sábado, 25 de outubro de 2014

Os adesivos

Um dia, no Brasil, ao tempo em que eu era por lá embaixador, uma figura da Justiça aproximou-se de mim, depois de um jantar, e perguntou-me, discretamente, se eu conhecia uma determinada pessoa. O nome não me dizia nada, pelo que devo ter respondido negativamente. "É estranho, porque há uma fotografia dele consigo num processo que lhe foi movido por uma grave acusação e pelo qual ele está em prisão preventiva".

Fiquei siderado! Tomei nota do nome do detido e, também discretamente, para não colocar em causa a pessoa que, para me alertar, quebrara o segredo de justiça, procurei informar-me sobre quem era. Não foi fácil. Para um embaixador português que, num país como o Brasil, é uma figura com uma alguma exposição, que se cruza com largas centenas de pessoas, onde é coisa comum tirar fotografias com quem se acaba de conhecer em ocasiões públicas, a possibililidade de ser visto ao lado de uma "pessoa errada" é muito elevada. E, tempos mais tarde, vim a entender o que tinha acontecido: num grande jantar em casa de uma amiga essa figura havia também estado presente e, a certo ponto, tinha pedido para tirar uma fotografia comigo. O que é que eu poderia ter feito?

Um amigo brasileiro, que foi algumas vezes ministro, a quem contei o episódio, deu-me uma "dica" preciosa: "quando alguém desconhecido lhe pedir, numa festa ou numa ocasião pública, para tirar uma fotografia consigo, e não havendo razão para você poder recusar isso, convide de imediato alguém seu conhecido que esteja por perto para se juntar ao retrato. Assim, você nunca ficará sozinho numa fotografia com alguém que não conhece". Conselho sábio.

Vem isto a propósito de uma cena que ontem testemunhei na televisão, na qual António Costa é "apanhado" a cumprimentar, num encontro que se vê que é totalmente casual, alguém que se verifica ser um burlão perseguido pela Interpol (a polícia portuguesa, pelos vistos, anda bastante distraída) que, tal como centenas de outras pessoas, teve acesso a essa sessão aberta ao público. Naturalmente que "dá jeito" a quem agora começa a assustar-se com a crescente popularidade do futuro líder socialista explorar, de forma algo miserável, este tipo de ensejos, por forma a criar uma subliminar impressão de convívios inconvenientes. 

Não sei o que aconteceu ao presumível delinquente com quem fui fotografado no Brasil, nem faço ideia se figuro ainda num qualquer caixilho, em sua casa ou na sua cela. Mas, ontem, senti-me bem solidário com António Costa na operação em que pretenderam envolvê-lo.

3 comentários:

Anónimo disse...

É uma injustiça, Senhor Embaixador! Uma injustiça! Eu também tenho mandato de captura da Interpol, que se perdeu entretanto no crash do Citius, e também fui, mais a minha Lizette, abraçar o Costa, o que era fácil, até o Al Baghdadi tinha entrado, com as bombas e com as virgens todas, naquela sala do antigo Cinema Roma, nicles de segurança! O Costa não percebeu de todo quem eu era, mas abraçou-me mesmo assim, e não é que a minha Lizette falhou a fotografia?!! E eu que já a tinha apalavrada para alguns jornais… E agora este carreirista passa-me à frente, a mim, Feliciano da Mata, conhecido gentleman cambrioleur… Não é justo, Senhor Embaixador, não é justo!

a) Feliciano da Mata, cavalheiro de indústria

EGR disse...

Senhor Embaixador: ontem o telejornal de SIC-N foi um excelente aviso para o que aí vem relativamente a António Costa; além do caso do "diplomata" houve outro em que o se dizia que Antóno Costa fez um discurso em que dava "uma no cravo outra na ferradura"
Jornalismo do melhor...

ignatz disse...

os incómodos que o costa evitava se o convidasse para assessor de imagem. aguarda-se a todo o momento um belo gesto. de luva branca ou, como diriam os franceses, "chapeau!"