domingo, 11 de maio de 2014

Embaixadas

Há pouco, numa entrevista de rádio, Francisco José Viegas referia que "certos futebolistas brasileiros gostam de fazer embaixada". Pus-me a pensar se a esmagadora maioria dos ouvintes portugueses terá percebido o que isso significava.

No Brasil, o conceito de "embaixada" vai muito para além do de representação diplomática. Segundo o "Aurelião" (versão maior do fantástico dicionário de Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira), "embaixada" tem também o significado de "malabarismo ou demonstração de habilidade em que o jogador mantém o controle da bola, sem deixar que ela toque o chão". A "embaixada" (ou "embaixadinha", como é mais vulgar ouvir-se), deriva de se manter a bola "em baixo", sempre junto à perna e ao pé. É admitida e apreciada em treinos ou demonstrações mas, curiosamente, durante os jogos, um exagero na utilização dessa qualidade artística, de uma forma que possa ser vista como humilhante para o adversário direto, é considerada ofensiva e dá origem a fortes protestos da equipa adversária. Já assisti a cenas de violência por virtude de "embaixadinhas", ou seja, pelo facto do autor da proeza estar a ser visto como estando "a gozar o parceiro", como nós diríamos.

A língua portuguesa é muito rica nestas variantes vocabulares. A quem pretender ir um pouco mais longe na riqueza do léxico futebolístico usado do outro lado do Atlântico aconselho a dar uma vista de olhos aqui.

6 comentários:

Anónimo disse...

Embaixadinha é também uma boa ideia para qualificar as Embaixadas de Portugal, após o tratamento que lhes é dado por este governo, aliás com a ajuda de diplomatas revanchistas (os/as que não voltarão para elas por já não terem idade) ou masoquistas (os/as que se preparam para as ocupar).

Portugalredecouvertes disse...

esses contornos da língua portuguesa são uma delícia!
certamente útil para quem for ao mundial

patricio branco disse...

curioso este lexico futebolistico brasileiro, depois outros sectores acabam por se contagiar, pedem palavras emprestadas que se adaptam a outras realidades ou actividades, emprestam, cedem.
dificil perceber aqui a razão de ser chamada embaixada/inha essa forma de jogar, enfim, o termo lá está, como nasceu alguem saberá...

Anónimo disse...

Há coisas que não entendo: não foi esse senhor Secretário de Estado da Cultura depois de apoiar palmadisticamente a candidatura de Cavaco Silva? Se bem me lembro, vi-o, efusivo, no CCB. Não andem a enganar o pagode. O pagode já não é o mesmo de Vila Real ou do Pocinho. Terá sido o mesmo que, para sair, invocou problemas reais ou fictícios de saúde? Não façam dos outros parvos, os oportunistas. Já chega! Há gente da mesma geração que não se submeteu a isto, só para conseguir benesses. CHEGA! Se é seu amigo, se é simpático, se é escritor,se é dado à gastronomia, se é dado aos policiais, ... fique com ele. Não estou a provocar. Estou a olhar para o que, infelizmente, me rodeia. ASSIM VAI O MUNDO... Cinema Império, anos 60/70.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caramba, Anónimo das 16.02. Só porque citei o Viegas a falar de futebol tem de vir uma enxurrada ácida contra o homem?

rmg disse...


O seu a seu dono , caro Dr. Seixas da Costa .

Desta vez dou-lhe toda a razão no "Caramba" em diante ...

RuiMG