, era bem mais complacente... Guardo uma foto do Macário desse grupo divertido, no alto da Penha, comigo, elegante e bem novo, de fato e gravata!

Curiosamente, essa seria a mesma equipa do Benfica, dirigida por Bela Guttmann, que emprestaria a Portugal o quinteto maravilha que, meses mais tarde, nos iria emocionar no Mundial de Inglaterra. Uma equipa que já tinha tido, dias antes, uma humilhante derrota por 5-1 na Luz, frente ao Manchester United. A mesma que também eu teria o ensejo de ver perder de novo, dessa vez para o Braga, a Taça de Portugal, duas semanas após a visita a Guimarães, na única vez que fui ao velho "28 de maio" (anos mais tarde crismado "1º de maio"). É curioso constatar que, numa época que veio a consagrar a sua mítica linha ofensiva no quadro da seleção, o Benfica perdeu tudo quanto podia perder, no plano nacional e internacional. É assim o futebol.

Pois é! E porque, como acima disse, no futebol tudo é possível, uma vitória do Guimarães, logo à tarde, em terras de Carnide, vinha mesmo a calhar. Um pouco de brio, ó gentes do Vitória!

Em tempo: razão tinha eu! Como se comprovou, em futebol, tudo pode acontecer! Desta vez, o Vitória de Guimarães não fez jus ao seu nome! Mas com um golo daqueles nada havia a fazer! Nem Afonso Henriques se aguentaria...

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Coliseu dos Recreios

O modelo das eleições primárias, através do qual um partido escolhe o seu candidato a um determinado cargo através de uma auscultação de um universo mais alargado do que a sua direção política, não tem uma tradição em Portugal. Os EUA já há muito vão por aí e a França começa a testar o modelo.
 
Ontem, durante o congresso do PSD, assistiu-se já a um curioso e atípico "ensaio". Aproveitando o sopro de otimismo que as últimas estatísticas económicas insuflaram no partido, uma revoada de antigos líderes entendeu por bem dar à costa. Se, no caso de Marques Mendes, alguma discrição foi seguida, se Luis Filipe Meneses deixou apenas palavras sobre o passado, já Marcelo Rebelo de Sousa e Santana Lopes aproveitaram habilmente o ensejo para se exporem ao seu eleitorado potencial, numa pouco subliminar pré-prova para as presidenciais.
 
No caso de Marcelo, a sua dualidade de comentador/político, depois da moção de Pedro Passos Coelho o ter excluído da preferência da direção do partido, obriga-o a um exercício, muito inteligente, através do qual, com humor e fidelidade oficiosa q.b., procura tocar a simpatia que sabe que por ele tem uma grande parte da massa "laranjinha" (como ele gosta de dizer) - o que, contudo, pode ser algo diferente de o querer como presidente da República. Veremos se a "performance" foi suficiente para poder gerar o início de uma "vaga de fundo" que o faça "regressar à terra", já que nestas coisas da política nada é "irrevogável", como ele bem sabe.

Já Santana Lopes é um caso diferente. Desde há uns anos, agora ajudado pelo papel na Misericórdia de Lisboa, tem procurado construir uma imagem diversa do perfil "playboy" e pouco "statesmanlike" que os portugueses antes dele haviam fixado, modelo que o seu efémero e patético governo havia ajudado a instalar, de forma indelével, na memória coletiva. O modo pausado como fala, as constantes referências religiosas que pontuam o seu discurso, o registo "humano" e de atenção para com os desprotegidos da sorte que marca uma em cada duas das suas atuais palavras, desenham um retrato que tem pouco a ver com aquilo que sobre ele ainda predomina no imaginário coletivo.

Portugal é um país de memória muito curta. Se para aí estiverem virados, os portugueses podem facilmente vir a esquecer a "vichyssoise" de Marcelo e as "trapalhadas" de Santana. Uma coisa é certa: ambos não deixarão, no momento oportuno, de lembrar ao PSD a "fuga" de Durão Barroso para Bruxelas, se e quando o declinante presidente da Comissão Europeia, esgotadas que sejam as ambições por outras alternativas, entender que não tem outra escolha senão tentar regressar a Portugal via Belém.

A procissão presidencial ainda vai no adro. Mas os vários andores começam a engalanar-se. O pessoal das confrarias começa a vestir as opas, os anjinhos do costume já agitam as asas e os fiéis estão a alinhar-se nas respetivas bermas. Só falta a música, mas ela não tardará.

"A Europa dos cidadãos"

Com comentários de Maria Flor Pedroso e Jorge Wemans, caber-me-á intervir, em 22 e 23 de março, num debate organizado pelo Movimento Católico de Profissionais "Metanoia", a ter lugar em Lisboa.
 

A outra banda

Sempre gostei muito do termo alfacinha "a outra banda". Quando ouço a expressão, utilizada a propósito do outro lado do Tejo, sinto uma imediata simpatia, porque a ligo implicitamente a quem tem uma vida mais dura, mais exigente, que nos deve merecer grande respeito. Ontem estive na "outra banda". Tinha chegado a Lisboa, cerca das seis da manhã, depois de uma ida-e-volta relâmpago, de mais de mil quilómetros, para participar num debate, lá bem no norte, em Chaves. Dormi umas horas e rumei para a "outra banda", inserido num exercício de idêntica natureza.
 
É a Europa, Portugal nela e o que se deve fazer para interessar os portugueses por essa temática que esteve no centro dessas duas conversas, com algumas dezenas de pessoas cada. Nestes dois dias, ouvi muito. Testemunhos desencantados de quem perdeu a esperança numa Europa na qual já acreditou, mas igualmente teimosas profissões de fé num projeto que, não obstante o facto de já ter tido melhores dias, nem por isso deixa de ser, para muitos, uma grande e entusiasmante aventura. E dúvidas, muitas dúvidas, algumas que somei às minhas. E porque a Europa não é uma ideia neutra, ela surge cada vez mais ligada, nos discursos comuns, às questões políticas caseiras, que quase sempre a poluem de algum desânimo.
 
Com o tempo, aprendi que o destino da ideia europeia, da sua popularidade, é isso mesmo, essa permanente dependência das agendas nacionais, das conjunturas, dos altos e baixos da vida dos povos. Para mim, contudo, e sem a menor sombra de dúvida, a Europa continua a ser o lugar geométrico onde se concentra o essencial das esperanças num futuro melhor para Portugal. Mas, às tantas!, isso talvez se fique a dever ao facto das minhas ideias também serem, muitas vezes, de uma "outra banda". 

sábado, 22 de fevereiro de 2014

"Preparemo-nos! Ide!"

Na sua imperdível crónica no "Diário de Notícias", Ferreira Fernandes falou ontem de Bernard-Henry Lévy, o filósofo francês que estimulou Nicolas Sarkozy à invasão da Líbia e que, recentemente, surgiu, no alto da tensão ucraniana, a estimular publicamente em Kiev os opositores ao regime a rebelarem-se pela força.

A França é muito dada à gestação deste tipo de "guerrilheiros da palavra", de corajosos combatentes com os mortos dos outros, prenhes de gesticulação mediática e com uma avaliação das consequências das lutas ao nível das batalhas de soldadinhos de chumbo. Lévy é um filósofo de algum mérito, com uma expressão mediática constante, uma exagerada exposição da sua figura física e do seu verbo. Veste-se daquilo que os brasileiros qualificam de "esporte fino", isto é, bons fatos com camisa branca aberta até ao terceiro botão, a mostrar o peito, cabelo ondulado e esvoaçante graças à eficácia da laca. Lá o vi, há semanas, no "Flore", em Paris, preponderando numa corte de admiradores.

