sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Ases da bola

Ontem, ao ler a nota colocada no Facebook por um diplomata português, visivelmente entusiasmado pelo facto de ter dado um visto para um novo recruta estrangeiro para o futebol português, recordei por um momento a correspondência que, enquanto embaixador no Brasil, recebi de futebolistas candidatos a jogarem em clubes portugueses.
 
Não guardei nenhuma dessas cartas e mensagens de e-mail, mas recordo bem as descrições entusiásticas que alguns desses pretendentes faziam das suas próprias qualidades, tanto mais que eram escritas numa impagável versão brasileira do "português de balneário", numa espécie de aculturação a um léxico e fórmulas bebidas da imprensa desportiva.
 
Não fora o facto da ironia ser difícil de passar nos posts dos blogues (mas vamos lá tentar outra vez!), quase que se poderia sugerir que, em postos diplomáticos situados em países viveiros de craques da bola, as embaixadas passasem a ter uma espécie de "conselheiros desportivos", figuras que funcionariam como "olheiros" oficiais, que montassem bancos de dados à disposição dos clubes portugueses. em especial daqueles com menos meios e menos conhecimentos nos mercados externos. Para tal, nem valia a pena estar a fazer "outsourcing", bastava usar alguns conhecidos ases que a carreira destilou e que, pelo menos, são "bons de bola". 

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Esgaforinada

"A mulher tinha um ar esgaforinado". Ouvi a frase há meses, a propósito de alguém, e guardei a expressão, que parecia pretender significar que a pessoa em causa tinha um aspeto desgrenhado. Talvez mais do que isso: um ar irritado, quiçá ameaçador ou agitado. Nunca tinha ouvido tal qualificativo. Quem pronunciou a frase foi uma senhora idosa, educada e culta. Não tive, entretanto, oportunidade de lhe perguntar o significado que lhe atribuía.

Fui hoje ver ao dicionário. Ao melhor deles todo, o "Moraes e Silva", nos seus doze imbatíveis volumes. "Esgaforinar" ou "esgaforinado" não aparece. Há "gaforina", para significar "cabelo em desalinho" ou "mulher desalinhada". Talvez seja daí que o termo "esgaforinado" deriva. Mas a palavra tem uma sonoridade tão expressiva, quase física, que apetece "ficar com ela" e passar a utilizá-la. 

Mas por que diabo me lembrei eu agora disto? Sei lá! Estava a ver uma cena do nosso parlamento, uma intervenção dos "Verdes" e a palavra "surgiu-me". Mas não, não deve ter nada a ver com isso. 

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Pete Seeger (1919-2014)

Foi uma voz livre da América. Foi um cantor de protesto antes disso estar na moda. Defrontou o obscurantismo persecutório dos anos da Guerra Fria. Escreveu os inesquecíveis "Turn, turn, turn" e "If I had a hammer". Pete Seeger morre na América de Obama. Apesar de tudo, parte nos tempos de uma melhor América. Lutou por ela e mereceu-a.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Dignidade

A sessão hoje organizada na Assembleia da República, em homenagem aos advogados que defenderam os presos políticos durante a ditadura do Estado Novo, é um ato de grande significado. A tarefa levada a cabo por esses juristas, em condições muito difíceis e correndo frequentemente riscos pessoais, dignificou a Justiça, que, à época, era miseravelmente representada por um punhado de "juízes" que a envergonhavam e aviltavam, no seu conluio aberto com os torcionários do regime. Um grande momento, a que infelizmente não consegui estar presente.

Soares Carneiro

Em 1980, Sá Carneiro foi desencantar Soares Carneiro, um general conservador, desconhecido para a grande maioria, como candidato da sua Aliança Democrática à Presidência da República. A ideia era tentar evitar a reeleição de Ramalho Eanes, cujo comportamento, enquanto presidente, desagradara à direita, que sentia a necessidade de ter uma figura da sua confiança em Belém. Soares Carneiro, um nome com alguns "esqueletos no armário" aquando da sua passagem por Angola, viria a revelar-se um político desajeitado, rígido, incapaz de galvanizar minimamente o eleitorado. Recordo-me que o "Expresso" fez o frete de o fotografar com um cão, para lhe humanizar a imagem; só que o cão não lhe pertencia! Sá Carneiro cedo percebeu o erro que cometera e sentiu que o seu candidato iria perder a eleição. Na antevéspera do sufrágio, fez uma patética conferência de imprensa, tentando colar Eanes aos comunistas. Na noite desse dia, 4 de dezembro de 1980, tencionava ir ao Porto, ao derradeiro comício, para tentar dramatizar os últimos momentos da campanha. O avião em que seguia caiu em Camarate. A instrumentalização mediática do seu funeral foi um dos atos mais abjetos da nossa política contemporânea. Mas o povo português soube separar o trigo do joio. E Soares Carneiro foi derrotado. Discretamente, desapareceu da cena política, remetendo-se à vida militar. Morreu hoje, aos 86 anos.

Capicuas

Há dias, passando por Campo de Ourique, olhei o prédio onde viveram uns familiares que já se foram há muito. Um casal. Ele era uma figura suave e sorridente; ela era uma mulher "de fibra", nem sempre fácil, palavra às vezes cortante. Completavam-se lindamente, como muitas vezes sucede.

A grande paixão dele (para além de Salazar) era o Benfica. Fazia parte de quantos acompanhavam a equipa pelo mundo, tendo estado presente nos momentos idos da glória internacional do clube. A minha condição de sportinguista desgostava-o. Eu era irónico nas conversas mas, sendo ele futebolisticamente "doente" e muito mais velho, optava por não ir muito longe nas minhas provocações, tanto mais que era uma pessoa sempre muito simpática para comigo. Numa visita minha a Lisboa, em fins de 1965, levou-me à Luz ver um "derby" com o Sporting. Para seu azar, o Benfica perdeu 2-4. Recordo a minha forçada contenção, no meio de uma bancada homogeneamente "lampiónica". E, estando perto do relvado, guardei para sempre na memória auditiva o ruído dos remates de Lourenço, autor dos nossos quatro golos.

A razão por que hoje falo desse meu primo é pelo facto de me recordar que ele tinha uma imensa e curiosa coleção de capicuas, em bilhetes de elétrico. Nas suas deslocações diárias, ao longo de décadas, entre os Prazeres e o seu emprego na rua da Conceição, entretinha-se a coletar esses números de dupla leitura, não sei se por arranjo com o cobrador ou por cumplicidade de "fellow-travellers".

Mas a que propósito vem hoje esta história das capicuas? perguntar-se-á com legitimidade o leitor. É muito simples: eu próprio tenho vindo a colecionar as minhas capicuas. Hoje, por exemplo, obtive a sexta. Mas não é uma coleção que me dê excessivo prazer, confesso.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Praxes

O meu amigo José Mariano Gago disse aquilo que eu gostaria de ter dito sobre as praxes: "O que estamos é perante o comportamento de jovens adultos que estão a educar-se entre si e a educar os outros para uma sociedade fascista em que é considerado normal abusar dos outros e os outros agradecerem".

Em tempo: a quem tiver uns minutos, aconselho a leitura disto.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Trasladação

- Trago-lhe aqui um problema, senhor diretor-geral. Trata-se do pedido da viúva do embaixador que morreu há semanas no seu posto, lá na Ásia. Quer receber 12 mil euros, valor da trasladação do cadáver do marido para cá.

- Mas qual é o problema? O direito ao repatriamento do corpo existe na lei, não é?

- É, mas ela não possui nenhum justificativo.

- Está bem, meu caro, mas temos de ser flexíveis com a pobre senhora. São países complicados para se obterem essas papeladas. E, além disso, não me parece um montante exagerado. Ela que prepare uma declaração de despesa. Eu darei uma palavra ao ministro.

- Bom, mas há um pormenor que entretanto chegou ao meu conhecimento...

- Qual é?

- Soube que embaixador foi incinerado lá no país onde morreu...

História verdadeira, ocorrida no serviço diplomático francês.

sábado, 25 de janeiro de 2014

Portugal-Brasil


O dia de ontem havia sido longo, entre Paris e Lisboa. Chegado do aeroporto, ao fim do dia, cansado, sentei-me num sofá e liguei a televisão. Pensava ver as notícias e logo fechar o aparelho. Estava "a dar" futebol. A preto-e-branco. Era o Portugal-Brasil de 1966.  

Foi hora e meia de grande prazer. Aquele jogo que eu vira num pequeno écran, em minha casa, em Vila Real, há 48 anos, estava ali, pela primeira vez, à minha disposição, num écran "decente", com a possibilidade de rever com calma, e em "slow motion", os lances mais interessantes ou polémicos. Em fundo, ouviam-se os comentários acertados dos "magriços" José Augusto, José Carlos e Peres, recheados com histórias curiosas de bastidores.

