sábado, 19 de abril de 2014

Assalto à embaixada

Não é vulgar, mas de quando em vez acontecem assaltos a representações diplomáticas. Raramente os crimes têm uma motivação política, sendo as mais das vezes meros roubos, idênticos aos que podem ocorrer em qualquer escritório.

Ontem, foi anunciado que a nossa embaixada em Tripoli, na Líbia, foi assaltada, tendo um vigilante sido ferido. A situação de forte instabilidade que afeta aquele país potencia este tipo de incidentes, revelando as dificuldades em que se processa o trabalho de alguns dos diplomatas que Portugal tem espalhados por esse mundo. Deixo aqui um abraço de "bon courage" para a Isabel Pedrosa, que chefia a nossa missão em Tripoli.

Um dia, em 1981, na Noruega, fui confrontado com uma situação insólita. Num sábado à tarde, passei pela chancelaria para "ver a cifra". Essa era uma prática corrente, nesse tempo: ir durante o fim de semana à zona das comunicações da embaixada, para verificar se acaso tinha chegado qualquer comunicação urgente de Lisboa. Hoje em dia, com o mundo dos emails, essa prática caiu em forte desuso.

A nossa chancelaria em Oslo é numa moradia (ver imagem), partilhada com dois outros escritórios. Subi a escada interior que levava ao primeiro andar e abri a porta de acesso à embaixada. Ainda não tinha dado um passo dentro do hall de entrada quando ouvi o que me pareceu ser um ruído de vozes, num tom muito baixo. Perguntei, em português, quem estava no escritório, não fosse dar-se o caso de algum funcionário ter decidido passar por lá nesse dia. Era uma hipótese pouco provável, mas era possível. Não obtive qualquer resposta, mas um novo "restolho" deixou-me a certeza de que andava por lá gente. Tive o bom senso de não me aventurar, porque não somos pagos para heroicidades patetas. Fechei a porta, desci as escadas e pedi a uma pessoa que vinha comigo no carro para ir avisar o embaixador, que vivia perto. Com outra pessoa, "montei guarda" à porta da moradia. 

Minutos depois, chamámos a polícia, que chegou rapidamente. Teve o cuidado em verificar bem a minha identidade, obtendo autorização para intervir, porque não queria poder ser responsabilizada por entrar numa missão diplomática estrangeira, à revelia da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas. A operação de entrada teve contornos "de filme". Minutos depois, constatou-se que os assaltantes - porque se tratava de um roubo - haviam saltado pelas traseiras para a neve, fugindo através de quintais vizinhos. Provavelmente, haviam-no feito ainda antes da chegada da polícia. Tinham assaltado também um dos outros escritórios. No nosso caso, o roubo foi ínfimo, talvez devido ao facto de eu os ter interrompido.

Muita graça teve a atitude do meu embaixador. Homem dado a teorias conspirativas, que via agentes secretos por todo o lado, alimentou por dias as mais bizarras teorias sobre as motivações do assalto, chegando a sugerir a implicação de funcionários da embaixada, bem como de familiares do pessoal. A "aventura" não teria tido um mínimo de piada se não fosse essa sua especulação obsessiva e quase delirante. Debalde me esforcei por demonstrar a escassez de interesse que alguém teria de roubar os nossos "segredos". Pois sim! Quem vive vidrado em temas de serviços secretos nunca está disponível para aceitar que as coisas, na maioria das vezes, são muito simples.

4 comentários:

opjj disse...

Peço desculpa, não reparei que tinha o programa sobre o evento no seu texto. Por vezes estou em vários sites ao mesmo tempo e passou.
Cumps.

São disse...

Só venho desejar -lhe e a que, lhe é importante , uma Páscoa de renovação!

As minhas cordiais saudações

Anónimo disse...

Em 1991 ? Oslo ?

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo da 01.11: tem toda a razão! Somei uma década... Obrigado pela nota!