Na minha terra, em Vila Real, há um exemplo clássico destes estrénuos lutadores com as forças alheias, que o meu pai me recordava sempre. No início dos anos 60, aquando de uma das primeiras incorporações para a guerra colonial, ficou famoso o discurso jingoísta de um capelão do Regimento de Infantaria 13, o qual, voltando-se para os militares em parada, a dias de partirem para o braseiro de Nambuangongo e similares, terminou a sua alocução com uma frase que ficou histórica: "Rapazes! Preparemo-nos para a guerra. Ide!"

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

"Aqui havia uma casa"

Na minha infância, nas estantes da sala, havia um livro com um título que sempre me intrigou: "Aqui havia uma casa". A autora era Ilse Losa. Só anos mais tarde li o livro. Retratava a comoção de uma refugiada que regressa à sua casa de infância, que abandonou por virtude da guerra, e só encontra o espaço vazio no lugar onde nascera. Há dias, lembrei-me deste título.

No início da passada semana, numa montra em Londres, vi um sobretudo a um preço convidativo. Era um saldo. Entrei, negociei e comprei. Era necessários uns arranjos. Estaria pronto no dia seguinte.

Só pude voltar três dias depois. Entrei na rua e procurei a loja. Não a encontrei. Teimodo, pensei para comigo: "aqui havia uma casa" de roupa! Podia ter-me enganado mas, por outras referências na área, concluí que estava no lugar certo. De súbito, notei um espaço vazio, uma loja abandonada. Devia ser ali. Perguntei na vizinhança, mas ninguém se lembrava da loja. Mas que distração minha! Então eu não tinha o talão?! Claro que sim, só que o endereço nele indicado era... fora de Londres.

Pelo endereço, cheguei a um telefone. Começou uma longa saga. A certo passo, apareceu na linha alguém que sabia da loja desaparecida. Tinha sido um espaço alugado apenas para a época dos saldos. Fechara na véspera! E o meu sobretudo? Era difícil saber o seu paradeiro. "Talvez daqui a uns dias apareça", disse-me um cavalheiro, que me deixou um número de telemóvel e me pediu uma morada para onde "tentaria que o sobretudo fosse enviado". Tudo muito vago. Eu partia nessa noite para Lisboa; não podia ser ainda nesse dia? "Sorry! No way!"
 
Chegado a Lisboa, bombardeei a empresa com emails. Sem resposta. O meu único interlocutor respondeu, numa chamada telefónica, que... deixara de trabalhar na empresa. Mas que sabia que o assunto estava a ser tratado. Comecei a ver o caso mal parado. Sobretudo, vi o sobretudo cada vez mais longínquo.
 
"To make a long story short": o sobretudo (só espero que seja o mesmo!) apareceu ontem! Uma semana depois. Um amigo cuidou de o ir buscar. Agora está em Londres, o que não dá jeito nenhum. Se alguém souber de um portador, ficaria agradecido. A sério!

Em tempo: o sobretudo vem pelo correio. Obrigado pela gentis ofertas dos benévolos portadores.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Cova da Moura


É uma sensação curiosa voltar a um local que conhecemos bem, que nos foi íntimo, e olhar em volta, notar as diferenças, as novas caras que agora o ocupam, o novo discurso que as atravessa. Aconteceu-me esta tarde, na mesma sala que a fotografia mostra, sentado àquela mesma mesa.

Não estive presente no momento retratado, em fins de abril de 1974, naquela que creio que foi a segunda aparição pública da Junta de Salvação Nacional (havia estado na primeira, na noite de 25 de abril, na RTP). Trata-se da sala de reuniões do palácio da Cova da Moura, que até então fora o Secretariado-Geral da Defesa Nacional e que se tornaria a sede da Junta. Na foto há muitas caras conhecidas, mas noto o meu amigo João Paulo Guerra, então repórter do "Rádio Clube Português".

Algumas semanas mais tarde, eu viria a ser chamado a trabalhar com a Junta, como assessor. Nessa qualidade, várias vezes estive naquela sala, na altura sob a alçada do gabinete do general Costa Gomes, que herdou o gabinete de António de Spínola, quando este se mudou para o palácio de Belém, depois de entronizado presidente da República.

Cerca de 20 anos depois, e por mais de cinco anos, em funções governativas, tive o gosto de vir ocupar esse mesmo gabinete, com esta mesma sala a servir-me para muitas reuniões, em especial para os encontros semanais da Comissão Interministerial dos Assuntos Comunitários (CIAC) - um exercício de coordenação com representantes de todos os ministérios envolvidos na vida europeia (apenas o Ministério da Defesa não tinha razão para estar regularmente presente). Um dia, Jaime Gama e eu decidimos atribuir àquela sala o nome de Ruy Teixeira Guerra, uma homenagem simples a um grande embaixador, um precursor da política de integração europeia de Portugal.

Passaram mais 20 anos. Regressei hoje uma vez mais àquela sala, para um debate, com um convidado estrangeiro, sobre o acordo comercial entre a UE e os EUA. Verifiquei que alguém, entretanto, se lembrou - bela lembrança! - de nela colocar, numa moldura, a fotografia que recorda a célebre reunião da Junta de Salvação Nacional. Sabe sempre bem regressar a um lugar que nos diz muito.  

Poesia

Fui há pouco ouvir Helder Macedo apresentar o livro "Ritornelos", onde se acolhem poemas de Joana Emídio Marques. É o seu primeiro livro de poesia. Deixo aqui um texto:

Beirute
e  já não há carne que possa chamar um nome,
fico a vê-la 
ir pela estrada de pó
que não leva à cave-escombro sem interior
mas aos hologramas que atravessam os olhos
e abrem neles um grande buraco.
Beirute morre
ou serão os hologramas
que a comandam e arrancam a carne à desolação?
Ele atravessa Beirute
sem ver senão o que paira nos lábios do que não responde.
Já não há carne que possa evocar um nome
nem sequer Beirute.

Ele atravessa Beirute
e não vê o corpo que carrega.
Só ela sabe que Ele veio dessa vez
a única vez.
E carregou-a nos braços
depositou-a no sono.
Só ela sabe que Ele veio dessa vez
tomar-lhe a carne
espalhá-la pelas ruas de pó
pela face dos que fogem
pela boca dos que gritam
Beirute
Beirute.

E já não há carne
a que se possa chamar um nome.
Só Deus atravessando uma palavra,
carregando-a nos braços
devolvendo-a ao sono, anuncia:
Beirute

O nome é Beirute. Podia ser Kiev. Dedico este poema a um amigo ucraniano, Roman Chlapak.

(A imagem que ilustra este post é um quadro de um autor ucraniano. Parece ser uma imagem da Primavera. Por ora, por lá, ainda é Inverno. Porém, mais cedo ou mais tarde, haverá Primavera na Ucrânia)

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Pela calçada


Os ambientes já andavam serenos demais.

O ping-pong cautelar/saída limpa não tem um "appeal" suficiente. Isaltino afinal (ainda) não saiu do xilindró. O Dux (ainda) não entrou para lá. Os Mirós (ainda) não foram vendidos. Que fazer?

Pronto! Está resolvido o problema! A Assembleia Municipal de Lisboa decidiu o fim da calçada portuguesa, em determinados locais, para facilitar a mobilidade. Ora aí está o tema para o "Prós e Contras"!

Estava a ver que não aparecia um novo polarizador de emoções! Este país de conversas de café necessita deles como de pão para a boca...

As vítimas da Ialta

Ialta é uma cidade ucraniana. Em 1945, no belo palácio Livadia, os destinos do mundo que iria resultar do segundo grande conflito mundial ficaram traçados. É uma triste ironia pensar hoje, olhando para os acontecimentos de Kiev, que a Ucrânia emprestou um dia o seu território para um "arranjo" geopolítico que é hoje parte da sua tragédia nacional.