O jogo foi excelente, com Eusébio em grande forma, a marcar aquele que ele consideraria, para sempre, o melhor golo da sua carreira. Simões fez um grande jogo, com um (raro) golo de cabeça. Alexandre Batista, Jaime Graça e José Augusto deram um espetáculo de bom futebol. Vicente marcou um hiper-lesionado Pelé, com maestria e decência, a contrastar com Morais, que visou o génio brasileiro sem dó nem piedade (Pelé vingar-se-ia nos últimos minutos, pespegando uma forte cabeçada ao seu agressor). O grande Hilário pareceu-me algo perdido com a rapidez da ala direita brasileira, não acertando as marcações, tal como Torres, um tanto sem posição, naquele seu jeito desengonçado de jogar "sem bola". Coluna foi decaindo com o tempo, mas foi sempre um pilar de serenidade e com uma excecional medida de passe. O 4-2-4 de Otto Glória era um "harmónio" dito harmonioso, com o ataque a recuar em apoio à defesa, com os laterais a subirem à linha, em reforço do meio campo. Bons tempos em que se atacava com quatro avançados!

José Augusto explicou ontem, finalmente, uma dúvida que eu sempre tive: a razão por que Carvalho fora substituído por José Pereira na baliza da seleção - onde, diga-se, fez um jogo impecável. Ao que explicou, o "lóbi" do Belenenses dentro da equipa técnica tinha obrigado à saída do guardião sportinguista - o qual, como é sabido, não comprometera, na estreia do Mundial. A mesma pressão que, porventura, levou a que Vicente substituísse José Carlos. Este último regressaria à seleção, Carvalho não. Coisas de Belém.

Foi uma grande noite de futebol. 

Das tentações

Frédéric Mitterrand foi um improvável ministro da Cultura de Nicolas Sarkozy. Sobrinho de François Mitterrand, surgiria no governo pela mão de Carla Bruni. No seu currículo figurava um livro algo comprometedor, que remetia para algumas suas práticas libertinas com jovens, nos terrenos do turismo sexual na Tailândia. Seria, contudo, muito injusto medir esse Mitterrand conservador apenas por esses pecadilhos. Trata-se de um homem inteligente, com graça, boa escrita, com obra feita na área cultural e mediática, que não tendo ofuscado minimamente a memória de Malraux, ou mesmo de Lang, acabou por ter uma prestação bem mais "honorable" que outras figuras que a história política francesa quase não notou no mesmo lugar.

Há dias, vi numa livraria parisiense que tinha publicado uma memória desses tempos de governo. Ainda não li o livro todo, mas não deixa de ser curiosa a confissão que nele faz sobre as tentações que teve face ao seu colega de executivo Laurent Wauquiez, a quem revela ter lançado "un regard langoureux" e que define da seguinte e elucidativa forma: "un beau gars dans le genre qu'on regarde dans les vestiaires après un match de foot et à qui on parle de filles en pensant éventuellement à autre chose". Estou curioso em conhecer a reação de Waquiez a esta declaração.

Por aqui se fica a perceber que a tentação, no seio dos Conselhos de ministros, é um tema a explorar. E por cá? Como terá sido, desde sempre?

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Notícias do caos

Foi uma relação de simpatia pouco vulgar aquela que se estabeleceu entre aquele credenciado diplomata português e um seu homólogo soviético, em tempo de Guerra Fria, num contexto internacional particular. A história ficou nos anais diplomáticos portugueses.

O tema da conversa era a França, onde o diplomata português estava colocado.

- É mesmo verdade que, em França, é possível a um cidadão estabelecer-se em qualquer cidade que seja do seu agrado, sem necessitar de autorização oficial?

- Claro que sim! Desde que tenha meios para isso, não há qualquer limitação no que toca ao lugar onde pretende morar.

- E a compra de carro? Falaram-me que não é preciso inscrição para a sua aquisição...

- Quem pretender um carro e tiver dinheiro para o comprar dirige-se a um stand e adquire-o. Pode ficar com ele de imediato.

A conversa prosseguia nestes termos, com questões sobre a liberdade de escolha dos cursos ou outras que acabavam por espelhar o contraste entre o modelo soviético e o quadro de liberdade das sociedades de mercado. A certo passo, confirmadas que tinham sido pelo colega português a liberalidade de várias dessas práticas de vida no Ocidente, o interlocutor soviético exclamou:

- Então não é só propaganda?! É mesmo o caos...

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Luis Gaspar da Silva

Foto de Alexandre Almeida
 
Foi uma tarde de verão de 1975, no gabinete do Nuno Brederode Santos, então diretor do gabinete de Estudos do MNE. Eu ainda não entrara na carreira, mas estava admitido, depois do concurso feito. Andava já pelos corredores da casa, pela mão de António Franco. Estávamos uns quantos à conversa. Entrou na sala Luís Gaspar da Silva, diplomata, socialista, grande, com um imenso vozeirão.

(O 4° governo provisório, que o PS e o PPD tinham abandonado, estava no seu estertor. Vasco Gonçalves fazia convites para o 5° governo, falhada que fora a hipótese do chamado "governo Fabião", uma construção melo-antunista que nunca chegaria a ver a luz do dia, por oposição da "esquerda militar" (leia-se, os oficiais próximos do PCP). Os socialistas estavam furiosos com o "companheiro Vasco", que, não sem alguma razão, consideravam um dos principais culpados da radicalização que o país atravessava. Os militares que eram considerados como próximos dos socialistas, o "grupo dos nove", tinham acabado de tornar público um "documento" que consagrava uma importante rutura dentro do Movimento das Forças Armadas. Os dias iam complicados, nesse "Verão quente".)

Gaspar olhou os circunstantes e, não me conhecendo, disse alto, apontando-me: "este tipo é de confiança?" Os sorrisos ou alguma palavra do Nuno Brederode ou do António Franco tê-lo-ão sossegado. (Na realidade, eu não era totalmente "de confiança". Não sendo um "gonçalvista", também não me revia então na linha dos "nove", mas os meus amigos sabiam-me discreto). Contou que um outro diplomata, então diretor-geral, Magalhães Cruz, tido como simpatizante de esquerda, havia recusado o posto de MNE. Julgo que era essa a aposta dos socialistas: nenhum diplomata aceitar ser ministro nas Necessidades, num governo Vasco Gonçalves. Isso iria acontecer. O lugar acabou por ser ocupado por Mário Ruivo. E, curiosamente, eu iria ser indicado para o seu gabinete, só não tendo tomado posse porque, breves semanas depois, o 5º governo "caiu".

Foi esse o dia em que conheci Luís Gaspar da Silva, que me disseram que morreu hoje.

Nunca fui seu íntimo, mas mantinha com Gaspar - era assim que a casa o conhecia - uma relação muito cordial, com ele a insistir que nos tratássemos por tu e eu sempre a recusar deixar de chamar-lhe "senhor embaixador". Fomo-nos encontrando pelas várias cidades onde a sua carreira diplomática e política (foi secretário de Estado da Cooperação num governo socialista) o levou.

Dele já contei duas histórias neste blogue. Que hoje deixam de ser anónimas.

A primeira é a da sua fantástica apresentação de credenciais como embaixador no Nepal, por ele próprio relatada numa divertida noite, em minha casa, em Luanda. Pode ser lida aqui.

A segunda historieta é também um "must" das Necessidades. Nela contei o resultado de um dos famosos amplexos que Gaspar dava aos amigos, em gestos de afetividade física que ficaram na memória da casa.

Conta-se um outro episódio no dia do funeral de Agostinho Neto, em 1979, em Luanda. Gaspar acompanhava Ramalho Eanes. Esperava-os Lúcio Lara, o nº 2 formal do regime. Gaspar e Lara tinham convivido, nos tempos da universidade, em Coimbra. Forte da sua velha relação, Gaspar abriu os amplos braços para dar um abraço "dos seus" ao antigo amigo. Porém, por esses dias, as relações luso-angolanas não estavam (uma vez mais...) no melhor momento. Aceitar o gesto de Gaspar seria, para Lara, ser visto numa coreografia afetiva que poderia dar lugar a especulações. Disse-me quem viu que a cena foi de antologia. O nosso diplomata, com a sua imensa corpulência, tentou forçar um amplexo. O franzino Lara resistiu quanto pôde, mantendo  o seu antigo colega da "Via Latina", a revista coimbrã onde ambos haviam rimado líricas, à conveniente distância, não apenas física mas também política.

Gaspar da Silva convidou-me um dia para ser seu nº 2 em Paris, lugar que, por razões que não vêm para o caso, não pude aceitar. E seria aqui em Paris, onde casualmente estou hoje e ele foi embaixador durante vários anos, precisamente na mesma sala onde agora escrevo esta memória, ao correr da tecla, que dele guardo a última imagem, em abril de 1988, na noite de uma eleição presidencial francesa. Estava toda a gente à volta da televisão. Vicente Jorge Silva estava na sala, de visita. Homem de certezas, Gaspar adiantava-nos percentagens "seguras", de fonte "limpa", credibilizando-as com a frase: "deu-mas o meu 'américas' ", aparentemente um contacto fiel que tinha na embaixada americana em Paris. Não faço ideia se acertou.

