segunda-feira, 12 de maio de 2014

"Europa - trágica e magnífica"

É um livro cujo surgimento foi discreto, ligado a um dia da Europa - 9 de maio - que passou sem grande alarde. Trata-se de uma compilação de textos publicados pela jornalista Teresa de Sousa, ao longo de vários anos, no jornal "Público".
 
Teresa de Sousa, como já aqui tive oportunidade de referir, é uma das pessoas que, entre nós, melhor pensa as coisas internacionais e, muito em especial, que mantém sobre a vida europeia uma atenção particular, que a torna uma analista imperdível para quem se preocupa com o futuro do continente e do seu projeto de integração. 
 
Por isso, e sem qualquer reserva, recomendo muito a aquisição (é, além do mais, muito barato) deste seu interessante livro.

3 comentários:

Anónimo disse...

"Uma história exemplar da parolice nacional
>
>
> Estávamos em 1998, Fernando Gomes presidia à Câmara Municipal do
> Porto, Manuel Maria Carrilho reinava como ministro da Cultura e Manoel
> de Oliveira ia fazer 90 anos. Para aquelas almas profundamente
> imbuídas de paixões culturais nada melhor do que fazer erguer um
> monumento de betão – mas com pedigree cultural, pois o desenho seria
> de Souto Moura – com o pomposo nome de “Casa do Cinema”. Escolheram a
> melhor e mais refinada zona da cidade do Porto – a Foz, como não podia
> eixr de ser – e lá ergueram as paredes do que seria a futura
> residência do cineasta (seria ele um sem-abrigo desconhecido?) e, ao
> lado, as arrecadações para guardar o seu espólio.
> A obra levou uns anos a fazer – afinal Portugal nunca deixaou de
> ser Portugal – e, quando ficou pronta, a câmara não se entendeu com o
> cineasta. A lindas paredes ficaram ao abandono, ninguém parece ter
> estado muito incomodado, os anos passaram, tudo se foi degradando, e
> entretanto Manoel de Oliveira somou mais dez anos, tornou-se
> centenário, nunca achou que tivesse de mudar os tarecos para um casa"

Portugal no seu melhor !

Alexandre

Defreitas disse...

Ah, Caro Senhor Alexandre : Primeiro procurei a relação entre o livro do qual o Senhor Embaixador faz a promoção, talvez interessante, e a casa-monumento do grande cineasta Português Manuel de Oliveira.

Não encontrei! Depois , sim : O povo português é parolo, os seus dirigentes são parolos , a parolice é portuguesa! E Portugal encontra-se na Europa! Voilà ! A Europa está cheia de parolos ! Que vão votar dentro de dias para mudar um parolo português que por lá tem andado e feito nada ou ...muito mal , à cabeça da Europa! Veremos, mas uma coisa é certa: Qualquer que seja aquele que o va substituir, Luxemburguês ou Alemão, a Europa continuará o seu trágico caminho para a decadência. O "monumento" europeu apresenta tantos defeitos de construção, que não me admiraria nada que ele se desmoronasse um destes dias! Os arquitectos e os mestres de obras desapareceram, mas os financeiros de base continuam a pagar para que ao menos o esqueleto permaneça de pé para o gozo daqueles que lá moram!
Na realidade é uma espécie de cemitério que atrai muitos espertalhões que lá encontram matéria para "engordar"!

E pois que estamos na Europa, e me fala de monumentos em ruína, já agora, vou lhe dar uma informação: Recorda-se da Jugoslávia, esse pais posto em peças soltas hoje e que reagrupava a Eslovénia, a Croácia, a Bósnia-herzegovina, o Montenegro, a Sérvia e a Macedónia ? Durante os anos 60 e 70, o presidente Josip Tito ordenou a famosos arquitectos e escultores de erigir monumento comemorativo nos sítios importantes da segunda Guerra Mundial ou de campos de concentração. Durante anos estes monumentos atraíram milhões de visitantes nos anos 80 pelo seu lado "patriótico" social-democrata" e depois foram completamente abandonados. Visitei alguns. Tristes esqueletos de pedra e metal que parecem fantasmas na penumbra da noite.

Anónimo disse...

Só nos faltava a Teresa de Sousa! Quem tem paciência para a ler, além do autor do Blogue?