Euroceticismo

Há dias, e durante algumas horas, prestei um testemunho, com objetivo histórico e académico, sobre a minha experiência diplomática. Foi muito interessante refletir em voz alta sobre cada uma das diversas fases desse percurso. Dei-me conta de que, ao ser inquirido, de forma conhecedora e informada, sobre determinadas temáticas, fui levado a aprofundar algumas perceções e a dar-lhes um significado diferente. O tempo ajuda muito a isto.

Uma das matérias que estiveram em evidência nesse exercício foi a questão europeia e, muito em particular, o modo como a diplomacia portuguesa se colocou perante o processo integrador. Já um dia fiz um boquejo escrito sobre a atitude das Necessidades nesse contexto, ressaltando que a escola soberanista prevaleceu fortemente, frente a uma certa pulsão europeísta minoritária. Já ouvi alguns opinarem que esse foi um confronto entre uma "direita", tributária da cultura tradicional da "casa", e uma "esquerda", titulada por alguns "jovens turcos" que apostavam na bondade intrínseca das instituições comunitárias, como âncora essencial para o "salto em frente" do país saído do 25 de abril, num tempo pós-imperial. As coisas, porém, não são tão simples e esquemáticas como isso. Alguma "esquerda" foi e é fortemente soberanista, talvez por razões diversas das de alguma direita. E outra "direita" tinha e tem uma atitude muito pró-europeia, nalguns pontos por motivos que divergem da "esquerda". Ainda falaremos mais disto por aqui um dia.

Hoje, quero apenas deixar registada uma consagrada historieta. Um alto funcionário de um importante ministério técnico-político português afirmava-se sempre abertamente crítico da opção integradora, entendendo que os interesses portugueses ficariam muito melhor defendidos se permanecêssemos fora do "clube" de Bruxelas. As suas ideias não prevaleceram e, um dia, numa reunião técnica, veio à baila a necessidade de Portugal fazer mais algumas concessões em matéria de soberania, então resistidas por certos setores. Implicitamente, o homem sentiu-se vingado e logo se saiu com esta:

- Então não foram os meus amigos que quiseram entrar na grande "orgia" que é a Europa? E agora não querem tirar as calças?

Concedo que a frase não é de extrema elegância, mas ficou na memória desses primeiros tempos de Portugal na CEE. Diz quem assistiu que foi um grande momento...

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Vitor Gaspar

Acabei de ler a longa entrevista de Maria João Avillez a Vitor Gaspar, que agora saiu em livro. Não me trouxe grandes surpresas, mas deu-me alguma informação que não tinha. Sem qualquer ironia insultuosa, várias vezes me lembrei, ao longo do texto, da frase de Salazar - "sei o que quero e para onde vou".

Vitor Gaspar mostra, com uma transparência de que talvez ele próprio não tenha total consciência, a arquitetura cristalina do seu pensamento. Compete a um decisor político fazer escolhas, hierarquizar valores. Vitor Gaspar fá-las sob a lógica de um determinismo que a si próprio se impôs, porque não se permite pensar "fora da caixa", porque isso violentaria o modelo que, para si, considera sagrado, por inelutável e inescapável. O capítulo em que fala da construção da TSU é, talvez, o mais paradigmático exemplo dessa distanciação a que se obrigou. Diz também muito do entrevistado o modo como aborda a indignação social que o anúncio da medida gerou, que vai muito para além da surpresa: sente-se, no fundo do rebuscado discurso, como que um indizível impulso de "mudar de povo", para utilizar o termo de Brecht. Uma última nota: o país, a Pátria, Portugal surgem sempre na "narrativa" do antigo ministro quase que como uma mera dimensão geográfica, produto de um acidente histórico, despido de qualquer afetividade, como se o esgrimir do sentimento nacional pudesse poluir o rigor da aplicação do modelo. É impressionante!

(No meu tempo de culto marxista, cuidava em "corrigir-me", sempre que notava em mim uma deriva "mecanicista", isto é, a crença na causalidade mecânica, histórica ou social; ao ler este discurso, constato que esse desvio "marxiano", porque não marxista, faz parte integrante do estado a que hoje chegou a ideologia liberal, embora "ao invés").

Saí deste livro - um livro indispensável, um serviço público para a compreensão dos atores políticos contemporâneos do país e daquilo que os orienta, que ficamos a dever à boa escrita de Maria João Avillez - com um sentimento de imensa preocupação.

França

Começam agora a conhecer-se melhor os pormenores do entendimento que impediu o ataque de uma coligação de potências ocidentais ao poder militar sírio. Uma “oportuna” proposta russa, que abriu a porta à entrega das armas químicas detidas pelo regime de Damasco, deu então aos Estados Unidos o pretexto de que Obama necessitava para não ficar na História como mais um presidente americano responsável por uma acção armada sem mandato legitimador.

O “Le Monde” trazia, há dias, interessantes revelações sobre a decepção que este recuo de Washington trouxe ao governo francês, o qual, desde o início, se havia revelado o mais empenhado e entusiasta proponente de um ataque militar, tal como depois se assumiria como o maior “falcão” na negociação nuclear com o Irão. E é interessante constatar que o recorrente alheamento alemão e o conjuntural anti-belicismo britânico transformaram Paris no “enfant chéri” dos americanos, como há uma semana se observou no tapete vermelho que a Casa Branca estendeu a Hollande.

Mas, que diabo! Não é a França que está na soleira de uma crise de défice, que ameaça o cumprimento das metas europeias, já para não falar da observância dos objectivos do Tratado Orçamental? Não terá a França outra coisa mais em que pensar do que empenhar-se em dispendiosas operações militares, como já foram a Líbia e está a ser o Sahel, sendo óbvio que essa nova “drôle de guerre” não seduz um único eleitor interno? É o resgate da memória de uma potência decadente que leva Paris a envolver-se desta forma no seu tradicional “Proche Orient”?

Ao afirmar a sua centralidade no tabuleiro político-militar global, a França demonstra que, independentemente dos líderes de turno, tem a perfeita noção de que a sua força simbólica no mundo resulta da preservação de um vasto conjunto de sinais, onde não é descurado o seu aparelho diplomático, a atenção às Forças Armadas e uma aguda percepção da importância das suas alianças e fronteiras estratégicas. A França percebe que, na barganha económico-financeira a que não poderá furtar-se no quadro continental, esta sua relevância à escala internacional não deixará de ser contabilizada. E ponderada.

Os países com História e com laços que dela derivam têm a obrigação de não descurar o conjunto de projecções que deixaram na memória colectiva internacional, de aproveitarem, se possível ainda com maior acuidade, todos esses “nichos” de afirmação potencial, que os tornam relevantes aos olhos da comunidade global, que lhe oferecem uma capacidade de interlocução em diversos tabuleiros, da cena diplomática à projecção militar. Dir-se-á, com realismo, que nem todos são a França, que o poder de outros Estados com evidentes debilidades não se assemelha ao de uma das maiores economias do mundo. Assim é, mas há países que já deram provas que, no quadro internacional conseguem “to punch above its weight”, para usar uma expressão historicamente cunhada. Felizes os Estados cujas lideranças têm a lucidez para perceber que é na área externa, onde hoje se joga muito do seu destino, que é necessário manter uma presença activa, mobilizada e consciente dos seus interesses estratégicos. E, a contrario, infelizes os outros.

Artigo que hoje publico no "Diário Económico"

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Helicópteros

No sábado, à conversa com o meu amigo Benjamim Formigo, numa almoçarada alentejana no dia em que deixou de poder cantar o "When I'm Sixty-Four", veio à baila o nome de um amigo comum, Arlindo Ferreira, um homem de abril, militar da Força Aérea há anos desaparecido, cuja amizade nos faz muita falta. 

O Arlindo era um dos mais hábeis pilotos portugueses de helicópteros. Nunca esquecerei uma noite, em Luanda, há muitos anos, quando ele, que adorava helicópteros, me descreveu os riscos dos acidentes com esse tipo de aeronaves. Tendo ouvido, depois disso, muitas histórias sobre a gravidade dessas ocasiões, mesmo por parte de outros experientes pilotos, sempre que posso escapar a uma viagem dessas faço-o.

