terça-feira, 29 de abril de 2014

As praxes das jotas

Leio que o CDS, motivado pelo escandaloso caso ocorrido em Braga, estaria disponível para agravar o enquadramento legislativo das "praxes", indo agora bastante mais longe do que aquilo que, com o PSD, acordara há meses, depois do sórdido episódio do Meco.

Porém, a bancada laranja, que tão pressurosa se mostrou na submissão a referendo (!) da questão da co-adoção, parece recuar agora em colocar um travão mais nos desmandos dessa canalha que se delicia, numa vingança travestida de "acolhimento" dos novos alunos, em atos de humilhação e rebaixamento, em muitos casos sob o olhar, no mínimo complacente, das autoridades académicas.

Por que é que isto acontece, por que razão a maioria se divide neste tema? Ora, ora! Porque há duas ou três eleições à vista, porque as "jotas" (e o CDS, na matéria, ainda vai nos tempos do "táxi") temem perder votos nesse mercado estudantil, cada vez mais embrulhado de luto. E os socialistas, por onde andam neste tema? Firmes na condenação dessas práticas, ecoando aquilo que a Europa avançada já determinou a propósito dessa encapada reacionarice? Pois isso! 

Seria interessante, de facto, ver o nosso parlamento tomar uma posição, frontal e clara, que, de uma vez por todos, pusesse com dono as famigeradas "praxes". Talvez sugerindo que, em sua substituição, os estudantes aproveitassem o tempo para estudar. E, de passagem, que proibissem a obscena "sponsorização" das "queimas das fitas" pelas empresas de bebidas alcoólicas, que atulham os serviços de urgência hospitalares de comas alcoólicos. Há um défice de coragem e um superávite de interesses.

10 comentários:

Anónimo disse...

Boa malha!
Lourenço

opjj disse...

Há uns anos fui assistir ao corso estudantil em Coimbra.
Fiquei decepcionado ao ver beber tanto sem qq regra.
Desloquei-me para o terminus e vi que estavam várias ambulâncias esperando comas alcoólicos. Mais me impressionou ver algumas meninas nesse estado.
Perdi qq interesse em praxes.
CUMPS.

São disse...

Há décadas que defendo a proibição das praxes, mas creio que só serão tomadas atitudes sérias contra estes sórdidos comportamentos quando , por acaso, morrer alguém pertencente à família de um membro do Governo de turno ou do Presidente da República!

Que criaturas estamos formando quando umas se sentem no direito de humilhar e outras no de serem humilhadas?!

Boa semana

Anónimo disse...

Nem mais.Pois. Mas as cervejolas não têm representação na governite?!

Anónimo disse...

defice de coragem diz-se de outra maneira ca na minha terra...

e os jotinhas e os menininhos da praxe era frita-los em lume brando que é o que da vontade, mas bom...

tambem haveria que ver as ligacoes entre as alguns desses menininhos os de capa preta, os jotinhinhas e algumas associacoes de colunas e olhos
(o que digamos so mostra o terrivel estado dessas associacoes no nosso pais)


cumprimentos

patricio branco disse...

sim, o que temos aprendido sobre as praxes ultimamente é escandaloso e repugnante. é das praticas mais baixas que pode haver, disfarçadas de introdução à vida adulta (com mortes), adaptação à universidade, etc.
e a hipocrisia dos partidos é notoria nestes períodos pré eleitorais, tambem se revelam cada vez mais. o cds então parece outro partido nascido do nada com esta coligação. mas os outros, ps e psd,não ficam atrás.
bom texto, sem duvida

Maurício Barra disse...

Assino por baixo.

manuel pereira disse...

Andei em várias faculdades há 40 anos .Já nesse tempo considerávamos e dizíamos-lhes na cara.cretinos os que insistiam nessas práticas de praxes sempre boçais.Que tantos anos depois haja canalha que reincide nessas tradições abaixo de cão,leva-me a duvidar do Pª António Vieira: Há homens que têm memória mas não têm entendimento! Escumalha!

Rita Dias disse...

As praxes são o resultado que a jusante se produz quando a montante a educação é dada por pais ausentes (ou simplesmente alheados) e uma escola pública a definhar - aviltada até aos quarks pelas políticas do ME - na qual se não encontram disciplinas que ensinem ética e cidadania.

Quando os mais basilares direitos só se acautelam por via da tipificação penal, começamos todos a perder.

No que tange aos «jotas», o episódio da co-adopção demonstrou que estão demasiado ocupados a servir os propósitos da máquina partidária para pensar e/ou agir por si mesmos.

Albina Martinho disse...

A universidade é uma formação cientifica, cultural, tecnica e civica não se percebe esta complacência com a boçalidade , a humilhação encoberta hipocritamente pela integração dos caloiros no mundo académico, que integração? !
Todos têm sido coniventes: autoridades académicas, partidos, governos, enfim...que futuros governantes e elites vão sair deste submundo académico? Bom já vamos tendo uma ideia pelos actuais governantes alguns dos quais ja sao produto de jotinhas e pouca cultura.