terça-feira, 22 de abril de 2014

O MFA e a NATO

Ontem, durante a intervenção que fiz no Congresso "A Revolução de Abril", contei uma pequena história ocorrida em agosto de 1974.

Eu era adjunto da Junta de Salvação Nacional. Pelo gabinete que partilhava com o então major (hoje general) Costa Neves, chefe de gabinete do membro da Junta, general Galvão de Melo, passavam muitos quadros superiores do MFA, vários elementos da sua Comissão Coordenadora, alguns membros militares do Conselho de Estado que então funcionava junto do presidente da República, general António de Spínola. Eram dias intensos, marcados pela emergência das primeiras grandes conflitualidades que atravessaram o MFA, com as diversas correntes militares a tomarem posições e a medirem forças, que haveriam de se tornar bem contrastantes no 28 de setembro.

Num desses dias desse primeiro "Verão quente", sentado à minha secretária, constatei que a questão da presença de Portugal na NATO era objeto de uma troca de impressões entre o José Manuel Costa Neves e outro elemento da "comissão coordenadora" do MFA, também da Força Aérea. Comentavam que um outro colega, do mesmo ramo militar, fora de opinião que a continuidade da presença de Portugal na NATO deveria merecer uma análise por parte da "coordenadora". Esse militar, pertencente a esse órgão, tinha anunciado a sua intenção de suscitar a questão numa próxima reunião. Ambos os meus interlocutores estavam preocupados com o impacto que tal iniciativa pudesse vir a ter. Perguntaram a minha opinião e eu dei-lhes toda a razão, elencando um conjunto de motivos pelos quais considerava, não apenas inoportuna mas mesmo altamente perigosa a abertura de uma discussão do tema, à luz dos nossos interesses estratégicos e da imagem que a Revolução portuguesa procurava projetar no exterior.

"Tu é que podias falar com ele", disse-me a certo passo o José Manuel Costa Neves. "Explica-lhe isso mesmo que agora nos disseste. Pode ser que o convenças!" 

Fiquei um pouco perplexo. De certo modo, era um atrevimento um aspirante a oficial miliciano, como eu era à época, ir arguir junto de um oficial superior, com fortes responsabilidades político-militares, as implicações geoestratégicas que entendia que uma questão daquela delicadeza poderia ter. Mas voluntariei-me para a tarefa.

O ambiente no seio do MFA era então muito diverso do que se pode imaginar. Eu, como muitos outros milicianos que por ali andavam, tinha grande à-vontade e tratava por tu grande parte dessas figuras cimeiras da Revolução que, acredite-se ou não, alimentavam um ambiente de grande simplicidade e camaradagem, de uma imensa informalidade, bem distante da rigidez dos quartéis de onde vínhamos. E assim se planeou uma conversa entre mim e esse oficial superior, logo para o dia seguinte. Recordo-me que ela teve lugar no gabinete que pertencia ao coronel Franco Charais, membro da "comissão coordenadora" do Exército, que estava ausente de Lisboa nesse dia. Recordo-me bem do local porque eu próprio viria a ocupar esse mesmo belo gabinete, revestido a azulejos, como subdiretor-geral das Comunidades Europeias, precisamente 20 anos mais tarde.

Já não me lembro bem de pormenores da conversa, mas ela terá espelhado o contraste entre um miliciano moderado e realista (eu que, então, estava longe de ser uma coisa ou outra, no plano político-militar...), que desenvolveu uma teoria favorável a equilíbrios geopolíticos que considerava importante preservar, perante um oficial que era membro da um órgão de grande influência e visibilidade política, que defendia uma postura de insensato radicalismo, próxima daquelas que só alguma extrema-esquerda proclamava pelas ruas e paredes do país. Uma das "peças" do meu argumentário terá sido decisiva para frear o fulgor extremado do militar: ele iria ficar praticamente isolado no seio da "coordenadora" e, a partir dessa sua tomada de posição, deixaria de ter a menor audição futura. Para além do facto dele ir atuar "sem rede", porque a sondagem que tínhamos feito, no âmbito da "coordenadora" do MFA na Força Aérea, era amplamente desfavorável à sua posição. Para o que agora interessa, o nosso homem nunca chegou a suscitar a questão e eu tinha feito o que me tinha sido solicitado, que, neste caso, coincidia precisamente com o que eu pensava.

Uma nota final. Esse militar, depois dessa deriva radical que ainda duraria alguns meses, viria a reverter por completo a sua atitude política e, após 1975, surgiria ligado, de uma forma quase limite, a algumas ações muito "complicadas", tendo desaparecido totalmente de cena.

3 comentários:

Anónimo disse...

imagino que seja aquele que eu outro dia vi a porta de um famoso hotel de lisboa...


Eduardo Saraiva disse...

Vou "roubar"

patricio branco disse...

i.e. depois da deriva revelou se tal como era, e a deriva anti nato teria sido talvez para inglês ver, para se armar em não alinhado ou o que fosse, e foi facil convencê lo portanto...