Desconfio imenso de helicópteros. Evito andar neles, sempre que posso. Há uns anos, no Rio de Janeiro, vieram perguntar-me se eu me não importava de prescindir do meu lugar, a acompanhar uma importante personalidade política portuguesa, numa viagem a uma plataforma petrolífera "off-shore". Ainda estou hoje para saber se o entusiasmo esfusiante com que acedi ao pedido não foi mesmo mal interpretado. É que tive menos boas experiências na Noruega, num "voo tático" da RAF durante um exercício da NATO, rasando cumes, e em Angola, numa interminável viagem de ida e volta de Luanda a Cabinda, em que eu aguardava um tiro a qualquer momento. E não me senti nada confortável em outras viagens - por cá, nos Estados Unidos, no Congo, na Itália, no Tajiquistão, no Brasil, na Coreia do Sul, em Israel, entre alguns poucos locais mais onde as fiz, às vezes, penso agora, podendo tê-las evitado. 

Daquela vez, porém, era inescapável. Tratava-se de uma viagem da OSCE (Organizaçāo para a Segurança e Cooperação na Europa) à Geórgia, em 2003. O programa incluía uma deslocação à secessionista Abcázia, uma zona de onde, depois de violentos combates em 1992/3, centenas de milhares de cidadãos georgianos tinham sido expulsos. Já na véspera, eu não me conseguira furtar a uma ida de helicóptero à fronteira (belíssima) que separa a Geórgia da Chechénia e do Daguestão, onde frequentemente ocorriam incidentes.

Entre a Geórgia e a Abcásia (a Geórgia considera a Abcásia território seu, embora esta tenha declarado a sua "independência", reconhecida em 2008 por Moscovo, seguida até hoje por apenas mais quatro Estados), existe uma imensa "terra de ninguém", repleta de ruínas de zonas urbanas e rurais fustigadas por bombardeamentos. A operação internacional de "manutenção da paz" na Abcásia era então levada a cabo pelas Nações Unidas (a missão acabou em 2009, por pressão de Moscovo), que mandou helicópteros buscar-nos perto da "fronteira" geórgio-abcase, na localidade de Poti, onde tínhamos chegado de avião, idos de Tbilisi. Quando saí do avião e me encaminhei para os helicópteros fui surpreendido por encontrar aparelhos russos Mi-24, ao serviço da Ucrânia, utilizados pela ONU. Desde sempre, nunca fico sossegado quando me é dado ter de viajar em meios aéreos da antiga União Soviética. Preconceito? Talvez seja.

Ao entrar com os meus colegas num dos dois imensos helicópteros que nos iam levar a Sukumi, capital da Abcásia, numa viagem de muitos largos minutos, pude verificar que eram aparelhos antigos, com mostras de excessivo uso no equipamento do seu interior. Vi a minha perplexidade partilhada nas caras dos meus companheiros de viagem. Para me entreter, e porque estava curioso para fotografar as zonas devastadas pelos combates, em especial o célebre vale de Kodori, que no passado fora palco de grandes lutas, preparei a minha máquina, já que tinha conseguido um lugar com boa visibilidade. Mas nada correria como eu tinha previsto.

Mal o helicóptero levantou, a direção que seguiu foi bem diferente: avançou para dentro do Mar Negro, como se dirigisse para sul, ao invés de oeste. Devo ter feito uma careta de espanto, quiçá de desagrado, o que levou um imenso e loiro militar ucraniano, no meio do barulho infernal que nos obrigava a usar uns grandes protetores de ouvidos, a fazer com a mão um gesto que podia representar a deslocação de um avião. Não percebi nada e era impossível trocar palavras naquele vasqueiro. Algum tempo depois, sempre a sobrevoar o mar, lá nos aproximámos de Sukhumi, idos do Sul, como se viajássemos da Turquia para Norte.

Já fora do aparelho, o militar ucraniano aproximou-se de mim, sorridente e perguntou, num inglês macarrónico: "ficou surpreendido por não voarmos sobre a terra?". Eu respondi que sim, embora não confessasse que era por causa das fotografias frustradas, que nunca são de bom tom em zonas de conflito. Foi então que ele me explicou o significado do gesto "aéreo" que antes me fizera. Cerca de dois anos antes, um helicóptero das Nações Unidas tinha sido abatido por um míssil terra-ar, provocando nove mortos, e, por essa razão, os voos faziam-se agora por um trajeto bem longe da costa. Fiquei "ciente", como se diz na minha terra... Já não bastava andarmos em helicópteros do tempo da URSS e ainda havia o risco de levarmos com um míssil. Claro que, até ao termo da viagem de regresso, não pensei noutra coisa.

Não gosto de helicópteros, pronto!

domingo, 16 de fevereiro de 2014

São Valentim?

Sexta-feira passada foi dia de São Valentim. A propósito, veio-me à memória a história que um amigo português, residente em Londres, me contou um dia. Ao aproximar-se a data do "dia dos namorados", que também se ligava com um fim de semana, decidiu oferecer-se, bem como à sua mulher, uma estada e um passeio pela zona sudoeste da Inglaterra, por Cornwall. Desafiou um casal amigo, também português, a juntar-se-lhes. No "Michelin", ele havia descoberto um hotel que parecia muito simpático, numa pequena localidade, já próxima do cabo mais ao sul do Reino Unido.

Cornwall era uma região onde ainda nenhum dos quatro viajantes tinha ido. Esse meu amigo, contudo, já se deslocara bastante pela Inglaterra. Durante os meses que haviam antecedido a chegada da mulher a Londres, tinha passeado sozinho, quase todos os fins de semana, por várias zonas do país. Porém, esse "sozinho" era um conceito que a mulher nunca "digerira" por completo, porque sempre alimentou uma suspeita residual sobre todo aquele afã turístico fora de Londres, a montante da sua chegada. Coisa de mulheres ciumentas, claro!

Nesse tempo sem GPS dos anos 90, as pequenas cartas das localidades que os Guias Michelin traziam eram de grande utilidade, para evitar perdas de tempo. A localidade onde iam alojar-se não era grande e o meu amigo havia-se dado ao cuidado de decorar o caminho que, desde a entrada no pequeno burgo, era preciso fazer para chegar ao hotel. E, por essa carta, até ficou a saber que o hotel ficava à esquerda, no fundo de uma determinada rua.

A viagem foi agradável, com uma conversa divertida, entre casais que, não sendo íntimos, se davam bem. Chegados à localidade, esse meu amigo, que conduzia, começou a cortar à esquerda e à direita, nas esquinas das várias ruas, recordando-se com precisão do mapa para que tinha olhado com atenção, na véspera. Os companheiros de viagem estavam surpreendidos com tanta destreza. A mulher ia em silêncio. A certo passo, o meu amigo teve um derradeiro momento de "glória", ao anunciar: "o nosso hotel fica na segunda rua do lado direito; ao fundo da rua, à esquerda". E ficava mesmo.

O casal acompanhante estava siderado! Como é que ele tinha "dado" com o hotel, conduzindo, rua a rua, sem hesitação, sabendo mesmo de que lado da artéria se situava o hotel? Não, não era possível que ele nunca tivesse ido àquela localidade! O meu amigo, para gozar o momento, ia adiando a revelação do truque que tinha utilizado. Foi então que a mulher, ainda no hall do hotel, de cara muito fechada, lhe disse: "Com que então nunca cá tinhas vindo?" E disparou para o quarto, amuada, antes que ele tivesse tempo de revelar o engenhoso método de orientação utilizado. As explicações que depois lhe tentou dar caíram em saco roto.

