segunda-feira, 16 de junho de 2014

O meu facciosismo

Ontem, dei comigo a pensar no que podem ser as nossas motivações íntimas, quando se trata de empatias. Os jogos de futebol entre equipas estrangeiras, face às quais não temos uma opção de simpatia natural e óbvia, é um bom exemplo.

Sentado num sofá, perante um Suíça - Equador, dei comigo a assumir uma neutralidade quase plena. O Equador é um país que me é simpático. Tenho vários conhecidos equatorianos, embora nunca por lá tivesse passado, com receio da pressão atmosférica de Quito. Jogando o Equador face à Suíça, e sendo potencialmente uma equipa mais fraca (e este critério é para mim fundamental) deveria gostar que ganhasse. Porém, eu aprecio a Suíça, aquela maneira relojoeira de combinar o rigor alemão com a desorganização latina do Ticino, com um toque francês à mistura. Por várias razões, conheço a Suíça como os dedos das minhas mãos, viajei por lá imenso. Mas o Equador, coitado, estava a jogar bem, mesmo se a Suíça subiu na segunda parte. O empate seria um resultado aceitável. No último minuto, a Suíça ganhou!

No França - Honduras, na lógica de apoiar o "underdog", a minha preferência começou a inclinar-se para a equipa centro-americana. Coitados! Face a um potência mundial, embora um pouco ciclotímica no futebol, uma vitória seria um alento moral. Mas, para ser justo, as Honduras não mereciam ganhar e a França, caramba!, é o país onde estão as minhas raízes culturais e tenho muitos amigos. Se bem que, às vezes, também mereçam umas lições e, lembrando-me de Platini, tive uma súbita pulsão pró-hondurenha. Mas aquela equipa anti-Le Pen, cheia de negros e árabes, era digna de uma vitória. Só que as Honduras não mereciam, de todo, ser humilhadas. E assim me "empatei" no jogo, até à vitória francesa.

Chegou o Argentina - Bósnia-Herzegovina. Nunca fui anti-argentino, como são todos os brasileiros. Tenho bons amigos locais, adoro Buenos Aires e, soberba e fanfarronice à parte, os argentinos criaram um país magnífico, servido embora por políticos geralmente da pior qualidade. E gosto muito do futebol de Messi. E a Bósnia-Herzegovina? Tenho uma imensa simpatia e conheço bem aquele complexo país, onde a tragédia histórica se acolheu com regularidade (e não sigo a graçola daquele amigo que dizia que "Bósnia" lhe soava a doença de pele, que se curava com três aplicações diárias de uma pomada com o nome de "Herzegovina"). A BH era, além disso, a equipa potencialmente mais fraca - e isso, como disse, costuma ser o fator de desequilíbrio dos meus sentimentos. Mas, com o decurso do jogo, o futebol argentino, ainda que sem deslumbrar, pareceu-me melhor - e eu também sou muito sensível a isso. Mas, c'os diabos!, vêm aqueles tipos de Serajevo, para o ambiente tórrido do Maracanã, para perderem face a quem muito já ganhou? E não jogam assim tão mal, embora pareçam cansados desde este primeiro jogo. A Argentina ganhou. É normal, mas eu gostei que os bósnios tivessem marcado, pelo menos, um golo.

Estão a ver? Não me consigo decidir! Valha-me a tarde de hoje, para poder tirar a barriga de misérias em matéria de saudável e patriótico facciosismo. 

11 comentários:

Anónimo disse...

A Suiça prepara-se para desencadear um referendo contra a emigração ainda mais radical que o precedente. Novembro próximo. A seguir.

patricio branco disse...

é assim mesmo, há as claras preferencias e as obscuras, entre italia e inglaterra por qual? no brasil croacia optei pelo pequenino frente ao gigante, david e golias, no argentina bosnia o mesmo, a argentina é um país que me é pouco simpatico, perons, evitas, regimes militares, populismos, ddhh, kirchnerianismos, pois apesar do tango e de borges gostava que a bosnia ganhasse, verdade que veio de tão longe!!
espanha foi demais, não merecia os 5, estava neutro entre as 2 mas tanto tambem não, a australia gostaria da ver ganhar, os paises emergentes do futebol, eua, japão, australia, devem ter as suas oportunidades, pois no de hoje não tenho duvidas, o que tenho é medos, interessante estes sentimentos feitos de varios factores, culturais, politicos, conhecimentos e vivencias pessoais, pequenos e grandes, simpaticos e antipaticos, é isso mesmo, ou como se diz na entrada sobre este tema neste blogue

Anónimo disse...

E a Bósnia não marcou um golo ? Ai, a idade...

JC

Anónimo disse...

caro embaixador

deve ter passado pelas brasas..
os bosnios marcaram um golo


cumprimentos

Defreitas disse...

Difícil, muito difícil de "julgar" um povo pela bitola do futebol. Excepto, como já escrevi, para deplorar que o futebol passe antes dos valores fundamentais para os quais deviam batalhar!
Mas a Suíça dos evadidos fiscais do mundo inteiro, do refúgio das fortunas dos ditadores , fortunas roubadas aos povos , a Suíça das fortunas que lá deixaram os pobres Judeus exterminados em Auschwitz , a Suíça do neutralismo oportuno cada vez que a Europa arde, da xenofobia prestes a fechar a porta àqueles que não lhe trazem dinheiro para os cofres mas procuram trabalho, esta Suíça... não posso "torcer" por ela!
E portanto, é verdade que é um belo pais! Sou vizinho, vou lá frequentemente, mas só para desfrutar das belas paisagens.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 15.19: eu vi. Exprimi-me mal. Já corrigi

patricio branco disse...

vamos a isto, e está a merckel, quem falta?
boa sorte e bom jogar à equipa...

Anónimo disse...

peço desculpa

mas nao consigo deixar de comentar estas coisas tao portuguesas. Neste momento, ao intervalo do jogo com a alemanha
o DN online titula

"Alemanha resolve o jogo em 45 minutos, Portugal arrisca sofrer goleada histórica"


pode tudo ser verdade, e a menos de milagre a alemanha ganhara e se calhar ate por muitos, mas nao ha anda de mais animador, de mais motivador para dizer?...

que gentinha que se diverte a ser paga para irritar a malta...


PS eu ate me lembro de um famoso 5-3 apesar de nao acreditar que isso se va passar.
o que me perturba é a ma fe ou a fraqueza perante a adversidade, do jornalista(?) que se divertiu a escreve-la,

se tivesse comigo num barco numa situacao dificil atirava-o ao mar...

(e que seguramente nao tera sido o certeiro FF leia-se a cronica de ontem/hoje "terror no grupo H")


cumprimentos

Anónimo disse...

oh tragedia oh patria mae
oh choro que se ouve por belem
o futuro é negro
o ceu vai cair
oh tristezas malditas
oh pesar infinito
oh dor de corno do vizinho
o mundo esta perdido
nao ha volta a dar
oh joaozinho
oh antoninho
oh jacinta
choremos a nossa perdicao
caminhemos cabisbaixos para o inferno
ooh tanta dor

o SM é todo um prazer
é bom a valer
so que o pessoal nao sabe
aprende com a idade... :)




Defreitas disse...

O Présidente Cavaco Silva não quis assistir ao Deuschland Úber Alles ....

Anónimo disse...

Faltam dez minutos para acabar o jogo, já lá vão quatro e faltou-nos como de costume o apoio do PM português para já não falar do PR. Terá sido cobardia perante a musa Merkel?
a) Jaime Graça