Por coincidência, e ao que me recordo, poderá ter sido essa a última vez que o vi. Há mais de um quarto de século. Trocámos cartas anos mais tarde, mas nunca mais nos encontrámos. Deixo aqui os meus sinceros sentimentos à sua família.

Gastronomia

Hoje, em Paris, começo o dia em estágio para uma laboriosa "session de travail" da "Académie des Psychologues du Goût", que se desenrola por cerca de três horas. Pela minha experiência destes pesados exercícios, dificilmente terei disponibilidade para escrever mais um post. Assim, até amanhã.

Em tempo: afinal, a morte do meu colega Luís Gaspar da Silva obrigou-me a escrever outro post, durante o dia de hoje.

Desde Rusia

No início dos anos 40 do século passado, o jovem oficial do Exército português António Sebastião Ribeiro de Spínola integrou, como observador, a "Divisão Azul" das forças armadas alemãs durante o ataque à Rússia.

Não sei qual era o grau de convívio de Spínola com os espanhóis que integravam essa "Divisão Azul", chefiado por Muñoz Grandes, que entre eles cantavam a canção "Desde Rusia", que tinha a seguinte letra:

En las estepas de Rusia,
España luta con ardor,
unida con Alemania
por una España mejor.

Y quando a España volvamos
de nuevo queremos luchar,
y al inglés echaremos
del Peñon de Gibraltar.

Nuestro grito de victoria
en el mundo entero lo oirán,
cuando recuperemos
todo Marruecos y Orán.

Solo esperamos la orden
que nos dé nuestro General,
para borrar la frontera
de España con Portugal

y cuando eso consigamos
alegres podremos estar,
porque habremos logrado
hacer una España imperial.

Descobri esta canção, bem simbólica de um outro tempo, num livro que hoje encontrei em Paris. Pergunto-me: Spínola conhecê-la-ia?

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

A Confiança no Mundo

No próximo dia 29 de janeiro, na Universidade de Trás-os-Montes, em Vila Real, vou apresentar o livro "A Confiança no Mundo - a Tortura em Democracia", de José Sócrates.

Trata-se de uma obra que aborda um tema muito controverso, que se tornou mais atual após o 11 de setembro.

Em tempo: a caixa de comentários está aberta...

Um diplomata na Revolução

Na passada sexta-feira, à volta de um café nos couros queirosianos do Grémio Literário, um capitão de abril lembrava-me que fora daquele mesmo local que, em 25 de abril de 1974, um diplomata português, então no exercício de funções políticas, organizara a mediação entre Marcelo Caetano e António de Spínola, que acabou com a rendição do chefe do governo, aquando da célebre deslocação de Spínola ao Carmo. 

O diplomata chamava-se Pedro Pinto e era, à altura, subsecretário de Estado da Informação. Morreu há semanas. Nesse dia, ao aperceber-se pela rádio do impasse que estava criado no largo do Carmo, com o quartel da GNR rodeado pelas tropas de Salgueiro Maia, que se confrontava com a recusa de Caetano de se render às forças do Movimento das Forças Armadas, Pedro Pinto tomou a iniciativa de enviar ao Carmo o diretor-geral da Informação, Pedro Feytor Pinto, acompanhado de Nuno Távora. Feytor Pinto, homem muito próximo de Caetano, constatou então a disponibilidade deste último de se render, evitando o assalto ao quartel pelas forças do MFA que estava iminente, desde que o poder "não caísse na rua". Caetano aceitou a hipótese de transmitir o poder a António de Spínola que, para tal, foi mandatado pelo Movimento, depois de uma chamada telefónica para o "posto de comando" do MFA, na Pontinha. 

A iniciativa de Pedro Pinto terá tido duas consequências importantes. Por um lado, terá evitado um número significativo de vítimas, que o assalto ao quartel e a reação das respetivas tropas iriam seguramente provocar, não apenas entre militares mas igualmente entre os milhares de civis que enchiam o Carmo, bem como nas famílias dos GNR, que com eles viviam no quartel. A decisão de ataque ao quartel fora já tomada, tendo Salgueiro Maia recebido ordem escrita de Otelo Saraiva de Carvalho para assim proceder, depois das muitas horas de impasse que se viveram.

Mas houve uma consequência política muito importante que a espetacular deslocação de Spínola ao Carmo acabou por ter. O general, que estava a par do Movimento mas que estava longe de ser o seu líder ou sequer a personalidade que o MFA pretendia ver à frente da nova Junta de Salvação Nacional, terá ganho, pelo protagonismo criado nesse momento, uma vantagem imediata na luta pelo poder. Esta sua momentânea proeminência desequilibrou, em definitivo, a relação de forças em seu favor, potenciando a retração de Costa Gomes para assumir a liderança da Junta. A História seria seguramente muito diferente se tivesse sido este último e não Spínola a titular a Revolução.

Se acaso Caetano se tivesse rendido a Salgueiro Maia, se tivesse sido preso e posteriormente julgado com outros responsáveis pelos crimes regime ditatorial, talvez tivesse sido possível fazer o processo do "Estado Novo", talvez os agentes da PIDE e os magistrados cúmplices dos Tribunais Plenários tivessem sido condenados. Nada assim aconteceu. Sem consultar o MFA, contrariando os termos do "memorando" assinado na Pontinha na noite de 25 de abril, a Junta decidiu, poucos dias depois, exilar Caetano, Tomaz e outras figuras para o Brasil. Se os mandantes tinham sido postos a salvo, que legitimidade tinha a condenação dos subordinados? 

Hoje, dia em que falo em Paris sobre a Revolução de abril, apeteceu-me lembrar este episódio e o papel histórico que um diplomata português acabou por nela desempenhar.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

O novo oásis

Num dia de Julho de 2011, ao tempo em que era embaixador em Paris, fui a uma televisão debater com um representante de uma agência de “rating” a forte degradação da nota portuguesa, pouco depois da assinatura do Memorando com a Troika. Em irónica esquizofrenia, puniam-se as novas medidas de ajustamento com que Portugal se acabara de comprometer dado o seu impacto recessivo. À saída, o meu interlocutor, disse-me: “Portugal não é o problema. A questão para o euro está na Espanha e na Itália. No dia em que a Europa conseguir convencer os mercados de que suportará aqueles países, a vossa vida tornar-se-á mais fácil”.

Tinha razão. A partir do momento em que a acção persistente do BCE convenceu os mercados da determinação europeia em sustentar a moeda única, quando os fantasmas sobre as economias espanhola e italiana começaram a dissipar-se, as pressões dos mercados atenuaram-se. Isso reflectiu-se sobre as taxas de juro portuguesas, ajudadas pelo facto da Troika premiar, em nome dos credores, o zelo do governo nas medidas para o ajustamento. Taxas que, contudo, continuam incomportáveis, afectando já bastante a taxa média da nossa dívida, o que suscita, aliás, questões de fundo a que todos fogem.

Gostava de voltar ao Memorando, que hoje já ninguém lê, e aos seus objectivos: “Reduzir o défice das Administrações públicas para (…) 5.524 milhões de euros (3% do PIB) em 2013, através de medidas estruturais de elevada qualidade, minimizando o impacto da consolidação orçamental nos grupos vulneráveis. Baixar o rácio da dívida sobre o PIB a partir de 2013”. Onde tudo isso vai!

Como dizia o outro, é fazer as contas. O défice não será de 3%, mas cerca de 5,5%, e, em lugar dos 5.220 milhões de euros previstos, os números mostram que estamos acima de 9.000 milhões “Medidas permanentes de alta qualidade” pouco se vêem, com meros cortes ad hoc a serem os responsáveis essenciais pelo conseguido. Quanto à minimização do “impacto da consolidação orçamental nos grupos vulneráveis”, estamos conversados. O rácio da dívida sobre o PIB não só não declinou a partir de 2013 como aumentou nesse mesmo ano. Não acertaram uma!

Abstenho-me de elaborar sobre um desemprego que se mantém a níveis altíssimos, não obstante uma emigração que está já nas médias mais altas do século passado (com um inédito “brain drain”), números impressionantes de falências, um forte empobrecimento da classe média e camadas mais indefesas, esmagadas por aumentos nos transportes, na energia, na saúde, etc. Esqueçamo-nos também de um país dividido como nunca, onde se incita o privado contra o público, os novos contra a “peste grisalha”, os activos contra os pensionistas.

A Troika vai sair, nós ficaremos por cá, na convalescença do “sucesso”, a caminho do novo oásis. As eleições são dias depois. Aposto em como vai haver dinheiro para os foguetes. 


Artigo que hoje publico no "Diário Económico"

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A cultura da direita


Não faz parte da prática habitual deste espaço dar destaque a artigos de imprensa ou mesmo a textos publicados noutros blogues. Abro, contudo, e com gosto, uma exceção para dar conta de um interessante trabalho de António Araújo, intitulado "A cultura da direita em Portugal".

