sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Escócia

Tal como já tinha acontecido com o Quebeque, a Escócia acabou por optar por uma solução de "conforto", recusando a aventura de se cindir de um país com expressão à escala global. É um resultado que não surpreende.  A ter sido outro, a História a médio prazo da Europa iria ser diferente e tornar-se-ia bastante mais imprevisível. Este é um mau dia para os independentistas catalães.

13 comentários:

ignatz disse...

"É um resultado que não surpreende."
se ganhasse o sim ou se empatassem, coisa em que vexa é especialista, tamém não surpreenderia.

Anónimo disse...

Afinal, o peso do Império britânico sempre se fez sentir, a incerteza de não saber se levariam 2 ou 20 anos a voltar a integrar a UE também assustou e, "last but not the least", a saída, sem retorno, da esfera de influência "world wide" do RU não compensou as virtualidades da independência.
"Wise guys", estes escoseses.

Francisco Seixas da Costa disse...

O ignatz, claro, não leu este blogue há três dias : "Algo me diz que os escoceses vão rejeitar a independência ". Defeitos de quem só vê para um lado. E quando é que cria um blogue onde, com o seu nome, dá a cara pelas suas opiniões?

Francisco Seixas da Costa disse...

O ignatz, claro, não leu este blogue há três dias : "Algo me diz que os escoceses vão rejeitar a independência ". Defeitos de quem só vê para um lado. E quando é que cria um blogue onde, com o seu nome, dá a cara pelas suas opiniões?

Anónimo disse...

Deixem-se de coisas! Quem votou foram os HABITANTES da Escócia e não quem lá nasceu. Esta regra incluiu 400.000 não-escoceses, ao mesmo tempo que deixou de fora 1.600.000 naturais da Escócia.

O "não" venceu por 380.000 votos. É só fazer as contas.

Quanto aos Catalães, o mau dia para eles foi aquele em que foram obrigados a pertencer a um país que nem o direito à autodeterminação lhes reconhece. O RU, ao menos, com ou sem "truque" relativamente ao direito a voto, mostra ser um país muito mais avançado.

Defreitas disse...

L'"establishment" britânico e europeu, e mesmo americano, manifesta grande satisfação pelo "NO" dos Escoceses. Todos temiam o efeito de dominós na Europa se o resultado fosse outro.

Os Escoceses ganharam a partida, mesmo assim, porque obtêm mais largos poderes.

Mas o que me intriga é o facto que os Ingleses, quero dizer os habitantes da Inglaterra, não se sintam inferiorizados em relação aos Escoceses, Gauleses e Irlandeses, que têm todos o seu Parlamento próprio, ou seja o poder legislativo, enquanto que a Inglaterra é a única nação do Reino Unido que não tem o poder legislativo próprio.

Ainda mais: Na Câmara dos Comuns, os legisladores escoceses, gauleses e irlandeses podem votar todas as proposições de leis, mesmo aquelas que não concernem os seus "países"!

Por exemplo: a privatização parcial dos hospitais ingleses foi votada pelos escoceses, gauleses e irlandeses! Mas na Escócia não !

Outro exemplo: O aumento do preço das universidades inglesas foi aprovado pelos ingleses e os irlandeses, mas não pelos escoceses! Mas na Escócia, a universidade é gratuita!

Os ingleses são realmente "fair play" ! Como se lhes dissessem : " Sê Inglês a cala-te" !

ignatz disse...

não só li, como reti, foi 1 e 2, só lhe faltou o x. opinião=zero, palpite=não, mas tamém não me admirava se fosse sim.

"Algo me diz que os escoceses vão rejeitar a independência. Mas isto vale o que vale. Há três meses, também não acreditava que, tal como nas histórias de cowboys, os bancos também pudessem ser divididos em "bons" e "maus"."

josé ricardo disse...

Não necessariamente mau para os catalães. Estou em crer que não devemos transpor, linearmente, a experiência do referendo escocês para um putativo referendo catalão. Este ganhou, logo à partida, uma legitimidade: a de ser concretizado, tal como foi em terras de sua majestade, terras igualmente de uma outra união, a europeia. O Sr. Seixas da Costa estará muito habilitado para desenvolver uma análise comparativa relativamente a esta questão.

Abraço.

José Ricardo

Anónimo disse...

Sean Connery, por exemplo, não foi autorizado a votar, por não habitar na Escócia! Embora seja escocês! Sendo Escocês, mas vivendo, actualmente, em NY, o Grande Actor foi impedido de votar!

pvnam disse...

É PRECISO DIZER NÃO AO NAZISMO-DEMOCRÁTICO E SIM AO SEPARATISMO!
.
.
Leia-se:
Ponto nº1:
- é preciso dizer NÃO àqueles que pretendem determinar/negar democraticamente o Direito à Sobrevivência de outros.
.
Ponto nº 2:
Todos diferentes, todos iguais!...
-> Isto é: TODAS as identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta!...
{nota: Inclusive as de 'baixo rendimento demográfico' (reprodutivo)!... Inclusive as economicamente pouco rentáveis!...}
-> Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
-> Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
Resumindo: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa!
.
.
.
P.S.1.
Nazismo não é o ser 'alto e louro', bla bla bla,... mas sim... a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!
[nota: para além dos hitlerianos, existem outros... um exemplo: os 'HOLOCAUSTERS' MAIS MASSIVOS DA HISTÓRIA (na América do Norte, na América do Sul, etc) são precisamente aqueles que buscaram/procuraram pretextos para negar o direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones... nomeadamente, e em particular,... aqueles que argumentam que a sobrevivência de Identidades Autóctones prejudica a economia]
.
P.S.2.
Separatismo-50-50.

Anónimo disse...

Sean Connery, escocês e nacionalista, contribuinte ativo - há imensos anos -, do partido independentista.

Anónimo disse...

A cambada "inteligente" da "corte" de lisboa entende que todos se têm que reger pela "sua" "democracia". Ou seja continuarem a mamar as tetas da "porca" do orçamento e deitarem migalhas para o resto do País. É a única "democracia" que conhecem. Têm muito mais razão para reenvindicar independência os RESIDENTES em Trás os Montes do que catalães, bascos, escoceses etc.
Por alguma razão, "corte", para nós , tem outro significado.
antonio pa

Isabel Seixas disse...

Permita-me Sr. Embaixador enquanto a minha tarte de legumes foi a gratinar, sorri com o comentário do antonio pa, excetuando o ter mais ou menos razão que pode ser relativo, não consigo ser insensível à menção dos Transmontanos aqui como representantes dos esquecidos...