Esse dia de São Valentim havia ficado, em definitivo, estragado. O ambiente do jantar a quatro ressentiu-se também. Ao café, os dois maridos encostaram-se ao bar a tomar um whisky, tendo comentado entre si o incidente. Foi aí que o companheiro de viagem do meu amigo, críptico, se saiu com esta: "Será que a sua mulher foi influenciada pelo nome português desta zona?". O meu amigo hesitou um leve segundo, antes de se juntar ao companheiro numas boas gargalhadas, cuja razão não revelariam nunca às mulheres. É que, em português, Cornwall, traduz-se por Cornualha...

sábado, 15 de fevereiro de 2014

"Gajos"

O meu aviāo era muito cedo. Devia partir do hotel, em Tóquio, cerca das seis da manhā. Na noite anterior, perguntei se haveria táxis à porta do hotel, a essa hora.

(Andar de táxi, no Japão, é uma experiência única. Os taxistas não falam uma palavra de outra língua que não seja o japonês, não entendem geralmente os nomes escritos em carateres não nipónicos, usam luvas brancas e gritam coisas incompreensíveis e ameaçadoras quando, dentro ou fora do carro, pretendemos abrir uma porta - que só se abre, automaticamente, por sua ordem. E, na irrepreensível limpeza do interior das viaturas, há nos encosto de cabeça uma espécie de naperons de renda, como antigamente por cá se viam nas prateleiras de certas casas. E não aceitam gorjetas, claro!).

Na receção do hotel, entre sorrisos, foi-me confirmado, por imensos "Yes, Sir!", que os táxis estariam por lá. Por prudência, entendi dever reservar um, por antecipação. Era possível? "Yes, Sir!", claro que era. Escrevi a hora a que pretendia o táxi e o número do meu quarto num papel, entregando-o ao empregado. Anuiu a tudo, guardou o papel, desejou-me "Good night, Sir!" e lá fui tentar dormir.

Dia seguinte. Seis da manhã. Receção do hotel. Outro empregado. Perguntei pelo meu táxi. "Taxi, Sir? Want a taxi, Sir?". Expliquei que tinha "encomendado" um, na véspera. Sorriu. Repetiu: "Want a taxi, Sir?" Enfureci-me: "I want MY taxi! I ordered a taxi for 6 o'clock!". O empregado, vendo o meu estado, fez uma cara de desapontamento e incompreensão: "Your taxi, Sir?". "Yes, my taxi, to go to the airport!". Um súbito sorriso iluminou-lhe o olhar: "Oh! Airport? Taxi, Sir! Follow me!" E lá me levou para a entrada, para apanhar o primeiro táxi que apareceu na fila. Despediu-se, às vénias. Sorridente. Missão cumprida. Comigo já a relaxar, de cabeça encostada às rendas do táxi, entre a vontade de dormir e o desejo de apreciar o nascer do dia na cidade estranha. Huntigton chamava a isto "Clash of Civilizations". Imagine-se agora o que deve ter sido a chegada dos portugueses ao Japão.

(Não resisto a terminar com a tese que ouvi um dia a um fulano, antigo colega de escola primária, que teimava em ligar a expressão "gueixa" ao termo português "gaja". Ele explicou-me: "O nosso pessoal, à chegada, lá no século XVI, começou a chamar ao pequename local "gajas" e, vê lá tu!, eles habituaram-se. Até hoje!")

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Regresso à pátria

Quase uma semana fora do país, sem olhar muito as notícias da pátria.

Morreu Meneres Pimentel. Não era uma figura que tivesse por muito simpática. Era, contudo um homem de fortes princípios, uma pessoa de bem, como demonstrou como Provedor de Justiça. Foi também um improvável líder transitório do PSD.

O grupo Espírito Santo dá sinais de crise, com mais declarações contraditórias dos membros da família. É estúpida a atitude de quem se congratula com o eventual declínio do último grupo financeiro português com um lugar na memória da banca internacional.

Isaltino de Morais vai chefiar uma fundação ligada à autarquia de Oeiras. É Portugal no seu melhor. Ontem, na televisão, Pacheco Pereira lembrava que o PSD não tomou nenhuma medida sancionatória face aos seus militantes envolvidos no caso BPN.

Mais um ciclo de críticas internas a António José Seguro. Certos setores do PS seguem a estratégica futebolística de parecerem desejar a derrota da sua equipa para provocar a saída do treinador. Uns fazem-no com procurada sofisticação semântica, outros um pouco mais à bruta. Nada de novo.

O processo dos submarinos terminou, em Portugal. Sem culpados, claro! Para a justiça alemã houve corrupção. Por cá, tudo bem. Sendo os factos os mesmos, deve haver uma diferença de perspetiva no que diz respeito ao conteúdo do conceito.

O Grande Auditório da Gulbenkian vai reabrir, remodelado. Lá estarei, logo à tarde! Um abraço de parabéns, Artur Santos Silva! Ainda há boas notícias.

Sovinice

Despedidos os visitantes, até ao jantar que iria ter lugar na residência, o embaixador regressou ao seu gabinete na chancelaria daquela pequena embaixada perdida no mundo. A mesa em que tivera lugar a reunião estava em alguma confusão. Pequenas notas garatujadas, deixadas para trás pelos participantes, já sem préstimo. Uma folha de A4, cuidadosamente escrita, bem caligrafada, permanecia, contudo, frente ao lugar que fora ocupado pelo ministro. Seria algo importante? O embaixador, curioso, decidiu-se ler o que nela estava escrito. Podia dar-se o caso do papel ser necessário ao governante, para a reunião com o seu homólogo, no dia seguinte. Nesse caso, entregar-lha-ia antes do jantar.

Ao lê-la, ficou hesitante. Na folha havia pequenos apontamentos, com os temas da agenda, seguidos de comentários sintéticos, do tipo "imp" ou "ok" ou "ver com atenção", com alguns pontos de interrogação pelo meio. Não parecia um papel imprescindível. Uma nota, dentro de uma "caixa", no verso da folha, chamou a sua atenção. Era de diferente natureza. Eram as "compras".

Nesse tempo, ir de Portugal ao estrangeiro significava poder encontrar uma oferta comercial diferente ou a melhores preços, razão pela qual quem se deslocava optava por efetuar a aquisição de certos produtos, normalmente nos "free-shops" dos aeroportos. Isso era muito vulgar no caso dos perfumes. E, no caso, lá estavam eles: para a mulher um "Cacherel", para o pai um "4711 ", para um nome de senhora não identificado, talvez uma filha, um "Miss Dior". E, na última linha, uma quarta lembrança, com nota bem sublinhada: "Secretária - água de colónia - barata!"

O embaixador decidiu-se por não devolver a lista de compras. Não lhe apetecia que o ministro o viesse a ter por cúmplice silencioso da sua "shopping list" e, em especial, da sua sovinice.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Globos


                                                     
Londres tem das lojas mais interessantes do mundo no que toca a globos. Quando por aqui vivi, recordo uma dessas casas, perto de Crystal Palace, que era tão snobe que tinha um letreiro a avisar que não admitia visitantes que quisessem entrar "just to take a look". Só "serious business".

Ontem, ao olhar, também em Londres, para uma outra montra com globos, recordei a importância que para mim teve um pequeno globo metálico, com os países identificados a cores, que havia na casa onde vivi a minha infância, com os meus pais e os meus avós. O globo rodava num suporte de que eu muitas vezes o tirava, para o que tinha de achatar os polos, para constante irritação das pessoas mais velhas. O meu tio Fernando, que vivia lá em casa em férias, foi o grande responsável pela minha educação na geografia política e étnica, ensinando-me onde havia índios e cowboys, onde viviam os pretos (deixemo-nos de eufemismos, era assim que se falava nos anos 50), qual era a terra dos "chineses de olhos em bico" e outras caricaturas do género, que me foram ajudando a imaginar o que ia por esse mundo fora.