Não conheço António Araújo, nem creio ter lido antes nenhum seu trabalho. Mas fiquei impressionado e aprendi imenso com este artigo, que muito me ajudou a "arrumar" ideias e a organizar e moldar algumas perceções a que tinha chegado de forma impressionista.

Alerto já que não se trata de um texto de fácil leitura. É também um trabalho relativamente longo, com alguma densidade conceptual que pode afastar muitos leitores, menos habituados a uma linguagem que releva de alguma prática académica.

O artigo leva-nos pelo mundo da nova direita, explícita ou subliminar, no Portugal depois de abril, com os seus jornais, as suas revistas, os seus livros, os seus lugares, as suas músicas e até os seus blogues. É um trabalho muito completo. Senti, contudo, que nele talvez falte uma referência a um terreno de algum relevo - a nova historiografia, onde um inteligente revisionismo se insinua e tem vindo a progredir, de uma forma a que há que estar atento. Um ponto interessante é o facto do artigo destacar que a cultura de direita conseguiu, nas últimas décadas, uma muito maior qualidade intelectual e um justo reconhecimento, garantindo hoje um lugar no espaço público. Essa é a sua grande diferença face a uma certa escola antiga, tributária da ditadura, marcada por um tropismo "traulitano", por um reacionarismo pouco sofisticado, por uma espécie de nacionalismo primário e de seita, às vezes de um tradicionalismo bafiento. A nova direita portuguesa, mesmo para a esquerda que com ela convive, tem hoje muito mais graça, mais "mundo" e, não raramente, é politicamente inteligente. Porém, salvo algumas exceções, esta nova vaga de pensamento diretista deixa-se ainda frequentemente ficar, no plano estratégico, ao serviço de agendas partidárias de mero pragmatismo, de adubo doutrinário para alguns tropismos patrimonialistas. Mas não deixa de ser estimulante ter esta nova direita como adversário no domínio das ideias, em contraste com o que acontecia com aquela que, durante décadas, foi titulada por "reaças" e "fachos" sem a menor piada. Como no futebol, é muito mais interessante jogar contra equipas que "dão luta". E ganhar, claro.

Leia aqui o artigo.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Jogos belenenses

Faltam cerca de dois anos para Cavaco Silva deixar o lugar ao seu sucessor em Belém. À direita, o debate começou já, em torno dos nomes possíveis. É um processo muito interessante, porque nele se cumulam ambições pessoais, polémica entre perfis e, muito em especial, estratégias partidárias.

Os presidentes moldam o sistema, porque a sua leitura sobre os poderes que a Constituição lhes concede vai variando, com as conjunturas e com as personalidades que titulam o cargo. Os últimos dois anos ensinaram muito ao país sobre o papel de um presidente da República. E, por essa via, ensinaram muito aos partidos, que disso retirarão as devidas conclusões.

No seu programa para reeleição como presidente dos PSD, Pedro Passos Coelho resolveu "lançar o fogo na pradaria", desenhando, com um traço carregado de intenção, o perfil do presidente que não quer vir a apoiar. Ficou óbvio que Marcelo Rebelo de Sousa era o nome visado, como o próprio reconheceu. Estará Marcelo excluído em definitivo? Com o "maverick" professor, Cristo pode sempre voltar à terra.

Na aldeia política da direita portuguesa, a zizania vai começar. O idílio Passos-Barroso pode indicar que o quase ex-presidente da Comissão tem agora uma hipótese forte para regressar à ribalta interna. Aguardemos as cenas dos próximos capítulos, um dos quais não deixará de ser filmado perto do largo da Misericória. "Faites vos jeux, messieurs"!

sábado, 18 de janeiro de 2014

Abril

Foi há dias. Estávamos a concluir um documento coletivo. Dei-me conta que o texto-base estava escrito segundo o Acordo Ortográfico. Porém, notei que os nomes dos meses se iniciavam com maiúsculas, o que fere as regras do Acordo. Um dos subscritores disse então: "Não me importo de escrever todos os meses com minúscula. Com exceção de Abril".

Ora aí está uma derrogação ao Acordo Ortográfico que aceito de muito bom grado.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Brasil - Portugal

Não foram poucas as vezes em que, como embaixador português no Brasil, me perguntei a razão pela qual a relação luso-brasileira, para além de todos os discursos políticos, não flui com maior vigor e normalidade, independentemente das conjunturas. Num livro em que juntei, há mais de cinco anos, alguns textos que eram fruto da minha experiência naquele país, alinhei explicações possíveis para as distâncias que subsistem entre nós. Mas não tenho a certeza de ter conseguido descobrir todo o problema.

Lembrei-me disso na manhã de ontem, ao ouvir o chefe de Estado português referir-se, com procurado ênfase, ao Brasil, durante o seu discurso diante do corpo diplomático. Portugal e Brasil são hoje dois países com horizontes estratégicos específicos, operando em tabuleiros próprios, com ambições necessariamente diversas, mas raramente antagónicas. Contudo, não tenho a menor dúvida de que as respetivas agendas internacionais só podem ter vantagem em conjugar-se. Subsiste uma óbvia e natural assimetria no modo como cada um dos países olha o outro, os pontos de conjugação de interesses não são valorizados por ambos da mesma forma. E não vale a pena esconder: à cumplicidade bilateral não são indiferentes fatores políticos e pessoais. Por vezes, como é sabido, estes não coincidem.

É em tempos como estes que a diplomacia tem um papel essencial, na sustentação dos interesses permanentes. Um dia, numa intervenção pública que proferi no Rio de Janeiro, no início das minhas funções no país, afirmei que era chegado o tempo de abandonarmos a retórica nas relações bilaterais e passarmos a preenchê-las com a substância do relacionamento humano, cultural e económico desses novos tempos. No final dessa minha fala, o antigo embaixador brasileiro em Portugal, Alberto Costa e Silva, aproximou-se de mim e disse: "Não despreze a retórica, Francisco. Ela tem sido historicamente essencial ao nosso relacionamento bilateral. Foi ela a "almofada" de afetividade que permitiu sustentar as nossas relações, quando as coisas correram mal". Tomei nota dessa observação e, com os anos, vim a dar plena razão àquele nosso amigo.

É um facto que a diplomacia se apoia muitas vezes na retórica. Frequentemente, para um observador exterior, parece haver um gongorismo excessivo no modo como os diplomatas exibem um otimismo que pode parecer forçado e até artificial, ao abordarem o futuro das relações entre dois países. Ora os diplomatas devem ser os profissionais do otimismo. A eles compete assumir o voluntarismo de "puxar" em público pelo que corre bem e tentar resolver, em privado, o que, eventualmente, pode ir andando mal ou menos bem. É uma tarefa delicada, paciente, muitas vezes difícil e, não raramente, a ter de ser feita a contraciclo dos tempos políticos. E, às vezes, contrariando-os.

Portugal e Brasil dispõem, nos dias que correm, de um quadro mútuo de representação diplomática verdadeiramente excecional. Dois brilhantes diplomatas de ambas as carreiras - o brasileiro Mário Vilalva e o português Francisco Ribeiro Telles - têm vindo a revelar-se atores essenciais, na garantia da sustentação de uma presença diplomática ativa, diversificada e, sobretudo, inteligente. Julgo que, com eles, a diplomacia está a provar que, muitas vezes, nas relações bilaterais, é ela que pode fazer toda a diferença.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Ponto final

Já me tinha acontecido vestir fraque para, em conjunto com outros colegas diplomatas, apresentar cumprimentos de Ano novo ao chefe do Estado do país junto do qual estava acreditado. Mas nunca tinha previsto que isso me viesse a acontecer, como hoje sucedeu, junto do presidente da República do meu próprio país. O facto de ser diretor executivo do Centro Norte-Sul qualifica-me como representante do Conselho da Europa junto do Estado português. Não estive ali como português, mas sim enquanto chefe da representação em Portugal de uma organização internacional. Devo confessar que, pelo ineditismo da situação, achei graça à circunstância e àquele último passeio protocolar pelos espelhos e dourados de Queluz.
 
Salvo para algum casamento mais finaço, a minha labita entrou hoje, como o dono já estava, na merecida reforma. No final deste mês, por exclusiva vontade própria, vou deixar o cargo que tenho vindo a desempenhar, passado que foi um ano do seu exercício. Julgo que não poderia ter terminado essa função com uma nota mais curiosa. A cerimónia desta manhã acaba assim por ser o verdadeiro ponto final na minha ligação à diplomacia. Foram quase quatro décadas, muito interessantes. Mas, aqui entre nós que ninguém nos ouve, já não era sem tempo...

Moura

A fronteira é dos conceitos mais relevantes e interessantes da História. Em Moura, no dia 1 de fevereiro, vamos abordá-la em diversas dimensões.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Prós e Contras

Há uns anos, cruzei-me com Fátima Campos Ferreira num avião. Lamentou então que eu tivesse estado indisponível para aceitar um convite que, meses antes, me havia feito para participar num programa "Prós e Contras". Desconhecia por completo a existência desse convite. Explicou-me que, tendo telefonado para minha casa, a minha mulher lhe havia dito que eu não iria a esse debate. Terá achado que o tema me era inconveniente. Não há nada como ser casado com hábeis (e discretas) gestoras de imagem.

