quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Edouard Balladur (2)

O tempo (ou a preguiça) estival suscita mais a memória.

Ontem, falei por aqui de Edouard Balladur. Uma nota de JP Garcia fez-me recordar um episódio. Um dia, no início de 2012, o meu colega romeno em Paris, Bogdan Mazuru, havia-me convidado para um almoço com Edouard Balladour. Não havia nenhum motivo especial, tratava-se apenas da possibilidade proporcionada a uma meia dúzia de amigos para encontrar o antigo PM francês, ouvindo-o discorrer um pouco sobre a vida política do país, nas vésperas das eleições presidenciais. Estava-se ainda no tempo da presidência de Nicolas Sarkozy, de quem Balladur era próximo e, sabia-se, discreto conselheiro.

Na manhã do dia do almoço, a imprensa francesa surgiu carregada de fortes títulos, que faziam ressuscitar o escândalo que por lá se chama de "affaire Karachi". Trata-se de uma clássica acusação de que a campanha presidencial de Balladur, em 1994, teria sido financiada por dinheiros oriundos de um contrato de armamento com o Paquistão. O facto de Sarkozy ter estado no centro de direção dessa campanha tornava então o tema mais apelativo para a imprensa. As sombras em torno do nome de Balladur, por uma qualquer razão conjuntural que não posso precisar, voltavam a adensar-se e a sua honorabilidade política e pessoal - um "fond de commerce" que ele cuida obsessivamente em preservar - era fortemente posta em causa.

Lembro-me que entrei no Palais de Béhague, ali na rue de Saint Dominique (interlúdio gastronómico: não percam, no 129, o "Fontaine de Mars" e, no 79, neste caso apenas se lhes tiver saído o Euromilhões, o "Thoumieux", que este ano foi duplo-estrelado pelo guia Michelin), com a sensação de que iríamos ter um almoço sem o convidado principal. À subida dos esplendorosos mármores da escadaria da residência romena, esta minha opinião foi também partilhada por dois outros convivas. E mais se acentuou quando, com um copo de champanhe na mão, todos sentimos os minutos passar. Então o pobre do Balladur, depois de uma manhã de massacre mediático, repercutido por tudo quanto era rádio e televisões, podia lá dar-se à maçada de ir almoçar com um grupo de embaixadores cuscuvilheiros sobre a "petite politique" doméstica?!

Era não conhecer o personagem! Estávamos nós nesta íntima e partilhada interrogação quando, com aquele ar de aristocrata florentino do retratismo italiano, com impassibilidade snobe que lhe fez o estilo e lhe arruinou os votos, Edouard Balladur fez a sua entrada serena na magnífica biblioteca do Palais de Béhague (se conseguirem, tentem um dia visitar o espaço e, de caminho, peçam para ver o original teatro que a embaixada também comporta). Cumprimentou-nos a todos com aquele fácies um tanto sobranceiro que nunca o abandona, coroado por aquilo a que os britânicos chamam o "stiff upper lip", mas completamente à vontade, como se, para ele, esse início de dia tivesse sido igual a todos os outros.

O almoço acabou por ser muito interessante. Eu estava à direita de Balladur (era sinal que a minha antiguidade em Paris prenunciava a saída próxima...) e tenho na memória a apreciação serena, tanto quanto possível distanciada, com que nos falou de Sarkozy, dos conflitos deste com Villepin, das tricas dentro da UMP, da sobrevivência difícil de Fillon como PM, da debilidade de Borloo como "esperança" centrista, entre outros comentários. Tudo num tom de uma certa arrogância de quem fala já de um lugar na História, numa conversa às vezes acidulada mas sempre muito medida, com notas irónicas sobre Hollande e, em especial, sobre Martine Aubry. Lembro-me da leitura muito realista que fez das interrogações económicas europeias do momento e da forma hábil como, respondendo a uma questão mais aguda que lhe coloquei, me colocou de imediato "à defesa" com uma curiosidade sobre um qualquer aspeto da nossa debilidade económico-financeira nacional. 

Claro que a nenhum de nós passou pela cabeça interrogá-lo, durante o repasto, sobre as suas atribulações pessoais, ligadas ao "affaire Karachi". A diplomacia é também a arte de conseguir rondar os extremos da curiosidade sem ultrapassar as fronteiras do incómodo. E, assim, tudo acabou por se converter num belo almoço, informativo e formativo. No que me toca, não lhe falei do meu papel no "Le pouvoir ne se partage pas", de que ontem aqui falei. "Bien entendu"! 

ps - dedico este post ao meu querido amigo JP Garcia, responsável por muita da minha educação gustativa por mesas parisienses.

3 comentários:

EGR disse...

Senhor Embaixador : a parte final do post é ilustrativa da excelencia do seu desempenho como diplomata.
Isto partindo do princípio que fui dos que entenderam bem.

Anónimo disse...

Obrigado Francisco! Nos meus tempos de Paris, se no andar de cima do Thoumieux se comia por muito dinheiro, no andar de baixo as coisas eram mais em conta, embora em ambos os pisos nunca tivesse acho a culinária muito boa.

Quanto à Fontaine de Mars, onde de facto se come bem, deixou por uns tempos de se poder lá ir, uma vez que a família Obama resolveu fazer um dos seus repastos parisienses naquele bistrot e toda a gente a quis imitar.

Felizmente, há no bairro bons restaurantes para (quase) todas as bolsas, desde o Petit Troquet até ao Arpège de Passard com três estrelas no Michelin, passando pelo Chez les Anges, refúgio gastronómico de Jacques Delors, e a Esplanade, com comida de cadeia (de restaurantes) mas com "vistas" muito agradáveis.

Parabéns pelo seu guia de Paris no ponto.come! Concordo com quase tudo e farei um breve comentário logo que possível.

Anónimo disse...

Por lapso, o meu comentário anterior seguiu incompleto e sem ser assinado. Para os mesmos lados e para quem tiver (mesmo) muito dinheiro, há o Petrossian. O Il vino fica em frente (primeiro escolhe-se o vinho e eles recomendam a comida - bom mas com serviço lento).

Um abraço

JPGarcia

P.S. Eu também lhe fiquei a dever muito durante os tempos em que ambos estivemos em Paris. Gastronomicamente e não só.