Desde muito miúdo que eu apontava para o Egito quando me perguntavam "onde é que há as pirâmides", mostrava os desertos no Sahel (na altura, só se falava no Saara), a terra dos esquimós, a bota que era a Itália e o canal do Panamá. Também por via dessas descrições, criei uma ideia menos simpática do cabo das Tormentas que o meu pai me ensinou a identificar, com histórias do Adamastor, no desenho da viagem das caravelas para a Índia e mais além. A linha do Equador foi, para mim, um traço mítico que separava dois mundos (aliás, o próprio globo lá de casa era desmontável em duas calotas hemiesféricas, que se encaixavam, precisamente no equador), mas nunca ninguém, à época, me conseguiu explicar convenientemente o interesse dos trópicos de Câncer e de Capricórnio (e a verdade é que eu só leria Henry Miller bem mais tarde...). Mas cedo soube de cor onde estavam situadas todas as "províncias ultramarinas" e, recordo bem, o facto de me terem dito que a Nova Zelândia se situava "do outro lado" do mundo levou-me a inquirir por que razão se não fazia um túnel para lá... Os pólos, a norte e a sul, pintados a branco, nunca me seduziam por aí além, talvez porque Trás-os-Montes já era demasiado frio para o meu gosto.

As lições de geografia que, com o globo, eu recebia foram, com o tempo, complementadas com um mapa da Europa em que alguns países eram simbolizados por animais e outras figuras. Nele, a Rússia, lembro-me bem, era identificada por um imenso urso. Já não tenho na memória, mas imagino que o Reino Unido (a Inglaterra, como então se simplificava) devesse ter um John Bull a representá-la e a Holanda (país que me habituei a respeitar muito, por me terem dito que vivia abaixo da linha do mar  o que sempre me impressionou) pelo inevitável moínho, rodeado de tulipas. A perceção do resto do mundo era então também ajudada pela coleção das "Raças Humanas", com fotografias coloridas de caras bizarras, que cedo comecei a colecionar. E os desenhos do "Cavaleiro Andante" faziam o resto do trabalho. Vieram, por fim, os selos, que me ajudaram a perceber ainda melhor o mundo, com as subtilezas políticas de cidades como Tânger, Trieste ou Dantzig (hoje designada por Gdansk). O "meu" mundo foi assim criado e, com ele, foi-se gerando em mim alguma vontade em conhecê-lo. Mal eu sabia, à época, que a vida me iria dar o ensejo de o frequentar com alguma extensão e assiduidade.

Ainda se oferecem globos às crianças? Se não, é pena!

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

António Capucho

Um abraço a António Capucho, lembrando Aires Rodrigues, Zita Seabra e Galvão de Melo.

A democracia tem, às vezes, estes dias tristes.

Joseph Crabtree

Estarei hoje presente num jantar no University College, em Londres, reunindo os cultores da memória de Joseph Crabtree. Desde 1954, existe na capital britânica a Crabtree Foundation, que congrega um grupo de cerca de 400 cidadãos que, uma vez por ano, na terceira quarta-feira de Fevereiro, se reúnem, numa solene refeição para a qual é obrigatório o uso de "smoking", para ouvir um deles falar de um dos diversos aspetos das extensas vida e obra de Crabtree.

Segundo os anais, Crabtree terá vivido exatamente um século - de 1754 a 1854. O seu percurso é o de um personagem quase renascentista, tendo sido escritor, viajante, político e uma multiplicidade de coisas mais, como os tempos recomendavam. Poemas por si assinados apareceram publicados em antologias de poesia inglesa. A admiração por este destino de eleição levou à gestação de um verdadeiro culto intelectual àquela figura, a que eu próprio acabei por não ser insensível.

Desde 1992, passei a ser um dos muito escassos "scholars" estrangeiros da Crabtree Foundation (não somos mais de uma dezena, entre centenas), para onde entrei então pela mão do Bartolomeu Cid dos Santos, com quem lancei as bases, com o Helder Macedo e o Luis de Sousa Rebelo, do "Portuguese chapter", que, há uns anos, realizou no Hotel Lawrence, em Sintra, um encontro dedicado a "Crabtree e Byron". E que proximamente vai ser revitalizado. Há dois anos, coube-me a honra de presidir à Fundação durante um ano, incluindo o jantar anual em Londres e nele anunciar o meu sucessor (escolhi uma sucessora) e designar o orador para o ano seguinte.

De Lisboa, Nova Iorque, Viena e até de Brasília, tenho procurado deslocar-me, com a regularidade possível, a esses jantares anuais em Londres. Em ocasiões passadas, fui de Paris. Agora, desloquei-me de Lisboa. "The great Man", como é saudado no brinde inicial, que anualmente é feito em frente do seu retrato (na imagem), e a sua fantástica obra merecem-no bem.

O leitor, menos familiarizado com estas coisas, talvez possa ter tido o azar de não estar informado sobre a insígne figura de Joseph Crabtree. Por isso, se estiver interessado, pode ler as "The Crabtree Orations", vol I (1954-1994) e vol II (1995-2004), ed. Brian Bennett & Negley Harte, The Crabtree Foundation, London, 1997 e 2004. Esses volumes acolhem aspetos da vida e obra de Crabtree, anotados através das conferências que figuras eminentes sobre ele produziram. Talvez me tenha escapado neste texto um pequeno, mas quiçá despiciendo, pormenor: Joseph Crabtree teve um contacto pouco intenso com a vida. Não tenho pejo em reconhecê-lo. Mas daí a poder dizer-se, como alguns insensíveis afirmam, que Crabtree nunca existiu vai uma distância equivalente à que separa a insídia do mito. Francamente!

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Incoerência

O conceito é antigo, tem mesmo uma significação que não é alheia à religião. Nas décadas mais recentes, a palavra "subsidiariedade" tem andado um tanto na moda, querendo significar que, nas hierarquias e nas estruturas dos Estados, as decisões devem ser tomadas ao nível mais baixo possível, sem perda e até com ganhos de eficácia, evitando a tradicional tutela "top-down", aproximando assim o poder decisório dos cidadãos.

Na vida das instituições europeias, o conceito tem os seus momentos de glória, erigindo-se como orientação em muitas políticas e práticas comunitárias, evitando acusações de as estruturas bruxelenses querem tratar de tudo, em detrimento dos poderes nacionais e até regionais. Nem sempre, contudo, por boas razões. Algumas vezes, a aplicação estrita do princípio tende a desresponsabilizar as entidades de topo, através de uma demagógica descentralização que pode ter efeitos de agravamento das desigualdades entre os Estados. Por isso, em determinados contextos, Portugal e outros Estados chegaram a opôr-se, e bem, a formas perversas de utilização do princípio.

Nesse contexto, era o caso. Aquele ministro português, num ano já longínquo, no "briefing" que lhe foi feito pelos diplomatas e técnicos que trabalhavam na nossa representação junto da instituições comunitárias, em Bruxelas, tomou boa nota da posição que lhe era aconselhada para a sua intervenção no conselho de ministros europeu, que teria lugar no dia seguinte. E não colocou quasquer objeções à proposta de rejeição do conceito de subsidiariedade naquele contexto específico.

A grande desvantagem dos "briefings" feitos de véspera, pela minha experiência pessoal - de funcionário e também de membro do governo -, é que tal permite aos governantes "dormirem sobre os assuntos" e, às vezes, dá-lhes na veneta terem sobre eles ideias próprias. O que, como diria Sir Humphrey, é um risco que os Estados devem ter todo o cuidado de evitar.

Foi o que aconteceu com aquele ministro. No dia seguinte, à entrada do conselho, chamou de parte o diplomata que iria assessorá-lo nos trabalhos e informou-o:

- Estive a refletir melhor sobre aquela questão da subsidiariedade. Acho perigoso estarmo-nos a opor à proposta da Comissão.