Há dias, estive no "Prós e Contras". O assunto era vasto: 2014. É sempre muito importante o futuro, porque, como alguém dizia, é nele que vamos passar o resto da nossa vida. O debate foi disperso, evoluindo por temáticas que, sendo previsíveis, eram de difícil preparação específica. Acabou por se polarizar, sem surpresas, entre dois dos convidados, que contrastaram posições e argumentos, na defesa tipificada de perspetivas totalmente opostas. Entre os amigos e conhecidos que ouviram as minhas quatro intervenções no programa, o sentimento maioritário foi de que eu falei pouco e que deveria ter sido mais interventivo. Alguns acham que fui pouco assertivo, outros que fui menos "diplomático" e mais "político" do que devia, com o primeiro qualificativo a ser tido por positivo e o segundo a querer ser negativo.

Ontem, num exercício entre o masoquista e o narcísico, revi o programa. No que nele me disse respeito, julgo que disse quase tudo quanto queria dizer. Ou dar-se-á o caso de estar a ser demasiado complacente comigo próprio?

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Remédio santo!

Era demais! Aquele embaixador português, conhecido notívago, abusava dos telefonemas tardios para os seus colaboradores, que assim viam o seu descanso interrompido, com as famílias já a protestar. Ninguém sabia bem o que fazer. Afrontar o chefe era uma opção arriscada, principalmente no caso dos conselheiros técnicos em serviço na embaixada, cuja renovação da comissão muito poderia depender do seu parecer. 

Um desses diplomatas, casado com uma americana, era a vítima mais regular das chamadas do embaixador. A sua mulher teve então uma ideia. Uma noite  o telefone tocou. A voz do embaixador surgiu do outro lado. O diplomata respondeu com um ar ensonado. E, ao lado, ouviu-se o arfar crescente da sua mulher, repetindo: "yes! Yes! YES!". O embaixador pediu desculpa e desligou. Foi remédio santo!

40 anos de abril

No dia 22 de janeiro, em Paris, vou ter o gosto de fazer uma palestra sobre o 25 de abril e as suas repercussões internacionais.

Espero que este ano de comemorações sobre a Revolução democrática se converta numa festa, que possa ajudar a colorir o cinzento dos dias que passam.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O toque do telefone

A introdução dos meus dados no computador prosseguia à velocidade necessária. Atrás do homem, um telefone tocou. O homem não atendeu. Passaram minutos. O telefone continuou a tocar. Passou um colega e perguntou ao homem a razão por que não atendia o telefone. O homem respondeu: estou a atender este senhor, respondo ao telefone quando terminar. Intervim para felicitar o homem, para dar-lhe razão, perante o colega que não deve ter gostado e algumas outras pessoas do público próximo, que senti divididas. Para mim, as coisas são claras: não se atende um telefone quando se está a atender alguém. É uma falta de atenção. Este episódio ocorreu há minutos.

Recordei-me então de duas cenas. A primeira foi "uma peixeirada", que, há uns anos, fiz ao balcão de banco. Estava a ser atendido por um empregado. Tocou um telefone e o empregado atendeu. Durante algum tempo, dedicou-se a dar informações pelo telefone, deixando-me de lado. Dirigi-me ao balcão ao lado e mandei chamar o gerente. O "meu" empregado continuava ao telefone. Pedi o livro de reclamações. O gerente estava aflito. Interrompeu o telefonema do empregado. Obrigou-o a tratar do meu assunto e a despachar a chamada telefónica. O empregado engrolou uma justificação de que tivera de interromper o meu assunto... porque o telefone tocara. Alto e bom som, deixei claro: "não admito que ninguém atenda um telefone quando está a tratar um assunto comigo. O telefone não pode ter prioridade sobre as pessoas que estão presentes.". Não sei se aprendeu.

Segunda cena. Uma grande figura da nossa diplomacia era conhecida por passar horas ao telefone. Sentávamo-nos em frente a ele no gabinete e éramos sistematicamente interrompidos por uma corte de amigos, conhecidos e personagens correlativos, a quem ele tinha dado o seu número direto ou para quem ele antes pedira um conjunto de chamadas, através da secretária. Esta consultava para tal a conhecida lista de telefones e endereços desse diplomata, manuscrita e há décadas rasurada, conhecida como "o livro de cozinha", com páginas soltas e nomes de mortos, que ele tinha pena de eliminar, o que chegou a originar confusões em fins de ano, porque para um deles chegou a estar preparado um cartão de Boas Festas, lamentavelmente tardias. Uma tarde, eu estava sentado frente a esse meu colega, tentando expor um determinado assunto e obter dele uma reação. A nossa conversa foi interrompida, sem exagero, aí umas seis vezes, por chamadas que chegavam. A certo ponto, "passei-me", levantei-me e fui para o meu gabinete. Telefonei-lhe. Respondeu-me de lá: "Anda aqui à minha sala. Ainda não acabámos a conversa!". Não hesitei: "Não vou. Se estou aí à tua frente, sou interrompido por algum telefonema. Assim, resolvemos isto pelo telefone, com a certeza de eu poder terminar o assunto". E assim fiz. Lembras-te, António?

O ator secundário

Este fim de semana, fui ao teatro. Era uma companhia paga com dinheiros públicos, isto é, nossos. A peça era fracota. Eu já sabia, mas tinha uma curiosidade quase masoquista em vê-la. Por uma qualquer razão, estive muito atento ao principal ator secundário e à sua relação cénica com o ator principal. Sempre achei interessante observar o papel que, em algumas peças, é desempenhado por quem, sendo um razoável artista, acaba necessariamente por sofrer a sombra da primeira figura. Era esse o caso. Já não é a primeira vez que dou comigo a pensar que alguns desses atores secundários têm um talento que talvez justificasse uma oportunidade num papel principal. Derivará essa impossibilidade de ascensão da má qualidade do "script", do grau de menor credibilidade ganha em "performances" anteriores, do modo como, nesse passado, terão ou não contribuído para êxitos da companhia, da forma como influenciaram negócios de bilheteira? Obrigado a um esforço de afirmação num papel que não dava para grandes voos, sujeito à necessária lealdade formal face à figura que é cabeça de cartaz, a qual vigiava a menor tentativa de protagonismo, numa peça onde a óbvia hierarquia artística condicionava a expressividade das diversas prestações, notei que o ator secundário se via, muitas vezes, obrigado a seguir um caminho estreito, de fino equilíbrio. Toda a sua coreografia, toda a interação com o público, passava-se sob esse angustiante dilema, que lhe limitava as marcações, que lhe impunha indesejadas barreiras no acercar da ribalta. Frequentemente, o público apercebia-se que havia ali uma vocação travada, mesmo uma evidente frustração. Em certos momentos da cena, ficou claro que o ator secundário foi tentado a correr alguns riscos, a dar-se ares daquilo que não pode ser, sofrendo, lá no íntimo, o facto de não lhe ter cabido o lugar de estrela da companhia. Olhamos para ele e sentimos isso bem, chegamos mesmo a ter uma simpatia pelo seu esforço, esquecendo até a mediocridade da peça. Estando do lado de fora do palco, observamos, quase divertidos, o óbvio combate surdo que dentro dele se trava. Um duelo que, no entanto, se vai prolongando enquanto houver público e palmas, apenas porque a bilheteira vai rendendo, porque "the show must go on" a todo preço, porque o elenco precisa de emprego. É que a sustentação de uma peça, por mais banal que seja, é independente do apreço que os atores possam manter ou não entre si. Conservarem-se em cartaz, fazerem prosperar o negócio, só isso justifica que continuem a contracenar, quiçá de mau grado, com uma camaradagem que pode ser apenas formal. E só isso faz com que um ator talentoso se sujeite à secundarização a que é votado. No íntimo, é capaz de já estar a pensar no futuro, noutras peças, noutras companhias, que lhe permitam manter-se em cena, porque ele alimenta-se do aplauso do público. E, por isso, lá vai andando, falando e rindo. Esta minha ida ao teatro não foi, como puderam deduzir, uma grande experiência. Mas foi uma oportunidade para notar que o público começa a declinar, farto desta farsa. Um destes dias saem do palco sob uma merecida pateada.

Prós e Contras

                            
Hoje à noite, na RTP1, vou participar no programa "Prós e Contras". Com Carlos Fiolhais, Ferreira Machado, Miguel Real e Nuno Garoupa discutirei os principais desafios nacionais do ano em curso.

domingo, 12 de janeiro de 2014

Gastronomia

O excelente blogue de gastronomia "Mesa Marcada" anunciará, no próximo dia 20 de janeiro, os nomes dos "10 restaurantes e chefes preferidos de 2013". Tive o privilégio e o gosto de integrar o júri desses prémios mas, infelizmente, vou estar fora do país na data dessa cerimónia.

