sábado, 17 de maio de 2014

Telefonema

Foi há minutos. Telefonema de uma amiga.
- Então hoje não pões nada no blogue?! Logo no dia em que alguns jornais falaram de ti?!
- Mas achas que escreva sobre o que publicaram?
- Claro! Seria estranho que não o fizesses...
- Mas para dizer o quê? Queres que diga que é mentira ou que pode ser verdade?
- Sei lá! Qualquer coisa! O que será estranho é que não fales do assunto...
- Estranho? Mas eu não tenho nada a ver com o facto daquilo ter surgido!
- Isso sei eu!
- Então achas que vou dar importância ao que diz um jornal?
- Um, não! Eu li em dois! Com fotografias e tudo!
- Ou isso! Dois. Nem que fossem três! Uma especulação não passa de uma especulação só porque é repetida.
- Mas é verdade ou não é?
- Se eu te disser que não é verdade, já sei que vais acreditar nos jornais, não é?
- Bem, de facto...
- Então não vale a pena eu escrever nada, não achas?
- Pronto! Já vi que não vais pôr nada no blogue!
- Vou.
- Ah! Bom! E o quê?
- Vou pôr esta nossa conversa.
- Livra-te!

18 comentários:

Anónimo disse...

O Senhor Ministro pode contar sempre cá com o Feliciano, isto é serviço garantido para todas as eventualidades, e para tudo o que for preciso! Quanto a Senhor Alcipe, já ninguém lhe liga, nem sequer como poeta, veja lá se o PUBLICO e o EXPRESSO se ocuparam sequer desse marau… Vá por mim, Senhor Ministro, comigo a costa é sempre segura! Respeitosos cumprimentos e tributos de admiração sublime

a) Feliciano da Mata, candidato a um postinho

Francisco Seixas da Costa disse...

Ó Feliciano! Serve-lhe um consuladozito honorário? Menongue, convém?

Um Jeito Manso disse...

Pois é, Embaixador, um dia destes lá teremos que passar a tratá-lo por Senhor Ministro.

Estava eu a comentar a notícia e desfiando a lista dos ministeriáveis, quando um dos meus interlocutores concluiu, 'Pois, não está mal. O pior é mesmo o chefe.'

Mas, enfim, não se pode ter tudo.

Uma coisa lhe digo eu: que a ser, que seja rápido, que não demore muito. Ou, como se costuma dizer, quando está para haver um parto: que a horinha seja pequenina.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro/a Um Jeito Manso: não acredite em tudo o que lê. É um conselho muito sincero, pode crer.

Defreitas disse...

Por vezes convém apanhar os electroes libres afim de utilizar a carga negativa para fins estratégicos!

Carlos Fonseca disse...

Como sempre me recusei a lamber botas, e agora é tarde para começar, não vou escrever o que penso. Porém, se por acaso o viesse a fazer, diria que era uma pena que um futuro primeiro-ministro não o convidasse para a pasta dos Negócios Estrangeiros.

Mas também seria uma pena - um desperdício mesmo - ser ministro de um Tó Zé qualquer, caso em que se compreende que declinasse qualquer eventual convite.

Anónimo disse...

Posso estar "Seguro" que não vou ver V. Exa numa "parceria ministerial" com Paulo Portas nas inevitáveis coligações que advirão? ou não?
Já que os vamos "esmifrar" eu não quero perder tudo! Terá dito Portas a Passos... Sinceramente não acredito que faça igual!
(Mas Vila Real não sai da moda. Pode ser que a próxima seja boa...)
antonio pa

patricio branco disse...

pois algo haverá, não há fumo sem fogo, o que se segue logo se verá...

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Patrício Branco: posso-lhe garantir que o que lhe parece fumo é apenas nevoeiro.

Portugalredecouvertes disse...

Eu também não tinha colocado nada no blog, mas ninguém me telefonou!
bom domingo para si
Angela

Anónimo disse...

Afinal, qual e o boato?

Aqui a Londres nao chegou fumo, nem nevoeiro e a curiosodade e grande...

Saudades de Londres

F. Crabtree

Anónimo disse...

Mas... e aquela "Senhora" ou "senhoras", não são também uns "pesos-pesados"... A ver vamos...

Guerra disse...

Viva sr. Embaixador,
Recorda-se? bem dizia eu que o fraque, ou labita, não sei, havia de voltar a uma cerimonia de posse é claro. Até propunha uma aposta
a um bolo de bacalhau na Luisinha do Lameirão, aposta essa que se aceitasse eu não contava perder. Mas pode crer que ficarei contente com o resultado que é, eu ganhar a aposta.

Cumprimentos cá da Bila

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Guerra: quer reforçar a aposta? Jantar no Chaxoila e eu escolho o vinho (tenho umas reservas especiais do Douro, quase esgotadas, para provar).

Anónimo disse...

A ver vamos como dizia o cego. É só esperar por 2015.

Paulo Abreu e Lima disse...

Senhor Embaixador, os seus "desmentidos", saberei lá porquê, fazem-me lembrar quando há dois anos garantia à mui Estimada Helena Sacadura Cabral que jamais faria outra coisa do que "desfrutar" (esta é à CR7) a sua condição de "aposentado" (detesto a palavra) à mercê da sua valiosa biblioteca.
Cumprimentos,
PAL

Guerra disse...

Viva Sr. Embaixador,
Só posso com uma aposta á minha medida. Mas mesmo sendo modesta, continua a estar em aberto e quero
ganhar.
Um jantar no Chaxoila até poderia ser negociável mas corremos o risco de as ditas garrafitas não estarem disponiveis na garrafeira e isso seria imperdoável.
Fico pela proposta inicial, se não se importa.
Cumprimentos cá da Bila

Anónimo disse...

Para um não politizado como eu, este texto demonstra a genialidade do escriba. Se foi criado do nada ainda é mais genial.