O funcionário ficou siderado! Em todas as instância anteriores, sob precisas instruções de Lisboa, Portugal tinha deixado muito clara a sua oposição à aplicação do princípio naquele caso particular, porque disso poderiam resultar impactos pouco consentâneos com os nossos interesses. Seria assim muito difícil explicar uma súbita mudança de atitude. E perguntou ao ministro as razões que fundamentavam a sua posição. Ficou logo esclarecido:

- Então Portugal não quer sempre obter subsídios da União Europeia? Porque é que, desta vez, nos opomos à subsidiariedade? Parece-me incoerente, não acha?

Diplopoeta

O "nosso" Luís Castro Mendes acolheu-se agora à "Assírio & Alvim", onde vai publicar o seu próximo livro, "A Misericórdia dos Mercados". É bom vê-lo numa excelente casa da poesia, ainda ligada, agora só pelo nome, ao meu querido amigo João Carlos Alvim (João, temos de nos ver um dias destes!).

O primeiro lançamento ocorrerá na Póvoa de Varzim (e não Póvoa do Varzim, como às vezes alguns se enganam), no dia 22 de fevereiro, no âmbito da "Correntes d'Escritas" (desculpa lá, Luís, mas tenho um compromisso em Setúbal nesse dia, com que sei que estarás solidário).

No dia 25, pelas 18.30, na Barata, na avenida de Roma, o evento repete-se, com falas de Fernando Pinto do Amaral e Nicolau Santos (Tó Zé Massano, se chegares mais cedo, tu, que moras a "walking distance", marca lugares!).

Dizem-me que, para este último evento, se prevê uma multidão multinacional. Desde logo, um tal Alcipe, vindo de Estrasburgo com a madame. Como estamos no ano comemorativo do "movimento dos capitães", é aguardado, com imensa expetativa, o famoso Capitão Rosa, que agora usa um nome estrangeiro, para armar em "fino", na correspondência que lhe mandam para Moulinsart. Ao que me dizem, está já confirmada a presença de um estimado comerciante da Figueira da Foz, de seu nome Oliveira, muito chegado ao autor, e de quem, nas últimas horas, se fala bastante para novo presidente da AICEP. De Coimbra, aguarda-se o renomado professor Pedro João dos Santos, acompanhado de um jornalista de um diário de Lisboa, cujo nome me escapa. De Paris, está garantida a presença amiga de Ronaldo Azenha de Noisiel, que consta estará prestes a lançar um negócio de mercearias "drive-in" em auto-estradas. Também deverá deslocar-se, vindo de uma das antigas colónias, essa figura muito próxima do autor que é Feliciano da Mata, em seu nome e de uma senhora engenheira cuja modéstia esconde o santificado apelido. Em representação de uma augusta figura, espera-se a presença de D. Henrique Vasconcellos Menezes (Vinhais), responsável pelo pé de página do Gotha dedicado a Portugal. Pelo movimento literário Malta da Rima, a que o autor terá aderido na juventude, aguarda-se a presença de um diplomata que, nos últimos anos, se dedica a fazer um "remake" do "Mistério da Estrada de Sintra". Pude há minutos confirmar, depois de um jantar que tive com o Hélder Macedo, que, daqui de Londres, irá o Joseph Crabtree e, do Brasil, está garantida a presença de Augusto Maria de Saa. E muita, muita mais gente.

Vai ser uma festa!  

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Boa notícia!

Domingos Simões Pereira assumiu a liderança do PAIGC na Guiné-Bissau. Finalmente chega uma boa notícia daquele pobre país.

O novo líder do principal partido guineense, herdeiro de quantos lutaram pela independência da Guiné-Bissau, é um homem que deixou uma excelente impressão, ao tempo que serviu como secretário-geral da CPLP. Espera-se agora que possa ter condições para garantir ao seu país um processo de retorno pleno à normalidade democrática, de eficaz luta contra as derivas de criminalidade que afetam a respetiva vida política e - o mais importante! - que lhe seja possível anular o potencial desestabilizador das Forças Armadas no quotidiano político local. A comunidade internacional apoiá-lo-á se esse triplo objetivo estiver no centro da sua ação.

"Observador"

Ontem falou-se aqui do jornal francês "Libération" e do iminente esgotamento do seu projeto em papel. Agora, anuncia-se o surgimento, em Portugal, do "Observador", um meio de comunicação social que se anuncia a si próprio "sem os condicionamentos do papel"...

Trata-se de uma nova aventura jornalística que tem a curiosidade de dever ser o primeiro órgão informático em Portugal que é construído de raiz. Não devo estar muito longe da verdade se disser que parece haver, por detrás desta interessante aventura comunicacional, o natural aproveitamento de uma onda geracional ligada à internet, aculturada à blogosfera e ao Facebook.

Mas há algo mais dentro desta iniciativa. Há nele um evidente projeto ideológico de direita, titulado por competentes profissionais do jornalismo e do comentário que alimentam um inequívoco ideário liberal e que, nos últimos anos, têm servido de suporte doutrinário, nem sempre óbvio e raras vezes "mecanicista" (para utilizar uma categoria teórica marxista), à ocupação do poder por parte da maioria política que a conjuntura trouxe ao país. Gente de uma nova direita que, seguramente, vai dar sequência a muito do que foi desenvolvido, nos últimos anos, bastante em blogues mas, igualmente, em revistas como a "Atlântico" e "Nova Cidadania", ambos muito tributários desse viveiro de pensamento conservador que tem sido o Centro de Estudos Políticos, da Universidade Católica Portuguesa.

Este não é o primeiro "Observador" que se produz em Portugal. Em 1971, a direita marcelista fez surgir uma revista, dirigida por Artur Anselmo, que, à época, teve alguma importância no debate político. Mas não teve grande êxito.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

"Que se lixe a União Europeia!"

A frase em título, embora num registo estilístico um pouco menos suave, foi pronunciada por uma alta responsável diplomática americana, ao telefone com o embaixador de Washington em Kiev, numa alusão crítica (espero que os leitores apreciem este "understatement", tributário da fina cultura diplomática lusa) à posição de Bruxelas na crise ucraniana. A senhora em causa é casada com Robert Kagan, de quem já li coisas "lindas" a propósito da Europa, pelo que daqui se pode inferir o nível de "carinho" com que o Velho Continente deve ser mimoseado na intimidade do casal.

O que a mim me surpreende é o "escândalo" que estas coisas ainda parece provocarem. A senhora Merkel logo se mostrou chocada com os termos "inaceitáveis" utilizados pelos diplomatas americanos, como se acaso estes não tivessem todo o direito, numa conversa telefónica entre si, que não julgavam escutada por terceiros, de chamarem aos "parceiros europeus" o que lhes desse na real gana. Ao contrário do que, há meses, foi revelado sobre as escutas americanas a líderes amigos, desta vez os escutados foram os americanos, aparentemente pela espionagem russa. O que deve ter dado, lá no fundo, um grande gozo a Berlim.

Porque é que eu mostro aqui uma grande complacência com estas práticas, com o uso de uma linguagem solta nas conversas telefónicas? Porque sim.

"Libé"

A crise da imprensa escrita acontece um pouco por toda a parte. Todos os dias lemos notícias de jornais a fechar, com os novos projetos a passarem, em prioridade, pelos meios informáticos. Não há muito que se possa fazer: subsiste aquilo que vende e os jornais vendem pouco. As pessoas leem-nos cada vez menos e, em muitos casos, uma descrecente apetência por um jornalismo mais cuidado e sofisticado está a fazer emergir, em muita imprensa, uma escrita "simplificada", a gerar uma espécie de "fast food" jornalístico. Os tablóides já tinham prenunciado o estilo, mas havia a esperança que uma "aldeia gaulesa" de qualidade pudesse sobreviver. Essa esperança, contudo, embora exista, é cada vez menor.