Nessa semana, estarei em Paris, onde, no dia 22, farei parte com José Bento dos Santos, uma figura sem par no nosso país no que à gastronomia diz respeito, da "representação" portuguesa numa "session de travail" da "Académie des Psychologues du Goût", uma renomada confraria gastronómica, criada em 1922, de que ambos somos membros há vários anos.

Um gesto

Eu sei que o gesto não é vulgar no futebol, razão pela qual deve ser sublinhado, para exemplo ético-desportivo das novas gerações. Na noite de ontem, o Sporting Clube de Portugal, ciente de que uma eventual vitória sobre o Estoril "arrumaria" com o campeonato, decidiu, numa atitude de grande dignidade, deixar que o jogo chegasse ao fim empatado. Viu-se claramente que o desperdício de alguns golos teve um intuito deliberado, o que revela bem o nível de controlo sobre os jogadores que Leonardo Jardim consegue manter. Desta forma, o Sporting permite que hoje, num espetáculo muito interessante que terá lugar num estádio perto do Colombo, na freguesia e bairro de Carnide, qualquer das duas equipas que denodadamente disputam o 2° lugar na Liga possa ter a possibilidade de, pelo menos por uma jornada, assumir a liderança formal da classificação. Está nas mãos de uma delas ter essa efémera glória. Se acaso empatarem, não se queixem! Fizemos o que estava ao nosso alcance para terem essa alegria breve. E, claro, não damos mais abébias. Acabaram-se as festas e o período em que isto era "a feijões".

sábado, 11 de janeiro de 2014

Ariel Sharon

Depois de um muito longo coma, foi anunciada a morte do antigo primeiro-ministro israelita Ariel Sharon.

O mundo quase se havia esquecido dessa figura intransigente da direita israelita, celebrada pela arrojada travessia militar do canal do Suez, na guerra do Yon Kippur, em 1973, e, mais tarde, por fortes responsabilidades no massacre de Saabra e Chatila, no Líbano, em 1982. Deve-se ainda a Sharon, no entender de muitos observadores, a deliberada "provocação" que deu origem à segunda Intifada, após a sua ostensiva visita à esplanada das mesquitas, em 2000.

Recordei os dias em que, em 1978, acompanhando o então ministro da Agricultura e Pescas português, Luis Saias, visitei o seu "bunker" na propriedade familiar que tinha no deserto do Negev. Sharon era, então, ministro da Agricultura do seu país. Guardo fotografias desse momento.

Sharon era uma figura rotunda, com um ar um tanto "patronizing" mas com alguma cordialidade, de onde transparecia uma autoridade natural que advinha, sem dúvida, dos seus tempos militares. Na lógica tradicional da composição dos governos israelitas, cujo sistema eleitoral "balcaniza" o executivo por uma imensidão de partidos, a Sharon calhara a Agricultura, como mais tarde iria caber a Habitação. A importante dimensão político-estratégica destes cargos ia, porém, muito para além da tecnicidade do lugar, pelo que as conversas com o seu homólogo português - cuja especialização era, aliás, também limitada - não passaram de vagas generalidades.

A visita correu bem, com demonstrações de simpatia pessoal de parte a parte, com alguns projetos de cooperação técnica assinados. No seu termo, Luis Saias informou-me que decidira convidar aquele seu homólogo a visitar Portugal. A seu ver, a amabilidade com que este o recebera tinha de ser recompensada. Expliquei então ao nosso ministro que, como diplomata e representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros na delegação, desaconselhava vivamente que convidasse Sharon a ir a Lisboa. A posição portuguesa no delicado equilíbrio da questão do Médio Oriente era muito cautelosa e o MNE nunca viria a aceitar dar "luz verde", naquela conjuntura, à concretização do convite.

(Antes da nossa partida para Israel, como já relatei aqui há tempos, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sá Machado, havia-me transmitido pessoalmente as linhas "limite" de enquadramento desta visita técnico-política. Um convite para uma visita de Sharon a Lisboa ia, claramente, muito para além dessas instruções).

Luis Saias não teve em conta as minhas objeções e, na conferência de imprensa final (em que eu tive de traduzir o que disse...), deixou expresso o convite para Ariel Sharon visitar Portugal. Saias deixaria de ser ministro tempos depois, com o fim do governo PS-CDS. Para a História, Sharon não veio a Portugal.

(Adaptação de um post aqui publicado há mais de três anos)

"Cherchez la femme!"...

"Parecia que não partia um prato..." foi o comentário mais suave que ontem ouvi, num jantar maioritariamente feminino, a propósito das aventuras românticas a que é associado o presidente François Hollande. A ser verdade o que a imprensa rosa publica, logo seguida com hipócrita indignação pela avidez da restante comunicação social, Hollande não foge muito à tradição da grande maioria dos seus antecessores, que a História acabou por provar que mantiveram "affaires" extraconjugais, que aparentemente lhes atenuavam o peso das responsabilidades do Eliseu. Há uns anos, uma amiga ofereceu-me um curioso livro intitulado "Sexus politicus", que inventaria muitos deste pecadilhos.

Praticamente à exceção do general De Gaulle, a quem se não conhecem desvios à fidelidade a dona Yvonne, há em França relatos ou rumores sobre a quase generalidade dos seus presidentes, desde um que morreu no próprio palácio durante um desses encontros afetivos até outro, já mais recente, cuja rapidez no ato era resumida na célebre frase "dix minutes, douche comprise". 

O chefe do Estado francês sobre o qual há mais dados conhecidos neste domínio, talvez porque foi o primeiro que teve a desagradável experiência de ver a comunicação social quebrar a tradição de encobrimento público que até aí vigorava, foi François Mitterrand, cuja aura passou das políticas socialistas às aventuras amorosas. Ora sendo François Hollande um confesso seguidor de Mitterrand...

Alguma França puritana não vai achar graça ao facto do seu presidente poder estar envolvido num "affaire" desta natureza. Mas essa França já não gostava de Hollande. Posso estar enganado, mas fico com a sensação de que, numas próximas sondagens, François Hollande pode vir a beneficiar desta historieta, em termos de apreciação pública. Essa é a "graça" de um país como a França onde, tal como nos romances policiais, a resposta para muitas questões se encerra na expressão "cherchez la femme!"

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Ainda Eusébio

O debate sobre se os restos mortais de Eusébio devem ou não ir para o Panteão Nacional parece-me enfermar de alguma imprecisão. Vejo muito poucas pessoas preocupadas em olhar para o que diz a lei:
 
"As honras do Panteão destinam-se a homenagear e a perpetuar a memória dos cidadãos portugueses que se distinguiram por serviços prestados ao país, no exercício de altos cargos públicos, altos serviços militares, na expansão da cultura portuguesa, na criação literária, científica ou artística ou na defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e da causa da liberdade".
 
Uma coisa é clara: o debate sobre se Eusébio merece ou não ser escolhido para poder vir a estar em Santa Engrácia só deve ter lugar depois de se confirmar que ele configura um dos casos tipificados na lei.
 
Alguém quer apostar comigo em como, dentro de um ano, período antes do qual a decisão não pode ser tomada, vai surgir uma polémica sobre a vírgula que figura no texto entre "ao país" e "no exercício"? Alguns dirão, atendo-se ao texto antes da virgula, que ele permite distinguir quaisquer "serviços prestados ao país". Outros dirão que esses "serviços" são apenas os que, após a vírgula, são elencados. E vai ser a Assembleia da República, com a mesma "competência" jurídica que pode ter criado esta ambiguidade, que se vai pronunciar, fazendo a leitura "autêntica" do diploma que ela própria gerou. 

Boas notícias e uma incógnita

Nem tudo são más notícias, do lado da Europa.
 
As últimas previsões, no tocante ao futuro presidente da Comissão europeia, dão conta de que o nome do antigo primeiro-ministro luxemburguês, Jean-Claude Juncker, pode vir a ser o eleito do setor conservador. Do lado dos socialistas, o atual presidente do Parlamento europeu, Martin Shultz, está já definido como candidato.
 
Em ambos os casos, estamos perante figuras que têm uma leitura do projeto e do processo europeu que basicamente se coaduna com os interesses de um país como Portugal. Sabemos que isso não é uma condição suficiente para que as coisas venham a correr bem para as "nossas cores", mas já seria uma boa ajuda.
 
Uma incógnita permanece: o nome do presidente do Conselho europeu, que substituirá Van Rompuy. Esta nova figura institucional, em má hora "inventada" pelo Tratado de Lisboa, é uma espécie de administrador dos poderes que o Conselho recuperou da Comissão. É um lugar decisivo, devendo nós estar atentos ao que o nome a escolher puder significar. Uma coisa teremos de ter por certo: será um nome da total confiança da chanceler alemã.

Estatística

O governo informou que 95% dos pensionistas estarão isentos do pagamento do "complemento extraordinário de solidariedade", que abrangerá as pensões superiores a 1000 euros.

