domingo, 20 de abril de 2014

Notre Europe

No próximo dia 30 de abril, moderarei em Paris um debate entre o antigo presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, e a deputada europeia portuguesa, Elisa Ferreira, sob o lema "Crise de la zone euro: les souverainités nationales è l'épreuve", inserida na Conferência internacional "L'Union Européenne: quels pouvoirs, quelle démocratie". 

Trata-se de uma iniciativa conjunta da Fondation Notre Europe e da Fundação Calouste Gulbenkian. A conferência contará, nomeadamente, com intervenções de Artur Santos Silva, do novo secretário de Estado dos Assuntos Europeus francês, Harlem Désir, do antigo deputado europeu Jean-Louis Bourlanges e do ministro adjunto português Miguel Poiares Maduro. Jacques Delors fará o discurso de encerramento da conferência.

1 comentário:

Defreitas disse...

Jean Claude-Trichet ? Creio que este "enarca" personifica o CV mais completo e o mais "caro" dos "enarcas" franceses. Antigo da ENA e de Sciences_Po, um dos redactores do Tratado de Maastricht, e dos seus famosos critérios , e do Euro, deixou um traço indelével na direcção do Crédit Lyonnais : uma perda de 130 mil milhões de francos e uma série de escândalos financeiros que levou à falência o maior banco francês. O maior escândalo da historia bancária francesa, do mesmo nível que o do Canal do Panamá !

Curiosamente, nunca se soube exactamente a causa dos incêndios que destruíram a sede do Crédit Lyonnais em Paris, a partir de incêndios separados, o que prova a origem criminosa e, sobretudo o dos arquivos do Havre nos quais se encontravam dossiers explosivos sobre os diversos escândalos financeiros do CL.

A historia deste funcionário demonstra bem a protecção de que beneficiam todos aqueles que pertencem ao mundo inacessível da finança. Apesar de todos os escândalos financeiros que marcaram a sua passagem pelo Credit Lyonnais, e dum processo judicial intentado por um ministro das finanças (da direita) da época, Jean Arthuis, isso não o impediu de obter postos importantes no quadro do "ratodromo" de Bruxelas !

Seria bom de não esquecer que este "enarca", quando patrão da BCE, foi o autor duma politica que nos custa hoje muito caro : conter a inflação a 2%, para salvaguardar a imagem do euro forte, mas com a consequência de ver a moeda única passar de 1,10 dólar em 2003, a quase 1,50 em 2007 , isto é , uma apreciação de 37 % ! Merci, Monsieur Trichet ! A inflação foi contida mas a competitividade e o crescimento explodiram em voo ! Estamos a pagar hoje as boas ideias do Senhor Trichet !

Mas ele vai repetir aquillo que diz desde hà anos : Tudo isso é a culpa dos governos que nao aplicaram o critério dos 3% ...

O moderador poderia talvez recordar a esse funcionário o seu erro de apreciação extraordinário que foi , em 2008, algumas semanas antes da falência de Lehman Brothers, e no momento em que a economia americana entrava em recessão e que o receio da mesma situação na Europa se fazia sentir, a BCE do Senhor Trichet decidiu de aumentar a taxa de juro. Não era lá muito inteligente de recear o perigo inflacionista quando a economia mundial se preparava a entrar na maior crise económica desde os anos 1930 !