Faço parte de uma geração que nasceu com o "Libération" como uma referência de independência, com um estilo algo arrogante e afirmativo, uma sedutora abertura ao novo, uma qualidade inventiva de escrita e de temas, um jornal que havia conseguido adaptar-se aos tempos, embora com ruturas que não foram fáceis. Por lá passaram alguns bons nomes inconformistas e a qualidade do produto gráfico, bem como a genialidade de alguns títulos, compensava alguma fraqueza na construção geral do jornal. Ao tempo que passei por Paris, o "Libé" fez-me sempre falta (mas eu não sou um bom exemplo: a mim faz-me falta toda a impeensa...)

Leio que o "Libération" voltou agora agora a entrar em crise (e elas já foram muitas, na história do jornal, desde os tempos de Sarte aos de July, passando pelo modelo menos personalizado que vigorava nos últimos anos). Desta vez, o conflito parece mais sério do que nunca e a oposição entre os trabalhadores do jornal e os acionistas não parece conciliável. Terei bastante pena se o "Libé" desaparecer, mas o mundo não perdoa e as nostalgias ainda não têm cotação no mercado.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Faturas

Cheguei à conclusão de que há uma idade na vida em que nos podemos dar ao luxo de ter dúvidas. Cada vez mais, passado para mim um tempo que já foi de certezas quase absolutas - e felizes devem ser quantos as conservam -, olho para os factos tentando medi-los pelo seu valor próprio. E, muitas vezes, verifico que isso não corresponde àquilo que se poderia qualificar como uma linearidade de inabalável coerência, à luz de matrizes ideológicas pré-determinadas. Mas, certo ou errado (e não tenho a pretensão de estar nem uma coisa nem outra), procuro ser coerente com aquilo que intimamente penso.

Vem isto a propósito da questão das faturas, em especial dos seus anunciados leilões de prémios.

Nenhum governo fez mais do que o atual para abalar a profunda solidariedade que, em toda a minha vida, sempre alimentei para com o Estado, que erigi intimamente como o intérprete de um interesse coletivo com que entendo dever estar tendencialmente solidário, desde que dirigido com legitimidade democrática. Também é verdade que nunca como nos últimos anos tinha assistido ao espetáculo de ver o Estado dirigido por quem tanto o diaboliza e espera conseguir poder desmantelar de forma irreversível, antes do país lhe dar, nas urnas, o devido destino. 

Nào obstante esta minha conjuntural atitude face ao Estado, em razão da sua tutela conjuntural, uma lógica de equidade leva-me a ter de exigir que todos sejam tratados da mesma forma quando uma lei tributária - por mais injusta que possa ser - nos é imposta. Como qualquer cidadão normal, não gosto de pagar impostos, mas, se tenho de fazê-lo, espero que todos procedam de forma idêntica. E que ninguém seja poupado ao seu dever cívico.

Já no passado aqui referi a questão de "passar fatura", em especial nos estabelecimentos comerciais. Vivi em vários países e não me recordo de algum ter chegado ao "modelo" que foi criado entre nós. Em parte nenhuma do mundo vi perguntar a alguém se quer "factura", se pretende uma "fatura simplificada" ou ouvir uma pessoa, pateticamente, ter de debitar ao vendedor o seu número de contribuinte. Posso ter estado desatento, mas não recordo nada igual. 

Dito isto, eu hoje exijo sempre fatura numa compra comercial. Desde um simples café a uma aquisição de livros ou gasolina. Lamento muito o encargo que o fisco hoje representa para profissionais do comércio que têm uma vida difícil, mas não tenho o direito de ser eu a escolher aqueles a quem "ajudo" a fugir à legalidade que é respeitada pelo outros. Mas porque assim procedo, e porque entendo que todos assim deveriam proceder, a coerência obriga-me a apoiar medidas que estimulem a que outros procedam da mesma forma. E se uma sociedade como a portuguesa não tem, imbuído em si mesma, o espírito de solidariedade cívica que leva a que a todos se empenhem numa igualdade de direitos e deveres, acho perfeitamente normal que possa haver estímulos para que muito mais cidadãos sejam levados a adotar essa linha de comportamento, mesmo que, infelizmente, isso tenha de ser feito por uma via menos curial, como é a dos bizarros sorteios. 

(Quase que apostaria em como muitos que acabaram de ler este texto vão estar de acordo com parte do que nele escrevi e em desacordo com a outra parte, embora não necessariamente pela mesma ordem.)

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Saneamento

Imagino que, para alguns jovens de hoje, o termo "saneamento" não ultrapasse a ideia de redes de esgotos e canalizações. Porém, se acaso tivessem vivido uma vida adulta após a Revolução de abril, saberiam que o termo foi então abundantemente utilizado para significar o afastamento forçado de pessoas de algumas estruturas e instituições, quer por alegadas ligações ao regime ditatorial quer, num momento subsequente, por acusações de resistência ao "processo revolucionário" desencadeado. 

O caso do afastamento de mais de duas dezenas de jornalistas do "Diário de Notícias" foi um dos "saneamentos" que então gerou mais polémica. É que muitos dos "saneados" estavam longe de poderem ser qualificados de "fascistas", sendo apenas pessoas que resistiam ao controlo do jornal por uma linha muito próxima do PCP. Pode dizer-se que pelo DN passou então a fronteira da clivagem mais evidente no seio da Revolução. Nomes como José Saramago ou Luis de Barros emergiram, a partir daí, como os principais responsáveis por essa operação política, que ficou na história do jornalismo português.

Foi agora anunciado o lançamento de um livro que recolhe uma tese universitária sobre o tema. Atento o que se conhece sobre o nível da orientação académica do trabalho, deve esperar-se um texto rigoroso. Veremos se assim é. Alguma polémica em torno da utilização de uma imagem do jornal como capa da obra está a funcionar como involuntária propaganda para o seu lançamento. Irei ler o livro com cuidado, como julgo que fiz com quase tudo o que se escreveu sobre aquela época.

Zita Seabra, a operosa editora da Alethêa, que publica o livro, aparece, uma vez mais, na linha da frente de uma iniciativa que, diga-se o que se disser, pretende confrontar os comunistas com o seu passado. Como "voyeur" regular desses tempos, só me posso congratular com o facto de novos dados virem à tona, ajudando a completar o "filme" desses dias. Isso não seria, em si, nada de mal, não fora dar-se o caso dessa mesma Zita Seabra ter sido, à época, uma das mais ferozes e sectárias militantes do PCP. Reconheço o direito a que as pessoas mudem de opinião e assumam a sua distância face a um passado a que entendem já não deverem fidelidade. Mas acho que alguma maior contenção seria recomendável. Nunca é agradável ouvir um membro de um casal desavindo fazer revelações sobre a intimidade dos seus antigos tempos.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

A ponte

Começava a ser estranho! O avião chegara à Portela já há cerca de uma hora e nem sinais havia do advogado britânico que, nessa manhã, se deslocara a Lisboa para aquela reunião. E, por imprudência, ninguém na empresa tinha o seu telefone. Ter-se-ia perdido? Era a primeira vez que o homem vinha a Portugal e, infelizmente, não fora possível enviar um carro para ir buscá-lo ao aeroporto. Mas o trajeto era relativamente curto e, de taxi, bastaria, no máximo, um quarto de hora. Que fazer? Começar a reuniào sem ele? 

De súbito, um dos contactos do advogado na empresa recebe um telefonema. Era o homem! Vinha de taxi e informou: "Estou a chegar! Já estou a atravessar a ponte!"

Os taxistas do aeroporto de Lisboa são um dos "orgulhos" do nosso país.

Ontem à noite, ao sair do aeroporto para casa, lembrei-me desta história, que alguém há dias me contou. No que me respeita, vim pelo caminho mais direto.