Fica-se assim a saber que, em Portugal, 95% dos pensionistas vivem com menos de 34 euros por dia.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Futurologias

Talvez porque as pessoas já andem muito "escaldadas", tenho a sensação de que são cada vez menos populares as "previsões" feitas no início de cada ano. Lembro-me que, não há muito tempo, éramos inundados por diversos "videntes" domésticos, que nos anunciavam coisas várias para os 12 meses seguintes. Isso parece ter-se atenuado. Confesso que não sou muito atento a estas temáticas, mas esse "pelouro" parece-me que surge quase cativo da esticada Maya, uma espécie de bruxa social de serviço, com ar cada vez mais "asiático", que me surge em "zappings" e capas de revista.

Mas o mercado não está fechado: ontem, nos Restauradores, um africano estendeu-me um papel publicitário de um tal "professor qualquer coisa", que, entre outros "poderes", se declarava vidente e capaz de prever o futuro. Só o meu crescente ceticismo, adubado por meses de previsões para o país que nunca (mas nunca!) acertaram, é que me levou a dar ao papel o destino que espero para todos os videntes deste jaez.
 
Há, contudo, outro modelo de antevisão que se pretende mais sério e credível. Estou, em especial, a lembrar-me da publicação de "The Economist", no início de cada ano, intitulada "O Mundo em ...". Há uns tempos, em férias, encontrei duas dessas publicações, referentes a anos idos, e, por uns minutos, entretive-me a fazer uma comparação entre o que nos havia sido antecipado como possível futuro e a realidade dos factos que vieram a acontecer. Nem imaginam a diferença! Mesmo uma das revistas mais bem informadas do mundo - e talvez a melhor publicação que conheço, independentemente da sua orientação político-ideológica - revela-se incapaz de prever o curso das coisas.
 
Isto não significa que a edição do "The Economist" tenha interesse. O modo inteligente como as principais questões são selecionadas e colocadas é já meio caminho andado para nos ajudar a pensar melhor o que aí virá. Porém, daí a acertar em matéria de previsões vai uma grande distância. A realidade é sempre muito mais imaginativa que os homens.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

A identidade cultural europeia

Recomendo vivamente a leitura do livro "A identidade cultural europeia", de Vasco Graça Moura. Trata-se de um ensaio muito lúcido e informado sobre o processo europeu. É um texto realista, desencantado sem ser nostálgico, que coloca o sonho europeu no lugar que lhe deve competir, à luz da estratégia considerada adequada para um país como Portugal.
 
Vasco Graça Moura é uma personalidade maior da cultura portuguesa. Poeta, ensaísta e tradutor, é um intelectual com forte presença no espaço público. Não se esquiva a polémicas, não procura ser consensual, defende com desassombro ideias e pessoas, quando as entende dignas desse seu empenhamento. Nesta sua radiografia do projeto europeu, que não pretende subordinar-se ao "politicamente correto" do europeísmo oficioso, assume uma heterodoxia que nos ajuda a pensar fora dos quadros vulgares, chamando as coisas pelos nomes que entende próprios. Podemos não concordar com tudo o que escreve - a mim, isso aconteceu-me várias vezes, ao longo do texto - mas nunca nos deixa indiferentes. Essa é a qualidade que se exige a um intelectual.  

O flagrante


Os protagonistas são de língua espanhola. A historieta é muito antiga e é um clássico das atribulações afetivas da vida diplomática. Foi-me recordada ontem, durante um almoço com colegas.

Numa determinada capital, o embaixador mantinha uma relação sentimental com a mulher de um jovem colaborador. Um dia, por um desencontro de agendas, o diplomata entra na sua residência e encontra o chefe em "vias de facto" com a sua esposa.

Ao embaixador, assumindo a fragilidade em que a situação o colocava, preparado, quem sabe?, para um ajuste de contas, só lhe ocorre dizer:

- Estou à sua disposição!

O jovem diplomata, com um sentido de avaliação da conjuntura e uma capacidade de reação que prenunciava já uma bela carreira, ter-lhe-á respondido:

- Quero um novo posto, com promoção.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Estádio Eusébio

Gostava muito que a final da Taça de Portugal, a partir desta época, passasse a ser disputada no Estádio Eusébio.

O mistério

Governantes empolgados louvam a importância das exportações para a nossa economia. Em encontro com a diáspora de sucesso, o chefe do Estado sublinha a necessidade da promoção externa do país, com vista a cativar o investimento estrangeiro. Os empresários turísticos afadigam-se a explicar que Portugal deve promover a sua oferta em cada vez mais mercados. Todos entendem decisivo garantir a valorização do actual esforço financeiro português junto dos nossos parceiros e instituições.

As relações com antigas colónias degradam-se, sendo necessário sustentar persistentes esforços de diálogo, em várias dimensões, para as reconduzir à normalidade. Empresas portuguesas expandem a sua actividade em novos mercados, nos quais importa acompanhar com atenção a sua presença e a dos seus trabalhadores. A emigração portuguesa aumenta exponencialmente para vários países, em números que se equiparam aos dos anos 60 do século passado, requerendo esses novos migrantes e suas famílias apoio e aconselhamento consular.

Escritores, artistas e figuras da intelectualidade portuguesa são hoje admirados pelo mundo, sendo vital aproveitá-las como “soft power” de prestígio para recuperação da imagem do país. A CPLP, sendo a única instância multilateral onde Portugal tem uma posição nuclear, deve funcionar como alavanca para a promoção da língua portuguesa, que tem no ensino no exterior um dos veículos essenciais. Uma política para o mar, onde Portugal dispõe de vantagens comparativas à escala de uma potência, obriga a um esforço multilateral de grande envergadura.

Elenquei alguns dos muitos desafios que competem hoje à nossa diplomacia. A acção externa revela-se um dos terrenos essenciais onde Portugal pode encontrar soluções para a superação das suas debilidades, para ajudar à recuperação da sua soberania e imagem.

O “Seminário Diplomático” que ontem e hoje decorre, reunindo governo e diplomatas, vai, com toda a certeza, trazer respostas concludentes para o facto de um Ministério que já tinha uma das mais baixas dotações do Orçamento Geral do Estado (inferior a 1%), nele ter sofrido um dos maiores cortes de todos os departamentos oficiais (11,2%). Vai também, estou certo, explicar porque tem vindo a diminuir drasticamente o número de diplomatas, técnicos e funcionários administrativos do MNE, em Portugal e na nossa rede externa. Deve, seguramente, dar conta clara da racionalidade subjacente à redução e descapitalização funcional de postos consulares em tempo de maiores migrações, à diminuição dos professores junto dessas comunidades emigradas, à imensa quebra das verbas atribuídas ao Camões para a ação cultural. E permitirá, não tenho a menor dúvida, fazer entender o modo como a redução das quotizações e contribuições devidas às organizações internacionais se torna consequente com uma política externa capaz de estar à altura da defesa dos interesses do país. Estou certo que o “Seminário Diplomático” vai esclarecer tudo isso. Até lá, continuará o mistério dos Negócios Estrangeiros.

* Artigo que hoje publico no "Diário Económico"

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Confissão tardia

Os brasileiros dizem "caiu a ficha" para designar o instante em que uma certa informação nos desencadeia um reflexo de memória. Foi o que me aconteceu, há dias, quando, ao selecionar os livros que ia doar à Biblioteca Municipal de Vila Real, deparei com "A Sociedade da Abundância", de John Kenneth Galbraith, uma edição de 1963, da "Sá da Costa".
 
O livro original é de 1958 (!) e, à época, foi considerada um obra fundamental daquele famoso economista (e também embaixador americano na Índia, período de que resultou uma memória muito interessante, o "Ambassador's Journal"). A tradução (verifico agora) é de Henrique de Barros, uma grande figura que viria a ser ministro e presidente da Assembleia da República.
 
Aí por 1967 ou 1968, eu costumava passar por aquela Biblioteca, em algumas tardes de férias. Era o tempo em que ela funcionava no rés-do-chão do município, com entrada junto ao liceu. Requisitava um livro ao sr. Agostinho e, lido que fosse, devolvia-o e pedia outro. "A Sociedade da Abundância" terá sido a única exceção a esta regra, talvez por ter sido o último livro que por lá pedi. Fui ficando com ele, julgo que a certa altura já tinha acanhamento de o devolver. Tenho mesmo a ideia de que, às vezes, me furtei ao olhar do sr. Agostinho, pelas ruas da cidade, quando com ele me cruzava.
 
Resolvi há dias esta questão, enviando definitivamente o livro, com muitos outros, para a Biblioteca, no âmbito da doação de que aqui falei. Mas será que ele deve integrar o meu espólio? O Vitor Nogueira que decida...   

História retocada

A fuga da sinistra prisão de Peniche, protagonizada em 1960 por Álvaro Cunhal e nove outros dirigentes do PCP, foi há dias recordada por esse partido.
 
Há poucas semanas, o PCP publicou também uma interessante fotobiografia de Álvaro Cunhal, comemorativa do centenário do seu nascimento.

