sexta-feira, 30 de maio de 2014

Diplomacias

Sob a experiente condução jornalística de Anabela Mota Ribeiro, o embaixador Marcello Mathias e eu próprio discutimos hoje, em seis páginas do "Jornal de Negócios", como vão as coisas pela Europa pós-eleições, bem como a situação portuguesa. Foi um exercício bem interessante, para o qual infelizmente, não há link.

4 comentários:

patricio branco disse...

pena não haver link...6 pp é obra...

Anónimo disse...

Notícias de um folhetim:
-D'Alema Alto Representante? Não. Renzi jamais deixaria! Bonino, que maltratou o português Director-Geral das Pescas é sempre uma carta fora do baralho.
-O governo polaco anuncia, pouco convictamente, que Sikorsi quer suceder a Ashton, mas que também aceitaria Energia ou Concorrência. A coisa começou mal.
- Lagarde tornou a ser ouvida no affaire Tapie no Tribunal em Paris na semana passada. Má sorte ter sido FMI.
- O FT noticia hoje que Blair desejaria ter um lugar para combater o populismo eurocéptico. Mas o desejo já de desvaneceu no passado.
-Van Rompuy "formador" poderia ser o denominador comum do cinzentismo capaz de acalmar os ânimos ingleses. Na presidência Van Rompuy, um amigo.
- A coisa está ruim para Moscovici que estava para ser Comissário. O ex PM Ayrault também quer. Gigou vai também ficar de fora.
- A imprensa dá ontem Barnier como possível e eu não acho nada impossível. Homem do aparelho, conhecedor da política regional e dos mercados, emanado da força mais votada, poderia ser uma solução óbvia, não tendo o risco de ambicionar tanto protagonismo como Blair.
-Schultz já meteu a vila no saco ao anunciar que pretende liderar o grupo socialista no PE...
A seguir os próximos rumores...

Isabel Seixas disse...

Refundar a Europa

Promete...

Anónimo disse...

A ler no Expresso, o texto de Henrique Raposo,":

"LePen e a esquerda reaça"

A realidade.

Alexandre