terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Maurice Duverger


Acabo de ter conhecimento de que morreu Maurice Duverger, aos 97 anos. Confesso que não tinha ideia de que ainda fosse vivo. 

Consagrado constitucionalista francês, os seus trabalhos sobre os partidos políticos e a V República, bem como os seus manuais académicos dedicados à ciência política e direito constitucional, educaram várias gerações. Duverger tinha o grande mérito da clareza de escrita, que não afetava o seu elevado rigor conceptual. Teve uma considerável influência em Portugal, nos anos 70, ao tempo em que o debate constitucional português estava no auge. Mas também sempre teve por cá os seus detratores.

Por razões académicas e políticas, Duverger foi um autor que li bastante. Tenho ainda imensa coisa escrita por ele e, há meses, ao arrumar livros para seguirem para o meu espólio na Biblioteca de Vila Real, deparei com o 2º volume do seu clássico "Institutions politiques et droit constitutionnel", editado pela PUF na famosa "Thémis", dedicado ao sistema político francês. E lembrei-me do instante em que o comprei (tenho uma forte memória da compra dos meus livros).

Um dos meus hábitos, nas tardes lisboetas de muitos sábados, entre 1969 e 1973, era visitar a "Livrelco", uma cooperativa livreira universitária situada num 1º andar de uma transversal à avenida da República. Tal como já acontecera no Porto, com a congénere "Unicepe", eu era sócio da "Livrelco", o que me permitia adquirir livros com algum desconto. Por lá passava com alguma regularidade, à cata das novidades, portuguesas ou estrangeiras, que estivessem ao alcance da minha bolsa de então.

Numa dessas tardes, embora o preço fosse elevado, decidi-me a comprar o 2º volume da obra de Duverger que antes referi. A evolução do sistema político francês era um assunto que sempre me fascinara e achei que ganharia muito em ler o que o politólogo escrevera sobre ele. 

Descia eu as escadas da "Livrelco", talvez com a intenção de me ir sentar a apreciar o livro na esplanada da "Granfina", ali próxima, quando me cruzei com um colega e amigo, que subia para a livraria. Falámos brevemente e mostrei-lhe, orgulhoso, a minha aquisição, aliás bem cara. Detetei alguma preocupação na sua cara. Perguntou-me se havia por lá mais algum exemplar do volume. Disse-lhe que tinha a ideia de que era exemplar único. O fácies dele cerrou-se ainda mais. "Que chatice!", disse. "Porquê?". inquiri. Olhando para os lados, não fosse alguém ouvir, confessou-me: "É que, na semana passada, "saquei" de cá o primeiro volume; hoje, vinha "sacar" esse..."

Não sei se foram apenas os "saques" que fizeram a "Livrelco" entrar numa crise, um ou dois anos depois, obrigando a uma intervenção das Associações de Estudantes, que ocuparam os respetivos corpos gerentes. Fiz parte dessa lista e achei imensa graça ao facto daquele meu amigo, também apaixonado pela obra de Duverger, mas cujas obras adquiria por "saque", integrar o ... Conselho Fiscal!    

2 comentários:

Anónimo disse...

Sopraram-me, dado o movimento de chineses, que o governo pensa em vender o Palácio de Queluz.

Se fôr é obra

Zé d'Adega

maria franco disse...

Pois é, mas passados tantos anos
esse termo "sacar", palavra feia
acho eu, tem continuado em muitas
vertentes. Talvez tenha a ver com
honestidade, esta sim uma palavra bonita mas que muitos não utilizam.
Tem um bem precioso "memória".
M.Júlia