Não posso deixar de sentir pena que, no primeiro dos casos, durante décadas, o PCP tenha escamoteado, em todos os seus textos, que Francisco Martins Rodrigues fazia parte do grupo que integrou a audaciosa fuga. Porquê? Porque, meses após esse importante momento, Martins Rodrigues viria a abandonar o PCP e protagonizou uma dissidência de esquerda.

E lamento muito que agora, numa clara manifestação de sectarismo, os autores da oficiosa fotobiografia tenham manipulado a imagem em que Cunhal aparece sobre um tanque, na sua chegada ao aeroporto de Lisboa, em 29 de abril de 1974, dela retirando a imagem de Mário Soares, que estava igualmente ao lado do líder do PCP, e que, com esse gesto, dera um magnífico exemplo de solidariedade democrática. Nem Mário Soares merece este ato censório, nem a memória de Álvaro Cunhal fica com ele melhor servida.

O PCP foi um partido que, como nenhum outro, lutou pelo fim do regime que os militares derrubaram em 1974. Muitos homens e mulheres comunistas sacrificaram anos das suas vidas ao seu ideal, sofreram prisões, torturas e perseguições. Por isso, os comunistas não têm necessidade de esconder a realidade para retocar a sua história.  

domingo, 5 de janeiro de 2014

O senhor Eusébio


Todos devemos reconhecimento a quem nos fez sentir felizes. Eusébio foi responsável por alguns momentos de alegria que tive. Agora, hora da sua morte, agradeço-lhe por isso.

Eusébio costumava contar que, quando chegou a Portugal, feito pé-de-obra colonial, tinha tanto respeito pelos seus colegas já consagrados que tratava o "capitão" Mário Coluna por "senhor Coluna". Pela consideração que a sua figura me merece, apetece-me hoje tratá-lo por senhor Eusébio.

ps - esta excelente foto de Nuno Ferrari, no momento em que Portugal começou a reduzir os três golos que a Coreia do Norte nos tinha imposto, durante o Mundial de 1966, passou a representar, para mim, a imagem da determinação e da garra que é necessário ter quando as coisas correm mal e é urgente "dar a volta" à vida. 

O meu amigo Eros

Salvo para alguns leitores brasileiros, o nome de Eros Grau pouco dirá. Um dia, na embaixada francesa em Brasília, fiquei sentado num jantar perto dessa figura imensa, de barba inesquecível, que eu já tinha visto na televisão. Mas nunca tinha encontrado pessoalmente o juíz do Supremo Tribunal Federal, um dos onze que compõem a instituição. Recordo-me de ter-lhe dito que, na madrugada anterior, estivera deliciado a ouvi-lo, num animado debate jurídico em que ele interviera. Citei mesmo uma frase curiosa, que ele pronunciara nessa circunstância. Eros Grau olhou para mim, surpreendido com a inesperada atenção que eu dava à vida do judiciário brasileiro: "Nem minha sogra viu! Você, embaixador, perde tempo com isso?". E deu uma imensa gargalhada. Foi o início de uma primeira longa conversa.

Eros Grau é um distinto jurista e intelectual brasileiro, professor universitário, autor de dezenas de obras, especialmente na área do Direito económico. Tem em Tiradentes uma fantástica biblioteca de mais de 30 mil volumes. Gosta da vida e gosta dela com a Tânia, com a família, com os amigos, alguns criados ao tempo da luta contra a ditadura brasileira, período em que esteve preso. Entusiasma-se por causas, é um furioso defensor da ética na política, o que lhe tem valido, nos últimos anos, remoques de antigos amigos. É uma das pessoas mais divertidas que conheço, culto "à bessa" (como dizem os brasileiros), com limite curto de paciência para os "chatos de galocha" que o mundo às vezes nos coloca à frente.

Desde essa noite de Brasília, passou entre nós uma corrente de simpatia, que viria a ser cimentada por visões comuns da vida. Com os anos, Eros passou de um conhecido a ser um grande amigo meu. Hoje é um amigo íntimo, como tenho muito poucos, daqueles quecse contam pelos dedos de uma mão. Longas noites passámos na charla, acompanhada de álcoois, histórias e gargalhadas, primeiro no Brasil, depois muito em Paris, onde Eros Grau, hoje aposentado do judiciário, mas bem ativo, tem uma residência e também trabalha. Viajámos juntos pela Europa. Comungamos paixões por muitas coisas, somos cúmplices de outras, trocamos alguns segredos.

Eros escreveu um livro de que já aqui falei um dia e que faz furor junto dos muitos brasileiros que amam Paris: "Paris - Quartier Saint-Germain-des-Prés". Uma noite de domingo, na brasserie Lipp, uma brasileira aproximou-se da nossa mesa, volume em punho, para lhe pedir um autógrafo. Enquanto o Eros laborava na dedicatória, a senhora voltou-se para mim e perguntou: "Você deve ser o Francisco, não?". É que o Eros começa um dos seus capítulos do livro dizendo que, aos domingos, ele e a Tânia juntavam invariavelmente conosco na Lipp...

Hoje à noite, domingo, nessa mesma Lipp, o Jean-Louis "arrumará" uma mesa para a Tânia e para o Eros, naturalmente do lado direito da sala. Aposto que o Eros começará por pedir o arenque Bismark (que não sai da lista desde dos anos 20), seguir-se-á a "leve" choucroute, para tudo acabar num "mille feuilles au kirsch", a partilhar com a Tânia. Ah! tudo regado com um Chablis. Atravessado o boulevard, o café será servido no "Flore" (na mesa à esquerda da porta que, para si, leitor, terá um inultrapassável "reservée" metálico), com o Francis a ordenar a saída do "médicament", nome com que o Eros crismou para sempre uma "poire william" que o meu fígado já não ousa há décadas.

Porque falo nisto hoje? Porque acabo de me dar conta que, no dia 20, segunda-feira, chegamos nós a Paris, vamos jantar à Lipp e nela não estarão a Tânia e o Eros, já então de abalada para o Brasil. Caro Eros, contrariamente ao que dizia o teu querido sósia de Trier, nem sempre a História se repete. Ou melhor, sem ti, como ele também afirmava, é tudo uma farsa.

Em tempo: o Eros e a Tânia acabaram pir alterar a sua partida para o Brasil para jantar conosco, um dia na Lipp (o Eros diz "o Lipp", eu digo "a Lipp", por respeito ao género da "brasserie") e outra na Closerie de Lilas. Noites bem divertidas, que invariavelmente acabaram no Flore, com o Francis a mostrar-nos retratos da sua neta "moitié portugaise".

sábado, 4 de janeiro de 2014

A realidade nos matraquilhos

("Um verdadeiro sportinguista não deveria contar esse episódio no blogue", disse-me o meu leonino interlocutor, com ar pré-censório, quando ontem lhe relatei que ia escrever o que se segue. É isso: eu não devo ser um "verdadeiro" sportinguista, sou, muito simplesmente, um sportinguista sincero, que não teme os factos. Por isso, aqui vai a historieta.)

Foi num dia da primeira metade dos anos 80, perto de S. Bento da Porta Aberta. Aquele meu amigo, então com casa no Gerês, onde passávamos belos dias de férias, era - e é - um leixonense dos quatro costados. Nessa qualidade, detesta tudo o que lhe "cheire" a Futebol Clube do Porto. Assisti a episódios homéricos, decorrentes desta inultrapassável fobia.

Por esses dias, o seu objetivo era adquirir uma mesa de matraquilhos, se possível em segunda mão, para apoio lúdico à moradia no Gerês. Nessa tarde de verão, tínhamos parado para beber uma cerveja, num café de estrada. À entrada, notámos um letreiro: "Vende-se mesa de matraquilhos". Vinha mesmo a calhar!

Enquanto eu me deliciava com um "fino" atremoçado, o meu amigo partiu para a cave, com o dono do café, para ver a mesa à venda. Não eram decorridos mais do que uns breves instantes quando ouvi uma troca de argumentos e vi o meu amigo emergir da escada, arfando e exclamando: "Era o que faltava! O gajo é 'andrade'!". E, passando por mim, a caminho do carro, anunciou: "Já não bebo nada! Aqui nunca mais venho". E saiu, disparado. Fiquei curioso: seria apenas pelo facto de ter constatado que homem era portista que o meu amigo se recusara a fazer o negócio? Mesmo para um leixonense radical, era demais!

Quando, acabado o "fino", regressei ao automóvel, decifrei o mistério. Não, não fora a circunstância do proprietário do café ser adepto do FCP que provocara a cena. A reação devera-se ao facto de uma das "equipas" dos matraquilhos ter o azul do equipamento portista. Para o meu amigo, a saída do verde-vermelho tradicional era lamentável. E então ter "o Porto" em casa, isso seria impensável!

Para mim, esse acabaria por ser um momento significativo. Nunca vira, em Portugal, uma mesa de matraquilhos cujos bonecos não tivessem as cores do Sporting e do Benfica. Mas o mundo tinha mudado. O Porto entrava, por legítimo direito, nesse "campeonato" do imaginário. Não era uma constatação que deixasse feliz um sportinguista. Mas era o que era.